História BlackSpot - Capítulo 2


Escrita por: ~

Exibições 625
Palavras 1.140
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Transsexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Volteiee, achei que eu iria demorar pra postar mas não consegui. Minha vontade de postar foi maior, também né, quase 600 favoritos e 100 favoritos só com o primeiro capitulo, eu tive que postar.
Eu TO tão nervosa com essa fanfic, To dando meu melhor!
Espero que gostem deste capítulo, vejo vocês nas notas finias!
Boa leitura <3

Capítulo 2 - Brincando com a morte


— Molly! O que está fazendo? — A voz de Harley surgiu no final do corredor e o barulho dos seus saltos batendo no chão seguia em nossa direção.

 — Se gritar ou dizer algo, eu mato você e ela sem pensar duas vezes! — Justin sussurrou aproximando seus lábios dos meus, discretamente pegando em meu corpo com uma das mãos para disfarçar, ele colocou a arma revolta na cintura e tampou com a blusa. 

 Quando Harley se aproximou mais, me dando a visão dela bem próxima de mim, ela riu. Justin selou seus lábios no meu em um selinho rápido fazendo-me ter repulsa daquilo, minhas pernas ainda tremiam sentindo a arma entre nós.

 — Está rindo do que otária? — Tentei agir normalmente sendo grossa com ela, do jeito que eu sempre fui quando ela vem xeretar minha vida — SAI DAQUI! — gritei.

 Justin me olhou e sorriu sínico passando seus braços em volta de mim. 

 — Já estou saindo santinha do pau oco. — Harley revirou os olhos e deu meia volta. Quando chegou no final do corredor, gritou: — USA CAMISINHA! — Foi só pra me provocar, mas nem liguei. Apesar de querer que matem ela naquele momento, minha vida também está em jogo aqui. 

 — É lindo ver como a irmãzinha mais nova coloca a vida pelas irmãs que não te dão a mínima. — Justin falou se afastando um pouco de mim e tirando a arma da cintura e colocando novamente no meu queixo — Agora você vai dizer o que ouviu! — Ele mandou pela milésima vez, pelo seu tom de voz dava pra saber que ele não estava de brincadeira. 

 — Eu não sei quem você é, não sei o que aquela Bliss roubou e nem qual o plano de vocês. Eu juro que não ouvi nada. — Alguns segundos depois minha mente processou o que eu havia dito. É engraçado como estou me guiando pra minha própria morte.

 — Você não merece viver! Você ouviu demais! — Justin apertou o gatilho sem pensar duas vezes fazendo-me dar um pulo fechando os olhos com força deixando uma lágrima escorrer rolando minha bochecha — Um bandido sempre merece uma chance, então eu sempre deixo uma bala a menos para ver de qual lado Deus está. 

 Era uma agonia infernal de medo. Por um minuto achei que eu iria morrer naquele segundo que ele apertou o gatilho, abri meus olhos lentamente vendo ele sorrindo em deboche da minha cara de medo.

 Eu estava quase molhando minha calcinha, não era de urina não, e sim de côco, diarreia. 

 Justin descarregou a arma na minha frente mostrando que realmente alguém lá no céu estava do meu lado, a arma dele estava completamente carregada e só uma bala faltando. A bala que era pra ter atingido minha cabeça e ter sujado a parede com os meus miolos. 

 — Como Deus te deu uma chance, da próxima eu não erro. — dizia Justin carregando a arma outra vez — Hoje você vai viver, mas amanhã você vai morrer. Se disser o que ouviu para alguém ou se quer o que aconteceu, eu mato a vagabunda da tua mãe e tuas irmãs na sua frente e te faço limpar o sangue delas do chão antes de você morrer... E eu nunca ficaria com você, o beijo foi uma despedida que está perto de chegar. Você é feia. 

 Ele acertou uma coronhada na minha cabeça e no mesmo segundo eu me apaguei. 

 •••

 Acordei no meu quarto, no chão próxima a cama.

 Minha cabeça latejava, pude ver pelo espelho no teto da cama que o sangue em minha testa estava até duro e era lá que doía.

