História Beyond The Stars - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Beyondthestars, Hentai, Naruto, Sasusaku, Space
Exibições 118
Palavras 3.191
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Ecchi, Ficção Científica, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Yo moranguinhos!
Gente eu sei que estou muito atrasada, prometi que votaria na semana seguinte e sumi. E também não vou poder cumprir minha promessa de postar dois capítulos de uma vez, sabem por quê? Porque eu tive o azar de deixar meu notbook cair e ele estragoou... Cara, eu estou devastada, isso atrapalhou muito a minha vida, meu TCC.... E acabei perdendo o que já tinha escrito do terceiro capítulo da fic. Só não perdi esse porque tava salvo no onedrive, mas como é muito ruim escrever por lá, eu sempre faço no word e vou salvando, só que não deu tempo de fazer isso com o 3º.
Decidi postar esse agora para não atrasar mais, já que não sei quando vou conseguir consertar meu not e vou demorar para reescrever tudo novamente.
O epílogo de AGC também estava salvo no onedrive, então não se preocupem que falta pouco para ficar pronto e logo postarei.
Me desculpem mais uma vez pela demora.

Boa leitura! ;*

Capítulo 2 - Capítulo 2


Fanfic / Fanfiction Beyond The Stars - Capítulo 2 - Capítulo 2

O banho de vapor durava apenas dois minutos e logo ela já estava fora do compartimento de limpeza, andando por sua cabine em busca de algo confortável para vestir. Sim, os banhos eram a vapor, desenvolvidos com uma substancia que removia todas as impurezas da pele sem precisar de enxágue. Um dos motivos pelos quais a raça humana deixou a Terra e se aventurou pelo espaço foi a escassez de água no planeta e no espaço sideral, a situação não era muito diferente. Este era um item raro e extremamente caro, por isso, usado apenas para questões de sobrevivência, como matar a sede. Há muitos anos atrás a Terra se tornou um local inapto para a sobrevivência da maioria, por causa da falta de água não havia mais árvores para fazerem fotossíntese e liberar oxigênio, o ar se tornou tóxico e mortal, o solo era árido e impossível de se plantar ou produzir algo, os níveis de radiação ultravioleta eram altíssimos graças aos danos na camada de ozônio que praticamente não já existia mais, animais também não sobreviviam no lugar, apenas alguns seres que se denominam resistentes nômades permanecem lutando para viver por lá, o que era uma tremenda loucura na opinião de Sakura. Ela não chegou a conhecer o lugar de origem de seus ancestrais, mas por curiosidade já havia feito pesquisas sobre o planeta que um dia fora conhecido como “planeta azul” e hoje era apenas uma esfera cinza e apagada vista de longe. Nasceu em uma das Luas de Vênus e depois disso viveu viajando com seus pais pelo espaço fazendo comércio, até seus cinco anos de idade, quando sua mãe morreu acometida por uma doença desconhecida. No espaço ainda haviam muitas coisas desconhecidas e as doenças eram uma delas, seu pai buscou desesperadamente por uma cura e gastou todas as economias que tinham, mas não foi o bastante, sua mãe faleceu e ele ficou afundado em dívidas. Acabou se tornando um contrabandista para pagar o que devia e se tornou um homem frio depois de perder a mulher que amava, quando percebeu que era muito arriscado ter sua pequena rosadinha, como ela a chamava, junto de si ele a levou para morar com sua irmã Tsunade em Saturno e nunca mais voltou para vê-la. Por treze anos Sakura se sentiu abandonada por ele e o odiou por isso, mas quando recebeu seu holograma e concordou em vê-lo percebeu o porquê dele não ter ido até ela, foi para protegê-la. O mundo em que Kizashi vivia era traiçoeiro e perigoso, hoje ela sabia muito bem disso e era grata a seu pai por tê-la mantido longe disso enquanto pode, no final das contas, ele a deixou porque a amava.   

Vestiu uma camiseta regata branca, calça e suas botas e saiu da cabine. Pretendia ir até a cabine de controle verificar se todo corria bem quando Pix a interceptou pelo caminho. 

