História BlackSpot - Capítulo 4


Escrita por: ~

Exibições 524
Palavras 1.209
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Transsexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi oi, voltei!
Nem ia postar hoje, o capítulo seria bem maior. Mas vou ficar por um tempo sem poder poder escrever (esse tempo, 5 dias kskskdksn) então vim postar hoje mais um capítulo pra você.
Leiam as notas finais!
Boa leitura <3

Capítulo 4 - Shit


Minhas mãos estavam amarradas e minhas pernas também, tinha algo tampando minha boca e meus olhos também.

 Dava pra sentir, dava para ouvir passos bem próximos de mim e conversas. 

 — Tá maluco trazer ela pra casa? — Alguma mulher perguntou, eu reconheci a voz. Era da tal de Bliss. 

 — Temos que dar um sumiço nela, ela sabe demais! — Ouvi a voz do Justin. 

 A cada som que eu ouvia, ficava apavorada. De olhos fechados tudo é mais aterrorizante. Meus pulsos ardiam por causa da corda bem apertada e também por quê eu tentava me soltar. 

 — Matar ela pode estragar o plano... Ou não. — Outra voz masculina que não conhecia falou. 

 — Vamos deixar Jeremy decidir. — Desta vez o namorado da Madison que eu esqueci o nome falou.

 O que eles querem comigo? Me lembrei!

 Eles querem me matar por quê eu sei demais, eu preciso sair daqui. 

 Tenho muito que viver, sou nova ainda, até virgem eu sou.

 Deus estava do meu lado ontem, cadê ele pra estar do meu lado hoje? 

 Quanto mais eu tentava me soltar daquelas cordas, mais meus pulsos ardiam de tanto que a corda estava apertada. 

 — Ela está se mexendo. — Um deles falou. 

 — Aplica outro sedativo! — Ouvi a voz de Justin mandando. 

 Resmunguei lutando, alguns passos se aproximaram de mim. 

 Merda. 

 Senti a agulha perfurando meu pescoço e foi como se eu tivesse entrado em um sono profundo. 

 •••

 Abri os olhos sentindo um ardume do caralho por causa da claridade do ambiente, minha cabeça doía como se fosse uma ressaca, meu corpo estava passado como se eu tivesse dormido umas vinte horas.

 Esfreguei meus olhos com as mãos tendo minha visão normal de volta.

 Era ele. 

 O cara da bunda branca que estava dormindo na cama da minha mãe mais cedo.

 Já falei que odeio minha irmã pelo que está acontecendo? Então, eu a odeio! E não é pouco.

 — Olá. — Ele sorriu para mim. 

 Sorrir em um momento assim não quer dizer que coisa boa vai acontecer, eu assisto filmes de ação. 

 Ele caminhou até mim e tirou a fita de minha boca, fazendo-me soltar um grunhido. 

 — Se vai me matar, ande logo! — Gritei.

 Também vi em um filme que se implorar pela morte os assassinos não matam. 

 — Corajosa você, não? Eu me chamo Jeremy. 

 Então ele era o tal Jeremy que os babacas estavam falando mais cedo, ele vai decidir se vivo ou morro. 

 — Eu sei que você quer me matar, então anda logo, Jeremy. — Falei com o cu na mão, no meu tom de voz até parecia que eu era durona mas a realidade é que não sou. Acredite, estou chorando por dentro. 

 — Eu podia até te matar agora... Mas tem um porém. — Jeremy caminhou de um lado para o outro naquela sala — Meu filho, o Justin, disse que você ouviu ele falando com a minha filha sobre um plano. — Jeremy parou na minha frente e olhou diretamente nos meus olhos — Ter você morta agora, vai prejudicar meus planos! 

 Engoli em seco tentando entender o que ele queria dizer.

 — E que planos são esses ? — Perguntei. 

 — Com o decorrer do tempo você vai saber. — Ele deu de ombros desamarrando meus pulsos que estavam muito doloridos por sinal. 

 — Com o decorrer do tempo eu vou denunciar vocês para a polícia e vou ver vocês na cadeia. — Mais uma vez abri a boca sem pensar. Será que é só eu que acho engraçado a maneira que arrumo meu caixão para deitar? 

 Jeremy me encarou com raiva. 

 — Se você fizer isso quem pagará será sua mãe! Você não conhece a pessoa que eu sou, você não conhece quem trabalha comigo. Basta um telefonema que a querida mamãe vadia Isabelle estará morta, você não sabe quem está por trás de tudo. Poder ser um segurança da tua casa, seu motorista, sua melhor amiga, até mesmo os policiais que você vai pedir ajuda. 

 É, eu estava fodidinha da Silva.

