História BiTe (Camren) - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Camila Cabello, Demi Lovato, Fifth Harmony, One Direction, Selena Gomez, Teen Wolf, The Vampire Diaries, Zayn Malik
Personagens Ally Brooke, Austin Mahone, Camila Cabello, Demi Lovato, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Normani Hamilton, Personagens Originais, Selena Gomez, Zayn Malik
Tags Bruxos, Camila Cabello, Camren, Carmen, Demi Lovato, Dinah Jane Hansen, Híbrido, Kai, Larry, Lauren Jauregui, Lobisomens, Lobos, Normani Hamilton, Norminah, One Direction, Rmm180, Selena Gomez, Semi, Supernatural, Terror, Vampiros, Vercy
Visualizações 1.332
Palavras 1.682
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Científica, Orange, Romance e Novela, Sobrenatural, Terror e Horror, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


HA HA HA HA HA

VOLTEIII... Não fiquem bravas com minha pessoa.
Aquele "Até mês que vem" só foi uma brincadeira de mal gosto.
No máximo eu passo uma semana sem postar não passa disso.

Então Beijo na bunda por que hoje é segunda.

Capítulo 24 - Como se o normal fosse normal.


Pov - Lauren

- Oi...

Foi o que me limite a dizer em um sopro de voz e caminhei em direção de Camila que recuou alguns passos com minha aproximação, franzi o cenho.

Ela está com medo de mim?

Era obvio que sentiría. Não a culpo por isso. Senti algo se partindo dentro de mim, eu esperava que ela me xingasse e falasse varias coisas, mas ela sentiu medo.

Medo.

- Tudo bem sentir medo do que não conhece Camz.

Ela sentou na cama e ficou me encarando por um bom tempo, até que seu medo foi dando espaço a uma ansiedade e nervosismo.

- Por que não me disse que era uma... Não sei dizer... O que você é, por que até onde sei vampiros tem olhos vermelhos e você tinha olhos dorados. - sorri sem graça e seu coração parecia que ira saltar do peito. - Até ontem, achava que vampiros não existiam e do nada descubro que minha amiga de infância que as vezes me beija é uma vampira e para piorar meu ex é um lobisomem.

Essa é a Camz que eu conheço, quando esta nervosa ela quer falar tudo de uma vez e atropela as palavras. Fechei a porta atrás de mim e caminhei até a janela que estava aberta, o céu estava estrelado e não tinha lua e sorri quando passo por ela que fez uma careta revirando os olhos. Camila era curiosa quando algo a intrigava, mas sempre tinha medo e fazia com que eu fosse na frente enquanto ela se escondia atrás de mim quando éramos pequenas. Ela falava: - Você é meu escudo humano.

E quando eu éramos pegas por estar bisbilhotando algumas coisas ela sempre corria me deixando para trás. As vezes sinto falta daquela época quando éramos a pernas duas amigas que amavam fazer arte na vizinhança ou andar de bicicleta até chegar nos ardores da floresta onde era zona proibida por nossas famílias.

- Para de rir de mim e desembucha.

Deixei um sorriso aparecer em meus lábios por lembrar desses momentos e logo ouvi ela me retrucar dei ombros e ela bufou e jogou uma almofada que tinha em cima da cama, peguei a mesma e joguei no sofá do meu lado.

Acho que já era hora de contar algumas coisas, respirei fundo e encarei aqueles lindos castanho que esperavam por alguma explicação.

- Bom é uma longa história, mas acho que você não vai querer que eu resuma nada, então vou te contra tudo, só fale quando eu terminar. okay?

Camila balanço a cabeça freneticamente e sentou direito cruzando as pernas sua expressão de curiosidade era tanta que eu tinha vontade de rir.

- Na noite da festa que teve na sua casa, Austin e os seus amigos me sequestraram, me levaram para floresta, ele me bateu. Consegui fugir mas eu acabei caindo em um buraco e fiquei muito mal, tipo quase morta então Keana, Lucy e Dinah me encontraram e Keana me deu seu sangue.

...

Ela ouvia atentamente e cada vez que eu falava sobre o que aprendi, as coisas que estava fazendo Camila ficava de queixo caído e isso era muito engraçado, principalmente quando disse que tomava sangue de animais, e meu preferido de todos e o que eu odiava, mas era o que era obrigada a beber.

- LAUREN!!! Os coelhos são tão inofensivo.

Ela simplesmente esbravejou e fez uma careta de nojo quando disse isso, não pude evitar de gargalhar.

- Eles são nutritivos.

Falei entre gargalhadas e ela me jogou outra almofada e sorriu por um momento.

- Obrigada.

Ela falou de repente me fazendo parar de rir e encarar seu rosto que estava sério.

- Por?

Sabía muito bem por que ela estava agradecendo, mas queria ouvir sua resposta.

- Por ter me salvado de Austin, se você não chegasse...

Camila soluçou forte um choro tomou conta dela em segundo, não esperei nem um segundo, sentei em sua frente e abraço seu pequeno corpo, os soluços faziam seus corpo tremer por inteiro. Percebi que ela não usava mais as roupas de mais cedo e seu cheiro estava normal sem vestígios de ferimentos. Dinah cuidou dela.

- Hey, está tudo bem, agora. - Aperto seu corpo junto ao meu. - Você está bem, eu estou bem. Ninguém se machucou.

Disse enquanto fazia carinho em seus cabelos. Eu sentia seu medo voltar.

- Mas você se machucou, te ver quase morta fez o chão se abrir sobre meus pés... Eu... Eu...