_ O convidado está exigindo ser solto das algemas. – disse o robozinho. _ Dom disse que ele é um dos nossos, então porque está preso? 

Sakura queria se espancar até aprender a não fazer as coisas por impulso. Se não fosse por isso, não entraria em situações complicadas como essa. Uma das coisas que ela achava adorável em seus robozinhos e mesmo no gigante Dom, era sua ingenuidade, eles não eram capazes de perceber o quanto alguém poderia ser perigoso e traiçoeiro. 

_ Ele pode ser perigoso, e não, não vamos soltá-lo, por enquanto. Você o alimentou? 

_ Sim, Sakura. – Pix a observava, seus olhinhos azuis luminosos a amoleciam. 

Ela entrou na sala de controle e ele a acompanhou. _ Vá se recarregar um pouco Bell, eu assumirei o controle.  Quero ter certeza de que os piratas não nos seguiram. - achava que eles demorariam um certo tempo para reparar os danos que causou com sua desacoplagem forçada, mas não podia confiar demais. 

_ Entendido. – o dróide laranja se retirou e ela se sentou no acento do piloto. 

_ Não faz sentido eles nos seguirem. Seria ilógico. – disse Pix. 

_ Eles são pessoas, não computadores e a lógica ás vezes não significada nada para eles, Pix. Seres humanos se movem muito mais por emoção do que pela razão e eles pareciam querer muito ficar com aquele cara. Algumas pessoas ficam muito irritadas quando se rouba algo delas. – O robozinho azul pareceu entender. 

_ Posso levar o convidado para sua cabine? 

_ O quê? Por quê? – a pergunta a surpreendeu. _ Eu disse para você ajustar a temperatura do compartimento de carga, se tiver feito isso ele está confortável lá, já que ele não estava totalmente vestido. – A imagem do tronco nu do homem voltou a sua mente, todos aqueles músculos tão definidos, seu rosto se aqueceu e ela sabia que estava corando. Afastou esses pensamentos errados para longe, era a última coisa em que devia pensar. _ Se ele ainda estiver com frio, ajuste a temperatura novamente. 

_ A temperatura foi ajustada e minhas leituras de seus sinais vitais não indicam que ele esteja com frio. – disse roboticamente. 

_ Então não há motivos para removê-lo de lá, oras. 

_ Mas você tem uma cama e pessoas domem nelas. Ele não é uma pessoa real? 

Sakura mordeu o lábio e observou o robozinho. Ás vezes ensinar algo a eles era como lidar com crianças. Como explicar a Pix que ela não podia dormir na mesma cama que um homem que mal conhecia e que estava acorrentado, desejando mais que tudo se soltar? E dividir uma cama com um homem como ele... _ ”Não, nem pense nisso.” Repreendeu a si mesma, por ter cogitado gostar da situação. 

_ Sim, ele é real, mas tem que ficar onde está. E pessoas reais não dividem uma cama a menos que sejam um casal, coisa que não somos. Ele vai ter que se contentar onde está, até chegarmos á estação Sky Fall.  

Pix continuava a observando em silêncio. 

_ Que foi? 

_ Estava analisando seus sinais vitais, para saber se está doente. 

_ Não estou. Eu pareço doente?  

_ Você está menos falante desde que escapamos da nave pirata. – até seus dróides a consideravam tagarela? Que trágico. 

_ Você estava cuidando do nosso convidado. Não é que eu não queira conversar com você, mas eu estava evitando ir ao compartimento de carga. 

_ Por quê? – Boa pergunta, ela também não sabia o motivo. _ Você finalmente tem uma pessoa real a bordo para conversar, mas você está o evitando. Pela lógica deveria gastar todo o tempo possível conversando com ele. Você está sempre sozinha, Sakura. Nós sabemos que nos faltam certas habilidades que apenas pessoas reais poderiam atender. 

Ela sorriu e tocou a lataria do robozinho, como se fizesse um carinho. _ Você é bem real para mim. Além do mais, ele te disse ao menos o nome dele? porque pra mim não. É difícil ter algum diálogo com alguém que não está disposto a conversar. 

_ Ele se nega a dizer. – Pix respondeu. 

