História Biophobia; kim taehyung - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Baekhyun, Bts, Exo, Fanfic Taehyung, Imagine, Kpop
Visualizações 4
Palavras 1.397
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


se gostarem por favor favoritem, é bom saber se vocês estão gostando ou não da história.

Capítulo 5 - Five


TAEHYUNG POVS ON

Sunhye desviou o seu olhar do meu rosto, voltando a olhar fixamente para o nada. A garota apenas acariciava as orelhas de seu cão, sem ao menos olhar para o mesmo.

Ficamos ali parados por minutos, eu ainda estava tentando acreditar que se não fosse por mim, Sunhye teria tirado sua própria vida. E eu me senti útil, pelo menos uma vez na vida. Afinal, eu impedi alguém de se suicidar.

Um silêncio ficou sobre nós, só conseguíamos ouvir o barulho dos carros que ali passavam. Sunhye continuou olhando para o nada, até que a mesma quebra o silêncio que estava sobre nós.

- Taehyung? - A garota vira todo o seu corpo, ficando assim, de frente pra mim.

- Sim? - Respondo olhando fixamente em seus olhos.

- Eu acho que.. - Sunhye desviou seu olhar para suas mãos, ficando alguns segundos olhando para elas, sem dizer nada. Logo em seguida cobriu seu rosto com as mesmas. - acho que nós não deveríamos ser amigos. - Sunhye abraça seus joelhos e mergulha sua cabeça neles. Começando a chorar.

Sinto meu corpo todo queimar, sinto minhas veias subirem e meu sangue correr rápido pelo meu corpo. Pude sentir uma gota de suor cair da minha testa, o nervosismo tomou conta de mim naquele momento, e a tristeza também. Sunhye foi a única pessoa que me ajudou, que fez com que meus dias fossem mais felizes. Não estaria preparado para ver a mesma ir embora, então, pedi uma explicação.

Me aproximei da mesma, e a abracei. A garota estava com a cabeça mergulhada em seus joelhos, ainda chorando incontrolavelmente.

- Sunhye.. - Sussurro em seus ouvidos enquanto abraçava a garota. - Você não precisa chorar, tá bom? - Meus olhos se encheram de lágrimas, porém fui forte, afinal, prometi a mim mesmo que não derrubaria nenhuma gota na frente de Sunhye. - Você vai conseguir ficar longe de mim, e vai ser bom assim. A sociedade vai parar de te julgar, e você viverá completamente bem a partir de agora. - Derrubo algumas lágrimas, porém as seco no mesmo momento, fazendo com que Sunhye não visse, afinal, a garota não estava olhando pra mim.

- Tae.. - Sunhye levanta sua cabeça, ainda com os joelhos dobrados. - Eu não quero fazer isso, mas.. você sabe, eu ando sendo julgada. Quando passo pelas ruas as pessoas me olham torto e cochicham, pelo simples fato de eu ser sua amiga. Você é muito importante pra mim, então não queria te deixar. - a garota desdobra seus joelhos, enquanto chamava por Kochon, seu cãozinho.

- Então não me deixe.

- Eu não quero te deixar, porém você tem um pequeno problema, Tae. - Sunhye se levanta, fazendo um gesto com as mãos, me chamando para ficar ao seu lado.

Me levantei e me aproximei de seu rosto, enquanto a encarava, prestando atenção em todos os detalhes de seu rosto.

- Qual é o meu problema, Sunhye? - arqueei as sobrancelhas, observando cada expressão que era feita no rosto de Lee Sunhye.

- Você confunde as coisas, Taehyung. - Sunhye abaixa sua cabeça, como se estivesse se lamentando.

- Como? - franzi o cenho, um pouco confuso.

- Eu tive uma conversa com sua mãe, e as coisas que ela me disse não foram agradáveis. - Sunhye olhava fixamente para suas mãos. A mesma demonstrava se sentir culpada a todo o momento.

- Que conversa?

Sunhye levantou sua cabeça e me encarou por alguns segundos, soltando um leve suspiro.

- Bom, vou ser breve. Você provavelmente terá de passar em psicólogos, pelo simples fato de você ter alucinações. Você vê coisas que não são reais, você me vê quando eu não estou com você, e você cria imagens de pessoas que não existem. - Sunhye se aproxima e passa sua mão pelo meu rosto, fazendo com que os meus olhos se fechassem por alguns segundos. - Você precisa de um tempo, você precisa de ajuda, você precisa aprender a viver sem mim. - Sunhye tira as mãos de meu rosto, e se afasta.

