História Black Morphine - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Jihope, Vhope, Yoonmin, Yoonseok
Exibições 113
Palavras 4.078
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi pessoal! Bom, sei que mais uma vez demorei e certamente desapontei as expectativas de vocês, mas eu não estava muito legal por isso como sempre preferi não escrever de qualquer jeito.

Contudo, eu estava pensando sobre os capítulos que tenho pela frente e 31 apenas não serão suficientes para a história. Digo, não quero correr com as coisas logo agora que nossos queridos estão amadurecendo e novos amores estão surgindo.

Com isso quero adiantar que provavelmente Black Morphine pode passar dos 35 capítulos e, sim, chegar a ser finalizada com 40.

Uma outra novidade é que uma nova longfic já está sendo planejada e até mesmo escrita, por isso: Vocês gostam de bruxinhos? HAHA

Essa é a minha pista.

Por favor cuidem bem deste capítulo, eu realmente me esforcei para trazer o máximo de fofura possível pra vocês após tanto tempo!

Música do Capítulo: Weak When Ur Around - Blackbear.

Boa leitura!

Capítulo 26 - Just...


Fanfic / Fanfiction Black Morphine - Capítulo 26 - Just...


 Dê um tempo, meu amor.
Vamos com calma.
Nós dois precisamos de algum espaço para respirar.


Flashback ON

Jimin corria pelo jardim imenso e majestoso da mansão onde vivia com a família em Busan. Seus pezinhos afundavam na grama bem aparada e o garotinho rodopiava pelos cantos de braços abertos enquanto mantinha os olhos fechados.

Sentia o mormaço do verão, o sol aquecendo sua pele já bronzeada vinda de dias passados na praia. 

Era daquela maneira que Jimin podia se sentir livre, ao menos por alguns minutos, antes de precisar sentar-se junto dos pais para o almoço e em seguida ser levado pelo motorista até o colégio, onde passaria toda a sua tarde fazendo coisas que não lhe agradavam mais. 

Entretanto, gostava de brincar com Jungkook no recreio, ainda mais depois que seu irmão mais velho, Taehyung, havia vindo de Daegu para morar com o caçula junto de sua mãe. 

Certa vez viu Jeon chorar no corredor enquanto conversava com a diretora, mas não ousou perguntar o que era. Ouviu pouco, e disso tirou conclusões de que o amigo estava passando por maus momentos. 

Jimin gostaria de ter tido coragem para dar um abraço no pequeno Jungkook enquanto dizia coisas bonitas, coisas que amigos dizem para os outros quando estão tristes. 

Mas não estava tão feliz, não se sentia contente com a família e por isso não criava considerável audácia de se envolver em problemas alheios. 

Estava se sentindo sozinho, apesar de tudo. Havia escutado seus pais brigando certa vez em que passava pelo corredor do segundo andar de sua casa para ir atrás de seu carrinho de controle remoto. Sua mãe chorava enquanto dizia que Jimin era apenas uma criança, a qual não tinha culpa de ser concebida a vida. Seu pai despejava murmúrios de ódio, coisas que pais descontentes com os filhos dizem.

Jimin não sabia qual era o problema, tinha certeza de que era um bom garoto em casa e na escola. 

“Talvez papai não goste mesmo de mim.” Chegou a pensar certa vez. 


- Jimin! Você irá se atrasar se não vier comer agora, querido! – a avó do pequeno gritara pela porta de entrada, esperando que o menino parasse de rodopiar pelo jardim e entrasse logo para o almoço. 

Depois de algumas tentativas, a mulher decidiu ir a encontro do neto, esperando que o mesmo parasse de girar até que caísse sobre a grama e abrisse os braços como um anjo, olhando para o céu e recuperando o fôlego.

- Oi vovó. – Jimin dera um sorriso inocente e iluminado, as bochechas estavam rosadas e mornas por causa do calor e os olhos mal se abriam. 

