História BiTe - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Demi Lovato, Fifth Harmony, One Direction, Selena Gomez, Teen Wolf, The Vampire Diaries, Zayn Malik
Personagens Ally Brooke, Austin Mahone, Camila Cabello, Demi Lovato, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Normani Hamilton, Personagens Originais, Selena Gomez, Zayn Malik
Tags Austin, Bruxos, Camila Cabello, Camren, Carmen, Demi Lovato, Dinah Jane Hansen, Híbrido, Kai, Larry, Lauren Jauregui, Lobisomens, Lobos, Normani Hamilton, Norminah, One Direction, Selena Gomez, Semi, Supernatural, Terror, Vampiros, Vercy
Exibições 490
Palavras 2.260
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção Científica, Orange, Romance e Novela, Sobrenatural, Terror e Horror, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Durante a fic vai ter momento #Semi #Vercy #Norminah mas o foco é #Camren
mas vai ser no meio da fic, #Semi já teve esse momento por que tinha tragedia no meio.
Depois desse cap. vou começar a focar nas tretas e numa possibilidade de Lauren ------------ e depois Camila ------- e ...

Spoilers não vale.

Até mais...

Capítulo 25 - Cap. 25


{Selena}

A conversa com os Magnon's foi até melhor do que eu imaginava, mas eu queria falar com Lucy, mas percebi que ela não estava bem. Então resolvi deixar pra outro dia, mas antes tirei meu colar - o calar foi feito por uma bruxa, cinco meses depois que fugi de Seattle, nesse tempo eu sabia de muita coisa. Muito mais que sei hoje- que mascarava minha existência e pude sentir um choque em minha cabeça.

A ligação entre eu e Lucy foi iniciada e com isso podia sentir seu desgaste. Lembrei de quando ela fez isso para procurar Keana.

- Pretende ficar com a gente ou...

Dinah apareceu na sala de repente e eu sentei no sofá e fechei meus olhos.

- É, você vai ficar. O que você tem?

Abri meus olhos e ela me encarava seus braços cruzados abaixo dos seios, acho que ela queria respostas.

- Eu acabei de tirar o colar que mascarava minha existência e isso fez minha ligação com Lucy voltar e sua dor me atingiu com força. Como ela aguento da primeira vez?

Passo as mãos pela testa e pelo cabelo e ajeito meu corpo no sofá.

- Não sei, acho que foi a força de vontade de encontrar nossa irmã. Somos uma família e nunca desistimos da família.

Fechei meus olhos por alguns instantes e senti que Dinah queria falar algo. Esperei que ela falasse.

- Pretende ir atrás de Demi?

Abri só um olho e a fitei por alguns segundos, Dinah sentou no sofá a minha frente e pegou seu celular.
Eu pensava em ir atrás de Demi mas eu sentia um medo de reencontrar ela novamente, é difícil esquecer o desespero dela, seus gritos até hoje ecoam em minha cabeça. Eu salvei ela também, ela não sabia nadar e se fosse me ajudar iria morrer.

- Eu conheci ela, linda garota, mas tem muita tristeza e sente sua falta.

Dinah falava enquanto digitava no celular.

Demi sentía minha falta?

Então ela tem esperança de que eu esteja viva, uma pontinha de felicidade ganhou meu coração. Não pude evitar em sorrir, isso é incrível, muitas coisas se passam em minha cabeça agora, o que faz eu sentir ela pesar toneladas, faço uma careta de dor.

- Você está viva, Selena. Você não morreu pra ser uma vampiros fria sem coração. Você pode ter uma segunda chance com Demi.

Essa palavras de Dinah ficaram em minha cabeça, eu quero tanto ver Selena. Nem que seja por dois segundos, sentir o cheiro, seu toque e tem que ser hoje.

Não posso entrar em sua casa por que sou metade vampira, caso isso aconteça eu posso sufocar até morre. Com vampiros de verdade eles nem passam da porta, mas nós que somos metade humanos temos esse problema. Então por isso que também temos que ser convidados.
Tive que ser convidada por Liam para entrar nessa mansão.

Levantei mas logo senti minha cabeça pesar e sentei de novo. É terei que esperar Lucy melhorar primero.

Na manhã seguinte só Dinah foi para escola, Lucy ficou em casa o que achei ótimo, ela precisava recuperar muitas energias.

Estava na cozinha tomando um coelho.
Argh... Eu acho horrível, tomei fazendo careta ou melhor tentando tomar.

- Deixa de fazer careta e toma isso logo.

Lucy apareceu na cozinha e parecia bem, então notei que a dor que tinha em minha cabeça havia passado só uma pequena irrigação na nuca.

- Estou tentando. Porque não sangue de servo é bem melhor.

