História Big Heart - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Got7, SHINee, Sistar
Personagens D.O, Jackson, JR, KiBum "Key" Kim, Mark, Personagens Originais, Tao
Exibições 10
Palavras 3.828
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Artes Marciais, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Luta, Mistério, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi Bobbs..
Porque Bobbs.? Por causa do Bobby Ikon, culpem ele .
Bom minhas cerejas aqui ta mais um capítulo. Eeeeeeee.
Voltei com um cap. grandeeee. E tá muito bonitinho e algumas toca aí.
Espero que gostem e agradeço a todos que me acompanham. Amo vcs meus Bobbs.

Obr. Grazzy, Cris que sempre tiveram no meu pé.
Amo vcs.!!


Boa leitura.

Capítulo 23 - Amigável,Fofo e convencido


Fanfic / Fanfiction Big Heart - Capítulo 23 - Amigável,Fofo e convencido






         Jaii Pov's


Meu despertador  me acorda às 5:00 da manhã  e eu logo me levanto indo para o banheiro. Nunca gostei de chegar tarde na escola, sempre chego cedo e sou a primeira a chegar na escola.

Tomo um banho quentinho e me visto com minha calça rosa clara de habitual e uma blusa branca rendadinha, visto meu sapa tênis branco, pego minha mochila e desso para a cozinha.

O Jackson já estava na cozinha colocando café na xícara em sua mão, ele estava de costa e sem camisa, meu irmão sempre gostou de se exibir.

— Jacksooonnn... — grito e pulo em suas costas passando o braço pelo seu pescoço.

— Caramba Jaii, quer me matar do coração é ? — ele coloca a mão no coração fazendo o papel exagerado de assustado. Ele me tira da suas costas  e me coloca no chão logo me atacando fazendo cócegas. — Como você tem coragem de assutar seu irmão ? Em Senhorita Jaii ?

— PARA JACKSON, PARA ... POR-POR FAVOR PARA... JACKSOOOONN.... — grito e me esperneio até que ele me solta.

— Só te solto porque eu sou um irmão bom. — ele fala se afastando e pegando sua xícara deixada na pia. Dou uma passadinha com a mão na minha roupa dando uma ajeitadinha.

—QUE BAGUNÇA È ESSA ? NINGUÉM PODE DORMIR NESSA CASA  É ? —  mãe chega na sala e pela primeira vez ela está em casa o que é bom  e ao mesmo tempo ruim. Ela nunca se deu bem com o Jackson e o Jay e ela  nem faz questão de se dar bem com eles, nunca demostrou algum tipo de  carinho ou afeto para eles e eu nem sei o  porquê. Por isso que quando ela está em casa o Jackson e o Jay somem do nada.
Comigo é diferente, ela sempre foi carinhosa e demostrava para quem quiser ver. Meu pai era normal, age simplesmente como um pai. — Só devia ser o Jackson mesmo...

— Tchau Jaii ... — ele fala interrompendo a faladeira da minha mãe, pega suas coisa e sua blusa e antes de sair me dá um beijo na testa.

— Tchau...

— Poxa,  sempre tem que ser assim, não tem como deixar o Jackson em paz ? Para com isso.... — falo virando para ela .

— Se ele fosse o garoto obediente eu deixava ele em paz...

— Ele sempre foi, a senhora que sempre implica com ele.. Tá na hora de parar com essa birra. — digo olhando firmemente em seus olhos.

— Olha como você fala comigo, eu sou sua mãe. — ela fala e aponta o dedo pra mim.

— Bom dia pra você MÃE, eu vou pra escola. — digo. Pego minha mochila e uma e ando em direção a porta.

—Você já comeu ? — minha mãe pergunta.
—Tô sem fome... — e saio rápido de casa antes que ela fale mais alguma coisa, acordei bem hoje para poder discutir.

No caminho para a escola tentei esvaziar minha frustração e minha raiva. Como ela pode fazer isso com eles ? Eles também são filhos dela, seus primeiros filhos.
Aishh....