- O que fazia girando como um doido dessa forma? – a mais velha sentara-se no pé de uma das espreguiçadeiras, observando o garoto se levantar, coçando os olhos com os dedos gordinhos e espreguiçando-se, ficando por segundos na ponta dos pés e erguendo os braços.

- Voando. Vi um passarinho aprender a voar hoje. A mamãe o empurrou da beira do ninho e ele voou para longe, mas voltou depois. – o modo puro e inocente como Jimin contava o que via era, com todas as letras, magnífico. A simplicidade com que as palavras lhe saiam da boca e a empolgação para se explicar era algo merecedor de grande admiração. 

- E você quis imitar? – a avó perguntou, sorrindo fraco para o neto. 

- Sim, vovó. Acho que tenho um sonho. – Jimin dera pulinhos em direção à senhora e insinuou contar um segredo em seu ouvido. – Quando eu crescer, quero ser um passarinho que voe por todos os cantos do mundo. E já pensou que legal seria ajudar outro passarinho a voar? 

Flashback OFF


Yoongi andava pelo quarto antigo de Jimin com tanta delicadeza, que se pudesse ser considerado tamanho cuidado, diriam que o chão do cômodo era feito de vidro. 

Já haviam tomado o necessário banho onde, assim como os anteriores, deixavam que fluídos agora desnecessários fossem embora e a paz de espírito se tornasse ainda maior, tendo os corpos colados em um curto espaço, sentindo o mormaço da água e os rostos corados. 

- Eu deixo você vasculhar as minhas tralhas depois, se aceitar ir almoçar comigo perto da praia. – Jimin apoiou-se na escrivaninha em desuso, tendo as mãos em cima da mesma enquanto curvava o tronco para trás.

- Nós podemos comer frutos do mar? – Yoongi perguntara enquanto fuçava em um baú pequeno que havia encontrado dentro do armário embutido na parede. 

- Você está em Busan, deixar de comer frutos do mar seria quase um pecado. – o mais novo brincou, recebendo um sorriso divertido do namorado. 

Antes que Yoongi pudesse fechar o baú e aceitar em definitivo o convite, encontrou um bolo de fotos reveladas e tomou-as em mãos.
 
A primeira delas revelava Jimin brincando na neve, aparentando ter seus cinco, seis anos de idade. Estava em pé no jardim de casa – a grama totalmente coberta por neve – segurando uma bolinha de neve na mão direita enquanto sorria com a maior vontade, tendo os olhinhos fechados e alguns espaços vazios onde ficavam os dentinhos de leite. 

- Yoongi... – Jimin tentara tomar as fotos do mais velho, sem sucesso, suspirou e se sentou na cama, apoiando os cotovelos nas coxas e tampando o rosto com as mãos.

Yoongi continuou. A segunda foto mostrava Jimin com dois garotinhos, todos vestidos com o uniforme e mochilas nas costas. 

- Jungkook e Taehyung? – perguntou, mas não obteve respostas. Yoongi dera de ombros naquele momento, não sabia o que estava acontecendo com Jimin. Se havia o levado até sua antiga casa, não entendia o problema em ser deixado conhecer o seu passado. 

As próximas fotos doeram muito para o mais velho. 

Em algumas, Jimin estava tão bem vestido quanto crianças de famílias milionárias que só eram vistas em filmes. Seus pais atrás de si, sem qualquer expressão de afeto que pudesse indicar que aquela era uma família feliz. Em outras, Jimin estava com, provavelmente, seus avós. 

Nessas sim ele sorria. Sorria como se suas bochechas pudessem ir embora e aquela fosse a última vez que fosse esticá-las daquela forma. 

Antes que Yoongi pudesse guardar as fotografias de volta no baú, viu Jimin levantar bruscamente da cama e sair do quarto em um piscar de olhos, em seguida deixando apenas o som de seus passos rápidos descendo a escadaria da mansão. 