Lucy negou com a cabeça e foi até a geladeira e pegou um pequena garrafa do mesmo líquido que eu bebia. Eu só observava seus movimentos, Serviu se em um copo médio e tomou tudo de uma vez. Guardou a garrafa de volta e lavou o copo.

Foi até o armário e pegou uma caixa de seriais uma pequena tigela e pegou a caixa de leite que Dinah havia deixado em cima do balcão, preparou misturou tudo na tigela e começou a comer.

- Pode parar de me encarar?

Pisquei varias vezes e só então notei que estava encarando ela, tomei todo o líquido do copo e fui lava lo. Eu não sei bem o que fazer na frente dela, eu sinto que temos que conversar, mas falar o que?

O nivel de tensão das duas partes era grande e eu não queria iniciar uma conversa. Por mais que ela não tivesse me dado seu sangue, eu me sentia uma estranha por não ser ela que tivesse me dado o bendito sangue. Enxuguei o copo e guardei o mesmo.

- Ahm... Bom dia e Tchau.

Fui em direção a saída da cozinha quando Lucy passou por mim com sua velocidade sobrenatural e parou em minha frente, confesso que fiquei com medo. Seu olhar era sério.

- Onde vai?

Perguntou como se fosse minha mãe, o que fez eu franzir o cenho e sorrir por alguns segundos, o que não foi legal de minha parte por que ela me lançou um olhar da morte. Ela caminho mais dois passo e sua mão direita foi para minha nuca e a outra em meu ombro. É impressão minha ou ela vai me induzir?

- Acho melhor a gente ter uma longa conversa, não quero que minha primeira seja uma nomade. Então me espere na biblioteca em cinco minutos.

Nomade é tipo um vampiro sem um Clã e eu não tinha um.

Senti suas palavras sendo marteladas em minha cabeça e isso era insuportável.
Assim fiz o que ela ordenou, não por opção, mas por obrigação. Lucy havia me induzido.

Depois de quase três horas de conversa ela me liberou da biblioteca e para minha, vamos dizer tristeza, terei que voltar a ver meus pais e voltar a ter uma vida como antes. Lucy disse que que a polícia e a imprensa iria cair em cima me perguntando coisas como: Como sobreviveu? Por onde andava? O que iriai fazer agora?
Minhas respostas teriam que ser bem convincentes, agora não sei o que vou dizer mas tenho algo mais importante para fazer.

Agora estava marcando 21:50 e estou em uma rua onde passa para ir até a casa de Demi, é escura e só tem dois postes de luz, um no começo e um no meio.

Não sei quanto tempo estou aqui, mas estou tomando coragem para ir até a casa dela e falar que voltei... Com certeza a mataria de susto, mas era tanta Saudades que tudo dentro de mim se intensifica.

Estava tão ligada em meus pensamentos que quando olhei para o início do beco eu a enxerguei, senti meu coração explodir em uma batida e pulsar de novo. Demi caminhava tranquilamente pela rua e não se importava se o beco era escuro ou não.

Puxei ar para dentro de meus pulmões e caminhei de encontro a ela, mas fui surpreendida por uma brisa de vento que passou por mim trazendo seu cheiro e minha vontade dela aumentou em cem por cento, percebi que minhas prezas e meus olhos estavam dando sinal que estava saindo do controle.

Droga.

Se controla, é só a Dems.

Eu conversava com meu interior para que ele não me dominasse.

- Não tenha medo!

Falei auto suficiente para ela não se aproximar de mim, mas minha voz saiu com tanta intensidade buscando seu olhar a induzindo a parar no lugar.

{Demi}

Uma mulher mais alta que eu falou, e caminhou até onde eu estava.
Não era para mim caminhar sozinha essa noite, mas meu pai pegou o carro emprestado, minha mãe estava na casa de dona Sinu, elas mantinham uma amizade desde o tempo de escola e tinham segredos isso me deixava curiosa.

Elas falam que a curiosidade que eu tinha faltava em Camila, mas elas nunca me contaram e eu deixei de lado.

Eu não podia ver seu rosto, mas seu olhos brilhavam em um vermelho intenso, aquela voz, era conhecida por mim mas não conseguia lembrar.

- ok.

Eu disse, ela chegou mais perto em passos rápidos, tirando os cabelos que caiam sobre meu ombro e cheirou meu pescoço.

- O que vai fazer?

Ela sorriu e suas mão esquerda puxou meu cabelo com delicadeza para o lado deixando o lado direito exposto, senti sua outra mão em minha cintura me puxando para mais perto, eu não sentia medo e isso era estranho.

- Pensei que fosse lembrar de mim, Dems!

Não acreditei quando ouvi o meu apelido, só Selena me chamava assim. Lágrimas rolaram pelos meus olhos, meu coração começou a disparar e eu me afastei tirando suas mãos de mim, não poderia ser ela. Comecei a recuar alguns passos para trás era o que eu fazia,  meu corpo foi iluminado por a luz de um poste que havia passado alguns segundos atrás.