Camila escondeu seu rosto em meu pescoço e seus braços rodearam minha cintura me apertando neles. Era horrível ver Camila chora, me sinto culpada por faz ela passar por isso. A puxei ela mais pra cima da cama e fiz ela deitar em meu peito. Só sairia daqui para levar ela em casa.

Mahone vai pagar por isso, o que ele faria com ela seria uma brutalidade e não farei nada por enquanto, mas quando chegar a hora ele que se prepare quebrar seu braço foi pouco, os socos e arranhões que trocamos não foi nada comparado do que farie com ele. Espero que ele não apareça na minha frente tão cedo. Ele se acha um alfa, que pode fazer tudo que vem a sua cabeça.

Idiota!

Não sei por quanto tempo ficamos em silêncio, os batimentos de Camila ficaram calmos e sua respiração tranquila, Camila não estava dormindo por que sentia seus dedos fazendo uma carinho do lado direito do meu abdômen. Enquanto eu olhava pera o teto.

Ela se mexeu e ficou apoiando o corpo no braço e fitou meus olhos por longos segundos fiz o mesmo.

- Mostra pra mim?

Sua voz saiu trêmula, senti sua mão tocar em meu rosto fazendo um leve carinho, não pude evitar e fechei meus olhos aproveitando seu toque, suas palavras ecoavam em minha cabeça, franzi o cenho para entender o que ela queria dizer com isso.

Abrí meus olhos e me deparei com seus olhos castanhos intensos e esperançosos, sua frase se repetía em minha cabeça ela queria ver meus olhos, meus olhos, seus olhos. Seus olhos, isso meus olhos.

Pensamentos idiotas.

- Mostra pra mim como eles são, Loo?

Seu dedo indicador fez o contorno do meu rosto até parar na ponta do meu nariz, foi impossível não rir.

- Mostrar o que Camz?

Sua risada prencheu o quarto e a mesma me abraça enfiando seu rosto em meu pescoço, deposita um beijo e volta para mesma posição.

- As vezes você é muito lerda Lauren.

- Hey, não sou não.

-Eu quero ver seu olhos do outro jeito.

- O que eu ganho com isso?

Ela fez cara de incrédula e depois riu maliciosa, gostei desse sorriso.

- Nada. - Fiz bico. - Agora mostra.

Agora eu que estava com cara de incrédula, pensando que iria ganhar muita coisa. Abro a boca pra falar e o celular dela começou a tocar em cima do criado mudo, ela pegou o mesmo e arregalou os olhos.

- 23:59 e 23 Chamadas pérdidas da Mama e do Papa!

Não deixei de rir, ela atendeu o celular e eu levantei da cama teria que leva-la em casa, e pegar a moto de Keana, ela não iria se importar.

Últimamente ela tem passado tão cheia de verbena que nem sente onde está e o pior é que, eu também estou sofrendo com isso, nossa ligação é bem forte, pedi para o Liam ejetar verbena nela só de noite, eu preciso estar mais ligada no colégio, no dia a dia.

- Eu estou na casa de um amigo Papa... Não estou mentindo... Em vinte minutos estou em casa... Também te amo.

Ela colocou o celular no bolso do moletom e foi até uma mesinha pegar sua mochila.

- Você pode me deixar na esquina de casa?

Peguei em sua mão e saímos do quarto, a casa estava tranquila.

- Por que na esquina e sim na sua porta?

- Meus Pais sabem que você é uma vampira, mas com certeza já estão sabendo da briga com Austin. Então se você não quiser levar uma estaca de madeira no peito, me deixe na esquina.

Foi impossível não rir, meu sogro era bem protetor. Mas eu amo minha vida, então vou fazer o que Camz pediu. Chegamos na sala só Louis e Liam estavam conversando, Camila acenou para os dois que fizera o mesmo e disseram um Boa noite. Fomos até a garagem e peguei dois capacetes e a moto de Keana.

- Vai pegar a moto da Keana?

Questionou e eu disse um "aham", ela colocou o capacete e subiu na mesma e agarrou minha cintura.

- Não corre com isso pelo amor de Deus, eu sou humana e você não.

cliquei no controle manual da portão da garagem que abriu.

- Tudo bem.

Assim que cheguei na esquina desliguei a moto e descemos.

- Vem me buscar amanhã?

- Se você quiser...

Ela sorriu e beijou minha bochecha e já foi se distanciando, puxei seu braço fazendo nosso corpos se colidir, rimos e eu selei nossos lábios. Camila entre abriu os lábios e minha língua tocou na sua, ela soltou um gemido abafado por meus lábios, ela aprofundou mais o beijo então eu a deixei dominar, abracei sua cintura e apertei contra meu corpo. Camila enfiou a mão em meus cabelos enquanto a outra ela massegeava minha nuca, o ar foi acabando e tivemos que encerra com vários selinhos. Nossa respiração estava ofegante, colei nossas testas por alguns segundos.

- Tenho que ir Loo.

Camila disse se afastando.

- Boa noite.

Ela saiu em passos apresados, fiquei tão focada no que ela fazia que ouvia cada batimento, cada passo, o som dos sapatos em contato ao chão aos poucos foi se distanciando.

Fui para casa e meu pai estava dormindo, uma coisa que notei quando cheguei foi o cheiro forte de cerveja, cigarros e chiclete de menta, meu olfato estava mais aguçado. Fui para meu quarto tomei meu banho e fui dormir.

Amanhã é outro dia e espero que tudo volte ao normal, como se o normal fosse "Normal".



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...