Um cigarro entre os lábios dele.
Ele sabe como um homem como eu funciona.
E ele sabe que recebe exatamente o que ele precisa.
Eu sou tão fraco, amor.

**
- Nós vamos sair na sexta. – Hoseok afirmou. Taehyung se jogou na cama de Jungkook, respirou fundo e deu um soco no travesseiro. 

- Nós não temos nem uma semana pra treinar? Hoseok, nós estamos indo pro Japão! – o mais novo levantou o tom de voz. Sabia que haviam ganhado as últimas corridas, Jungkook estava melhorando cada vez mais.

Jungkook.

Taehyung não queria pensar no caçula naquele momento. Estava tão irritado com o curto prazo de tempo que tinha, que suas veias estavam extremamente altas, se pudesse, teria sangue pingando nos olhos. 

- Eu sei que você tá bem puto, docinho. – Hoseok brincou, vendo Taehyung se levantar e automaticamente sorrir com o apelido. Ele era daqueles bem sensíveis, uma palavra e tudo já poderia estar melhor. – Mas nós vamos conseguir. Você participou de corridas tão importantes meses atrás, você desobedeceu o Namjoon e conseguiu fazer algo que eu mesmo não teria coragem. 

- Você tá sendo fofo, Hyung. – Taehyung abriu um dos seus sorrisos grandões que deixavam o coração de Hoseok fora de sua maldosa zona de conforto. – E você faria sim, aliás já fez muito mais coisas. Não seja idiota. 

- Y-Yah! Não sou fofo, moleque. – Jung se aproximou de Taehyung com um único passo. O outro continuou a sorrir. – Esqueça isso e vamos comer em algum lugar antes de ir treinar. – o mais novo ficou encantado com o convite. Seus olhos instantaneamente podiam brilhar mais do que tudo que Hoseok já havia visto. Não era seu forte convidar as pessoas desse modo, mas sabia que Taehyung merecia a sua bondade.

Merecia a bondade que havia ajudado o mais velho a descobrir. 

- Você está se tornando o homem certo para me dar as mãos no tapete vermelho na semana que vem. – Kim provocou. Hoseok tropeçou no tapete do quarto, virou-se para trás e encarou o mais novo que tinha um sorriso travesso estampado no rosto. 

- O tapete será preto. – e saiu do quarto. Taehyung gargalhou, sussurrando “okays” inaudíveis para o outro. 


**
- Por que? Por que você não está me dando atenção, baixinha? – Jungkook resmungou com um bico enorme nos lábios. Jaedol andava de um lado para o outro, enterrando os pés no tapete peludo da sala enquanto digitava algo no celular de modo frenético.

- Estou perguntando ao meu Yoongo qual roupa usar lá na tal cerimônia. – parou repentinamente e soltou um “aish” irritado. – Mas ele não está me respondendo. 

- Ele sendo seu melhor amigo não  quer dizer que você tenha que escolher as suas roupas com ele. 

- E quem vai me ajudar? Eu não tenho amigas aqui. – Jaedol fizera um biquinho tão fofo que se houvesse mais intimidade naquele meio, Jungkook já teria levantado do sofá e apertado suas bochechas e a tirado do chão com um abraço. 

- Eu não sirvo? Eu sou bom com roupas. Eu sei que você gosta de tênis de basquete e camisas quase tocando os joelhos, mas olha! Minhas camisas também são três vezes maiores que eu. – o mais velho se levantou, abriu os braços e deu uma voltinha, fazendo Jaedol gargalhar, colocando as mãos no rosto e apertando os olhinhos. – O quê?

- Você é muito bonito, eu fico sem jeito. 

- Viu só? É por isso que nós podemos fazer compras juntos. Hoje mesmo, se quiser. – brincou novamente. A pequena literalmente arregalou os olhos, tossiu de nervoso e ajeitou alguns fios da franja atrás da orelha pequena cheia de brincos. 

