História Black Forest - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Dajan, Dakota, Debrah, Dimitry, Iris, Jade, Kentin, Leigh, Lynn, Lysandre, Melody, Nathaniel, Nina, Personagens Originais, Priya, Rosalya, Viktor Chavalier, Violette
Tags Amor Doce, Aventura, Drama, Fantasia, Ficção, Magia, Medieval, Romance, Suspense
Exibições 64
Palavras 1.220
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oiii gente linda *-*

💎Trazendo aqui, mais um cap para vcs
💎Espero muito que gostem
💎Boa leitura!!

Capítulo 2 - Dissolução dos Clãs


Fanfic / Fanfiction Black Forest - Capítulo 2 - Dissolução dos Clãs

Lynn Connor

 

Após uma breve caminhada chego até a cerca, com muito cuidado a atravesso, olho em volta para ter certeza de que não havia ninguém me observando e volto a andar.

O palácio não fica muito longe, acho que em um dia chegarei lá. Graças a Deus, os condenados a morte tem dois dias para que a pena seja cumprida, ou seja, tenho dois dias para salvar minha vó, e quem sabe conseguir fazer com que o rei mude seus conceitos sobre nós, o que duvido muito, mas não custa nada tentar... e se custar, talvez pagarei com minha vida.

Um mundo onde fora dividido em clãs. Existe uma lenda, que ensina que, a magia foi criada a partes, cada pessoa contém um tipo de poder relacionado ao seu clã, infelizmente não possuímos hoje o que sempre fora nosso por direito. Após uma terrível guerra entre as comunidades distintas, o rei decidiu que a melhor opção na época seria a dissolução dos clãs, finalizando assim, qualquer tipo de rivalidade entre as divisões. Porém não foi bem isso que aconteceu, após sua dada ordem, ouve muitas discussões entre os discípulos, o que causou a morte da rainha Adelaide, pelo que minha vó me contou, ela deixou dois filhos herdeiros, o menino que por sua vez é sete minutos mais velho que sua irmã, tornando-se automaticamente o futuro mais novo rei de Alfleya.

Após perder sua esposa, Francis decidiu acabar de vez com aqueles que considerava inúteis ao reino, porém sendo Arkeys, o único clã sobrevivente da guerra, ele deixou que vivessem em Fayllen, com a condição de que, nunca ultrapassassem a cerca os tirando assim o privilégio de usar seus poderes.

Agora, anos depois do acontecido, nós, a segunda geração desse clã, vivemos em uma guerra particular, onde a esperança é nossa maior aliada, enquanto sofremos as consequências da antiga divisão.

 

[...]

 

Não aguento mais... andei muito e só o que vejo são arvores e mais arvores, essa escuridão assustadora...

 

Mas não vou desistir e nem se quisesse poderia, pois já não sei mas aonde estou. Minha intuição diz que o caminho para o palácio é ir reto.

 

Peguei a lanterna que carregava dentro da mochila e apontei para os lados, a procura de um lugar onde possa passar a noite, não aguentarei dar nem mais um passo com essas pernas tremulas. Estava frustrada, cansada e ainda mais, morrendo de fome.

Vi uma arvore um pouco distante de onde me encontrava, não era uma arvore comum, eu acho. Ao redor dela havia milhares de vagalumes, a única luz em meio àquela enorme floresta negra.

Com muito esforço caminhei até ela, assim que me aproximei dei-me por vencida e deixei meu corpo descansar. Encostada na arvore fitando a bela vista das luzinhas, peguei uma das maçãs que havia colocado na mochila e praticamente a devorei em menos de duas mordidas. A fome é uma das dificuldades que sempre tive que enfrentar ao longo da vida. É terrível.

 

[...] 

 

Estava quase pegando no sono quando ouço o barulho de uivado... Espera o que???

Fiquei completamente paralisada, existe lobos na floresta?? Meu Deus!

Não consegui me levantar, apenas segurei fortemente minhas pernas me encolhendo, tentei ao máximo não fazer barulho, seja lá o que for não vai me achar se continuar imóvel... bem, é o que eu pensava, mas parece que errei na suposição.

Me segurei para não gritar quando vi dois olhos arregalados no meio dos arbustos vindo em minha direção.

Controlando fortemente a respiração, fechei meus olhos esperando para o ataque, quando ouço passos... passos humanos...

