História Bittersweet - Capítulo 23


Escrita por: ~ e ~DelayedSenpai

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Namjin, Vmin, Yoonkook
Exibições 255
Palavras 1.713
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lemon, Poesias, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OI GENT
Delayed aqui
o Q&A vai demorar um pouco pra sair porque aconteceram altas tretas
e Mario vai passar um tempo fora, então sou só eu, por enquanto

Capítulo 23 - So Cute


 

POV'S Taehyung

 

Não era a primeira e nem seria a última vez que passaria a madrugada em uma boate ou bar espalhado pela cidade.

Me tornei do mundo logo depois de terminar a faculdade (um pouco tarde demais, diga-se de passagem), trabalhava durante o dia e me perdia durante a noite.

Era divertido. Numa dessas noites de farra, encontrei Jung Hoseok, um homem inteligente demais para estar nesse meio sujo e pervertido. Poderia ter transado com ele na primeira noite, mas Hoseok era um cara bom demais para paixões de uma noite. Nos tornamos grandes amigos e passamos a dividir um apartamento no centro da cidade. Mesmo com minha personalidade pervertida, nunca transamos ou tivemos algum contato íntimo.

Nos tornamos quase irmãos.

Ao entrar num bar aleatório, corri os olhos rapidamente pelo estabelecimento, encontrando um garoto de cabelos vermelhos sentado em frente ao balcão.

Sentei-me em qualquer lugar e bebi, esperando a noite passar e o bar encher um pouco, talvez pudesse me divertir um pouco. 
Depois de um tempo, decidi falar com o garoto dos cabelos vermelhos.

Foi difícil não aproveitar a situação? Muito. Mas seria covardia, e politicamente incorreto. No fim da noite, acabei dormindo com ele, inocentemente.

 Eu sendo inocente em qualquer sentido é como uma enchente no deserto.

 

- Tae? - acordei com uma voz manhosa ao meu lado. Resmunguei algo indicando que estava acordando.

 Abri os olhos, olhando para o menor que segurava meu braço com a mão gordinha e fofa. Suas bochechas coraram levemente, sorri com a visão:

 - Bom dia, bebê.

 - B-bom dia e... Me desculpe por ontem.

- Não precisa se desculpar, você não gostou?

- G-gostei...

 - Então está tudo bem.

 Deixei um breve selar em sua testa, logo esticando o corpo. Sentei-me com as costas na cabeceira da cama, sendo seguido pelo mais novo, que apoiou a cabeça em meu ombro com um pouco de dificuldade pela diferença de altura:

- Como se sente? - perguntei.

- Bem.

- Você bebeu muito ontem, pensei que hoje poderia estar com dores hoje.

- Não se preocupe, estou bem.

 Sorriu minimamente. Jimin era tão bonito, sua face emanava uma inocência que já era rara atualmente, os olhos pequenos e os lábios bem desenhados combinavam perfeitamente com sua aura quase infantil:

- Deveríamos levantar, posso fazer um café da manhã como agradecimento por não me deixar fazer mais besteiras. - Jimin disse tirando o cobertor de cima de si e levantando num pulo.

- Não é necessário, não quero te dar trabalho. - levantei-me também, arrumando minhas roupas amassadas.

- Eu já te dei muito trabalho, tenho no mínimo que retribuir.

- Se insiste, tudo bem. Mas deixe-me de ajudar em algo.

 - Não será preciso, tome um banho, você deve estar cansado e desconfortável, posso te emprestar algumas roupas.

Virou-se e abriu as portas de seu armário, procurando algo lá. Jogou uma toalha, uma calça de moletom e uma  camisa em cima da cama. Fechou o armário e entregou as roupas pra mim, logo me levando até seu banheiro:

 - Tome um banho, relaxe, enquanto isso vou preparar nosso café da manhã.

