História Blade Shadow - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Arlequina (Harley Quinn), Capitão América, Homem-Aranha, Novos Titãs (Teen Titans), Street Fighter, Viúva-Negra (Black Widow), Wolverine, X-Men
Personagens Gwen Stacy, Harleen Frances Quinzel / Harley Quinn (Arlequina), James "Logan" Howlett (Wolverine), James Buchanan "Bucky" Barnes, Laura Howlett (X-23), Natasha Romanoff, Ravena, Steve Rogers
Tags Ação, Arlequina, Briga, Chun-li, Gwen, Laura, Mercenarios, Viuva Negra, Wolverine, X23
Visualizações 11
Palavras 3.584
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção, Luta, Romance e Novela, Shounen, Universo Alternativo, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Ola seres vivos, sou Criss66, e como prometido trago mais um capitulo de " Blade Shadow", então boa leitura.

Capítulo 2 - Mais um Membro


Fanfic / Fanfiction Blade Shadow - Capítulo 2 - Mais um Membro

 Natasha está na cozinha fazendo algo para jantar, 23 volta depois de alguns minutos, se senta e joga uns papéis na mesa, e chama as Gwen e Quinzel:

-Venham até aqui vocês duas, deixa eu dizer o paradeiro das duas últimas mulheres.

-Elas moram muito longe? Vamos ter que ir de avião?

-Sim e sim, alguma pergunta Arle?

-Não, tá tudo certo, se pra lá tiver Martini de chocolate ou milk-shake de baunilha!

-Então, uma delas está na China, se chama Chun Li, ela é a melhor lutadora de artes marciais do mundo, ela consegue entrar e sair de qualquer lugar sem ser notada, e isso vai ser muito bom, junto de uma hacker. E a outra está na Rússia, ela é uma mecânica, conhecida como Ravena e conhecida mais ainda pelo que faz, ela cria tudo que possa imaginar desde armas, a veículos, é de fato impressionante, parece que saiu de uma série de TV de 1985, é impressionante.

-Então, sua ideia é juntar duas, para uma fortalecer o ponto da outra?

-Claro! Por isso que pensei em fazer essa equipe, e não ir sozinha, todas vocês juntas dão cinco de mim.

Natasha vem da cozinha com uma travessa de macarrão com queijo, o cheiro invade toda a copa, e tira toda a atenção da conversa, Quinzel salta da cadeira e começa a pular batendo palmas como uma criança alucinada por doce, Gwen e Viúva não entende aquilo, elas olham pra Laura que balança a cabeça no sentido de não ligar, ao repousar a travessa na mesa, elas começam a se servir, e Arle pergunta -Porque vocês deram um tempo?- todas na mesa ficam estática, Natasha derruba o garfo, 23 levanta da mesa com uma fúria que chega  derrubar a cadeira, e sai da copa para a varanda, Natasha Vai atrás dela, enquanto Gwen fica olhando estática para Quinzel que não consegue assimilar o que disse que continua comendo normal.

Na varanda Laura está encostada na barra de proteção, olhando para o céu, quando é surpreendida pela presença de Natasha que coloca uma mão nas costas dela e com a outra se apoia na varanda, e fala -Está chateada com a Quinzel? - Laura não diz nada, nem esboça nenhuma emoção, enquanto Natasha fala -continua a mesma de sempre- alguns segundo se passam, junto da paciência de Natasha, que tira as mãos da costa de sua amiga e se vira pra voltar pra dentro, quando escuta -Não é ela o motivo da minha chateação, e sim, comigo mesma, por minha causa oito anos angustiante foram me dados longe de você, errei com você, errei com a gente, e nada doeu em mim mais do que todas essas lembranças a todas as noites - viúva volta e a beija a cabeça de Laura, e diz -os oito anos seus, foram os mesmos meus, mas agora estamos aqui, as dores podem ficar para trás se você preferir, ou pode continuar a viver com elas, e se decidir isso, espero que eu esteja com você pra te ajudar a superar- Laura se vira e abraça Natasha, que retribui em um abraço caloroso que a muito estava guardando para dar, as duas voltam para dentro, e olham Arlequina se encolhendo enquanto pergunta com a voz baixa -desculpe pelo que disse- Laura se aproxima dela e passa a mão em sua cabeça -não se preocupe, está tudo bem, agora vamos deitar que amanhã vamos ter um longo dia - a casa tem quatro quartos, e um banheiro no corredor de cima, na parte de baixo, e um banheiro no quarto da Natasha, Quinzel segue a Gwen para o quarto que ela vai e pergunta -posso dormir com você?- Ela confirma com a cabeça que sim, Laura segue para um dos quartos, e Natasha fala -Porque não dorme no meu quarto? Seria bom, a gente tem muito o que conversar- 23 segue para o quarto da Viúva em silêncio.