Chego na escola mais aliviada,  como sempre ainda não tinha ninguém, entro e sento num banco mais próximo.
Ouço sons de passos e levanto minha cabeça para ver quem era. AFF, era a Marian e seu grupinho, que desde que eu entrei nessa escola elas não foram muito com minha cara. Elas sempre fazem um jeito de me atormentar e aqui todos parece obedecer o que ela manda..

— Olha a nerdinha aqui meninas, sozinha...  — Marian começa olhando para as garotas que estavam do seu lado e elas dão uma risadinha baixa.

— Marian me deixa em paz, por favor... Não tô a fim de encrenca. — falo e fico na torcida para que ela fosse embora. Já havia discutido com minha mãe não tava afim de discutir de novo.

— Eu deixo as pessoas em paz quando eu quiser. Vamos passe todo dinheiro que você trouxe e é bom não ser uma mixaria. — ela diz erguendo a mão em minha direção para que eu possa lhe dar o dinheiro.

— Eu não trouxe dinheiro hoje. — digo simplesmente com a cabeça abaixada. Eu saí tão rápido de casa que eu esqueci de pegar o dinheiro no meu quarto.

— Como assim você não trouxe ? — ela pergunta  e ela começa a ficar com uma cara vermelha e tenho com certeza que é de raiva. Ela pega pela gola da minha blusa e puxa me levantando deixando cara a cara com ela. — VOCÊ ESTÁ MENTINDO. TENHO CERTEZA QUE VOCÊ TROUXE, VOCÊ QUE NÃO QUER DAR.... PASSA LOGO O DINHEIRO NERDINHA.. — quando fico em silêncio ela levanta a mão no alto e sei que ela vai me dar um tapa. Mas eu espero e ele não chega, abro de fininho meu olho e vejo uma cena que me surpreende : Mark está segurando a mão da Marian.

— Mas o quê ....
— Nem se atreva a tocar um fio de cabelo dela.. — ele fala autoritário, Marian olha pasma  para ele, ninguém teve coragem de falar assim com ela e logo o menino que todas suspiram e esperam sua atenção.

— Mas o que está...
Ela tenta falar mas não consegue.
— VOCÊ ME ENTENDEU ? Não se atreva a tocar nela. Deixa ela em paz e some. —Marian nem hesitou, ela soltou minha blusa e se afastou um pouco e logo ela e suas amigas já estavam distante.

— Obrigado... — digo meio constrangida e sento no banco no qual eu estava sentada antes  de Marian me incomodar.

— De nada, você está bem ? Não está machucada ? —  ele pergunta sentando ao meu lado.
— Não, nao, eu estou bem ... Você chegou na hora, não deu tempo dela fazer nada. — explico. — Mais uma vez... O-obrigado.

— Tudo bem. O que elas queriam ?
— Dinheiro, como sempre. — respondo exasperada.

— Como assim, "como sempre" ? Isso ocorreu mais de uma vez ? — ele pergunta me olhando surpreso.

— Elas sempre fizeram isso comigo desde que eu cheguei.
— E você não faz nada ? Cadê o Jackson e o Jay Park ? Eles devia fazer alguma coisa ? — ele faz tanta pergunta indignado.

— Bom, e-eles não s-sabem.
— O quê ? Como assim ELES NÃO   SABEM ? VOCÊ NÃO CONTOU A ELES.— eu confirmo, e fiquei meia sem ação com a explosão do Mark o que meio surpreso Mark Lee ficar com raiva, a escola já estava enchendo de alunos não queria que eles também soubessem.

— Eu não quero que eles saibam. Sei que sou idiota por aturar elas, mas eu não sou aquelas pessoas de atitudes, e eu não quero que meus irmãos fiquem com pena de mim. — digo com os meus meus olhos lacrimejando.