 Apenas obedeci, entrando dentro do banheiro e fechando a porta.
  Tomei um banho rápido, não queria ficar me aproveitando da bondade de Jimin. Logo me vesti, sua calça ficara larga em mim, o que me fazia pensar em quão enorme ficava em Jimin. A blusa era um pouco curta, mas a vesti mesmo assim. Pensei e deveria vestir a mesma cueca, mas seria nojento, então decidi ficar sem roupa de baixo.

Saí do banheiro sendo acompanhado por uma pequena nuvem de vapor. Andei até a cozinha, vendo Jimin a fritar ovos, como um café americano. Usava um moletom realmente grande demais para si, se inclinava na ponta dos pezinhos descalços para ver melhor a frigideira.

Tão fofo.

Deixei minhas roupas dobradas no chão, me aproximando cuidadosamente do menor sem que ele percebesse, logo tocando sua cintura por trás, fazendo com que se assustasse e soltasse um pequeno grito, e se virando. Ri com sua reação, roubando um selinho do menor. Um sorriso largo brotou em seus lábios bonitos, e logo voltou a cozinhar, soltando uma breve risada. Abracei sua cintura e apoiei a cabeça em seu ombro.

Era um recorde passar tanto tempo assim com uma pessoa sem transar com ela, as únicas pessoas com quem mantive relações sem segundas intenções foram Hoseok e... Um garoto que conheci na adolescência. Baixinho e incrivelmente branco, talvez um pouco medroso e azarado. Seu nome era Min Yoongi.

Descobri em uma conversa aleatória com Hoseok que ele também conhecia Yoongi, e que tivera de ir para uma escola de padres por ter se relacionado com Yoongi. Disse que também sentia falta dele, mas ao menos sabíamos se Yoongi estava ou não na cidade, e se estivesse, Seul é enorme, quais são as chances de conseguirmos encontrá-lo?

- Pode colocar suas roupas na lavanderia, estarão limpas e secas até o fim da tarde. - Jimin disse em seu tom doce de sempre.

- Bebê, já disse para não se preocupar comig...

- E-enquanto suas roupas não f-ficam secas n-nós p-poderiamos passar u-um tempo j-juntos... S-se você quiser, é-é c-claro. - disse virando-se e juntando as mãos pequenas em meu peito, olhando-as enquanto sua face corava.

Tão, tão, tão fofo.

- Claro que eu quero, bebê. Assim podemos nos conhecer melhor, já que ontem não tivemos muito tempo pra isso.

Peguei minhas roupas novamente e as deixei na lavanderia que havia no fim do corredor. Voltei para a cozinha, Jimin colocava desajeitadamente os ovos em um prato, tentando não se queimar. Fui até ele e toquei sua mão delicadamente:

- Eu faço isso para você, não quero que se queime. - disse, Jimin proferiu um "Okay" baixo e deixou que eu terminasse de colocar os ovos no prato.

 Pegou uma toalha quadriculada em uma gaveta e foi até a mesa, esticando o pano sobre ela.
    Olhei por cima do ombro o que fazia, vendo-o se inclinar para conseguir arrumar o outro lado da mesa, fazendo seu moletom subir e revelas suas coxas grossas e o sua bunda farta coberta apenas pela boxer preta.

Tão lindo.

Continuei observando enquanto ele se inclinava cada vez mais sobre a mesa. Mordi os lábios inconscientemente com a visão. Então comecei a sentir algo quente escorrer em minha mão, ficando cada vez mais quente. Soltei a frigideira rapidamente na pia e gritei cortado por conta da dor. Jimin se virou e correu até mim.
Eu sou muito burro:

- TaeTae, você está bem? - segurou minha mão delicadamente, observando a pele vermelha queimada.

 Fez um biquinho fofo, e deixou um selar na área machucada, logo soprando:

 - Vai passar. Vou pegar uma pomada para queimadura, espere só um segundo.

 Jimin saiu da cozinha, correndo para o banheiro. Sorri bobo com sua preocupação e a forma fofa com que lidou com a queimadura.