O dia seguinte se inicia, a luz do sol invade a casa pelo pela varanda que tem portas de vidro, mostrando alguns detalhes que a luz das lâmpadas não mostraram na noite anterior, o quarto é clareado pela luz do sol, que faz com que Natasha desperte, Ela procura Laura que está na janela do quarto com um charuto na boca, olhando para fora, -Bom dia- apagando o charuto, e se virando ela corresponde o bom dia acompanhado de um sorriso, e em seguida, pergunta -Tomar café?- Natasha confirma com a cabeça enquanto coloca uma blusa. Ao descerem elas encontram Gwen fazendo café e Quinzel colocando os copos na mesa, -Bom dia- as duas viram e respondem o bom dia, Gwen diz - o café está quase pronto- Natasha olha para ela e agradece com um sorriso, Arlequina se aproxima de sua companheira de quarto e diz - A Nat é mais simpática que a 23- as duas começam a rir baixinho e ouvem a voz de Laura - Que risadinha fresca é essa? Tão fazendo café, ou vendo stand up? - Alguns minutos se passam e estão todas na mesa, já tomando café, Gwen pergunta - Primeiro russa e depois Japão?- Laura olha pra ela e confirma com a cabeça, após terminarem o café, elas começam a se arrumar para sair, o dia fica mais claro, e todas já estão embaixo esperando o táxi para irem ao aeroporto, Natasha pergunta -Sabe onde ela está?- -Não, mas vai ser fácil de achar- o táxi chega e elas seguem para o aeroporto, antes de chegar lá, 23 pede pra parar em um comércio, o táxi para no mais próximo, ela sai e Natasha diz- ela vai vim com uma garrafa de whisky e um cigarro ou charuto- as outras duas começam a rir confirmando a ideia lançada, alguns minutos se passam e Laura passa pela porta do mercado com uma garrafa de whisky já aberta e incrivelmente já na metade e um cigarro já aceso, ela chega e dá sinal de que podem ir, ela escuta a voz da viúva dizendo –Nunca perdeu essa droga de mania- sua resposta para ela é dá o dedo do meio. A viagem até o aeroporto foi tranquila e rápida, antes de chegar no aeroporto a garrafa na mão da 23 já estava vazia. Chegando no aeroporto Laura paga o taxista, as quatros seguem para a área de embarque já com passagens a mão. Dessa vez o voo teve um atraso de 3 horas, mas estão todas calmas, o tempo passa e o aviso do embarque chega antes do esperado o que anima as meninas, elas se arrumam e vão para área de embarque, tudo foi rápido quanto menos esperavam já estavam subindo voo; da cidade onde estavam até a Rússia era de mais ou menos 8horas de duração. A viagem foi tranquila, dando tempo de Laura planejar o que ia fazer quando pousassem; o avião pousa e após o desembarque elas seguem para a frente do aeroporto, o frio é de fato congelante, levando as quatro moças a baterem os dentes, Laura avisa que vão para um hotel, para passarem o resto da noite e que na manhã seguinte vão direto atrás do seu objetivo. Chegando no hotel, Laura não consegue se comunicar com o atendente devido o idioma, ela olha pra Natasha que aproxima se abraçando para se aquecer e rindo enquanto diz -isso que dá não praticar o que te ensinei- Natasha então fica sendo a intérprete de Laura, em alguns minutos já estão no quarto e a primeira coisa que elas fazem é aumentar o aquecedor, e Laura abre uma garrafa de whisky e joga uma garrafa de vodca pra Gwen que a segura com susto -Vamos nos esquentar- Arlequina se aproxima e pergunta o que vão comer, Natasha reforça a pergunta da companheira, e Laura diz enquanto tira a garrafa da boca -Vocês não são crianças, pedem o que quiser e a hora que quiserem- Natasha Revira os olhos enquanto pega o telefone do hotel e faz pedido de quatro prato de comida. Enquanto esperam a comida chegar, as quatro começam a selecionar seus casacos mais grossos para o dia seguinte, Laura separa sua roupa e liga para um taxista, que por sorte fala sua língua, o que dispensa Natasha de sua função, ela explica que precisa de um táxi para as 9hrs do dia seguinte, o taxista confirma que estará na porta do hotel no horário combinado e informa a placa do carro e a numeração do seu táxi para facilitar o encontro. O jantar chegou, após comerem Laura explica o que vai acontecer no dia seguinte, todas aceitam numa boa, todas deixam suas mochilas prontas para partir do hotel no dia seguinte.

