História Blackheart : Encontrando a luz - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Colegial, Drama, Romance, Yaoi
Exibições 40
Palavras 2.254
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oi gente, faz tempo que não posto, desculpa foi a faculdade que não deixou .
Não fiquem bravos comigo, adoro vocês.

Capítulo 33 - Verdades e lembranças


POV Gabriel

Eu sai do carro deixando minhas compra lá mesmo, segui até o Renegade onde a figura do meu namorado encontrava- se encostado de braços cruzados e com os olhos azuis me mirando, algo no olhar dele me inquietando, sempre que ele vem me ver a primeira coisa que faz é me prender em seu abraço, agarrando e beijando-me entretanto agora ele estava parado encarando enquanto me aproximo.

_ Precisamos conversar . Ele diz assim que estamos frente a frente.

_ Acho que sim. Respondo sem saber ao certo como reagir _ Quer entrar ? Faço sinal para porta.

Ele acena positivamente e me deixa seguir na frente para abrir o local. Embora eu não faça idéia do assunto nada começado com ‘Precisamos conversar” termina bem, e isso não me entusiasma para ter essa conversa. Dou passagem e ele entra, fecho a porta atrás de mim, caminhando para encontra-lo no centro da sala me sinto nervoso. Paro diante dele e meus olhos encontram suas piscinas azuis critalinas, por um momento ficamos em silencio, então ele abre a boca e fecha-a em seguida, passa a mão pelos cabelos e volta a me encarar.

_ Que se foda. Diz Sebastian quebrando o espaço que nos separa e segurando meu rosto com ambas as mãos e em seguida me beijando com desespero. Meus braços voam para seu pescoço, minhas mãos sentindo seus cabelos macio pelos dedos.

_ Sebastian. Eu digo sem fôlego quando nos separamos, e suas mãos descem pela minha cintura e apertam minha bunda, me aproximando de onde sua ereção dura esta. Envolvo minhas pernas em seu quadril e ele sorri malicioso enquanto sua boca faminta volta a me atacar.

Hanstings vai subindo as escadas comigo em seu colo, me colando a parede do corredor algumas vezes, enquanto nos consumimos um do outro, mordendo, chupando , beijando, tirando todo possível um do outro. Assim que chegamos em meu quarto ele me prensa na porta e rasga minha camisa, solto sua cintura e ele beija meu pescoço, descendo os lábios até meu ombro enquanto suas mãos trabalhavam nos botões do meu jeans. Chuto meus tênis longe e ele abaixa minha calça, minha boxer evidenciando meu desejo, Sebastian morde o lóbulo de minha orelha em seguida chupa o local, sua mão acariciando o volume na minha cueca, eu gemo de prazer ao sentir seu polegar esfregar a minha ponta.

_ Cama . Fala ele, então me joga na minha, ele se despe com pressa enquanto me observa retirar a única peça que cobre meu corpo.

Assim que nos encontramos ambos nus ele sob em cima de mim sua boca devorando a minha; eu agarro sua pênis e começo a excita-lo, sua carne quente em minhas estimula a ambos, ele geme em minha boca e agarra meu cabelo; ele esta selvagem, bruto, e pecaminosamente irresistível. Eu nos troco de posição ficando por cima e segurando seus braços, mordo seu pescoço em seguida passa a língua de leve, desço seu abdômen nu e chupo seus mamilos, ele geme alto, eu continuo a tortura enquanto solto um dos braços e volto a masturba-lo. Ele usa da liberdade que lhe dei e segura minha cintura.

_ Me monta baby. Afirma ele com uma voz rouca.

Eu pego seu pau posiciono na minha entrada, eu sento nele, que me preenche inteiro, faço então o movimento de  subir e descer assumindo o controle, sinto cada vez mais fundo e isso me enlouquece. Seus  olhos crepitam um chama, enquanto nossos olhares se fixam, sinto a sensação se formar em mim, no entanto assim que fecho os olhos Sebastian me levanta e me coloca abaixo de si, me penetrando duro.

_ Você estava incrível mas, eu preciso disso rápido e duro baby. Ele diz e me beija_ Olhos abertos. Então ele começa as investidas, eu gemo alto, suas estocadas são fortes e acertam diretamente no meu ponto; ele acelera o ritmo, e logo sinto o orgasmo me tomar, seu nome sendo proferido da minha boca de forma incoerente e necessitada.

_ Sebastian... Sebastian... aaah... Sabastian.

Ele estoca mais algumas vezes em seguida se desfaz dentro de mim, sua respiração acelerada e assim como fiz ele chamou meu nome.

_ Gabriel ahhhh Gabriel ooh Gabriel.