_ Viu só, não dá pra conversar. – disse dando de ombros. _ Ele vai ficar bem e eu estou preocupada com os piratas, esse cara  renderia uma boa grana para eles, não tenho certeza se não virão atrás de nós ainda. 

O dróide laranja, Bell entra na cabine novamente. _ O convidado exige ver você. 

_ Merda. – murmurou saindo da cabine, se perguntava que tipo de ameaças o homem faria para que ela o soltasse, não estava com paciência para ouvir desaforos e sua ingratidão. 

Se dirigiu para o compartimento de carga e assim que as portas se abriram ela pode sentir a temperatura amena do local, Pix realmente tinha regulado bem a temperatura para manter o homem confortável. Assim que adentrou o espaço o avistou, algemado pelas mãos e pés a um suporte fixado na parede da nave e sentado no chão, as correntes não eram tão curtas, assim ele podia movimentar os braços e as pernas e até se levantar se quisesse. O olhar irritado dele se encontrou com o seu, fazendo com que um arrepio lhe subisse pela espinha. Ele realmente era intimidante, mas ela não demonstraria que o temia. 

_ Desejava me ver? Será que está mais disposto a bater um papo agora? – disse sorrindo e se aproximando com cautela. 

O olhar dele se tornou ainda mais feroz. Ele a analisou em silencio por um tempo, até enfim dizer algo.  

_ Se me soltar agora, prometo não te matar. – a voz grossa e rouca dele tornava a ameaça ainda mais assustadora. 

_ Eu já disse que vou te deixar ir quando chegarmos á Sky Fall. O mínimo que poderia fazer era se sentir grato por eu ter salvo o seu traseiro daqueles piratas nojentos, mas não, prefere ameaçar me matar. – revirou os olhos e suspirou derrotada. _ Não sei porque eu ainda sou idiota de tentar ajudar alguém nessa merda de espaço, são todos crápulas egoístas que só pensam em si. – resmungava consigo mesma, enquanto se afastava de volta para a cabine de comando, estava realmente se arrependendo de tê-lo resgatado. 

Sasuke estava furioso e exausto, não entendia como infernos sua vida tinha se tornado tão fora de controle daquela forma. Ele só precisava de uma semana de folga, mas acabou sendo atacado e sequestrado por piratas e resgatado por uma mulher maluca que o prendeu novamente, apesar de trata-lo razoavelmente bem e prometer libertá-lo em breve, mas que ele não fazia ideia de qual era sua verdadeira intenção com aquilo, ela era uma contrabandista, ele a viu negociando com Orochimaru e esse tipo de gente era traiçoeira. Seus instintos gritavam para não confiar nela, mas uma pequena parte de si dizia que ela estava sendo sincera e tentando ser agradável com ele. Provavelmente a parte que dizia isso era a mesma que o fazia admirar o belo corpo que ela tinha e querer fodê-la ali mesmo no chão do compartimento de cargas. Ás vezes ser homem era uma merda, ficava dividido entre pensar com a cabeça de cima ou com a de baixo, mas não se deixaria levar, não importa o quão gostosa sua nova captora fosse. Ele precisava entrar em contato com a tripulação de sua nave, Star e dar um jeito de sair dessa situação.  

_ Eu preciso de um banho pelo menos, ou meus machucados irão infeccionar. – disse enquanto a mulher se afastava resmungando. Já que ela parecia querer ajuda-lo, decidiu aproveitar isso. 

Sakura parou no meio do caminho ao ouvi-lo. Claro, como ela pode se esquecer de que ele estava machucado, que descuido, havia pedido a Pix que o alimentasse, mas nem se preocupou em tratar suas feridas. Se sentiu mal por isso. 

_ C-claro, me desculpe eu havia me esquecido que estava ferido. Só um instante, por favor. 

Sasuke a viu ir até um armário e vasculha-lo a procura de algo. Qual parte de que ele precisava tomar banho ela não havia entendido? A menos que houvesse uma câmara de limpeza escondida dentro daquele armário, o que ele duvidava. Ela se aproximou novamente com uma lata de spray na mão, e ele arqueou uma sobrancelha tentando entender o que ela pretendia. 

