História Black - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Tags Nalu
Exibições 231
Palavras 2.587
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela
Avisos: Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa leitura
Desde ja desculpe qualquer erro.
Bjos.

Capítulo 12 - Surpresa.


Você sabe o que é a mas pura felicidade? Eu sei, por que foi assim que eu me senti nessas duas últimas semanas com o Natsu. Vejo ele todos os dias. Ele espera do lado de fora do meu trabalho e ele me leva de volta para o sua casa e me fode até o esquecimento. Nós quase não falamos, e quando fazemos, sou eu falando. Eu aprendi que ele não gosta de falar, mas ele gosta de ouvir. Não há nada de errado com isso, eu acho que é apenas a maneira como ele sempre foi, ouvir e ver o que todo mundo faz. Ninguém realmente queria ouvir o que ele tinha a dizer. Então ele só leva tudo na mesma medida. Mas quando ele fala, vejo vislumbres do homem que ele realmente é, e é um belo espetáculo para ser visto.

Estou autorizada a tocar seu pescoço, seu rosto e cabelos. Ele não me deixou eu me aventurar mais, eu tentei. Mas quando eu faço, ele coloca as minhas mãos sobre minha cabeça e bate em mim com tanta paixão que eu esqueço tudo o que aconteceu. Deixando ele me tocar de qualquer maneira que lhe agrade. Eu não acredito que eu sou uma mulher fraca, eu acredito que eu tenha tido uma mão ruim. Eu acredito ter achado que estava apaixonada quando eu era jovem e que, quando um homem me dissesse que me amava, que eu deveria acreditar. Que cada palavra que ele me falava era verdade. Mas não era, eu era ingênua, jovem, definitivamente estúpida.

Natsu é o oposto. Ele não me diz que me ama, mas ele diz que eu sou bonita. E eu acredito nisso, eu acredito em toda palavra que sai de sua boca. Eu não estou sendo ingênua neste momento, eu acredito que o que ele diz é verdade. Quando ele coloca o seu tempo em alguém, ele coloca o seu tudo.

Quando eu saio do trabalho, ele está de pé do lado de fora da sua caminhonete. Suas mãos estão dobradas nos bolsos, e como de costume ele tem um óculos cobrindo os olhos. O terno preto que ele sempre usa se encaixa como uma luva cobrindo o seu corpo. Tenho borboletas no estômago só de olhar para ele. Eu quero correr para ele e envolver meus braços em torno de sua cintura, mas ele não vai deixar. Minhas mãos estão autorizadas a ir ao redor de seu pescoço agora, e a sua em volta da minha cintura, geralmente na minha bunda. Mas eu não reclamo.

Ele me dá pedaços e pedaços Eu não acho que ele mostre isso a mais alguém. Na noite passada nós estávamos no chão, nós dois nus, ambos absolutamente cansados. Ele disse alguma coisa depois que eu perguntei a ele sobre suas paredes, por que elas estão cobertas de grafites. É uma coisa estranha de se ver, ninguém tem paredes como ele, mas ninguém é como Natsu End Dragneel.

— Eles me levam de volta há um tempo, um tempo quando eu era jovem e encontrei uma menina bonita na noite mais escura das noites. Tivemos uma ligação indescritível e eu gostava de grafitar coisas para ela. E ela se sentou e me assistiu. Foi provavelmente o momento mais feliz da minha vida.

Eu derramei uma lágrima quando ele disse que aquela época foi o dia mais feliz de sua vida. A única maneira de se lembrar era pintando o interior de sua casa mais tarde. Eu durmo no sofá quando estou na casa dele. Eu não vi o interior de seu quarto, ele não me deixa até que eu esteja dormindo. Ele espera, e espera até que eu desmaie. O que nunca demora muito depois de fodermos. Eu tenho uma coisa pra dizer a ele hoje à noite, algo que eu preciso fazer, algo que falta em mim e ele precisa entender. Eu não sei como, eu só espero que isso não seja o nosso fim.