— Pena ? É isso que você acha que eles iram sentir quando descobrirem ? É isso que você acha que eu sinto ? Pena ? Você tem que parar de pensar que tem que passar por isso sozinha. Pessoas que passam pela mesma coisa que você tem o mesmo pensamento, acham que todos vão sentir pena. Você tem que parar e agir, parar de aturar, elas não tem o direito. Eu não estou aqui por pena. — ele diz e cada vez me surpreendo com sua maturidade e lógica.

— Obrigado por e-estar do m-meu lado.
— Vou sempre estar aqui. — ele fala calmamente e passa o dedo na lágrima solitária do meu rosto.
Ele ia falar mais alguma coisa mas bem na hora o sinal toca.

— Bem vamos , a aula vai começar. — e ele sai me arrastando pelos corredores da escola até a nossa sala.

Obrigado por se preocupar comigo.
É tão bom quando tem alguém do seu lado. Você se sente protegida, é como você não estivesse sozinha.


Grazzy Pov's


A Manu mandou uma mensagem pedindo pra eu ir para a casa dela assistir um filme com meu ator preferido o Lee Minho. Mas eu estava com muita preguiça  que não queria sair de casa e também estava chovendo. Hoje eu e a Manu estamos de folga, trabalhamos a semana inteira porque o Coffee Break estava super lotado aí trabalhamos muito mas o nosso chefe deu um dia de folga.
Peguei um moletom amarelo , até porque estava fazendo muito frio e antes de sair dexei um bilhete dizendo que tinha ido para a casa da Manu, nem o Tao nem o D.O estavam em casa.

Foi rapidinho chegar na casa da Manu mas praticamente eu estava correndo para chegar logo na casa da Manu.
Bati na porta umas três vezes e nada de ninguém aparecer , na quarta vez bati e a porta foi escancarada, mas não era a Manu ... Era o..... Mark.

— Ahh oi Mark, a Manu está ? — eu estava tentando apenas olhar para seu rosto porque eu acho que eu o atrapalhei;  o Mark estava apenas com uma toalha na cintura, parece que ia tomar banho.

— Grazzy ?? — ele parecia estar totalmente surpreso com a minha presença ali, será que a Manu não falou nada ?
Ele logo se recompõe do seu transe mas pelo jeito ainda não percebeu que estava só de toalha.
O que ele tem na cabeça ?
Como ele pode aparecer assim para atender uma pessoa ?
E se fosse outra pessoa no meu lugar ?
EEE, essa toalha tem sorte..
Caramba, tô com ciúmes até da tolha ?
Peraí,.... Eu tô com ciúmes ?????

— Grazzy ? ... Grazzy ?? — eu olhei e percebi que estava sem ouvir nada o que ele disse.   Porquê ?? Porque estava em meus pensamentos com ciúmes.

— Ahh ? O quê ?? — ele rir, com certeza da minha cabulosidade.
— Eu disse que a Manu foi ao supermercado.
— Ahhh...

Será que a Manu me enganou ?
Não acredito que ela usou o querido Lee Minho para me chantagear. Argh!!!

— Sabe se ela vai demorar ? — pergunta meia chateada.
— Bom, ela disse que não. Entre e espere por ela , acho que ela não demora. — entrei e sentei numa cadeira da cozinha e torcendo para que a Manu chegasse logo e me tirasse desse embaraço. Olhei para Mark e o peguei me encarando, ele para desviar o olhar, abaixou a cabeça e aí percebeu. — Droga.  — eu solteira uma risadinha e ele olhou pra mim meio envergonhado. — E você nem pra mim avisar, né ? — ele cruzou os  braços e sem querer deixo escapar outra risada.

— Eu não queria atrapalhar... — falei bem baixinho.
— O quê ? Não ouvi o que você disse ? — ele me perguntou.
— Ahh, Nada não.
— Você pode esperar aqui. Vou tomar meu banho, depois venho lhe fazer companhia. — Ele disse.
— OK..

Ele me lançou mais um olhar daqueles que te fazem passar mal e saiu em direção ao banheiro.
Mdss..