Sempre tão fofo.

Voltou com uma pomada e uma toalha molhada. Cuidou da queimadura com cuidado, e logo depois deixou um beijinho na minha bochecha:

- Agora está tudo bem. Vamos terminar logo isso e comer, estou com fome - disse e voltou a arrumar a mesa, agora pegando pratos e talheres.

Comemos nosso café da manhã entre risadas e histórias. Me senti realmente feliz ali, conversando com Jimin, não era como todos os outros com quem passava a noite, normalmente acaba transando e logo indo embora sem deixar vestígios, mas com Jimin, apenas poder ouvir sua risada contagiante e ver o olhos pequenos virando pequenas linhas curvadas por seu sorriso na pele branquinha de bochechas fofas e rubras já era mais do que o bastante para que quisesse passar horas e mais horas a conversar consigo.

 Depois que terminamos de comer, Jimin me deu uma escova de dentes nova que havia guardada para caso fosse sobre necessário algum dia. Escovamos os dentes e arrumamos a cozinha. Quando finalmente terminamos tudo, Jimin me abraçou. Assustei-me um pouco pelo ato repentino, e logo retribuí. O menor escondia o rosto em meu peito, soltou um suspiro baixo e disse baixinho:

- Obrigado por ficar comigo, e me perdoe por ser tão meloso. Eu... Acho que estou abusando de sua boa vontade.

- Ei, não se desculpe. Está tudo bem. Jimin, você é incrível, eu gosto de como é meloso, e sempre tão fofo. Se alguém aqui está se aproveitando da boa vontade alheia, sou eu. - me afastei um pouco, sem deixar de abraçá-lo. Levantei seu queixo e selei nossos lábios sutilmente.

Jimin riu baixinho e contido, logo deixando outro selar em meus lábios. Ficamos assim por um tempo, apenas trocando selinhos e risadas:

 - TaeTae, vamos voltar para a cama... - resmungou manhoso rente à meus lábios, um pouco ofegante e com as bochechas adoravelmente rubras.

Estava me saindo tão bem em ser inocente e legal, mas é complicado permanecer assim quando Jimin tem esse jeito fofo e manhoso que poderia me deixar louco:

 - Claro, bebê. O que quiser.

Ele sorriu daquele jeito fofo e correu até o quarto e passinhos curtos. Tão fofo.  Quando estava prestes a segui-lo, alguém bate na porta. Gritei para quem quer que estivesse na porta esperasse e fui atende-lo:

- Quem ousa interromper o meu momento com o meu bebê? - pergunto.

Não, eu não me importo em parecer rude.

Reconheci o garoto, o havia conhecido em uma noite qualquer, seu nome era... Jungkook, certo?

 Depois de uma discussão amigável que me rendeu muitas interrogações e também muitos pontos finais, Jungkook foi embora:

- Agora vamos voltar pra cama, sem interrupções. - Jimin disse, agora me puxando até seu quarto.

 Jogou-se na cama, aninhando-se ao cobertor, deitei-me ao seu lado, deixando um selar em sua bochecha. Jimin retribuiu, até nossas bocas se encontrarem e subitamente começamos um beijo deveras afoito. Agora estava sobre o corpo de Jimin, este abraçava minha cintura com as pernas.

Jimin quebrou o beijo por um instante, respirando com dificuldade:

 - T-TaeTae... - falou ainda bastante ofegante.

 - Sim, bebê?

 - A-até a-agora você me chamou t-tanto de b-bebê... S-se eu sou seu baby, você é meu daddy?

Jimin deveria ser preso por afronta à minha existência:

- Se você quiser... - disse, mordendo seu queixo.

- E-eu quero... D-daddy...
 


Notas Finais


Jimin é uma afronta em carne, osso e fofura.
AMO MUITO DADDY KINK SIM
to triste
saudades Mario ;-; #TeamCiladaDomina


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...