- Mas, mas... Eu conheço o tipo de lojas que vocês frequentam. Yoongo me levou na Loja de Departamentos dos pais dele e dos de Jimin e, e...

- Eu pago. Eu sei, meninas como você não gostam de serem compradas por coisas caras e bonitas, nem acham legal que paguem tudo para elas, mas eu realmente estou em dívida com você. – Jaedol tossiu novamente. Seus olhar estava cravado no semblante calmo de Jeon, que sorriu no instante em que percebeu estar sendo observado tão intensamente.

- E-Eu não posso aceitar. – disse em tom baixo, baixando também seu olhar. Jungkook se aproximou, pegando a mais nova de surpresa. Sorriu fraco e colocou mais de seus fios atrás da orelha, tocando-lhe a nuca e obtendo um murmuro. 

- Você é muito bonita, eu fico sem jeito. – fez questão de dizer baixinho. O corpo da mais nova recebera um choque, tremendo por completo. – Eu não vou usar o fato de lhe pagar algumas roupas como motivo pra exigir outro tipo de coisas de você. Pode aceitar. E também não é como se fosse um ato de piedade. 

- Teishi... (pare...) – há quanto tempo aquilo não acontecia? Jaedol só dizia coisas em japonês para pessoas coreanas quando estava nervosa.

- Você estava linda naquele parque de diversões, japonesa. Sem roupas de marca compradas por outra pessoa. – a pequena sentia uma dorzinha nas pontas dos dedos, aquela que se sente quando há tantas cargas de boas energias entrando em seu corpo. Não queria responder nada, preferia que aqueles lábios que proferiam coisas bonitas a seu respeito juntassem com os seus. 

- S-Só... – apontou com o indicador os lábios, fechando os olhos e arrancando uma risada e um tanto sexy do mais velho, que tomou a liberdade de recolocar os dedos entre os fios escondidos da nuca de Jaedol e beijá-la como desejava ser beijada. 


**
 Yoongi encontrou Jimin no jardim de entrada. Os olhos estavam fechados enquanto as mãos escondiam-se nos bolsos da calça preta. O mais velho não disse nada, parou na porta do Hall e preferiu ficar ali, observando sem ser observado. 

Observava o namorado todos os dias, claro. Mas vê-lo de longe, sentindo-se imerso em seus próprios pensamentos enquanto a neve voltava a cair, aquilo era novo. 

Yoongi sentia o coração quebrar e reestruturar-se ao mesmo tempo, repetidamente. Se não tivesse aprendido a controlar, estaria chorando naquele momento, sentindo a dor do mais novo adentrar também o seu corpo. 

Infelizmente, Jimin estava mesmo sofrendo. 

Sofrendo porque ao mesmo tempo em que se arrependia da tragédia tempos atrás, se sentia certo em tê-la causado. Sofrendo porque seus pais estavam cada vez mais distantes, porque seu cérebro não suportava mais o peso das responsabilidades que tinha que carregar consigo em tão pouca idade. 

E mesmo assim sucumbia as dores num nulo lotado, em algum lugar do coração. Não queria que desse errado para si e para Yoongi depois de tanta coisa. Queria que pudessem manter as coisas calmas e silenciosas como estavam, sem pessoas que pudessem lhes ameaçar de morte a qualquer momento e sem que eles mesmos pensassem em morrer por conta própria. 

O mais novo abriu os olhos após um espirro inconveniente, assustando Yoongi que o observava pelas espreitas. 

Jimin sorriu, sorriu mesmo que agora lágrimas rolassem lentamente por seu rosto. Sorriu mostrando que, apesar de tudo, estava bem. 

E estava bem porque tinha o homem de sua vida bem a frente de seu campo de visão. 
 

Porque nós somos duas pessoas pequenas neste mundo grande.
Eu poderia fazer uma vida
Amor, você poderia ser meu garoto.
Eu não vou vender mais drogas
Vou para fora da cidade.
Vou levá-lo comigo.
Porque se eu não tenho você, então eu tenho ninguém.