- Não foge de mim, Dems!

Sua voz era doce como sempre foi, mas não poderia ser ela, depois de cinco anos ela estar aqui era algo inacreditável. Eu a havi cair naquele maldito lago e não pode fazer nada por que eu não sabia nadar, ela gritava pra mim ir buscar ajuda e eu fui, quando voltei com um senhor a gente só encontrou suas roupas submersa no rio. Foram seis meses de buscas e um ano e meio em psicólogo pra mim voltar ao normal, sonhos, seus gritos chamando meu nome.

Eu me afastei de todos nossos amigos por que eu lembrava dela, Lauren, Vero, Mani e Ally visitavam sempre que podiam mas aos poucos eu fui afastando elas de mim o único contato que temos hoje é um "oi" pelos corredores da escola. Ally tentava a todo custo me aproximar delas, eu não consigo. Ouvi passos vindo em minha direção e paralisei ao vê la na claridade da luz, ela estava tão diferente com mais corpo, mais alta e suas roupa eram totalmente pretas, Calça jeans, jaqueta de couro fechada, coturno e o cabelo longo e cacheado, ela estava tão diferente.

- Me desculpa, eu não poderia voltar antes do tempo.

Sua voz saia calma e trêmula, olhava para o chão e suas mão estavam em punhos fechado, tinha algo bem errado ou eu estava ficando maluca, louca ou...

Sonhando.

- Acorda...

Falei baixinho atraindo sua atenção, seus olhos estavam normais, ela caminhou em minha direção, eu me assustei.

O que está acontecendo?

Por que eu não acordo?

- Não! Não chega perto você não é ela. Não é!

Em questão de um piscar de olhos ela estava na minha frete segurando minha cintura e seus olhos encarando os meus, minha respiração ficou alterada e eu não sabia o que fazer.

- Sou eu Dems...

Ela fez o mesma carícia que fazia quando estávamos juntas, seu dedo indicador passou pelo meio de minhas sobrancelhas pasando pelo meu nariz, boca e parando no meu queixo. Não evitei em fechar os olhos, o seu toque era o mesmo, seus olhos eram os mesmo, mas tinha mudado algo. Senti seus lábios beijando minha testa e abri meus olhos.

- O que aconteceu com você?

Minha voz saiu em um sussurro, aqui parecia um sonho, bom e ruim. Ter ela tão perto de novo era tão inacreditável, sonhei tantas vezes em que ela voltaria e me abraçava.

- Eu vou te contar, mas na hora certa.

Ela se afastou e pegou em minha mão, puxou para a direção que eu estava indo, ou seja, minha casa.
Quando chegamos ela ficou parada na porta olhando para dentro, seus olhos desenhavam o batente da porta franzi o cenho.

O que ela está fazendo?

- Não vai entrar?

Ela olha pra mim e depois para o chão, sua feição é seria e confusa como se estivesse uma batalha em entrar ou não.

- Você precisa me convidar para entrar em sua casa.

Não pude deixar de rir. Como assim? Selena conhece minha casa mais que eu e minha mãe juntas.

- Mas eu não quero que me convide, por que esse é o único lugar onde você vai ficar segura de mim mesma.

Okay, essa conversa está muito estranha. Por que eu não convidaria minha namorada ou melhor ex namorada para entrar na minha casa? Depois de achar que ela estava morta por anos? É talvez seja melhor assim. O que mais me chamou atenção foi o jeito que ela caminha e fala, é como se quisesse se controlar de algo ou alguém.

De mim?

Caminhei até onde ela estava Selena recuou três passos para trás, seus olhos desviaram dos meus e foram para meu pescoço e os mesmos ficaram em uma cor estranha, Selena os fechou apertando os com força virou de costas me aproximei o suficiente para tocar em seu ombro.
Eu deveria estar com medo do jeito que que Selena esta agindo. Deveria fugir dela e não deixa la se aproximar de mim.
Tudo isso deveria ser um sonho, ou, bem que posso estar em um sonho agora.

Mas era possível, eu quer abraçar, beijar e apertar ela em meus braços.

- Eu não deveria ter vindo...

Ela sai do meu alcance em uma velocidade monstruosa me deixando com os olhos arregalados, um arrepio sobe por minha espinha.

- O que está acontecendo?

Questionei a mim mesma, atordoada por acabar de ver minha ex namorada ou melhor nem isso a gente chegou a ser. Selena simplesmente se movendo em uma velocidade monstruosa. Entro em casa e fecho a porta a trancando em seguida, era pra mim ter medo, mas a única coisa que consigo sentir é felicidade de ver Lena de volta.

- Ela está viva, ela voltou pra mim!


Notas Finais


Não está bem revisado, então Desculpas pelos erros.

Wattpad http://my.w.tt/UiNb/mAhRbBCqSx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...