* * *

— Acho que devemos conversar. — ele está nu, respirando pesadamente em cima de mim. Minhas mãos estão acima da minha cabeça, seguradas pelas suas. Ele entra em mim de novo, meus olhos estão fechados, puro êxtase toma conta de mim. Eu me viro para abrir os olhos e ver que ele está olhando para mim, me observando. Ele gosta de fazer isso, ele gosta de me ver. Eu não posso evitar, mas fecho os olhos, é o instinto me assumindo.

— Não — diz ele, saindo de mim, me deixando no chão. Ele está nu e caminha para a cozinha. E uma bela vista. Sua bunda é esculpida, sem gordura, de costas ele é poderoso, assim como o resto do corpo. Eu me viro para me sentar embora meu corpo esteja dolorido. A luz da geladeira brilha sobre ele, fazendo-o parecer muito mais poderoso do que ele já é.

— Eu tenho coisas para te dizer. — eu pego a garrafa de água quando ele joga para mim. Ele inclina a cabeça para o lado, me avaliando.

— Eu não quero ouvir, Lucy.

— Por quê?

— Nossa bolha está bem do jeito que está, não à estoure. — é tudo o que ele diz, em seguida, caminha para o seu quarto, fechando a porta e me deixando para fora. Eu não me incomodo em seguir, é um desperdício de tempo. Ele não me deixa entrar, de qualquer maneira. Quando ele sai, dez minutos depois, ele está completamente vestido de luvas e um terno preto com o cabelo ordenadamente bagunçados.

— Indo transar? — faço uma piada, de pé e encontro meu vestido, deslizando-o sobre o meu corpo.

— Sim.

Eu fico em chocada, ainda meio vestida. Ele está brincando, eu posso ver, mas magoa, mais do que deveria.

— Onde você está indo? — eu pergunto, colocando meus sapatos enquanto ele assiste cada movimento meu.

— Eu tenho trabalho a fazer, Lucy. Eu tenho mais o que fazer do que ficar transando com você. 

— Bom, eu também tenho planos para amanhã. Não me pegue. — sua testa enruga enquanto ele avalia o que eu acabei de dizer. Ele fica lá, então se vira, pegando suas chaves. Ele acena para que eu o siga. Eu o faço sem uma palavra.

Ele nunca me levou para casa depois de ter passado uma tarde com ele. Eu estou sempre lá quando ele acorda, vestida e pronta para o trabalho. Ele levanta sempre na hora certa, pronto para me levar para o trabalho, sem que eu mesma diga para fazer.

Ele para na casa de Erza, estaciona sua caminhonete no jardim da frente. Está escuro e suas luzes estão apagadas. Ela deve nos ouvir, já que a luz da cozinha acende, então eu viro para encará-lo. Seus olhos se mantem à frente, sem olhar para mim. Estendo a mão em um punho, em seguida, faço uma pausa, pensando no que eu deveria dizer.

— Você vai me ligar? — eu pergunto, com minha mão na porta, pronto para abrir. Minhas costas estão para ele, eu não posso enfrentá-lo - ele se fechou.

— Não.

— Eu ligo para você, — eu digo, saindo. Ele não me diz mais nada, e vai embora como se nada tivesse acontecido.

 

 

Natsu Pov’s

 

Eu a observo da minha caminhonete, embora ela não quisesse me ver hoje à noite. Mas isso não significa que eu não posso vê-la. Ela está do lado de fora de uma escola, à mão está pressionada contra a cerca, seu longo cabelo e loiro solto. Ele flui cada vez que o vento pega. Ela parece triste, mais miserável do que eu já vi. Seus olhos estão vermelhos e sua boca está apertada. Eu me pergunto o que é que a faz ter esse olhar em seu rosto como se o seu mundo fosse tão quebrado que não há nenhuma maneira de repará-lo.