Assim que nossas respirações se controlam ele sai de mim, e rola para o lado onde me aconchego em seu peito. Eu começo a desenhar figuras imaginarias com o dedo em sua barriga quando uma questão me pega.

_ O que você queria conversar ? Pergunto calmo mas, instantaneamente a postura de Sebastian endurece, eu levanto minha cabeça e ele se senta reto na cama. _ Sebastian não foi uma pergunta retórica.

Ele passa as mãos no cabelo então suspira e olha pra mim.

_ Eu vou ao baile com a Patrícia. Ele diz de uma vez, e eu não posso acreditar no que meus ouvidos escutaram.

_ O que !? Exclamo me afastando dele na cama.

_ Escuta Gabriel, não era bem o que eu queria mas, acabou acontecendo. Ele tenta me tocar mas, eu o afasto e saiu da cama _ Nós podemos ficar juntos na festa, só não ... só não tão juntos.

_Você é um cafajeste. Digo alto _ Você  me leva pra cama, pra em seguida despejar que vai sair com outra. Visto meu robe e começo a andar de um lado para o outro nervoso recolhendo as roupas espalhadas _ Isso foi o que Sebastian ? Sexo de compensação ?

_ Deixa eu me explicar direito. Ele diz e se levanta mas, eu jogo suas roupas nele.

_ Explicar nada, você vai se vestir e sair da minha casa, agora. Falo firme.

_ Gabriel. Ele diz e deixa a roupa em cima da cama, dá alguns passos e tente se aproximar de mim.

_ Não. Afirmo quando estavas a poucos centímetros. Olho nos seus olhos mas, agora isso me machuca _  Eu vou entrar naquele banheiro. Aponto para o local _ Vou tomar um banho e quando eu sair não quero você aqui entendeu, não quero nem mesmo sua sombra, entendido ? Não espero ele responder e saiu em direção ao banheiro.

Ligo o chuveiro a água disfarçando as lagrimas que se misturam, me sinto cansado, como se um peso enorme tivesse sido despeja.”Droga Sebastian, porque tinha que fazer isso com a gente?” ,  eu realmente não tenho problema dele não ter se assumido mas, me tratar dessa forma é demais.Encosto minha cabeça nos azulejos e um flashback de mim e Sebastian fazendo sexo nesse chuveiro me vem a mente.

FLASHBACK ONN

_ Sebastian eu ... esta vindo..

_ Deixe vir baby, de tudo pra mim. Ele volta a me beijar e sua mão acelera em meu membro, me fazendo vir forte e intenso. Eu sinto fraquejar quando ele me segura em seu colo me fazendo rodearas pernas em sua cintura e sem aviso começa a me estocar, eu seguro seus ombros em busca de equilíbrio.

_ Você é incrível. Ele sussurra em meu ouvido, e começa a acelerar os movimentos, acertando diretamente minha próstata, meus gemidos começam a sair altos e Sebastian começa chamar meu nome descontroladamente.

_ Gabriel... Eu.. te ... amo. Ele disse e dá a ultima estocada, derramando dentro de mim, nossos corações acelerados, respirações  irregulares, eu nunca me senti tão bem, eu o abraço forte e respondo.

_ Eu também te  amo.

Ele sorri e então me solta pegando o sabonete ele começa com toda delicadeza e sensualidade a me lavar, o empenho e o brilho em seus olhos me fazem sentir mimado; eu pego o sabão e começo a lhe dar o mesmo tratamento, o silencio ali não era desconfortável, mas sim resguardado de uma doce felicidade. Assim que estamos limpos saímos do banheiro e nos secamos, estamos apenas com a toalha enrolada na cintura quando nos deitamos na cama, minha cabeça sobre seu peito.

_ Você me faz feliz Gabriel. Ele disse beijando o topo de minha cabeça.

FLASHBACK OFF

“Você me faz feliz Gabriel” como ele  podia dizer isso e fazer o que fez comigo ?

Termino de me lavar e me enrolo numa toalha, assim que abro a porta encontro meu quarto vazio, deito na cama porém o aroma dele ainda esta lá e isso me causa um aperto no peito. Ouço o meu telefone tocar e vejo que é Anne, uma parte minha até gostaria de falar com minha ruiva mas, outra só quer ficar quieta por hoje, deixo cair na caixa postal e resolvo me vestir e comer alguma coisa.

Assim que desço encontro Charlie no sofá com uma taça de vinho olhando pra nada e um porção de macarons coloridos distribuídos numa travessa na mesinha de centro. Com toda essa confusão eu até esqueci que meus tios estavam em casa “Será que eles me ouviram com Sebastian ?”.

_ Tio o que faz ai sentado ? Cadê Lotte ? Questiono me sentando ao lado dele.