- Venha aqui. – Jimin moveu os lábios sem emitir som, mas dando à Yoongi a chance de entender o que queria dizer. O mais velho saiu do lugar, caminhou até o outro e ainda percebia o sorriso fraco estampado no rosto do mesmo. 

Jimin tombou a cabeça para o lado, observou cada milímetro do rosto de Yoongi e repentinamente fungou, enxugando com as costas das mãos  o úmido de seu rosto causado pelas lágrimas. Puxou o mais velho delicadamente pela jaqueta, colando seus corpos do melhor jeito possível. Encarou os lábios de Yoongi que tremiam bem pouquinho por conta do frio, em seguida direcionou o olhar para os olhos felinos do namorado. 

- Eu te amo muito. Amo tanto que poderia morrer sufocado em tantos sentimentos, Hyung. – encostou seus narizes por alguns segundos e logo seus lábios, mesmo ainda não o beijando. – Eu gosto da sensação de fazer assim... De sentir cada pedacinho da sua pele encostar em mim. Eu te quero o tempo todo. – deixou que o marejar dos olhos retornasse. – Mas dói aqui dentro, entende? Dói tanto que eu gostaria de ser um outro Jimin. Eu estou cansado de me sentir uma má pessoa. 

- Aigoo, meu Jiminie... – Yoongi distribuiu beijos cuidadosos em cada canto do rosto do mais novo. – Você não é nada disso. Eu sei no que você pensa quando diz que é uma má pessoa. Você é bom demais pra esse mundo. – envolveu o rosto de Jimin com as mãos e acariciou suas bochechas com o polegar. – Eu também te amo muito. Mais do que tudo. 


Tão fraco quando você está perto de mim.


**
- Tem certeza de que não tem maquiagem alguma no meio das suas coisas? – Jimin insistiu pela terceira vez enquanto guiava o carro para o restaurante que havia dito mais cedo. 

- Não! Os seus olhos nem estão tão vermelhos assim, já faz um tempo desde que você parou de chorar. – Yoongi fechou o zíper da bolsa de couro em seu colo e descansou os braços em cima da mesma.

- Desculpa. – pediu o mais novo. Tentou prestar atenção na cidade. Busan havia crescido, haviam mais lojas, cafeterias e prédios altíssimos. 

- Não peça. – Yoongi buscou pela mão direita de Jimin e sobrepôs a sua na mesma, acariciando-a com os dedos e olhando por alguns segundos para o rosto do mais novo. – Você era fofo naquela época. Ainda é, mesmo que na maior parte do tempo você precise parecer forte demais e até mesmo um pouco frio. – desviou o olhar e fixou-o na paisagem a sua frente, buscando consolo para as suas palavras um tanto doídas em árvores cobertas por neve. 

- Não vamos mais falar disso por hoje. – Jimin fungou e retirou sua mão debaixo da de Yoongi, apertando-a juntamente a sua mão esquerda no volante. 

- Pare de fugir dos assuntos como se você não estivesse sofrendo! – o mais velho elevou o tom. Jimin criou uma expressão atônita. Seu coração batia mais rápido e suas mãos apertavam tanto o couro do volante que seus dedos estavam esbranquiçados. – Pare de agir como se eu não pudesse te ajudar assim como você sempre me ajudou. Confie no seu Hyung, Jimin. 

- Só aproveite o seu dia comigo de modo que daremos mais risadas do que choro! – bateu a o punho cerrado no volante e apertou os olhos. – Ficamos muito tempo longe um do outro. Começamos o namoro de um jeito muito doloroso e agora você quer que possamos resolver os meus problemas nos poucos dias inteiros que temos pra aproveitar. Yoongi eu estou bem! Eu estou bem porque você está aqui, porque os seus cortes sararam, você toma menos remédios e não acorda com trinta e nove graus de febre durante a noite! 

