História Blackmail - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Hyung Won, I'M, Joo Heon, Personagens Originais, Show Nu
Tags Beijo, Chae Hyungwon, Changkyun, Chantagem, Drama, Hyungwon, Hyunwoo, Jooheon, Kpop, Lee Jooheon, Monbebe, Monsta X, Monstax, Novela, Paixão, Romance, Rujie, Shownu
Visualizações 18
Palavras 1.738
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Josei, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


tradução da capa
*O estado de estar apaixonado por outra pessoa*
créditos a imagem da capa a Get Website Design

Capítulo 9 - Limerence


Fanfic / Fanfiction Blackmail - Capítulo 9 - Limerence

Yejin não sabia o que responder. 

O toque de Jooheon em sua pele era tão gentil e era possível ver nos olhos do amigo que ele estava sendo sincero, mas aquele tipo de intimidade não era comum entre os dois e, apesar de Yejin ter seus quase trinta anos e ainda ser viúva, situações como essas ainda era embaraçosas, principalmente vindo de alguém como Lee Jooheon. 

 

- Hmpf! - um pouco mais distante dos dois amigos, um certo rapaz fazia uma careta desgostosa. Por fim, Hyungwon decidiu estacionar ali mesmo, pegou seus pertences e caminhou de cabeça baixa em direção ao restaurante, torcendo para não ser reconhecido e também para esquecer tudo o que havia visto ali. 

- Ah, eu... - tentou começar, mas estava muito desconcertada com aqueles olhos pequenos lhe encarando tão intensamente. Jooheon pareceu perceber o seu desconforto e com um sorriso fraco, afastou a mão do rosto da amiga e colocou no bolso do paletó fazendo a moça soltar o ar que nem sabia ter prendido. 

- Eu só não quero ver você suportando tudo sozinha de novo. Da última vez eu tive que ir até Incheon para saber a verdade... - ao ouvir isso a jovem abaixa a cabeça novamente - Só... se cuida por favor tá? - Yejin assente em silencio e Jooheon ergue gentilmente o seu rosto mais uma vez – E me prometa que caso alguma coisa ruim aconteça, eu vou ser um dos primeiros a saber – ela tenta argumentar mas ele a interrompe – Prometa Kim Yejin! - o rapaz estende o dedo mindinho fazendo a jovem soltar um riso fraco. 

- Eu prometo Heonnie – ela cruza o mindinho com o dele e os dois selam a promessa em meio a sorrisos sinceros. Por que se dependesse de Jooheon, Yejin sorriria para sempre. 

- ... daí eu contei pra ele que na verdade aquele era o Minhyuk de peruca e ele caiu da risada e... HYUNGWON! 

O quase grito de Shownu pareceu despertar o mais alto que estava perdido em seus próprios pensamentos. 

- Que é? - ele pergunta sem mover um milímetro de sua posição blasé e Hyunwoo revira os olhos. 

- Ya, o que aconteceu? Eu to te contando uma piada e você ta aí com essa cara... - ele reclama. 

- Que cara? - Chae revida indignado e Hyunwoo coloca o cotovelo na mesa e apoia a cabeça da mão enquanto olha pela janela do restaurante com uma expressão de tédio - Ah... essa cara! 

- O que aconteceu? Seus pais de novo? 

- Não, foi outra coisa... mas já passou. Você veio de carro? – ele pergunta e Hyunwoo nega – Ótimo! Eu vou beber alguma coisa mais forte e você me leva pra casa – falou já erguendo a mão chamando o garçom sem deixar o amigo contra argumentar. 

“Isso nunca me afetou e não é agora que vai começar.” Pensou. 

Mas essa história já nos ensinou a algum tempo que aqui nada é o que parece. 