_ Charlotte recebeu um chamado de emergência assim que chegamos das compras, eu a dei uma carona até o hospital e cheguei a uns dez minutos.

Alivio passa por mim por ele não ter escutado Sebastian e eu , no entanto uma questão me passa.

_ Por que os macarons ?

_ Senti fome no caminho de volta. Ele mente, pois os macarons parecem intactos; eis que me lembro , “Macaron é o doce favorito de Lotte”, ela adora aquele biscoito crocante,  macio e úmido, minha tia ama aquele recheio de ganache de chocolate. Teria ele comprado pra ela ?

_ Tio qual é o verdadeiro problema entre você e Lotte ?

Ele hesita e toma um gole da bebida em sua taça em seguida responde.

_ Eu amo sua tia Gabriel , esse é o problema, eu não posso deixar de amar Charlotte.

Okay isso me pegou despreparado mas, mesmo assim quero detalhes.

_ Explique-se. Digo.

Ele se levanta até a lareira e pega a nossa foto de páscoa então volta ao meu lado.

_ Você se lembra dessa época Gabriel ?

_ Sim . Confirmo _ Você e tia Lotte se davam bem.

_ Eu e Charlotte namorávamos nessa época, na verdade já estávamos juntos a algum tempo quando esta foto foi batida . Explica _ Sabe Gabriel a primeira coisa que pensei quando seu pai disse que ai se casar com uma Americana foi que ele estava louco mas, Sara era maravilhosa e fazia meu irmão feliz de uma maneira que nunca vi, William era completo. Então ele sorri _ E junto com Sara conheci Charlotte, sua  tia era uma moça ainda muito jovem mas, não havia melhor jeito de descreve-la do que um espírito livre, Charlotte era animada, radiante e inteligente, fácil de gostar , nos tornamos amigos.

Ele faz uma pausa como se recordando aquele tempo, e eu espero em silencio que ele prossiga.

_ Quando Charlotte ficou mais velha eu já não a via da mesma forma, acho que ambos já não nos víamos do mesmo jeito, quando ela entrou na faculdade de medicina foi quando tudo mudou. Ele deixou a foto e bebeu um gole da taça _ Ela veio toda feliz e contente me contar, e eu não podia estar mais feliz por ela, a levei para jantar, comemoramos e então no fim da noite acabou acontecendo mais do que o esperado e bem... passamos a noite juntos. No dia seguinte eu sabia que não foi um erro, pois estar com ela me fazia sentir assim como meu irmão e Sara , eu me sentia completo com Charlotte.

_  Se eram tão felizes juntos o que aconteceu ? Pergunto curioso _ Por que não lembro de vocês juntos ?

_ Bem , Charlotte e eu temos uma diferença de dez anos e para não criar fofoca na mídia preferimos ser discretos. Ficamos juntos cinco anos e foram os cinco melhores da minha vida devo dizer, eu pretendia pedi-la em casamento quando se formasse, não queria que estar comigo fosse um empecilho para sua carreira, foi então no sexto ano, seu ultimo ano na faculdade , que eu fui chamado para uma emergência diplomática em um de nossos países aliados, eu já tinha até mesmo comprado as alianças quando tive que fazer a viagem, prometi uma surpresa a ela quando voltasse e parti. Infelizmente quando cheguei no outro país não conseguíamos chegar a um acordo, foi então que meus assessores preocupados com o tempo da negociação sugeriram a espantosa idéia de um noivado com uma nobre do país estrangeiro, o noivado daria tempo até acharmos a solução adequada para situação, e não me coube outra alternativa se não aceitar, passaram se dois meses daquela farsa até chegarmos a uma solução cabível. Entretanto como Lord e figura publica meu suposto noivado foi espalhado por toda Londres, quando retornei para falar com Charlotte entretanto era tarde demais, como ela poderia acreditar num homem que lhe promete uma surpresa e aparece noivo logo em seguida, brigamos, discutimos, tentei me explicar mas, não ouve chance. Só voltamos a nos ver quando ouve a fatalidade com seus pais.

_ Não sei o que dizer tio Charlie mas, isso explica Lotte nunca ter tido um relacionamento depois que saímos de Londres.

_ Sua tia é uma mulher incrível Gabriel. Ele pegou dois macarons da bandeja e ofereceu um a mim _ Posso dizer que a maior loucura que fiz foi ama-la, assim como minha maior dor foi perde-la.

E assim terminou a noite para os dois Blackheart , com  um coração partido, e uma fugaz lembrança.


Notas Finais


Espero que tenham gostado .
O que acham Lotte deveria dar uma Chance a Charlie ?
Que dó dos meus pombinhos hoje.
Desculpa o cap se curto

Beijos sabor chocolate com morango


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...