Yoongi não respondeu.

Minutos depois haviam chegado a uma avenida por onde era possível encontrar restaurantes, shopping e lojas de marcas importadas. A praia estava logo a direita, não muito cheia devido ao frio, mas tento alguns casais que passeavam pela areia e crianças que corriam por todos os cantos.

- Por que você sempre nos coloca em lugares caros desse jeito... – Yoongi murmurou entredentes, ajeitando os óculos escuros no rosto e vestindo luvas de couro que encaixavam perfeitamente em seus dedos finos e compridos. 

- Porque você se comporta como um príncipe em plena era moderna, olhe pra você, digno de estar sentado em um trono agora, huh? – Jimin elogiou intensamente e Yoongi riu incrédulo. – Vamos simplesmente desfilar essa beleza na rua e comer algo gostoso, sim? – o mais novo brincou, vendo Yoongi assentir e sorrir calmamente enquanto guardava a caixinha do óculos na bolsa e retirava de lá outra, para que Jimin pudesse usar os seus próprios. 

Assim que saíram do carro, suas mãos foram ao encontro. Yoongi olhou receoso, sabia que mesmo Busan sendo uma cidade grande, no interior as coisas costumavam ser de maior espanto para as pessoas. Amava quando andava de mãos dadas com Jimin, mas sabia das consequências de se estar tão íntimo com um homem nas ruas quando se tratava do país em que estavam. 

Doía bastante, para falar a verdade. Jimin talvez fingisse não se importar com olhares feios e piadas preconceituosas que faziam constantemente, mas Yoongi sentia certo medo. 

Entretanto começaram a andar. De modo que recebiam ódio, recebiam elogios também. Meninas jovens e até mesmo moças mais velhas olhavam os dois com um sorriso agradável no rosto, crianças encaravam o cabelo cinzento de Yoongi e uma garotinha o pediu para encostar nos fios platinados.

Yoongi desvencilhou a mão da de Jimin e se aproximou em curtos passos, abaixando e ficando à altura da menininha que usava maria chiquinhas e galochas amarelas. A pequena colocou uma das mãozinhas no cabelo do mais velho e sorriu timidamente, se afastando em passinhos rápidos porém não tão distantes. Yoongi sorriu de volta, acenando com a mão e recebendo o mesmo gesto de despedida da garotinha que agora voltava a correr com outras crianças perto de uma mulher adulta. 

- As garotas de Busan são simpáticas. Até mesmo as crianças. – Jimin iniciou, sorrindo para o namorado que voltava a arrumar os fios da franja. 

- Os garotos também. – Yoongi provocou, selando um beijo breve nos lábios grossos do outro, que dera tapinhas fracos em sua cintura.

- Ahhhh como assim?! Por que você está sendo tão fofo? Omo, meu coração está derretido em pleno inverno! – fizera cena. Yoongi gargalhou, envolveu o pescoço do mais novo com o braço e as pressas voltou a andar, empurrando Jimin para que o mesmo seguisse seu passo. 

- Eu sou fofo. Yah, vamos logo, eu estou com fome, comi balinhas durante a viagem inteira e os meus remédios me deixam faminto! 

- Certo. – Park sorriu fraco enquanto olhava para os lugares por onde passavam, sentindo o coração bater de uma forma tão gostosa dentro do peito que poderia ter aquela sensação pelo resto da vida se fosse possível. 

Haviam chegado em um prédio grandioso onde haviam restaurantes e outbacks em muitos dos andares, assim como muitas lojas. Subiam em um elevador de vidro, a paisagem lá fora  podia ser observada do alto. 

Jimin guiou o mais velho por um dos últimos andares do prédio. Entraram em um restaurante temático acoplado à uma pequena exposição de objetos utilizados por navegadores e piratas do passado, como lamparinas importadas e um timão muito bem fixado a parede, todos protegidos por uma vitrine de vidro. O garçom guiou o casal para uma mesa localizada próximo a um aquário bonito que ocupava uma parede inteira. 