_ Certo, eu vou limpar você e tratar seus machucados, mas se tentar alguma coisa eu vou causar mais alguns hematomas bem dolorosos em você, ok? – Ela parecia com medo, mas ao mesmo tempo era corajosa em ameaça-lo, mesmo que estivesse preso, ainda era bem maior e mais forte que ela, poderia machuca-la se quisesse. 

_ E vai me limpar com isso aí? – ele perguntou apontando com a cabeça para a lata de spray que ela segurava, não fazia ideia do que era aquilo. 

_ Sim. Esse produto é composto pela mesma substância que existe nas câmaras de limpeza, só que na versão spray. Foi desenvolvido para ser prático, não é genial? _ ela sorria olhando a lata, parecia realmente uma coisa útil. 

A mulher se abaixou a sua frente e o olhou nos olhos, como se quisesse garantir que ele não a atacaria. Sasuke estava curioso para ver como ela lhe daria banho com aquilo. Ela pediu que ele erguesse os braços e fechasse os olhos para a aplicação do produto e assim ele o fez, a sensação de limpeza se espalhando por sua pele era agradável. Quando sentiu o produto secar, abriu os olhos e a encontrou extremamente corada e de cabeça baixa, olhou para baixo e percebeu que ainda faltava a parte inferior de seu corpo e para isso ele teria que se despir da calça. Seria divertido ver como ela faria isso, talvez não fosse tão ruim deixa-la lhe dar banho afinal, sorriu com o pensamento. 

_ Vai me limpar só a parte de cima? – indagou. 

Ela pareceu se assustar com sua voz, seu rosto corado se ergueu para encara-lo. 

_ Ah, eu... hum, acho que já está bom. 

_ Eu tenho ferimentos nas pernas também, a calça está cobrindo-os, mas precisam ser limpos e desinfetados. – ele sabia que os ferimentos em suas pernas não passavam de hematomas roxos, nada grave, mas não perderia a chance de vê-la despindo-o. 

_ Oh, então eu... – ela estava totalmente sem jeito com a situação, não poderia entregar a lata a ele para que fizesse isso sozinho, ele podia usá-la para atacar ou algo assim. 

_ “Droga. Como vai fazer isso sua idiota? A única vez que esteve com um homem nu na sua frente foi há muito tempo e não teve que despi-lo e muito menos dar banho. Você se mete em cada uma, Sakura.” – xingava a si mesma, seu rosto queimava e ela sabia que estava vermelha como um tomate. 

Sakura se levantou e caminhou novamente até o armário, pegou uma toalha e o entregou.  

_ Retire sua calça e cubra-se com isso. Eu vou ficar de costas e quando estiver pronto me avise, ok? 

Ele acenou com a cabeça e ela se virou para dar-lhe privacidade. Pôde ouvir o som do zíper se abrindo e o tecido deslizando pelas pernas dele, se esforçou muito para afastar de sua mente o pensamento de como ele seria por baixo da peça de roupa, seu corpo começava a ficar quente e uma sensação estranha se formava em seu ventre. 

_ Pronto. – a voz dele a tirou de seus devaneios. 

Virou-se e o encontrou de pé, com a toalha lhe cobrindo da cintura  até a metade das coxas, o tecido branco e macio não era muito grande e por isso boa parte de suas pernas definidas ficavam a mostra. Ela se perdeu por alguns instantes o admirando, inferno, ele era realmente muito sexy. A sensação em seu ventre se intensificou e podia sentir que sua calcinha estava ficando encharcada, nunca havia se excitado tanto só por olhar um homem, não que tivesse perdido seu tempo admirando muitos e também nunca havia encontrado um tão bonito como ele, mas a forma como seu corpo reagia aquele homem a deixava impressionada e desconcertada. Ele pigarreou e só então ela se tocou de que estava encarando seu corpo por tempo demais, balançou a cabeça para afastar os pensamentos luxuriosos que estava tendo e se aproximou dele novamente, pegando a lata de spray para terminar o tal banho. 

