História BlackSpot - Capítulo 1


Escrita por: ~

Exibições 911
Palavras 1.735
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Transsexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Como prometi, está aqui a nova fanfic criminal e sei que vocês pensa "fanfic criminal, mais um clichê" por favor deem uma chance como deram pra Blackbirds sei que não vão se arrepender. Espero que gostem.
Acabei o primeiro capitulo e não consegui me conter haha, tive que postar.
Vejo vocês nas notas finais, boa leitura!

Capítulo 1 - The beginning


Apertava os botões do controle mudando de canal, nada que passava na TV prestava. 

 Já eram três horas da tarde e eu ainda estava de pijama jogada pela casa, vendo minhas férias voar e não podendo aproveitar nada. Na verdade não aproveitada por quê não queria mesmo, a preguiça montou em cima de mim e não saiu mais. 

 — Mãe! — A voz irritante da Madison ecôou dentro do meu ouvido com os gritos dela atrás da minha mãe.

 — Não dá para gritar em silêncio? — Sentei-me no sofá bocejando. 

 — Molly, não dá para ser feia invisível? — Mad ironizou. 

 — Desde quando dá para ser feia invisível? Por quê você tá invisível? Tu é feia pra caralho! — falo séria — Com seus berros de cabrita, atrapalhou meus pensamentos de quão minhas férias estão sendo uma merda. 

 — Molly para de provocar sua irmã! — Mamãe entrou na sala quase me fazendo parir um filho de susto. 
 Ela estava com algo verde no rosto parecendo o exorcista, babyliss nos cabelos e apenas de calcinha e sutiã. 

 — Não estou provocando ela, ela que vem gritar no pé do meu ouvido. 

 — Mãe, eu esqueci de avisar que o meu namorado vai trazer os amigos dele aqui em casa hoje e o pai de um amigo dele. — Falou Mad me ignorando. 

 — Quantos anos tem o tal pai desse seu tal amigo ? — Mamãe perguntou curiosa. 

 Deus! Não me faça ter mais uma irmã de pai diferente e muito mais um padrasto.

 Por quê minha mãe não pode simplesmente aquietar a tcheca ? 

 — Amigo do meu namorado! — Madison a corrigiu. 

 — isso... 

 — Como que eu vou saber ?! — Madison arcou o cenho.

 — Mãe, por quê a senhora está de calcinha e sutiã ? — Perguntei. 

 — Madison eu já mandei a empregada preparar tudo, que horas eles vem ? — Mamãe me ignorou, oh Céus! Essa dai é necessitada por causa de macho, não nego, Madison teve á quem puxar. 

 — Depois das nove. — Madison deu de ombros e saiu andando. 

 — Mãe por quê você está de calcinha e sutiã perambulando pela casa ? — perguntei mais uma vez. 

 — Está calor, e o que é bonito tem que mostrar mesmo!

 Neguei com a cabeça e voltei a me deitar no sofá.

 — Molly, quando você vai ser como eu e suas irmãs? Você nem parece uma Leithord! — Mamãe falou vindo até a minha frente. 

 — Quando eu bater a cabeça com muita força no chão. — falei tentando prestar a atenção na TV para esquivar mais uma conversa de que eu tenho que ser como ela, ter um namorado, mostrar mais meu corpo, curtir a vida, perder o cabaço com um unicórnio e por aí vai...

 — Filha você tem que ser feliz, mostrar seu corpo, curtir a vida, ter um namorado, ter uma vida sexual ativa mas com segurança, seja oral, anal, ou por frente. Sexo seguro em primeiro lugar e nunca engravide cedo para não se arrepender depois! — Não quero ser como como minhas irmã que dão para o primeiro cara que aparece na frente depois, eles só usam elas e metem o pé na bunda.

 — Mãe não gosto de ter essa conversa sobre sexo com você, não quero ter um namorado, não quero mostrar meu corpo como uma vadia, e eu sou feliz assim, sem essas coisas! — falei irritada. 

 — Então tá, Molly. — Mamãe me olhou magoada por causa do jeito que eu falei, ela colocou os fones de ouvido e saiu rebolando.

 Eu não estou sendo chata com ela, ela sempre deu tudo que eu sempre quis por ter condições financeiras e todo o carinho que precisei desde a minha infância por não trabalhar e viver da herança do primeiro marido dela, eu amo minha mãe mas que tudo nesse mundo. Só que ela não pensa como uma adulta mãe de quatro filhas, não a culpo por quê a mentalidade dela parou de evoluir aos quinze anos. Ela parece uma adolescente de quinze anos descobrindo a vida, usa piercing no umbigo e no nariz. Acho lindo a vaidade dela com quarenta anos, mas ela tem aquela pitada de exagero com meio quilo de liberdade.

 Passei alguns minutos apertando os botões do controle pra brincar de mudar o canal já que não tem nada melhor pra fazer.

 Acabei me irritando e levantei-me, subi a escada e fui para o meu quarto que era o último do corredor.

 Me joguei na cama caindo com a cara enfiada no travesseiro, relaxei meu corpo...

 Toc, toc, toc. Maldita hora de alguém vir me irritar, me virei de frente para a porta e antes de eu dizer para que o ser humano que estava do lado de fora entrar.

 Entrou a Blake, o menos ser humano que existe vulgo minha irmã mais velha que acha que manda em mim e na porra toda.

 — Molly, você tem algo a dizer ? — ela cruzou os braços batendo o pé no chão fazendo aquele barulho horrível com os saltos.

 — Se eu tivesse algo a te dizer, eu te chamaria e você não precisava entrar assim no meu quarto! — Enchi as bochechas bufando. 

 — Muito engraçada você, não !? Merecia estar num circo de tão engraçada! — Blake falou irônica. 