- Aqui com certeza tem frutos do mar. – Yoongi fora irônico, fazendo Jimin sorrir enquanto abria o cardápio de courinho azul claro e escrita em dourado, entregando-o para o mais velho e em seguida olhando as notificações recebidas no celular. 

- Seokjin acha que fomos sequestrados. – falou enquanto respondia a mensagem do presidente da equipe, dispersando a atenção que Yoongi dava ao cardápio. 

- Nós temos que voltar pela noite? – perguntou e Jimin assentiu com a cabeça, retirando um “ah” desapontado de Yoongi. – Queria poder ficar mais. 

- Você tem aula pela manhã. - continuou respondendo as mensagens enquanto respondia o namorado oralmente. 

- É. Mas nós podemos voltar durante as férias, paramos antes do natal. – Yoongi criou esperanças e as teve confirmadas assim que Jimin concordou com a proposta. – Eu vou participar de um amistoso. – disse e Jimin rapidamente desligou a tela do iPhone, olhando com olhos esbugalhados para o namorado que sorria orgulhoso de si mesmo.

- Sério?! Woah! Vamos todos te ver, eu prometo! – respondeu animado, recebendo um sorriso sincero de Yoongi, que avistou o garçom e logo fez o pedido. 


**
Se havia algo mais fofo do que um Yoongi comendo, Jimin ficaria surpreso. Até mesmo o modo como segurava os hashis em mãos o agradava (isso se não fosse exatamente como qualquer um costuma segurar). 

- Pare de me olhar e coma também! Aposto que ficou os dias todos na academia enquanto não dirigia aqueles carros e por isso perdeu as suas bochechas fofinhas. – ralhou o mais velho e Jimin riu fraco, sussurrando um “okay” de obediência, colocando alguns pedaços de peixe na boca. – Bom menino. 

- Você disse que as férias começam antes do natal. – tomara um gole do refrigerante no copo e batucou os dedos na mesa. – Os caras querem ficar um bom tempo no Japão. É aniversário do Taehyung antes do ano novo e você não me contou que sua amiga é de Kyoto. 

- Nós podemos mesmo ficar lá por muito tempo? E eu não tive oportunidade, achei que você tinha ciúmes. – Yoongi voltou os olhos para a comida, estalando a língua no céu da boca enquanto escolhia o que iria comer a seguir. 

- Eu não queria te assustar dizendo que temos uma casa lá, mas nós temos. – Jimin fizera uma expressão de “pois é”, vendo Yoongi deixar de mastigar as poucos e piscar os olhos repetidas vezes. 

- Aish! Yah! Quantas casas vocês tem espalhadas pelo mundo? Essas crianças... – voltara a mastigar, tendo um milésimo sorriso de Jimin como resposta. 

- E eu não tenho ciúmes dela. Jungkookie pode cuidar da garota. – virou a tela do celular para Yoongi, onde algumas selcas e vídeos curtos passavam em um aplicativo de chat por fotos. Em um vídeo Jungkook gravava Jaedol escolhendo alguns vestidos para experimentar. Em outro a pequena aparecia de trás das cortinas de camurça do provador desfilando em algumas peças luxuosas, com direito à voltinhas. 

- Q-Que? Eles... Jimin! – Yoongi logo estava vermelho como o molho que havia em um dos potinhos na mesa. O mais novo gargalhou, guardando o celular e continuando a comer normalmente. 

- Beijos mudam histórias, você sabe. 


E se você sabe o que é melhor para você 
E para mim 
Você deveria sair, baby.


Notas Finais


Não se esqueçam de olhar o meu tweet fixado com a primeira parte da OST e alguns aesthetics que eu fiz pra vocês relacionados à fanfic!

Twitter: @yoonverse

Até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...