Uma sensação inexplicável percorreu por todo meu corpo, minhas pernas ficaram bambas, minha boca abria e fechava lentamente, e minha respiração ofegante.

- Você vai me deixar, Sunhye? - Coloco as mãos em meus bolsos e abaixo a cabeça.

- Vou fazer o que é necessário, Tae. - Sunhye fica de costas pra mim. - Vamos pra casa, você precisa descansar.

- Vou ficar aqui. - Respondo dando os ombros.

- Na calçada de uma avenida? - Sunhye diz em um tom de deboche.

- Sim, daqui irei pra outro lugar. Já que você vai se distanciar por um tempo, porque toda essa preocupação. - Respondo com a cabeça baixa, um pouco nervoso.

- Tem certeza que será assim? - Sunhye se vira, olhando para mim.

- Sim. - respondo seco.

- Então, adeus Kim Taehyung.. - Sunhye dá as costas, caminhando lentamente com seu cachorro em seus braços.

Uma tristeza se manifestou por todo o meu corpo, ver Lee Sunhye indo embora não é fácil, afinal, ela é a garota mais importante que eu já conheci. Fazia palhaçadas, estava sempre sorrindo, me ajudava, levantava o meu astral, era uma menina de ouro. E, por eu ser um louco que vê coisas e as confunde com a realidade, a deixei ir embora.

Fui caminhando sem rumo, apenas olhando para os meus sapatos. Esbarrei em muitas pessoas, algumas até me xingaram, e os xingamentos eram os mesmos.. "Viado, Gayzinho, Babaca, Lixo humano, Gay nojento, Homossexual podre" e alguns até piores.

Enquanto estava caminhando sem rumo, levanto minha cabeça e me deparo com um bar. Caminhei até o mesmo com um desânimo total.

Lá havia muitas pessoas tristes e bêbadas. Algumas choravam e havia pessoas caídas no chão. Avistei uma garota com cabelos pretos que me chamou muita atenção pelo fato de seu rosto ser familiar. A garota estava na pista de dança, me aproximei dela e notei que ela é a mesma garota que vi quando estava no hospital abandonado. A garota que usava o tal vestido branco.

Me aproximei da mesma, e a puxei pelos braços, a garota se virou assustada, parecia pálida. Fiquei surpreendido quando vi seu rosto, o mesmo era muito delicado.

- Desculpe, qual seu nome? - Pergunto coçando a nuca, um pouco envergonhado.

- Porque? - A mesma franziu o cenho.

- Porque você é muito bonita pra estar numa pista de dança sozinha. - Dou um sorriso, tentando parecer simpático.

- Bom, obrigada. É que esses caras não dão muito valor a garotas como eu, sou bem desvalorizada então em meus momentos de tristeza eu venho pra cá, me distraio um pouco de meus pensamentos suicidas. - A menina dos cabelos pretos da um sorriso, fazendo com que seus olhinhos puxados sumissem.

- Entendi..

- Vou beber um pouco de água, já volto. - A garota diz em um tom de voz meigo, enquanto arrumava seu vestido.

- Esperarei por você aqui. - Disse me sentando em uma poltrona que estava próximo dali.

30 minutos, 50 minutos, 1 hora, 2 horas se passaram e eu permaneci lá, esperando pela misteriosa garota.

Fechei meus olhos para tirar um cochilo, quando de repente sinto alguém me cutucar. Abri meus olhos rapidamente e vejo um garoto com cabelos pretos e olhos puxados, o mesmo era muito bonito.

- Ei cara, você tá aqui faz tempo em.. - O garoto diz enquanto virava sua bebida em sua boca.

- Sim.. - respondo desanimado.

- Esperando por alguém? - O menino pergunta, balançando seu copo de bebidas.

- Sim.. Uma garota que estava com um vestido preto, muito delicada.

- Olha, eu tô aqui faz tempo e não me lembro de nenhuma garota que vestia um vestido preto.. - O mesmo arqueou as sobrancelhas, colocando suas mãos em meus ombros. - Foi mal cara, mas acho que não tinha nenhuma garota aqui, ou foi o efeito da bebida. - O mesmo solta uma risada. - Meu nome é Jin, quando estiver triste só venha aqui, nós te iremos te animar.

- Obrigado, Jin. - Respondo forçando um sorriso, enquanto observava o mesmo virar as costas pra mim.

FLASHBACK ON

Sunhye voices:

Você vê coisas que não são reais, você me vê quando eu não estou com você, e você cria imagens de pessoas que não existem.


Notas Finais


kk eae


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...