História Best Mistake – Second Season - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Justin Bieber
Exibições 443
Palavras 2.334
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 11 - James


Fanfic / Fanfiction Best Mistake – Second Season - Capítulo 11 - James

Três Semanas E Dois Dias Depois...


Maya Larsson's Point Of View:

Os preparativos para o casamento estavam a todo vapor. Já tínhamos a data, a igreja e quase todo o resto decidido. Justin queria casar o mais rápido possível, e eu também.

Julianne trabalhava muito bem. Ela sempre procurava me mostrar as melhores opções. Pattie, Amber, Megan e Rebecca estavam sempre por perto, dando palpites e me dizendo o que escolher.

Justin estava trabalhando como nunca, mas sempre dava um jeito de passar algumas horas à sós comigo e James. Aliás, esses dois mal se desgrudam. Bieber carrega nosso filho para todo canto, exibindo com orgulho o pequenino.

Eu estava feliz. Finalmente estava tudo entrando nos eixos. Mas também estava preocupada. Phillip não tenta nada contra Justin a um bom tempo, e isso me faz pensar que ele pode tentar atacar a qualquer momento. Uma coisa que me deixou muito contente foi saber que Ashley foi embora a anos, sem dizer para onde, finalmente aceitando que Justin e ela não tinham mais nada. Outra coisa boa é que Emma Dallas nunca mais apareceu. Apesar de esses acontecimentos me deixarem feliz, também me deixam temerosa. Não posso nem pensar em um deles tentando fazer mal a Justin ou James.

Agora eu estava na sala de estar com Amber, Rebecca e Megan, esperando por Pattie. Hoje eu escolheria meu vestido de noiva e, cá entre nós, não estava aguentando de ansiedade.

Quando Pattie finalmente desceu, ficamos de pé. Ela sorriu de lado vindo até mim.

—Vamos? –Perguntei.–

—Não poderei ir. Jeremy precisa sair para resolver uns problemas e vou ter que ficar com as crianças pois dei folga à Louise.

—Eu queria tanto que você fosse...

—Eu também estava muito animada para ajudá-la nesta etapa. Bem, é melhor vocês irem ou vão se atrasar.

[...]

Chegamos no ateliê e fomos recebidos por Pietro, um estilista muito amigo de Pattie.

—Olá! –Disse sorridente dobrando as mangas de sua camisa social rosa bebê.– Vocês devem ser as meninas de quem Pattie falou. Sou Pietro!

—Sim. Sou Rebecca. Estas são Amber e Megan, e está é Maya, a noiva. –Rebecca nos apresentou. Quando ela disse meu nome, acenei e sorri.–

—OMG! –Pietro disse me fazendo girar.– Você é linda! Nunca pensei que fosse ser o criador do vestido de noiva da Barbie. –Ri.– Olhe, vou lhe confessar uma coisa: acho que esse vai ser o casório mais babado da face da Terra. –As meninas deram risada.– Vamos entrando, temos muitos vestidos para ver.

Olhei ao redor e sorri largo. Eu estava no céu dos vestidos de noiva. Qualquer mulher enlouqueceria facilmente ao ver vestidos com tamanha beleza.

—Então...finalmente estou conhecendo a mulher que domou o coração do filho rebelde da minha amiga. Devo dizer que você fez um excelente trabalho. –Sorriu.– Você é uma tremenda deusa, e Justin... –Suapirou.– Ah, Justin é a primeira maravilha do mundo. Como eu gostaria que ele fosse do outro lado do vale...

—Outro lado do vale? –Megan perguntou confusa. Ri.–

—O vale dos homossexuais, bobinha. Infelizmente, aquele lá é um tremendo hétero e, cá entre nós, é uma felicidade e tanto para as mulheres. Mas agora, ele é todinho seu e... Santo Deus! Imagino que beleza será o filho de vocês.

—Já temos um filho. –Falei.– Se chama James e tem três anos.

—Oh, jura? Essa criança deve ser um encanto.

—E é! James é a cara do pai.