O dia amanheceu, mas não é muito decifrável devido a névoa do tempo frio, todas já estão de pé, e se arrumando pra sair, Natacha está com seu casaco de pele branco acompanhada por um gorro peludo preto e Luvas pretas, Arle está com um casaco que lembra o pelo de uma onça, um gorro que combina com casaco e Luvas brancas, Gwen está com um casaco cinza um gorro branco e luvas pretas, Laura está toda de preto, como quase sempre. Eles descem para a recepção, Laura paga a diária, e seguem para a frente do hotel, agora já está um pouco mais claro que o dia que chegaram, a cidade é muito limpa e organizada, é mesmo com a névoa não se torna algo sombrio, o clima está menos frio mais ainda sim estão batendo os queixos, quando um táxi encosta e Laura percebe pela placa que é o taxista com quem conversou na noite anterior, elas entram no carro, 23 tira um papel do bolso e mostra para o motorista, ele olhou o local e fala que só vai poder ir até a metade do caminho, ela pergunta o porquê e ele responde que de onde ele vai deixar para frente só com um barco ou tipo de embarcação, Natasha pergunta se ele conhece alguém que possa leva elas até lá, ele diz que sim, e liga para alguém informando o local para o se encontrarem. Após alguns minutos eles chegam ao local, Natasha pergunta se o outro rapaz vai demorar, o taxista informa que não, em pouco tempo uma SUV branca aparece, de dentro sai um homem de cabelos negros até o ombro, vestindo uma calça rajada, uma bota marrom, uma jaqueta para o frio de cor marrom. Ele fala algo em russo e a Natasha traduz, então ele fala:

- Meu nome é Buck, e falo sua língua, em que posso ser útil?

-Precisamos ir até esse local, você pode nos ajudar?

-Posso, mas o que vocês querem lá? Procurando alguém?

-Achei que seu serviço era nos levar, e não interrogar.

Após Laura falar isso, o homem solta um insulto em russo, e se esquece que Natasha fala sua língua, quando ele percebe isso, ele olha para Viúva, e ver um soco vindo em sua direção, o taxista se assusta e puxa uma arma, mas antes de arrumar a mira, Quinzel o desarma e leva o homem para o chão, Buck está agora encostado no carro com a mão no nariz tenta estancar o sangramento, quando sente uma pressão em seu pescoço, e ver o pé de Laura o sufocando, e Natasha apontando uma arma pra ele, -Ainda vamos ter problemas com insultos- Buck responde que não, Laura então tira o pé do pescoço dele, e pergunta se ainda vai pegar o serviço, ele confirma com a cabeça:

-Mas antes tenho que passar em casa, para pegar algumas coisas, tudo bem?

-São úteis para o serviço?

-Sim sim.

Arlequina libera o taxista e entra na SUV junto de suas companheiras, a névoa fica mais densa e o frio aumenta, a viagem silenciosa é interrompida quando o carro para, e Buck pergunta se não querem entrar, pois as condições para dirigir pioraram, ele oferece um chocolate quente, o que traz a Quinzel de cinco anos à tona, que fica pulando no banco do carro, repetindo que quer chocolate, Laura tenta se controlar. E pergunta -Só tem chocolate quente, ou tem whisky? - Ele solta uma risada sem jeito e diz que também tem, fora outras bebidas.