Mas eu não posso me perguntar. Eu nem deveria estar aqui. Mas eu simplesmente não posso evitar. Ela é como uma droga, a minha própria fodida droga pessoal. E eu não posso me afastar, não importa o quanto eu tente. Não é bom para nenhum de nós, essa fodida coisa que ambos temos acontecendo. Nós dois estamos tão rachados quanto o outro. Tão quebrados quanto o outro. Dois corações quebrados não podem se acertar. Apenas causaríamos uma avalanche de sentimentos, sentimentos que nenhum de nós poderia desvendar.

Ela abre a porta, as crianças correndo ao redor do campo de jogos. Me sento mais a frente para que eu possa ver mais claro. Ela cai de joelhos quando ela chega ao portão, um soluço sobre seu corpo. Um menino corre para ela, envolvendo seus minúsculos braços ao redor de seus ombros e grita. A cena não faz qualquer sentido, eu não consigo entender o que estou vendo. Então eu vejo a boca do menino e eu sei, sei que é isso que ela queria me dizer.

Mamãe.

Eu não posso mais vê-la. Eu não posso mais fazer isso. Eu não posso lidar com tudo isso. É demais, vai ser demais para ela.

Mas eu não posso evitar.

Droga... ela é uma droga... e eu estou loucamente viciado.

* * *

Eu sento lá e a observo por uma hora. Eu tenho um trabalho hoje à noite. Eu não posso deixar o que eu tenho com ela afetar o que eu faço. Eu já recusei trabalho porque eu queria vê-la todos os dias. Ela me escuta quando eu digo para não me tocar, ela me obedece. A maioria das mulheres com quem eu fiquei nunca obedecem, elas sempre tentam tocar, me tocar em lugares onde mãos não são permitidas.

Estou tão perdido em pensamentos que não percebo quando ela se endireita e agarra o menino, não até que seja tarde demais. Eu não sou rápido o suficiente para o tapa que ecoa através do seu rosto. O menino que é puxado para longe dela chorando, e o homem que o puxa pela braço tenta afastá-la. Lucy grita algo, lágrimas encharcando seu rosto, fazendo escorrer a maquiagem. Seus olhos estão brilhando.

Este é o pai, isso eu posso dizer.

Ele vai embora, e Lucy cai no chão. Sua cabeça está entre as mãos. Eu deveria ir até ela, tentar confortá-la, mas eu não posso. Eu não sei como. O que eu diria? Como fazer isso? Eu nunca fiz ou precisei fazer algo parecido. O choro é uma zona desconfortável para mim.

Eu fico no carro, querendo tocá-la e abraçá-la, sabendo que eu não deveria. Eu vou para o meu trabalho, o meu equipamento já na minha caminhonete. O toque de Gray começa, e é a terceira vez que ele me liga esta semana. Eu estive ignorando suas ligações, ignorando-o completamente. Eu não quero que ele ligue os pontos e potencialmente arruíne tudo.

Eu sei que se eu não atender em breve, ele vai vir atrás de mim. E ele é muito bom em descobrir o que ele quer e o que precisa.

— Sim — eu atendo, entrando no clube de strip local. Eu paro o carro e desligo, virando pra atrás para pegar a minha arma. Esta noite é diferente, esta noite é um golpe perto e pessoal. Meu telefone toca. O toque de Gray, é hora.

— Você sabia que isso ia acontecer, não é? Você sabia que eu iria descobrir. — eu olho para a arma, me perguntando se seria mais fácil simplesmente matar todos aqueles que estão perto de mim. É a manteria segura?

— Sim, eu sabia — eu finalmente respondo.

Ele grita ao telefone. — É por isso que você está me ignorando, você não quer que eu saiba.

— Sim.

— Você sabe que ele sabe, ele a quer de volta, E.N.D, e eu não posso dizer não a ele.

— Apenas me diga quando?

— O que você vai fazer, E.N.D? Não faça isso por ela. 