 

 – Você de novo?! – Essa voz... olhei rapidamente para o rapaz que me encarava, era o mesmo que encontrei hoje mais cedo, mesmo estando escuro reconheci seus olhos cinzas penetrantes – O que a criança faz aqui sozinha?

Olho para o lado e vejo o “lobo” na verdade acho que é um cachorro, um cachorro enorme parado ao lado do... Castiel, pelo o que me lembro esse é o nome dele.

– Não é de seu interesse – falo me levantando e ficando a sua frente.

– Olha garota, eu não faço questão de saber de seus problemas, até porque já tenho muitos, mas você não pode ficar por aqui, é extremamente perigoso para uma criança feito você – por que insiste em me chamar de criança?

 – Meu nome é Lynn – digo em alto tom – e eu não vou sair daqui, tenho coisas para resolver no palácio e continuarei caminhando até o encontrar – ele pareceu surpreso com o que eu disse, tentei manter uma postura decidida até ele voltar a falar.

 – Tudo bem, pode continuar sua caminhada amanhã, mas agora precisa sair daqui, procure um lugar melhor para se esconder – diz se virando – vem Dragon.

– E-Espera! – O chamei por impulso – me esconder de que?

– Não é de que, é de quem – fala me deixando ainda mais confusa – acredite, você não vai querer saber de quem se trata.

Diz e volta a andar com seu cachorro-lobo, apelidado assim por mim a um segundo atrás.

Mas eu não sei para onde ir...

– Ei – o chamei novamente e o mesmo me olha com uma certa paciência – eu não tenho para onde ir – falo e ele bufa.

Respira fundo e fala – Deixarei que passe essa noite com a gente, mas amanhã não quero te ver por aqui, entendeu? – Assenti – anda!

Corri para alcança-lo e caminhei ao seu lado, tive a leve impressão de que havia algo o preocupando, resolvi não perguntar sobre o que ele quis dizer com “a gente” será que existe mais pessoas por aqui? Posso imaginar que diria não ser da minha conta, então é melhor deixar o questionário para depois.

 

[...]

 

 Ok, não aguento mais esse silencio...

 

– Obrigada por mim deixar vir com você – digo e ele continua calado – você não é de Fayllen é?... É... Castiel eu estou falando com você...

– Será que dá para a criança calar a boca? – Disse me surpreendendo – olha, eu estou sem paciência para ter uma conversa então fica calada, tudo bem?

– Não! – falei e ele me olhou irritado – Não está nada bem, eu estou andando a horas, estou cansada, com fome, assustada... e com medo de não conseguir salvar minha vó dos comandos do palácio... então fala baixinho comigo por que você nem me conhece – respirei fundo e o vi revirar os olhos – e só para deixar claro, eu não sou mais uma criança.

– Ok esquentadinha..., mas não fique pensando que só você tem problemas por aqui, eu tenho mais com o que me preocupar além de ficar de babá de uma menina que eu não conheço – destacou o “conheço”... idiota – muito pelo contrário, ainda tenho toda essa gente para cuidar – disse abrindo um tipo de tenda feita por folhas de arvore que se encontrava em um enorme galho, me dando a incrível vista de umas cinco ou mais cabanas simples ao redor de uma fogueira, havia pessoas circulando pelo local, era espaçoso até. Fiquei boquiaberta.

– Então... existe pessoas morando no meio da floresta? – Pergunto surpresa, ele então rir e me encara.

– Não somos só pessoas loucas se arriscando no meio da floresta... somos o restante da linhagem do Clã Warner – fala com um certo orgulho evidente, meio triste para falar a verdade.

Olhei novamente para aquelas pessoas e senti um calafrio percorrer todo o meu corpo.

 

Ainda existe clãs fora o Arkeys??

 

 [...]


Notas Finais


Me digam o que acharam *-*

Estou meio perdida nesses negócios de clãs, e acho que vcs também ficaram então tá ai, uma explicação:

Antigamente, havia uma divisão social, ou seja, os clãs. Cada clã tinha a sua província, como por exemplo o Arkeys que vivem em Fayllen. Mas após a guerra esses clãs foram completamente destruídos, ou não.

É isso gente, não irei falar mais nada, no prox vcs saberão mais sobre isso.

Espero que tenham gostado,

Bjs!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...