Enquanto ele estava no banheiro, fui explorar mais  a casa. Bom, já vi todos os cantos menos o quarto do Mark, então decidi entrar no quarto dele enquanto ele estava no banheiro.

Entrei em seu quarto que era perto da cozinha. Ele era bem organizado, suas paredes brancas com listras verdes, um quarto a cara do Mark. Seu guarda-roupa cor madeira claro com suas roupas perfeitamente alinhadas, sua cama arrumadinha e sua roupa estava estirada na cama, provavelmente ia usar. Era uma blusa branca fina de algodão com mangas longas e na gola tinha um corte "v"  pequeno e uma calça moletom cinza, tinha um par de meias brancas em sua cama também.
Peguei a sua blusa e levei de encontro ao meu rosto, ela tinha o cheiro do Mark, um cheiro delicioso.

Coloquei a blusa no meu ombro e me aproximei da cômoda que ficava ao lado da cama. Uma coisa me chamou a atenção em cima da cômoda tinha uma foto : um garotinho lindo  com um sorriso grande estampado ao lado de uma mulher de cabelos longos castanhos, ela era linda. O Mark e essa deve ser a mãe dele, ele parecia muito com ela, ao lado da foto tinha uma corrente de ouro bem bonita.

Ouvi o chuveiro sendo desligado então
saí logo do quarto fechando a porta antes que ele me encontrasse bisbilhotando o seu quarto.

Sentei novamente na cadeira e tentei fingir que não estava acontecendo nada, que não havia saído dali. Toquei meu ombro e me assustei, a blusa do Mark ainda estava no meu ombro, saí tão depressa que eu esqueci de colocar no lugar.
Ouvi a barulho da porta sendo aberta e em um movimento rápido tirei a blusa do meu ombro e como ela era fina coloquei no bolso do meu moletom.
Ele saí do banheiro e passou em direção a seu quarto mas antes lançou um olhar em minha direção e eu dei um sorriso disfarçado.
Quando ele entrou no quarto me levantei e peguei um copo no armário, precisava de água.. Mdss ele provavelmente separou a roupa para vestir...  e agora... a blusa está comigo. Aiii
Fui em direção a geladeira e peguei um vaso de água, derramei um pouco de água em meu copo e comecei a beber.

A porta do quarto do Mark foi aberta e a louca aqui se assustou e eu sem querer acabei derrubando o copo.  Sim, ele quebrou e o restante da água que continha no copo se espalhou.
— Merda...- grunhi. Deu mais um passo e quando ia me abaixando me bati em alguém, quando olhei pra cima vi o Mark em pé com uma cara confusa.
— Aii MEU DEUS... Desculpa, prometo que vou limpar... — Falei meia embaraçada. AFF porque fui tão desastrada ?

— Não, tudo bem ... Você pode se cortar..—  tava tão envergonhada que nem ouvi direito o que ele disse e fui logo tentando pecar os cascos de vidro e a doida desastrada que sou eu cortou a mão.

— Aii Caramba.. — levantei e balancei a mão no alto.
— Caramba Grazzy, está tudo bem ? — ele pegou minha mão e deu uma olhada no corte que saía bastante sangue.

Ele soltou minha mão e saiu da cozinha numa pressa que eu não entendi foi nada, mas ele voltou com um kit e pegou algumas coisas pra passar no meu braço.
Ele me colocou em cima mesa fazendo eu levar um baita susto e começou limpou o sangue e depois  passou uma pomada para cicatrizar logo. O contato de sua pele com a minha me enviou vários arrepios por todo meu corpo, ainda que ele não percebei, acho..

