História Black Angel - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 7
Palavras 1.392
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo, Visual Novel
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Self Inserction, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi gente!
No cap de hoje a Zoe reencontra Harry e o mesmo desabafa. Também saberemos mais a respeito dos planos da nossa sombra negra (Zoe).
Agradecemos a sua leitura! Favorite e...
"Vão Lendo"

Capítulo 23 - Is Forgiving


Fanfic / Fanfiction Black Angel - Capítulo 23 - Is Forgiving

[...]

-Quer sair daqui? –Ele pergunta.

-Adoraria. –O respondo.

Terminamos nossa taça de champanhe e então nos enturmamos. Nos despedimos e logo saímos. Foi apenas uma festa para me apresentar oficialmente para os fãs e os haters em geral. Mas, ao chegarmos em sua mansão...

-... Sinceramente, que gente chata. –Comento, procedendo uma conversa anterior iniciada quando entramos no carro para virmos à sua mansão.

-Esse é o meio artístico! –Ele sorrir, abrindo a porta para me.

-Eu não esperava que fosse tão rápido Justin! Essa cadela roubou você de me? –É a Selena!

-Selena?!! –Justin fica nervoso.

-Sei que é difícil encarar que seja o fim, mas vai tentar superar o nosso fim com essa daí?! Você é realmente tosco, Justin! –Selena se aproxima.

-Não chame ela desse jeito, e ela não é a superação de uma tragédia que foi o relacionamento entre nós dois. Ela é a minha namorada e isso você precisa aceitar. –Justin fica em minha frente. Ele realmente finge bem!

-Você é boba, garota. Muito ingênua! Quando ele achar que não te quer mais, te joga fora! Esse casal de mentira, não dura!!! –Selena me olha.

-Selena, sai. Vai embora daqui. –Justin manda, em tom brando.

-Não até você me explicar que palhaçada é essa?! –Ela mostra a tela do celular nas últimas notícias. –Francamente, Justin! Uma festa de apresentação??! Você é paranoico ou o quê? O que está pensando? Em destruir a minha imagem? Em me destruir??! Ha! Esse namoro não dura! Eu mostro a você que não dura! Como pode desprezar tanto os meus sonhos? Que lixo! Que lixo vocês dois juntos... Que sacanagem! Você me trocou por essa daí... Você é tóxico Justin! Você é tóxico! Eu odeio você, eu juro que eu odeio você! –Selena fica totalmente fora de si. Se descontrola e chora falando alto.

-Eu não posso permitir que isso continue, por favor, vai embora. –Justin pede.

-Ótimo. Eu vou, mas eu volto! Eu volto e fico! –Selena fala, olhando para me.

-Lindo! Lindo, viu?! Um escândalo desses atoa! Para absolutamente porra nenhuma! –Justin fica furioso, pois os vizinhos começam a olhar pelos portões.

-EU NÃO ME IMPOOOORTO! A MINHA VONTADE É DE QUEBRAR A CARA DELA E ARRANHAR A SUA! EU VOU ACABAR COM VOCÊ, JUSTIN! EU VOU ACABAR COM VOCÊ!! COMO VOCÊ PODE? COMO PODE TER ME TROCADO POR ELA? EU NÃO CONCORDO, EU NÃO ACEITO! NÃO ACEITO MESMO!!! POR ACASO JÁ TRANSOU COM ELA? JÁ LEVOU ELA PRA CAMA???! VOCÊ É SUJO! É UM LIXO! NÃO PRESTA... NÃO VALE NADA! EU ODEIO VOCÊ! E TIRA ESSA GAROTA DA MINHA FRENTE OU EU QUEBRO A CARA DELA! –Selena embarra no ombro de Justin e então caminha em direção ao seu carro.

Selena entra em seu carro o acelera e sai em alta velocidade, descontroladamente, derrubando lixeiros e subindo com o carro em calçadas.

-Você já está acostumada com isso? –Justin me olha, enquanto estou apenas observando.

-Deveria ir atrás dela. –Falo, levemente sorrindo.

-Você fica bem, sozinha aqui? –Ele pergunta.

-Claro. Vai lá. Ou ela pode se matar ou matar alguém. –Falo e então Justin pega um de seus carros, na garagem, e sai.

E eu? Simplesmente dou de ombros, respiro profundamente e entro na mansão. Olho em volta, prendo os cabelos em um coque e subo as escadas. Aparentemente, essa noite vai ser longa. Vou em direção ao quarto, mas desisto e decido ir para o telhado da mansão, onde quase ninguém vai.

...Mas chegando lá...

-Harry? –Me assusto ao vê-lo no telhado da mansão do Justin!! –Como chegou até aqui? –Pergunto, abrindo mais a portinha.

-Então é verdade... –Ele não vira para me e continua de costas, observando as ruas e a ponte que passa por cima do lago.

-O que faz aqui? –Pergunto, aproximando-me dele.

-Aprendi com você. –Ele finalmente me olha de lado.