 Aquela claridade dos infernos só prestava para dificultar mais, ardendo meus olhos. 

 Eu poderia dizer que foi um pesadelo com um demônio chamado Justin, mas o sangue duro em minha testa é a prova de que tudo foi real. 

 Me levantei do chão e tampei aquele machucado com meus cabelos, eu tinha que ver se minha família estava bem. Apesar de não ser a melhor família de todas, eu sempre me importei com elas. 

 Abri a porta e corri primeiro para o quarto de minha mãe, assim que abri a porta levei um susto com um cara nu deitado na cama dela. 

 Minha sorte foi que ele não acordou, ele podia ser um serial-killer ou apenas mais um dos homens comuns que passa pela cama da minha mãe.

 Encostei a porta devagar para ele não acordar e sair correndo lá para baixo, quando cheguei na cozinha vi minha mãe em pé próxima a geladeira e minhas irmãs sentadas em volta da mesa nas cadeiras. 

 — Mãe! — Pisquei duas vezes pra ter a certeza que não era uma ilusão, ela realmente estava viva. 

 Eu não podia duvidar do cara de ontem, a voz, a expressão dele era bem clara que ele não estava de brincadeira. 

 — A santinha que estava ontem se pegando com o filho do Jeremy acordou. — Harley falou rindo. 

 — Molly, está tudo bem? — Mamãe se aproximou de mim notando meu jeito de apavoramento. 

 — E.. Está sim, por quê não estaria ? — Ri sem vida. 

 — Você está pálida! — Madison falou caminhando até mim, enquanto Blake e Harley fazia piadas sobre a cena que ela (Harley) viu ontem. 

 — Eu já disse que está tudo bem. Mas que droga! — Não, não estava nada bem. Estou jurada de morte e se eu pedir ajuda vocês todas morrem. 

 Me afastei delas colocando minha franja atrás da orelha. 

 — O cabelo da Molly parece assolam. — Blake e suas piadas outra vez. 

 — Eu sei. Quer vir aqui para mim esfregar sua cara com ácido desentupidor de privada e meu assolam pra deixar sua cara mais linda do que já é ?

 — MOLLY! — Mamãe praticamente gritou me olhando com os olhos arregalados, de início achei que ela tinha achado ruim do que falei mas ela não era desse tipo — O que aconteceu com você ? — ela perguntou apontando o dedo pra minha testa. 

 Fodeu. 

 — Não acontece nada mãe. — falei tampando o machucado com meus cabelos outra vez.

 — Como nada? E isso na sua testa, hein? — Engoli seco sem sabe o que falar — Alguém te bateu? Foi uma das suas irmãs? — mamãe fazia uma pergunta atrás da outra. 

 — Eu que não fui! — Harley foi a primeira a levantar as mãos com medo de ficar de castigo outra vez. 

 — Nem eu. — Disse Blake. 

 — Molly Elle Leithord, eu exijo explicações do que aconteceu!

 Minha garganta coçava para dizer o que tinha acontecido, mas eu não podia. Ou talvez eu podia, Justin nem está aqui e até quando souber que eu disse a polícia já deu jeito nele. 

 — É Molly, o que aconteceu? — Aquela voz grave masculina ecoou  na cozinha fazendo-me rolar os olhos e parar na porta na cozinha, quem eu achei que não estava aqui. Estava, e lá estava Justin parado escorando no batente da porta me encarando sério com aquele olhar de assassino que ele tem. 

 Continua...


Notas Finais


GOSTARAM? Os promeiros capítulos são meios chatinhos vocês sabem disso né !?
Se não gostaram não me abandonem, to com tantas ideias, os próximos capítulos vai ser bem melhor.
Não sei quando vou postar o capítulo 3, eu pretendo postar junto com o capítulo 4 de Blackbirds (já está quase pronto) até quarta eu posto.

Tenha algumas pessoas perguntando quem interpreta a Molly, quem interpreta a Molly é Doutzen Kroes (quando ela era mais nova)
Quem interpreta a Bliss é Cindy Kimberly, os outros personagens ainda eu não descidi quem interpreta.

Vejo vocês no próximo capítulo!

Kisses <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...