— Não  foi um corte tão profundo.-  ele diz . —Só um corte...-Repetiu meio baixo e suspirou. —Acho que não vai precisar ir pro hospital não, mesmo com esse sangue todo, que saiu.
—Obrigada, doutor Tuan.— Brinqueie ele sorriu mostrando suas lindas covinhas.
Mas fui dar uma de desastrada de novo :

Quando fui descer da mesa, que foi onde ele me colocou, acabei caindo bem  em cima dele e acidentalmente batendo minha boca na sua , beijando-o.
Ele não tentou separar , continuou e eu  retribui, passando a mão na sua nuca..

O som da porta da frente rangeu e eu e o Mark se separamos e olhamos assustados para a porta.
— Mark ? — a voz da manu escoou fazendo eu e o Mark se levantar e ir para lugares distantes. Ela entrou na cozinha cheias de sacolas e deu um sorriso sapeca pra mim.  — Grazzy, desculpa demora. Fui compras besteiras para a gente comer. E vocês dois, o que é que tão olhando, vem me ajudar com essas sacolas .

Eu e  o Mark automaticamente fomos e pegamos as sacolas de sua mão.
Tiramos todas as coisas que ela comprou que só eram besteiras e colocamos na mesa.

— E aí, o que a gente vai assistir ? — perguntei virando para ela que estava na pia lavando as mãos.
— Bom, não sei. Diga um do Minho.— el disse dando os ombros.

—  Que tal assistimos o primeiro episódio de "Doctor Crush" ?
— Pode ser. Vai lá Mark colocar.

E o Mark saiu da cozinha. Eu e a Manu pegamos dois sacos de batata frita grandes, uma garrafa de coca e copos e fomos para a sala e sentamos no sofá.

— É esse ? — o Mark pergunta apontando para o drama Doctor Crush e eu concordei com a cabeça.
Assistimos comendo nossas batatas fritas o primeiro episódio de Doctor Crush dando altas risadas pelo jeito marrento da protagonista e cativada pelo carismo do Minho.

Assistimos dois episódios e quase no final do primeiro episódio a batata já havia terminado e a coca também mas parece que não fez efeito porque quando paramos no segundo episódio decidimos comer lasanha já que estávamos morrendo de fome.

— A lasanha tá na geladeira. Grazzy coloque no fogo, eu vou tomar um banho. — Manu e foi saindo. Eita menina folgada. Vishhh.
O Mark tirou  a lasanha da geladeira e me entregou. Colequei no fogo e eu e o Mark arrumamos tudo na mesa.
Do nada tudo ficou. Peraí faltou luz ?
Aiii, eu odeio quando falta luz, morro de medo do escuro.

— Ai meu Deus. Faltou luz ? NÃO, NÃO, NÃO... — minhas mão estavam tremendo e meu corpo estava parado. Por que isso agora einh ?
— Você tem medo de escuro ? — Mark perguntou calmamente e eu balancei a cabeça como se ele pudesse ver.

— Onde voc.... — tentei me mexer mas quando me virei acabei quase caindo no chão, mas o Mark que por sorte estava perto me segurou e por causa do escuro e de não vermos nada ficamos...bem tanto próximos. Ele me  segurou pela cintura mas só com uma mão, a outra senti na minha nuca.

— Dessa vez não é por  acidente... — ele falou mas eu não entendi nada mas logo    senti... seus lábios me beijando.
O beijo foi calmo e rápido mas foi como se estivesse com fome disso. Mark se separou com pequenos selos e me  encarou por um momento, meu coração  quase saía pela boca. Resolvo me separar mas Mark me puxa beijando-me novamente. Me  puxou com força, descendo mão para a cintura enquanto a outra estava acariciando minhas costas.
Depois separamos com um susto depois que a luz voltou e a Manu entrou na cozinha.
— O que foi? Porque estão com essas caras?-Perguntou a Manu.

Eu e o Mark fingimos que não ouvimos a Manu e fomos pegar a lasanha para comermos.

O jantar inteiro o Mark me encarou e eu estava a ponto de explodir de tanto vermelha que eu estava e estava tentando não demostrar ou a Manu ia estranhar esse nosso comportamento e troca de olhares.