— Eu vou fazer o que tenho que fazer, Gray, apenas não esteja lá para buscá-la. Você não vai gostar do resultado. 

— Porra! — ele grita em voz alta e desliga.

Está cheio quando eu entro, e eu a encontro imediatamente. Ela está no bar, os seios estão inclinados para cima. Ela está seduzindo um homem com o dobro de sua idade. Ela me vê assim que eu entro à vista e ela olha em volta, nervosismo evidente em sua expressão facial enquanto o seu corpo treme.

— Minerva.

— Não faça isso, E.N.D — diz ela, dando um passo tão longe de mim enquanto ela pode, indo eventualmente para atrás do bar. Suas roupas são miseráveis, os seios em plena exibição.

— Eu preciso falar com você em particular.

— Não. — ela balança a cabeça para trás e para frente.

— Esta é a última vez que vou pedir.

— Eu não posso. Eu sei, eu sei por que você está aqui. Eu só não posso. 

— É essa a sua escolha? — ela olha para mim com a boca aberta e um pequeno suspiro deixa sua garganta. A cabeça lentamente acena para cima e para baixo. Eu aceno a minha e vou embora. Ela corre assim que eu estou fora de vista. Eu me viro para vê-la e depois a sigo. Ela corre para a parte de trás do clube e se tranca em um quarto. Ouço conversas, então arrombo a porta, revelando ela no telefone. Ela grita, mas ninguém vem. Eu a agarro com força, e ela deixa cair o seu telefone ao chão onde ele quebra em pedaços. Ela tenta me chuta para se libertar, mas não funciona.

Está escuro, o clube não é cercado por nada, apenas mato. Eu a levo para lá, e ela não para de gritar durante todo o caminho. Quando acho que estou longe o suficiente, eu a solto e ela tenta correr. Mas eu consegui colocar uma corda enrolada em seu pescoço quando ela estava lutando contra mim. Agora a corda aperta enquanto ela tenta correr fazendo-a cair no chão, arranhando o seu pescoço, tentando removê-la.

Eu estou em cima dela e ela luta. Percebendo que nada está funcionando, embora eu tenha que dar o braço a torcer, ela luta bem. Eu tenho certeza que eu tenho arranhões sobre todo o meu corpo.

— Por favor, não faça isso, — ela implora, lágrimas caindo pelo rosto.

— O que você acha que aconteceria? Por que você não fugiu? 

— Eu fugi. Eu mudei meu nome. É só dizer que você nunca me viu, por favor. Eu vou te dar tudo o que tenho.

— Eu não trabalho assim, Minerva.

— Você é igual a eles... escória, — ela grita para mim.

— Como a escória que você roubou? Você roubou perto de um milhão de dólares, Minerva. O que você acha que aconteceria? Você poderia simplesmente ir embora... escapar? — eu rio para ela secamente.

— Você é doente, você sabe disso? Um maldito doente e totalmente fodido.

— Eu nunca disse que eu era normal, baby.

— Não, você é mais baixo do que o próprio diabo. Você é um assassino. 

— Adeus, Minerva. — eu digo, trazendo a arma para cima e atirando. Sua boca está aberta, as palavras que querem deixar sua boca nunca fazendo plenamente a sua fuga. Seus olhos estão grandes, com choque e raiva.

Eu a deixo ali, como no pedido.

— Está feito, — eu digo ao telefone com o Zero.

— Obrigado, meu filho... — são suas palavras de resposta antes de eu desligar na cara dele.

Você acha que alguém como eu, alguém que mata pessoas para viver, teria pesadelos. Quando eu coloquei a minha cabeça no travesseiro naquela noite, à espera do pesadelo, eu me perguntei por que eles não vieram. Eu sou tão fodido que alguém como eu não os merece? Ou talvez tudo de ruim que eu faço é a minha penitência.


Notas Finais


Eu ia postar mas cedo... mas estava muito cansada.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...