-O quê? –Pergunto, de lábios caídos e olhos arregalados. 

-Mentir. –Ele me olha nos olhos. Seus olhos estão marejando e sua voz está trêmula. Ele engole a saliva e passa a língua sobre os lábios. Afaga o nariz e revira os olhos, voltando a olhar para o horizonte.

-Harry, eu não... –Ele não me deixa terminar.

-Deixa eu falar... –Ele olha para baixo. –Aprendi com você que tudo é vário, efêmero, temporário. E que não se pode ter a verdade e a felicidade, não se pode ter os dois. Quando eu tinha a felicidade ao seu lado, eu não tinha a verdade. Mas, agora que estou tento consciência das verdades sobre você, minha felicidade está sumindo. –Algumas lágrimas caem de seus olhos e escorrem pelos seus cílios alongados. –Sabe o que é viver em um quarto vazio? –Ele me pergunta, mas não me olha.

-Não exatamente. –Respondo, enquanto meu coração lateja rapidamente, vendo-o chorar em minha frente. Eu me desmorono enquanto ele chora.

-É tipo assim, você grita... O som ecoa, mas ninguém ouve e assim, você acaba deixando os momentos ruins definirem você. Estou contando as minhas dores para os papeis, fazendo músicas que são sucesso nos ouvidos dos meus fãs, mas são tragédias dentro de me. Mas talvez seja melhor assim. Melhor não ter você, do que te dividir com aquele otário. –Harry vira de costas e planeja sair.

-Harry... Espera! –Puxo seu braço.

-Me deixa ir. –Ele pede, de cabeça baixa.

-Eu não posso contar o que está acontecendo, você não entenderia. Eu sei que é difícil encarar que essa situação esteja acontecendo, mas... Por favor, me perdoa! Por favor, entenda. –Abraço-o por trás.

-Como posso não entender, se isso é o que eu mais quero agora. –Harry murmura.

-Você... Simplesmente não entenderia. –Deslizo minhas mãos sobre as mãos de Harry.

-Tem um problema grande comigo. É que eu não sei lidar com a saudade. –Harry aperta minhas mãos.

-Meu bem, eu não posso voltar agora. Eu não posso desistir. Você me superará. –Afasto-me, soltando-o.

-Eu não quero superar você, eu quero ter você de volta, Zoe. –Ele vira-se para me.

-Então... Por favor, me espere. –Peço.

-Eu não posso esperar por alguém que não vai voltar. -Ele revira os olhos e ergue a cabeça.

-Você... Com o tempo, você me esquecerá, eu sei disso. -Aproximo-me mais e o olho de frente. Encosto minha mão sobre seu rosto. -Harry... É triste dizer isso (me seguro e não choro) mas eu preciso dizer. Eu não mereço você, Harry. Eu fiz você chorar quando você tanto me fez sorrir. Eu realmente me senti alguém com você. Eu me senti... Alguém. E eu realmente não sei como dizer isso, mas... Eu te amo tanto que é de não saber o que fazer comigo mesmo. E é por isso que eu... Não posso ficar com você. Não posso permitir que fique comigo quando tudo estiver desmoronando. A minha auto-destruição é apenas por você. Então... Por favor, vá e não olhe para trás. Eu não mereço você, Harry. Mas... Outra pessoa melhor do que eu, merece! -Franzo o cenho e viro de costas, começando a chorar fortemente. Escondo minha verdadeira face, para Harry e nem ninguém ver.

-Sabe o que é pior nisso tudo? –Ele franze o cenho.

-Saber a verdade? –Aperto os olhos, com medo do que virá a seguir.

-Você foi a mentira que eu mais acreditei. –Harry fala e então desce do telhado, amarrado a alguns equipamentos, em uma rapidez inestimável. 

E eu fico aqui, incapaz de me mover e ir atrás dele. Meu longo vestido, que antes era o mais luxuoso da festa diante as câmeras, agora não passa de alguns tecidos na cor carmim voando com o vento forte do telhado de uma mansão que é sustentada em mentiras. De braços cruzados, abraçada a me mesma, não faço expressão alguma em minha face. Olhando paralisada para o nada, meus olhos transbordam e minhas lágrimas deslizam sobre minha pele, lentamente. Infelizmente, eu não posso fazer nada que mude essa situação. Primeiramente já começa errado demais. Eu sou apaixonada pelo meu irmão, sou metade máquina e a outra metade é parte dele. Não tenho, sequer, uma casa para chamar de “minha” nem um lar para chamar de “meu”. As únicas pessoas que confiavam em me, hoje têm todos os motivos do mundo para não confiarem e eu estou aliada ao inimigo deles. Estou sustentando várias mentiras em uma só, apenas em busca de duas coisas: “A liberdade do Harry. E VINGANÇA”.

 

 


Notas Finais


Gostou? Sério? Então deixei o seu favorito e comente também. Isso nos ajuda muito e nos incentiva a fazermos sempre melhor. Repasse para os seus amigos e...
Até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...