Quando eu ia embora o Mark me impediu dizendo que estava tarde e que eu ligasse para o Tao para dizer que eu ia dormir na casa da Manu.
Manu disse que podia dormir no seu quarto e quando já era tarde fomos dormir.

-O que foi aquilo?-Sussurrei bem baixinho deitada na cama para que a Manu não ouvisse já que estava dormindo do meu lado e desligo a luz do abajur fazendo eu me recordar dos beijos.
Me cobri e fechei os olhos.

           Amanda Pov's

Fiquei o dia todinho no notebook procurado alguma pista sobre o desgraçado que matou o meu pai. O idiota sabia se esconder, mas eu ia achar ele, isso estava escrito.

Quase nem dormi direito a noite pensado no que fazer, queria logo encontrar esse cara para  que a justiça fosse feita.
Eu não estava sossegada, fazia dias que eu não dormia direito, não estava comendo muito e com certeza acho que deve perceber porque perdi quilo.

Mas hoje descobri uma coisa que me alegrou. Eu estava vendo alguns sites e acabei  entrando sem querer em um de corretores e uma coisa me surpreendeu a mulher que havia brigado com minha mãe no dia do assassinato do meu pai, encontrei ela site e tinha dizendo que ela era corretora, tinha alguns dados e tinha até o número de telefone. O nome dela era Carina.

Anotei o número dela em minha agenda junto com os dados e decide ligar pra ela depois, agora eu precisava de um banho.

Domorei muito no banho quente, meu corpo estava pesado e eu estava sem forças para sustenta-lo. Saí do banheiro e vesti um casaco fino branco bastante grande  e um shorts folgado verde, coloco minhas meias de Capitão América e me sento na cama com notebook e minha agenda no colo.

Antes de qualquer coisa a porta do meu quarto é aberta e a silhueta da minha tia Hani aparece.

— Amanda o jantar está pronto.. — ela fala assim que olha pra mim.
— Estou sem fome , tia ..— falo coçando meus olhos que estavam ardendo muito.

— Amanda, você tem que comer. Faz dias que você não come direito, vive mais trancada no seu quarto. Pelo menos venha tomar um suco. — eu sei que ela estava tentando me fazer descer e comer mas pela primeira vez não tava afim de  comer..
— Sério tia, tô sem fome ...
— Tome cuidado, assim você vai ficar doente. — ela disse e saiu fechando a porta com um pouquinho de força.

Depois da tia Hani, o Mark e a Mya vieram no meu quarto e trouxeram alguns biscoitos e um copo de suco e perguntaram se eu estava bem. Mya logo reclamou que fazia tempo que não saía com ela e me fez prometer leva-lá a pracinha um dia desses.

Eles ficaram um pouco comigo mas o Mark tinha atividade da escola e precisava ensinar o ABC para Mya e então saíram.

Meu aniversário estava chegando mas estava sem ânimo para comemorar e também acho que todo mundo esqueceu já que antes uma semana antes o povo já estava no meu pé, mas agora ninguém apareceu.

Quando vou voltar para meu notebook meu celular apita informando que havia uma mensagem.
Era do.. Jackson.

"Durma bem e comigo.. "
-Era o que a mensagem dizia.
E que folgado..

Meu celular apita de novo. Aii.
Ele havia mandado uma foto. DELE. Esse garoto einh.. Ele estava deitado na cama e sem camisa.

" Que convencido você. -_- ". — mandei

" O convencido que  você ama. " — ele disse.

" Iludido.. " — apenas respondi isso.

"  ❤❤❤❤ " — e foi o que ele enviou e apenas visualizei, não respondi mais nada apenas visualizei. Não sabia o que responder , uma coisa simples me deixou sem palavras.

E eu adormeci com  um sorriso na boca e aquela conversa na cabeça.

              


Notas Finais


E aí gostaram?
Espero q sim.
Eu particularmente amei.
Mark Lee corajoso.
Mark Tuan uuuu
Eeee Jackson ❤❤❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...