Sasuke agora estava de pé e a visão dela abaixada a sua frente para aplicar o spray em suas pernas era surpreendentemente erótica, ele podia ver perfeitamente o contorno de seus seios pelo decote da camiseta regata que ela usava, eram de tamanho mediano e pareciam ser firmes e redondinhos, a pele leitosa o fazia sentir vontade de provar e tocar para ter certeza de que era tão macia quanto aparentava. Estava difícil se controlar para não ter uma ereção diante daquela cena, tentou se concentrar em suas piores lembranças para desviar o foco de seus pensamentos, até que ela finalmente terminou e se levantou, ficando de frente para ele. 

Os olhares travaram um no outro e ele pode perceber o quanto ela era realmente bonita, os olhos incrivelmente verdes contrastando com a cor exótica dos cabelos, o rosto branco com algumas sardas espalhadas pelo nariz e bochechas, os lábios carnudos em formato de coração que lhe pareceram tentadoramente apetitosos. Reparou que ela estava levemente corada e sua respiração desregulada. Será que ele causava nela os mesmo efeitos que ela provocava em si? Não, talvez fosse apenas vergonha pela situação. Ela mordeu os lábios e seu autocontrole quase se esvaiu por completo, mas a rosada se afastou passando as mãos pelos cabelos e voltando a ir para o armário em busca de alguma outra coisa. 

Sakura não conseguia entender o que estava acontecendo consigo, seu corpo estava em chamas e a maneira como ele a encarava fazia com que tivesse certeza de que teria que trocar de calcinha assim que terminasse de tratá-lo. Os olhos dele eram tão hipnotizantes que ela quase não conseguiu se desprender. Procurou por seu kit de primeiros socorros no armário mas não encontrou, então se lembrou do dia que havia se cortado fazendo reparos na lataria da nave e precisou usá-lo.  

_ Bell, vá até minha cabine e traga meu kit de primeiros socorros, por favor. – disse ao dróide, que rapidamente retornou com o que ela havia pedido. 

_ Sente-se, vou tratar seus ferimentos agora. 

_ Isso não é necessário, apenas o banho está de bom tamanho. – ele recusou. 

_ Olha, eu não cometi a maior loucura da minha vida, atacando uma nave pirata para resgatar um homem que nem conheço, para deixa-lo morrer por uma infecção dentro da minha nave. – ela falava séria, com o cenho franzido. Aquilo não havia sido um pedido e sim uma ordem. 

_ Está me dando uma ordem? – ele sorriu debochado. _ Não recebo ordens de mulheres e a propósito, eu não pedi que me salvasse. 

_ Argh, você é um idiota machista! – rosnou. 

_ E você é uma irritante. 

_ Irritante? Eu salvei sua vida, seu babaca! 

_ Já disse que não pedi pra fazer isso. Aliás, por que fez? 

_ Porque aqueles asquerosos iam te vender como escravo de luta. E eu acho que ninguém merece viver trancado em uma gaiola apanhando, como um cão de briga. Mas começo a me perguntar se você realmente não merecia mesmo. – bufou irritada. 

Ele a estudou por um instante. Então ela tinha realmente o tirado de lá para salvá-lo? Não, isso seria loucura, ela nem o conhecia. Ele não era ingênuo pra acreditar em algo assim. 

_ Quer mesmo que eu acredite nisso? Você é uma contrabandista, e da pior espécie já que negocia com gente como Orochimaru. Provavelmente só viu uma oportunidade de ganhar mais dinheiro. 

Sakura já estava prestes a pular no pescoço dele e esgana-lo. Como ele podia pensar algo assim dela? Ela não era mau caráter, e só se tornou contrabandista por falta de escolha. 

_ Quer saber, se prefere deixar os machucados infeccionarem o problema é seu! Eu já fiz mais do que você merecia. 

Ela se virou e saiu, estava magoada por ele a julgar tão mal, quando tudo que vinha fazendo era tentar ajuda-lo. Voltou para a cabine de controle e decidiu que evitaria ao máximo ir ao compartimento de cargas novamente, até chegarem à estação Sky Fall. 


Notas Finais


Espero que estejam gostando, obrigada pelos comentários lindos! E por favor, perdoem minha demora, porque se dependesse de mim, todo dia teria um capítulo novo postado para vocês.
Beijokas ;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...