História BillDip: Cruel? - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Gravity Falls
Personagens Bill Cipher, Dipper Pines, Mabel Pines, Stanford "Ford" Pines, Stanley "Stan" Pines, Waddles
Tags Bill Cipher, Billdip, Fanfic, Gravity Falls
Exibições 113
Palavras 953
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Fantasia, Lemon, Mistério, Shonen-Ai, Violência, Yaoi
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Essa é minha primeira história pro site e tentei deixar o mais real possível. Avisem se ficou chata pelo excesso de detalhes! Prometo que vai ter mais envolvimento... "Emocional" mais pra frente. Tenham calma.

Capítulo 1 - Os verões de Gravity Falls


Ponto de vista - Dipper

Cinco anos se passaram desde o verão em que quase vimos o fim do mundo. Desde então sempre voltamos à Gravity Falls durante as férias.

Eu já estava com dezoito anos agora e nem por isso essa cidade deixara de ser interessante. Voltávamos aqui para nos aventurar, nos divertir e, claro, eu e o Tio Vô Ford trabalhávamos nos segredos da cidade.

Os tios já estavam especialistas nas anormalidades agora que viajavam o mundo em busca de fendas dimensionais, mas eu ainda era de grande ajuda já que estava aprendendo física quântica na faculdade. Por isso as férias em Gravity Falls eram tão importantes! Estávamos quase desvendando todos os mistérios desse lugar.

Eu estava lendo um livro da faculdade que apontava uma possível falha na teoria da relatividade de Einstein... Mentira, era um romance de mistério, uma leitura de verão. O livro que eu deveria estar lendo estava na escrivaninha ao meu lado sendo ignorado.

Mabel não estava conseguindo dormir comigo estalando o mecanismo da caneta constantemente enquanto lia. Nesse momento ouvi um barulho vindo do porão.

-Tio vô – pensei alto e desci ara ver se precisava de ajuda

- Finalmente! – disse Mabel se virando para dormir

Ford estava no chão embaixo de uma pilha de coisas que haviam caído de uma prateleira. Na sua mão, como um troféu ele ergueu um tubo cilíndrico de metal. Reconheci o tubo com o um dos captores de memórias usados pela sociedade do olho cego.

-Está tudo bem Ford? – Perguntei

- Claro garoto, só derrubei umas coisas! Por sorte consegui segurar isto – ele disse se levantando e mostrando o cilindro.

- O que é? –perguntei apontando a coisa

-As memórias do Stanley

-Ah sim – disse me lembrando sobre como tínhamos aprisionado Bill na memória do Tio vô Stean para detrui-lo – você ainda não destruiu isso? O Stanley já se lembrou da maior parte das coisas que apagamos.

-Já pensei em destruir Dipper, mas Bill ainda pode estar aqui dentro. Se eu fizer da forma errada talvez o liberte.

Ford pôs o recipiente em um lugar mais baixo, dessa vez em uma caixa, assim não cairia, depois  voltou a sua mesa de trabalho.

-Ford, não é uma boa ideia dormimos? Você já varou duas madrugadas. Está tarde...

-Acho que estou quase descobrindo a origem dos gnomos- Ele disse me mandando um sorriso

- Sério? – Falei com interesse me aproximando da mesa. A leitura do meu livro não seria terminada naquele dia.

- - -

Na manhã seguinte estávamos acabados. O Ford bem mais do que eu. Sempre que vínhamos durante as férias eu e Ford sentíamos a urgência da falta de tempo. O verão acabaria novamente, teríamos que ir embora sem respostas novamente.

-Nossa! A cara de vocês está péssima! – Disse Stanley ao chega à cozinha e me ver quase com a cara no pote de cereal.

Ford levou um pequeno susto e respondeu

-Ham?! Não é nada, estou bem! Como vai sua memória hoje Steam?

- Como vou saber? – Disse Stanley abrindo a dispensa - Não sei o que eu deveria lembrar!

A memória do Stanley era um assunto delicado na família. Depois de sermos obrigados a apagar a mente do meu tio ele aos poucos recuperou a memória sem explicação aparente, mas, de vez em quando, esquecia coisas importantes como a própria idade ou onde estava morando. Tínhamos dúvidas se esse esquecimento tinha a ver com a máquina de memória ou com a velhice mesmo.

- Tive um sonho estranho essa noite! – Stanley começo a contar, sentando na mesa e ignorando nosso grau avançado de sono – havia um garoto muito chato nele que ficava transformando o mundo numa bagunça, mas não consigo lembrar direito de como ele era ou o que ele fazia para irritar as pessoas....

Mais ou menos meia hora depois ele parou quando percebeu que não estávamos mais prestando atenção.

---

Apesar de todas as nossas noites em claro os dias depois deste se passaram muito tranquilos. Tudo estava correndo bem até um dia bastante estranho. Eu estava fazendo algumas pesquisas sentado na mesa em frente à janela do sótão e vi Mabel com Waddles fazendo algum trabalho manual no quintal. A Mable de dezoito anos, apesar de um pouco mais séria, ainda era uma artista nata com muita personalidade.

Nesse momento um rapaz saiu da floresta em direção a ela e ele estava... nu?! O rapaz parecia muito irritado, segurou Mabel de frente pelos ombros gritando coisas que eu não conseguia ouvir. Levantei e fui correndo ajudar.

- Me fala Pines! O que fizeram comigo?! – Ele gritava para Mabel

- Ei! Laraga minha irmã seu maluco! – Gritei saindo da cabana

- O que é isso? - Ele disse irritado olhado para mim e abrindo os braços. Parecia falar de si mesmo – Vocês cansaram da calma de Gravity Falls e decidiram me torturar? Estão se saindo muito bem!

-O quê? Quem? Do que está falando? – Eu disse e ele me puxou pela gola da blusa colando nossos rostos

-Estou falando dessa prisão humana onde vocês me puseram e de onde vou briga-los a me tirar pinheirinho!

- Bill? - Eu disse ao reconhecer o apelido

Bill percebeu minha cara de espanto e seus dentes raivosos deixaram de aparecer apesar de sua raiva continuar em seu rosto.

- O quê? Você não faz ideia de como eu fiquei assim?

Não tive tempo de responder, pois Mabel encostou a pistola de cola quente nas costas dele para fazê-lo me soltar. Ele gritou de dor e corremos para dentro.

- Se voltar aqui vai levar mais cola seu demônio maluco! –Gritou Mabel enquanto corria.

Tranquei a porta atrás de mim e corremos para o porão

-Tio Ford! Temos um problema!


Notas Finais


Enfim, essa história reflete o sono com que estou escrevendo e minha vontade louca de torturar alguém com cola quente.
ibjlk-x-zxjfkel !!

Xau, Até outra noite de insônia!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...