Eles entram, ele recolhe o casaco de todas e pendura eles no cabide ao lado na parede que forma um pequeno corredor, a casa é relativamente grande, à primeira vista é a da sala, que tem um carpete preto que realça o sofá branco e as cortinas combinando com o sofá, uma lareira tenta competir a atenção com a televisão imensa na parede, mas a dentro tem a copa com uma mesa não muito grande, um jardim de inverno é o grande ponto de atenção dessa área e uma bancada que a divide da cozinha, do lado esquerdo da entrada, uma área de lazer, não muito revelada pois está com porta não muito aberta. Ele diz - fiquem à vontade, Laura, pode ir no bar pegar seu whisky, se mais alguém quiser bebida, pode se servir, temos um banheiro na área de jogos e um de hóspede lá encima, fiquem à vontade eu insisto- Ele vai primeiro ao banheiro se limpar e fazer um curativo, alguns minutos depois ele desse e vai para a cozinha preparar o chocolate quente. Laura está no chão bebendo uma dose de whisky, Arlequina está no sofá com as pernas cruzadas como se tivesse meditando, mas todo tempo se balançando de ansiedade pelo chocolate, Gwen está ao seu lado com as mãos entre as pernas se balançando com frio, Natasha está em pé de frente para lareira. Quando Buck chama todas para se servirem, Laura faz sinal de que não quer, elas vão ao encontro da bebida, para esquentar o clima frio, Buck avisa que nas condições que esta não será possível a fazer o serviço, mas por sorte esse era o último dia dessa temporada de frio, o dia seguinte ia começar a melhor, ele avisa que elas podem passar a noite, pois sente que deve isso a elas devido a falha dele no início, Laura nega, e diz que vão voltar para o hotel, pela primeira vez ela ver as meninas desanimadas com a ideia, mas nenhuma reclama, ela pensa uns segundos a mais e avisa que vai aceitar como um favor, ele ri enquanto diz -Não é um favor, eu devo isso a vocês- ele avisa que vai aumentar o aquecedor da casa, fala também que é casado e que sua mulher está para chegar, avisa somente para não causar surpresas as visitas, ele sobe as escadas e as meninas ficam bebendo o chocolate.

Alguns minutos depois um carro estaciona e logo uma mulher entra a porta, vestindo uma calça escura, com uma bota para o frio na cor marrom, uma jaqueta também para o frio, mas na cor branca e um gorro branco, ela se depara com as quatro mulheres e se assusta, após o choque inicial ela pergunta -Quem são vocês e cadê o Buck? - Ela pergunta enquanto tira o gorro, relevando seu cabelo na cor roxa, e uma pequena joia na testa, Laura se levanta do chão:

-Desculpe esse choque inicial... Feiticeira, perdão, Ravena.

-O que você disse? Quem são vocês e o que fazem na minha casa?

Laura responde que quer conversar enquanto anda em direção a moça, Ravena dá um passo pra trás e tira uma arma do casaco e aponta para Laura, ninguém na sala esboça reação nenhuma, Buck desce as escadas e se assusta com a cena, e pergunta o que tá acontecendo, 23 da mais um passo, e escuta o som do cão da pistola sendo puxado -Nem mais um passo morena- Laura levanta as mãos e diz que só quer conversar com ela, Ravena não dá atenção, e pergunta porque Buck trouxe elas até sua casa, ele explica que elas pediram seus serviços com embarcação, Por uns segundos a visão da feiticeira é desviada para Buck, o que dá tempo suficiente para Gwen com sua agilidade de acrobata saltar sobre o sofá e ainda no ar da um chute giratório desarmando Ravena, que ao se sentir desarmada, tenta correr, mas Gwen ao pousar no chão, gira em um movimento rápido e dá uma rasteira que leva a moça a cair, Buck avança para ajudar sua esposa mas é surpreendido com um copo que se espatifa em seu rosto, e ouvi Quinzel falando –Movimento errado, bonitinho- Laura se aproxima de Ravena e diz -agora que já brincamos, vamos conversar- enquanto pega a arma do chão e entrega para dona.

-O que você quer?

-Antes de tudo, meu nome é Laura, A que te derrubou é a Gwen, a que acertou seu marido com o copo é a Quinzel, e a ruiva que está no mesmo lugar desde hora que você chegou é a Natasha; o que eu quero, eu preciso de suas habilidades, essa que faz você transforma tudo que pega em uma arma, um veículo melhor, ou qualquer parafernália assim, resumindo, preciso dos seus serviços que te deu a fama de feiticeira.