 — Não estou lá por quê você ama ser palhaça e me tirou do cargo. — ironizei mais um pouco para irrita-lá.

 — Estou falando sério Molly, a mamãe sempre te deu tudo que quis d muito mais e seu jeito de agradecer é sendo arrogante com ela ?! — ela fala e eu suspiro, Deus me dê paciência. 

 — Eu não fui arrogante com ela Blake, só falei que não quero ser o que ela quer que eu seja. — Me sentei na cama.

 — Mesmo que você não quer ser a filha que ela sempre sonhou, pelo menos pega leve com ela. Seja legal e não pisa na bola só por quê você é caçula!

 Suspirei. Eu não fiz nada de errado, só não quero ser como ela. 

 — Está bom, Blake. Eu não sou a Harley 2.0 da vida! 

 — Assim eu espero. — Blake sorriu satisfeita e saiu do meu quarto.

 Fiz questão de me levantar e ir trancar a porta com a chave para ninguém mais entrar e me irritar. E eu não quero ir conhecer o namorado da Madison e os amiguinhos dele, e muito menos ter que ficar observando minha mãe dando em cima de machos.

 Voltei para minha cama e coloquei meus fones de ouvidos, coloquei para tocar na repetição, no meu celular "Treat You Better - Shawn Mendes". Não demorou muito e a preguiça montada em cima de mim, me colocou pra dormir.

 •••

 Abri meus olhos e tirei os fones de ouvindo, o quarto estava escuro. Me estiquei e liguei o abajur para clarear o quarto, olhei para o relógio ao lado do abajur em cima do criado mudo e marcava 10:15 PM. Porra! Eu dormi pra caralho, espero que minhas férias todas não sejam resumida nisso.

 Me sentei na cama e bocejei sentindo um pouco do sono em mim ainda.

 Ouvi um barulho alto batendo na porta do meu quarto, o barulho era como se alguém tivesse batido a costa ou a cabeça sei lá. — Para Justin! — ouvi o resmungo da pessoa que estava do lado de fora. 

 A voz era feminina mas não era de nem uma das minhas irmãs e nem da minha mãe, muito menos de alguém que eu conhecia. 

 — Eu já mandei você se comportar Bliss! Para de roubar coisas desta casa, você vai estragar todo o plano! — Dessa vez ouvi uma voz grossa masculina. 

 Me levantei da cama curiosa e caminhei até a porta para ouvir mais. Será que era os tais amigos do namorado da Madison? Ela não seria capaz de trazer criminosos pra casa. 

 — Justin vamos abaixando a bola por quê você não é o Jeremy que manda em mim. — A mulher que provavelmente o nome dela é Bliss, falou irritada com o tal homem que provavelmente o nome é Justin. 

 — Eu estou falando sério Bliss, não vacila se não você vai se arrepender! — Justin parecia muito furioso. 

 — Tá. Tá Justin, agora me deixa em paz. Por favor! — logo depois de Bliss dizer ouvi barulho de saltos batendo no chão.

 Mas que droga estava acontecendo, acho que eu não ouvi bem, ela estavam roubando a casa enquanto ninguém via, que plano é esse ? Não dá pra acreditar que a Madison trouxe criminosos para dentro de casa.

 Esperei alguns segundos e não ouvi mais nada. Eu precisava alertar minha mãe e as meninas, chamar até a polícia se for preciso e expulsar essa ralé de dentro de casa. 

 Abri a porta do quarto apressada, não estava nem ligando de estar descabelada e descalça.

 Quando fui sair correndo bati a cara em algo, ou melhor, em alguém. Ergui o olhar para a pessoa dando de cara com um homem. Seus olhos castanho mel estavam avermelhados, sua expressão facial estava seria, seu corpo todo é tatuado, seu jeito de me olhar me arrepia de medo.

 — O que você ouviu ? — Ele perguntou mordendo seu lábio inferior de forma que me paralisava. 

 — Me dá licença! — Falei tentando desviá-lo, com aquele medo dentro de mim. Ele segurou meus braços com força me impedindo de sair correndo.

 — Quero pegar leve com você, só que você não está me dando escolha. — ele falava como se tivesse alguma moral aqui dentro da minha casa, tentei puxar meus braços e ele apertou com mais força.

 — Você está na minha casa, e quem você acha que é para pôr as mãos em mim ? — Questionei tentando manter a postura de firmeza.

 Eu não conheço esse cara e muito menos eu sei o que ele quer aqui, mas de uma coisa eu tenho certeza por quê não sou burra, ele é um criminoso. 

 — Eu vou perguntar mais uma vez! — Ele falou sério — O que você ouviu ? 

 Minha costa se chocou contra o batente da porta fazendo-me soltar um gruído alto de dor. 

 — Se não me soltar eu vou gritar. — Disse tentando empurrá-lo mas toda força que pus foi em vão, ele é muito mais forte que eu.

 Quando abri minha boca pra gritar fiquei calada, paralisada, olhando pra arma em sua cintura. 

 — Vai em frente! — ele mandou. — Eu estouro seus miolos e depois de todas as vadias desta casa que você chama de família. — ele tirou a arma da cintura e encostou no meu queixo, naquele momento meu cérebro parou de  funcionar de tanto apavoramento, meus olhos ficaram paralisados olhando diretamente para os olhos dele. 

 Continua...


Notas Finais


Então, gostaram ? Espero que tenham gostado!
Eu To com tantos planos para esta fanfic, Molly vai sofrer muito e Justin também. Desta vez quero escrever algo bem diferente mesmo dos criminais daqui.

Eu TO nervosa com medo de vocês não terem gostado, seja que Deus quiser.
Vejo vocês no próximo capítulo!
Kisses <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...