—Felizmente não é mal-educado feito Justin. –Rebecca disse.–

—Não fale assim do meu noivo.

—Bem, vamos deixar as fofocas para depois, meninas. Agora vamos aos vestidos.

[...]

Passei horas provando vestidos. Amber, Rebecca e Megan queriam me fazer escolher um vestido pomposo demais, completamente o oposto do que eu queria. Após um longo tempo discutindo sobre vestidos elegantes de noiva, Pietro foi buscar um vestido que, segundo ele, era seu predileto. Era sua mais nova criação, o típico vestido dos sonhos. Eu imediatamente fiquei fascinada pelo vestido, e acabei o escolhendo. Não sei se existe uma palavra que descreva exatamente a reação de Pietro. Ele ficou tão feliz. Eu fiquei tão feliz. Sei que poderia rodar o mundo inteiro em busca de um vestido, mas nunca encontraria um tão bonito. Era o vestido perfeito.

Chegamos em casa e contamos como foi no ateliê à Pattie. À noite, Amber e Rebecca foram embora. Megan foi para o quarto, afinal, ela estava morando conosco na casa de Justin. Nesses últimos dias tenho ficado estressada demais. Estou muito ansiosa para o casamento, e atarefada demais com todos os preparativos. Queremos nos casar sem demora, já esperamos tempo demais.

Eu realmente tinha bastante tempo livre naquela casa. Embora a mansão fosse habitada por muitos, eu passava a maior parte do tempo sozinha.

Tomei um banho relaxante de banheira e desci. Justin não havia chegado em casa. Nem mesmo uma mensagem ele foi capaz de me mandar. Estava irritada, então decidi ir à cozinha e abrir uma garrafa de vinho.

—Hey, o que faz aqui sozinha? –Olhei para trás dando de cara com Megan. A morena pegou uma taça e se juntou à mim.–

—Esperando Justin. –Dei um suspiro.– É só isso que tenho feito de uns dias para cá.

—Que tal ligar para ele?

—Já fiz isso...tipo um milhão de vezes. –Bufei.– Ele não me atende. Nem mesmo retorna minhas ligações. Parece que gosta de me ver assim: aflita. Aquele desgraçado...filho de uma puta... Maldito!

—Vocês são tão...intensos.

—Falando de mim? –A voz rouca de Justin ecoou fazendo-me virar para a entrada da cozinha.–

Ele veio até mim e tirou a taça da minha mão, jogando a bebida no ralo.

—Você devia cuidar para que ela não beba. –Falou sério encarando Megan.–

—Não sou mãe de ninguém. Maya é dona do próprio nariz, sabe o que faz. Não vou ditar o que ela deve ou não fazer.

—Não gosto de você! –Ele disse, como uma criança mimada e respondona.–

—Posso conviver com isso. –Megan rebateu.–

Abri um sorriso. Ela e Rebecca são tão parecidas...

—Ryan está na sala esperando por você. Vá trepar um pouco e pare de me encher.

Megan rolou os olhos mas saiu sem negar sua ansiedade. Desde que viemos para cá, ela e Ryan têm se entendido muito bem.

Justin se sentou em uma banqueta ao meu lado e segurou minha mão, entrelaçando nossos dedos. Fiquei em silêncio, observando meu homem bonito encarando nossas mãos unidas com toda concentração do mundo. Seus olhos brilhantes estavam atentos e seus lábios formavam um biquinho lindo.

—Você é tão bonito... E fica fofo demais com esse biquinho. –Falei baixo.–

—Sou muito feliz por ter você. –Disse ele com um sorrisinho.– Estou muito ansioso para o dia do nosso casamento.

—Eu também! –Admiti.–

—Já cuidei de tudo para a nossa lua de mel. É surpresa e...você vai amar!

—E James?

—Vai ficar com Chaz e Rebecca.

—Por que será que sinto que isso não vai dar certo?

