História Between Right and Wrong - hybrid - (larry stylinson) - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Zayn Malik
Exibições 30
Palavras 1.009
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Pansexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oii! Bem, esse é o primeiro capítulo da fic e eu estou bem nervosa quanto a ela.

* A fic não é A/B/O e não tem nada relacionado a isso.

* Não conterá Mpreg.

* Conterá incesto. Então se você não gosta desse tipo de conteúdo, não leia, ou melhor, dê uma chance para BRAW? ;)

Esse capítulo inicial e para vocês, leitores entenderem um pouco o Louis e os sentimentos dele quanto ao harry, espero que esteja bom.

Essa fic também será posta no Wattoad mas inicialmente ela será disponibilizada aqui.

Obrigada por se interessar, uma boa leitura e eu espero que gostem.

Qualquer erro me avisem!

Capítulo 1 - Prólogo.


Fanfic / Fanfiction Between Right and Wrong - hybrid - (larry stylinson) - Capítulo 1 - Prólogo.

“Esse tal amor fraterno acontece, geralmente, entre irmão, sejam eles de sangue ou não. É um sentimento de afeto que liga as pessoas e valoriza a confiança mútua.”

Eu, Louis Tomlinson sempre fui uma criança muito ativa, desde os meus primeiros passos e palavras. Sempre gostei de correr, falar, questionar, aprontar, brincar com as crianças da vizinhança, com tios, avós, enfim, tudo que envolvesse estar perto das pessoas me atraia. Mas apesar de todo o meu círculo social e familiar ser repleto de quem eu amava, eu me sentia solitário em determinados momentos, mesmo nunca estando sozinho.

Estar rodeado por pessoas nunca foi problema para mim. Ser o centro das atenções, muito menos. Eu acho legal ser o palhaço, aquele que faz os outros rirem, que faz todos sorrirem, que faz os outros se sentirem felizes. Mas lá no fundo eu sempre soube que tudo isso era apenas para mascarar a falta que eu sentia de algo... ou alguém.

Por isso, o que muitos não sabiam sobre mim é que às vezes eu chorava a noite, antes de dormir. Eu via as crianças na escola indo embora com os seus irmãos e irmãs, e eu me perguntava por que não podia ter um também, pois eu achava lindo o jeito que se tratavam.

Eu queria ter alguém para conversar até tarde da noite, alguém pra ver desenhos comigo, alguém para pular comigo na chuva, me ajudar com bonecos de neve, pra dividir os biscoitos da mamãe, alguém pra ensinar os nomes de todos os superheróis, fazer tudo que os irmãos faziam. Não era pedir muito, era?

E às vezes, mesmo muito jovem e pequeno, eu me perguntava por que sentia falta de alguém que eu nunca conheci, alguém que nunca nasceu, alguém que até mesmo nunca chegou a existir na minha vida. No entanto, apesar de tudo, eu sabia que caso tivesse esse alguém, eu o amaria incondicionalmente, e que eu protegeria com a minha própria vida. 

Por isso, quando tinha quatro anos, perguntei a minha mãe se ela me daria um irmão algum dia, ela disse que não da forma mais carinhosa e compreensível possível. Eu fiquei arrasado na época. Eu não merecia, afinal?

Na semana seguinte, meus pais me deram um bichinho de estimação, achando que ele me faria esquecer o meu desejo. Funcionou por um tempo, mas Jim, o hamster, não gostava de biscoitos, de neve e nem de superheróis. Dormia a maior parte do dia e ficava andando na roda verde da sua casinha. Ele infelizmente morreu no ano seguinte, por motivos que eu ainda não sei, e isso havia me deixado triste, novamente. Mesmo quando vivo, Jim não conseguia suprir o vaizio que eu sentia, por que o lugar vago que jazia no meu peito só podia ser preenchido por outra pessoa, eu sabia disso e, os meus pais também.

    Mas bem, nem com tudo isso eu demonstrei qualquer fragmento de tristeza, sentia que aquilo era apenas meu, minha dor, e eu não via motivos para deixar os outros verem. E Johannah pareceu sentir o que eu sentia. Ela me conhecia melhor do que ninguém, como conhece até hoje.

Poucas semanas antes do meu aniversário de seis anos, um ano após a partida de Jim, mamãe e papai foram ao meu quarto antes de eu dormir em uma determinada noite. Eles me contaram uma história, falaram de um garotinho especial que conheceram. Me contaram que, o tal garotinho não tinha pais, e assim como eu, não tinha irmãos também. Me lembro de ouvir que o garotinho morava numa casa grande, com muitas crianças assim como ele, mas que ao mesmo tempo eram diferentes, e esse era o motivo de ele ser único.

Quando soube que eu iria conhecê-lo, fiquei bastante contente, e quando mamãe disse que ele moraria conosco, aquilo me deixou eufórico. Afinal, eu estava ganhando um irmãozinho? Sim, estava. E eu não poderia estar mais feliz! Aquele foi o dia na qual eu nunca vou esquecer, não importa quantos tempo passe.

Mas um fato que eu não poderia prever é que a chegada de Harry mudaria complemente a minha vida, em muitos sentidos. E essa é a minha história antes de conhecê-lo. O garoto na qual eu me apaixonei no momento em que coloquei os olhos. Pimeiro me apaixonei por ele como irmão, mesmo antes de conhecê-lo, depois o amei como admirador, e em seguida como amante. Mesmo sabendo que jamais poderia tê-lo como desejava.

E Harry é a razão pela qual eu tento ser melhor a cada dia. O seu sorriso de covinhas capaz de encantar a todos, é o mesmo que faz o meu coração disprara a cada vez que ele as exibe em suas bochechas que coram facilmente. Os olhos verdes, brilhantes que refletem a bondade da sua alma, são os mesmo que me fazem adorá-lo quando mostram quem ele é. A pele alva que tem o seu perfume é a mesma que o faz ter a minha fragrância preferida. E os lábios rosados são os mesmos que fazem os meus pensamentos viajarem para longe de tudo.

Eu não poderia esquecer do mais importante. Aquilo que o torna especial. Suas orelhas de gatinho que enfeitam a sua cabeça, no meio do emaranhado de cabelos cacheados cor chocolate que o deixam encantadoramente lindo são só um pequeno detalhe. E o seus rabinho fleupudo, que gosta de me fazer de bobo, outro. Mas isso não é tudo. Harry quando feliz, consegue se transformar em um gatinho adorável. Fofinho, branquinho, e peludo.

Quando esta com frio, e se transforma para dormir junto a mim. Quando está curioso e entra em lugares estranhos. Quando está entediado, arranha os móveis da mamãe. E quando está com preguiça, dorme em cima dos moveis. Tudo isso, todas as pequenas coisas que o compõem o torna ser único. Meu garotinho especial.

Agora você conhece é a outra história. A história depois dele. Na qual eu sou perdidamente apaixonado pelo meu irmão mais novo. A história que conta por que eu amo o meu irmão, meu menino gatinho.


Notas Finais


Meu user no Wattpad é @LarryRaconteur caso vocês também queiram me encontar lá.

Próximo capítulo só sairá depois do ENEM, me desculpem?

Eu espero que tenham gostado e eu vejo vocês na próxima. 💚💙

Thank You! All The Love Always.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...