O início da semana chegou e para Hyungwon não poderia estar pior. Uma dor de cabeça latente o acompanhou desde a manhã de domingo. O que era pra ser apenas uma bebida se tornou várias e quando o Chae se deu conta, estava meio deitado no sofá cama da sala ainda vestido com as roupas do dia anterior. Mesmo depois de tomar a sopa pra ressaca e os remédios que Seokmin trouxe graças a ligação de Shownu, a dor de cabeça não ia embora. Tudo culpa de uma lembrança incômoda de um certo energumeno tocando o rosto delicado de Yejin. “Delicado? Oi? Tem alguma coisa errada comigo!” era o que o rapaz pensava durante todo o domingo. Cansado dos próprios pensamentos, Hyungwon tomou um calmante e passou o restante do dia dormindo. 

Quando entrou em sua empresa, Hyungwon prometeu a si mesmo que faria o possível para que aquele dia fosse tranquilo. Seus planos foram por água abaixo quando assim que a porta do elevador abriu. Yejin estava próximo a mesa do café conversando animadamente com alguns funcionários e estagiários. “Blergh! Como alguém consegue sorrir tão bonito a essa hora da manhã? Bonito? Eu quis dizer extravagante!” Alguns funcionários passaram ao seu lado sorrindo e se curvando ao que Chae respondeu com um sorriso cortês e logo caminhou para sua sala onde jurou permanecer até o final do expediente se possível. 

Para sua alegria a manhã seguiu tranquila e sem interrupções e Hyungwon aproveitou a oportunidade para até almoçar dentro do escritório. 

O relógio marcava quase três e meia quando alguém bateu na porta. Hyunwoo entrou com um copo de ice americano e um sorriso amigável no rosto. 

- Você está melhor? – ele perguntou e Chae assentiu sorrindo sem graça. Como alguém como ele conseguiu um amigo como Hyunwoo? Nunca iria saber... 

- Eu estava tão mal assim? – perguntou é Shownu bufou rindo. 

- Você fica muito falante quando está bêbado Wonnie... – o amigo respondeu e Chae arregalou os olhos – Falava o tempo todo sobre como era ridículo que dois anos ficassem tão próximos e como era desnecessária toda aquela aproximação – o mais alto começou a corar – Ah! Você também falou que se fosse você ali, a situação seria diferente... eu não sei do que você estava falando, mas você estava muito bravo. 

Chae Hyungwon queria se enfiar numa valeta e definhar até a morte. 

- Hm – ele pigarreou – Desculpe por isso... e obrigado por cuidar de mim. Isso não vai se repetir. 

- Eu vim te avisar que falei com Yejin essa manhã e ela está vindo aqui mais tarde para discutirmos o que ela conseguiu verificar nos documentos e que risco nós corremos caso seu pai resolva agir - vozes animadas são ouvidas do lado de fora da sala fazendo o moreno franzir o cenho – De quem são essas vozes? - o barulho de palmas e mais alguns gritos desperta o interesse dos dois. 

- Mas o que está acontecendo? 

Os dois abrem a porta e o barulho aumenta de volume. Do outro lado do andar em frente a copa, um grupo de jovens está reunido em volta de uma mesa gritando nomes animadamente. "Noona!" "Mingyu!" "Noona!" "Mingyu!" os funcionários gritavam. Nesse momento, uma pequena brecha em volta daquela mesa se abre e os mais velhos conseguem ver o motivo da comoção: uma pequena disputa de Jenga.  De um lado da mesa encontrava-se Kim Mingyu, trainee de Hyunwoo no setor de biotecnologia, o rapaz mais parecia um modelo com seus 1,86m de altura e rosto bonitos, mas era na verdade um prodígio na sua área. Tinha apenas 19 anos e já havia terminado o mestrado em Biogenética e Recursos Naturais, mas apesar do currículo grandioso, Mingyu era de uma simplicidade sem tamanho que era impossível não querer cuidar do garoto. Seu único defeito, se podemos chamar assim, era a competitividade. 