—Porque eles são irresponsáveis, talvez. Mas, nós também somos. Transamos sem camisinha, tivemos um filho... Agora vamos nos casar. –Me selou.– Estou cansado! Tive um dia longo. –Suspirou. Me sentei em seu colo.– Eu poderia dormir um século inteiro e não reclamaria. –Ri beijando seu pescoço.–

Justin sempre cuidava de mim. Hoje era ele quem precisava de cuidados. Tão cansado, sobrecarregado... Era minha vez de retribuir todo aquele cuidado. Era minha vez de cuidar do meu noivo, de fazê-lo relaxar.

—Que tal ficar aqui e tomar um vinho enquanto eu preparo uma macarronada para você? –Indaguei mordendo o lóbulo de sua orelha. Justin gemeu baixinho.– Depois de jantar subiremos para nossa suíte. Vou preparar a banheira e você vai tomar um banho relaxante. Então vou te fazer uma massagem deliciosa e vamos fazer amor. –Ele sorriu enquanto eu mordiscava seu lábio inferior.–

—Ótima ideia!

[...]

Terminei de preparar a macarronada depois de certo tempo. Estava ainda mais estressada. Justin sabia cozinhar muito bem e ficava dando palpites, dizendo como eu devia fazer o jantar. Aquilo me irritava profundamente.

Enquanto comíamos, trocamos carícias e conversamos sobre nosso dia.

Depois fomos para o quarto, e como o prometido, preparei o banho de Justin. Enquanto ele se deliciava com a água quente, preparei a cama para nós. Tirei a roupa ficando apenas de lingerie e não ne importei em prender meus cabelos.

Não demorou muito para que Bieber saísse do banheiro com uma toalha na cintura e o cabelo molhado. Ele se deitou relaxado afundando o rosto no travesseiro branco. Me sentei sobre ele e despejei um pouco de um dos meus óleos corporais em suas costas, começando a massagear aquela região. Ele suspirava em aprovação e eu sorria. Estava fazendo um bom trabalho.

Após certo tempo, saí de cima dele para que ele se virasse barriga para cima. Sentei sobre seu membro coberto pela toalha e fingi não me importar com a ereção crescente. Despejei mais óleo em seu corpo e comecei a massagear seu peitoral e seu abdômen. Seus olhos estavam fechados e seus lábios estavam entreabertos. Rebolei devagar em seu colo, fazendo-o gemer com a voz rouca.

—Maya... –Murmurou.–

—Sim? –Perguntei em um tom de inocência.–

—Estou cansado demais, mas não vou me importar em ficar acordado fodendo você.

—Sei disso. –Sussurrei me abaixando para beijá-lo.–

Justin agarrou minha cintura com firmeza e arrastou meu corpo pelo seu, fazendo minha intimidade coberta pela calcinha roçar em seu pênis duro feiro pedra, coberto pela toalha. Gemi em sua boca enquanto arrancava a toalha de seu corpo e rebolava um pouco mais. Ele girou na cama, ficando por cima e começando a baijar meu pescoço.

—Essa era sua intenção desde o início, não é?

—Oh, sim! Com certeza, sim.

—Safada... –Sussurrou afastando minha calcinha e me penetrando com dois dedos.–

Gemi um pouco mais alto enquanto seus dedos entravam e saíam de mim com uma facilidade surpreendente. Apertei seus braços com força e mordi meu lábio tentando inutilmente conter meus gemidos.

Eu estava quase lá quando ouvi o choro de James no corredor. Meu orgasmo retrocedeu e eu quis correr até o meu pequenino, mas Justin parecia não se importar.

—Justin... Pare com isso! James está chorando.

—E daí? –Disse parando de mover seus dedos.–

—Preciso ver o que ele quer.

—Ele quer atrapalhar. Qual é, Maya, o moleque tá chorando, é só isso. Você não pode correr até lá e fazer todas as vontades dele, transformando-o em um menino mimado. Não vou criar um mauricinho!

—Ele tem apenas três anos.

—E se você atender a todos os caprichos dele, logo ele terá trinta e estará vivendo sob o mesmo teto que nós, empatando outra foda. –Ri.–

—Pare com isso, Jus!