 Minhas pernas tremiam de nervoso. Eu estava caindo em um poço sem fundo e a única saída realmente seria a morte e a dor. 

 Fiquei calada sem saber o que rebater naquela situação.

 — Justin vai te levar pra sua casa e se você disser algo da nossa conversa, algo de tudo que aconteceu para alguém e se até mesmo tentar nos denunciar outra vez... Você morre!

 Ele falava sério, sem brincadeira. Eu não podia subestimá-lo.

 Jeremy saiu daquela salinha vazia deixando a porta aberta, me levantei indo atrás de cabeça baixa tentando processar a situação que eu me encontrava.

 A casa, ou lugar onde eu estava, era nojento, roupas jogadas em qualquer lugar, um cheiro horrível de mofo, tudo uma bagunça só.

 Seguimos o corredor estreito até chegar em uma sala bagunçada, com um único sofá rasgado e uma TV pequena pegando chiado. Uma garota estava deitada no sofá e ela me encarou ao ver minha reação olhando aquela casa, não era frescura minha, a casa parecia um verdadeiro chiqueiro. 

 — Nunca entrou em casa de pobre não, hein? — A garota perguntou sendo grossa. 

 — Bliss... — Jeremy repreendeu ela com o olhar. 

 Na verdade não, nunca entrei em casa de pobre. Nasci em berço de ouro, não sei o que é ser pobre. Não é preconceito, mas esse lugar é uma nojeira.

 Ser pobre é uma coisa e ser porco é outra. 

 — Eu odeio gente rica metida! — Bliss disse revirando os olhos. 

 — Justin. 

 Jeremy chamou o filho. Alguns segundos depois o babaca apareceu. 

 — O que foi? — Ele perguntou sendo grosso. 

 — Leva a Molly pra casa dela. — Jeremy pediu jogando as chaves do carro pro Justin.

 — Não me responsabilizo se eu tentar matá-la no caminho. — Ele falou e saiu andando. 

 Isso é sério mesmo produção? Eu vou ter que ir pra casa com esse babaca, já não basta respirar o mesmo ar poluído que ele e ter que sofrer com o que está acontecendo?

 Segui Justin até ao lado de fora daquela casa, era tão bom respirar o ar limpo outra vez.

 Justin entrou no carro e eu entrei logo atrás do banco do passageiro. 

 Aquela casa era no meio no meio do nada, para todos os lados que eu olhava só via mato.

 Realmente um ótimo lugar para seu inimigo te trazer e te matar. 

 Depois de um tempo em silêncio naquela merda de carro que nem ar condicionado tinha, na verdade tinha mas estava estragado. Justin abriu a boca. 

 — Não é por quê Jeremy quer que não te mate que eu vou fazer o que ele manda! — aquelas palavras ecoaram em meu cérebro sentindo um nó na garganta.

 — Acho que se você quisesse mesmo me matar, já teria feito isso...

 Foi eu abrir minha boca pra piorar tudo. Justin deu uma freiada brusca fazendo meu corpo ir para frente e para trás.

 Ele tirou o revólver do porta luvas, meus olhos estalaram do tamanho de uma burca extra G. 

 — Desce do carro. — Ele mandou descendo. 

 — Não! — Neguei — eu quero ficar aqui e ir pra casa.

 — Não vou falar outra vez. — Após ele dar a volta abriu a porta do carro, só faltava ele me arrastar pelos cabelos para fora da merda do carro. 

 Nem persisti em negar outra vez, desci. 

 — Você me deve uma pedra e de uma forma ou de outra vai me pagar. De preferência agora! 

 Merda. 

 Continua...


Notas Finais


Gostaram?
É ISSO MESMO PRODUÇÃO ? Quase 700 favoritos sz, vocês são demaisz
TO muito feliz!

O Começo tá meio zzz, mas os próximos capítulos vão ser mais legais. Não sei se repararam mas nessa fanfic tá o contrário de todas, Justin é Pobre e a Molly rica. Eu estava cansada da mesma coisa em criminais, desta vez Justin é pobre e não comanda a "equipe".

Eu queria agradecer a todas as pessoas que estão me ajudando na divulgação da fanfic, dedico esse capítulo a todas elas.
Continuam divulgando pra me ajudar, vou indicar algumas fanfics de pessoas que estão me ajudam em forma de agradecimento.

Entram no grupo do WhatsApp: https://chat.whatsapp.com/2sRXSAsPE20ApwHJDJpvDW

Nos vemos no próximo capítulo!
Kisses!

Leiam: https://spiritfanfics.com/historia/metade-irmao-6265353

Leiam: https://spiritfanfics.com/historia/el-duque-de-alcazar-7020864


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...