Mas o mais surpreendente não era isso e sim com quem ele estava competindo. Do outro lado da mesa estava Yejin com as mangas da camisa arregaçadas e olhar desafiador. Mingyu estava com as mangas do jaleco branco arregaçadas e o cabelo levemente bagunçado. Aparentemente o jogo estava empatado já que Yejin sorria e Mingyu estava de cenho franzido. O garoto se posicionou a frente da torre de madeira procurando uma forma de fazer a mais velha perder e assim que achou, puxou a peça delicadamente deixando todos - inclusive os dois mais velhos que observavam tudo de longe – sem respirar. A torre agora estava sobre apenas uma peça, tornando as coisas mais difíceis para Yejin. Todos os olhares se dirigiram para a moça e todos aguardavam sua reação mas ao invés de apreensão ou desespero, encontraram um pequeno sorriso escondido nos lábios de Yejin. 

Quando Hyungwon olhou para aquele sorriso ladino, sentiu o corpo tremer de alto a baixo e sua mente foi inundada por lembranças. Enquanto olhava Yejin se posicionando para movimentar sua peça, aquela situação se mesclou com várias lembranças da jovem na época da escola. Em todas as suas lembranças a reação de Yejin era exatamente a mesma e Hyungwon sabia de cor. "Primeiro ela vai esticar o corpo e arregaçar as mangas..." ele mal pensou e Yejin se levantou e arregaçou as mangas. "Agora ela vai abaixar o queixo e encarar o adversário com uma das sobrancelhas arqueadas..." e assim ela fez. "E por último vem o sorriso que começa pequeno no canto esquerdo dos lábios e vai crescendo até que se formam duas pequenas rugas no canto dos olhos dela" e lá estava o sorriso. Chae sentiu o coração apertar e a dor de cabeça voltar. Por que ele sabia de tudo isso? A quanto tempo ele observava Yejin dessa forma? Hyungwon nunca suportou pessoas como Yejin, animadas, simpáticas e bem-sucedidas socialmente. Como alguém tão pobre pode ter tantos amigos? Ele não entendia essa equação então apenas odiava Yejin com todas as suas forças, pelo menos é o que ele pensava. 

Yejin puxa uma peça logo acima da peça que Mingyu havia retirado e a torre balança levemente fazendo todos ficarem mudos. Mingyu respira fundo e começa a se movimentar ao redor da mesa procurando uma peça que não fizesse nenhum estrago, mas aquilo estava difícil. Quando achou a que poderia ser útil, ele pegou o dedo indicador e com uma delicadeza cirúrgica começou a empurrar a peça para fora da torre, mas não foi o suficiente já que foram necessárias apenas três toques para o torre ceder completamente em cima da mesa. Shownu e Hyungwon sem nem perceber soltaram o ar que estavam prendendo enquanto Yejin comemorava junto com a torcida, a vitória contra o gênio Mingyu. 

Yejin sorria abertamente completamente satisfeita com a vitória sobre o até então invicto Kim Mingyu. Ela erguia os braços encarando Jihoon e os outros trainee que gritavam ao seu redor. Toda aquela cena passava em câmera lenta para Hyungwon mas incrivelmente ele não sentia ódio. O sorriso da moça fez seu coração acelerar e o corpo aquecer quase que imediatamente fazendo o Chae ter uma revelação repentina. Não era ódio. Nunca foi ódio. O ódio não faz o coração acelerar, a respiração faltar ou as mãos suarem. O ódio não te faz sonhar acordado e definitivamente não faz você querer estar perto da pessoa. Só existia uma coisa que desencadeava todas aquelas reações e apesar de nunca ter sentido isso na vida, ele sabia bem o que era. 

 

 

 

 

 

Paixão.


Notas Finais


Jenga: http://bazarcriativo.com/brinquedos-hobbys-jogos/294-jogo-jenga-torre-de-madeira.html
Era pra sair no sábado mas não consegui. Era pra sair meia noite, mas não deu >< mas está aqui :)
Gente o Chae ta apaixonado, e agora?
finalmente desenvolvi completamente o plot de Blackmail e to muito feliz porque será minha maior fic até agora *-*
aos novos fav's: muito obrigada espero que continuem gostando <3
Kissus da unnie/noona


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...