—Eu estava quieto no meu canto, você que propôs tudo isso. Não me peça para parar quando estou com o pau duro, pronto para meter em você. –Disse insinuando o quadril contra o meu.–

—Amor, só preciso de cinco minutos. Ele está chorando.

—Ignore! Você vai gemer tão alto que nem vai ouvir o choro dele.

—Cinco minutos, senhor Bieber. –Selei nossos lábios e rolei para o lado.–

Justin caiu na cama frustrado e eu ri vestindo sua camiseta. Abri a porta e saí do quarto encontrando meu filho no meio do corredor.

—Amor, o que foi? –Perguntei pegando-o no colo.–

—Mamã... –Abraçou meu pescoço.– Tia Megan tá fazendo barulho e me acordou.

—Vou resolver isso!

Fui até o quarto de Megan e dei algumas batidas. O tal barulho que Jason mencionou eram gemidos. Ela demorou para abrir, mas assim que apareceu na porta, sorriu com os cabelos desgrenhados tentando esconder sua nudez. Ryan apareceu atrás dela e sorriu para mim.

—Oi, Maya! –Disse ele.–

—Oi, Ryan! Ahm...vocês podem fazer menos barulho? O James dorme no quarto ao lado e...bem, vocês o acordaram. –Falei meio constrangida.–

—Desculpe. –Ryan murmurou risonho.– Já acabamos por hoje. Pode pôr o moleque na cama.

—Obrigada!

Levei James até seu quarto e o coloquei na cama.

—Mamã, dorme aqui. –Pediu.–

—Não posso, amorzinho. Seu pai precisa de mim.

—Para que? –Indagou curioso enquanto eu o cobria.–

—Coisa de adulto. –Dei de ombros.–

—Eu quero dormir com você.

—Meu bem, escute: seu pai ficou muito tempo longe da mamãe. Agora nós queremos ficar bem juntinhos, entende? –Ele assentiu.–

—Cuide do papai, mamã.

—Vou cuidar! –Garanti sorrindo.–

Voltei para o meu quarto e tranquei a porta sem fazer barulho algum. Justin estava com os braços atrás da cabeça e os olhos fechados. O volume sob a toalha era evidente.

—Você demorou. –Reclamou, ainda de olhos fechados.–

—Não demorei, não! –Ele abriu os olhos e me encarou. Sorri de lado.– Você precisa aprender a ser mais paciente, senhor Bieber. –Disse com um tom sedutor enquanto tirava a blusa.–

Joguei a peça de roupa em um canto qualquer e caminhei lentamente até a cama. Passei a mão por sua coxa levantando a toalha e mordi a parte interna, bem perto do seu saco. Ele gemeu baixo.

—Hoje eu controlo, okay? Você só precisa relaxar. –Ele assentiu com a cabeça.–

Seus olhos estavam mais escuros, repletos de luxúria. Seu maxilar estava travado e seu cabelo desgrenhado.

Tirei a toalha do seu corpo, jogando-a no chão. Levei as mãos às costas e abri o fecho do meu sutiã, tirando-o e jogando-o no chão. Bieber sorriu sacana com os olhos fixos nos meus seios. Tirei a calcinha e joguei-a em qualquer canto.

Me sentei sobre Justin devagar, sentindo seu pênis entrar em mim lenta e deliciosamente. Fechei os olhos deixando um gemido alto escapar quando ele entrou por completo. Justin sussurrava palavrões e brincava com meus seios enquanto eu cavalgava sobre ele.

Meu corpo subia e descia, fazendo seu membro deslizar para dentro e para fora, deixando-me em êxtase.

Abri os olhos vendo Justin de olhos fechados e lábios entreabertos. Eu continuava rebolando, agora com rapidez.

Depois de certo tempo, gozamos juntos. Caí exausta sobre o corpo de Justin. Ele me abraçou e ficamos em silêncio, esperando nossas respirações se ajustarem.

Conversamos um pouco e não demorou muito para que eu pegasse no sono.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...