-E o que você quer que eu faça? Uma bomba?

-Não, mas a ideia não é ruim guarda ela...

-Não adianta perguntar, ela só vai dizer quando estiver todas reunidas... não é mesmo, 23?!

-O que a Natasha quer dizer? Você quer meu serviço, mas não quer me dizer para o que?

-Exato, isso se chama confiança no grupo, é preciso confiar em você antes de tudo.

Buck se recupera da tontura e pergunta:

-O que vocês querem com Ravena? E por que chamou ela de feiticeira?

-Sua esposa não é só uma mulher do lar, ela foi a maior assaltante que existiu, e a maior mecânica que existe, ela cria tudo que pode ser criado. Buck tenta não acreditar, mas a reação de Ravena ao ser alvejada não o deixa manter seu pensamento.

-Bom, e se eu não quiser?

-Na verdade não vim te ameaçar, eu preciso das habilidades de cada uma que está aqui, inclusive da sua. E cada uma tem seu ponto que preciso para fazer o que quero. Se não quiser, eu não tenho nada. Infelizmente isso não posso fazer só.

-E o que essas têm de impressionante?

-Segundo Laura eu sou a maior hacker que existe.

-Eu roubo coisas. E adoro milk-shake.

-Eu sou a melhor armeira que existe, e não preciso que Laura me diga porque eu sei.

-Bom essa é a minha equipe, só falta você e a Chun Li.

-Espera, você quer me dizer que você reuniu as melhores das piores? Eu reconheço elas, Arlequina, não é? Ela matou o noivo no dia do casamento e não existe fechadura para ela, Aranha, roubou bancos em todo o mundo burlando a vigilância, A armeira russa e a maior espiã e que foi pega por fazer serviços ilegais para agências diferentes por quase todos os continentes. E a maior lutadora do mundo, mas você, quem é você?

-Eu sou uma mercenária, treinada pelo melhor, sou procurada em mais 40 países, sou proibida de entrar dois continentes, sou um pouco de cada uma, mas preciso de o melhor em cada área.

-Laura, a Ravena não é louca como a Quinzel, e diferente da Gwen ela tem uma vida fixa, e ela não te ama, você tem que dá algo a ela. E a explicação seria a melhor coisa.

-Quer saber...eu preciso invadir a prisão mais vigiada do mundo, A Fortaleza, nela existe mais de 1000 dos melhores técnicos trabalhando para proteção do software, mais de 4mil vigias, as portas são tidas como as mais blindadas e impossíveis de abrir, suas armas são produzidas dentro para uso interno de lá, além de armados os seguranças são todos praticantes de artes marciais, eu sei que é uma missão suicida, mas preciso tirar uma pessoa de lá.

Todas na sala entram em um estado de pensamento profundo, Natasha se aproxima de Laura e diz -tem certeza que ela está lá? - Ninguém acredita no que foi dito:

-E o que eu ganho com isso?

-Meio milhão, na moeda que quiser, assim como todas.

-Você não me disse isso - Gwen diz surpresa.

-Eu quero um milk-shake. A não o dinheiro dá para comprar muitos milk-shakes. Arlequina fala enquanto olha para o teto de modo distraída.

-Tô dentro.

Buck se levanta e diz que não concorda com isso, Ravena diz -Eu não tô nem aí para o que pensa, eu te amo, mais essa parte da minha vida, eu não dividir com você, então é só minha responsabilidade, e eu voltarei pra você- Laura se levanta, e diz que vai para China no dia seguinte atrás da última companheira, e avisa para Ravena arrumar suas coisas que ela vai junta, O clima no ambiente se tranquiliza, e parece que nada aconteceu.

 

O dia seguinte raia, e já estão todas a caminho do aeroporto, Buck está dirigindo quando Laura diz sua frase de viagem -Encosta em um mercado...por favor- as suas três companheiras já sabendo começam, a ri enquanto sai do carro Laura diz -Vão pro inferno- Ravena pergunta porque estão rindo, e Natasha faz sinal para ela aguardar alguns minutos, quando ela olha 23 vindo com a clássica garrafa de Whisky e um charuto já aceso, entra no carro ao lado de Natasha a olha e dá um gole, e logo depois uma tragada no charuto, vira para a janela e solta a fumaça, o carro se movimenta deixando a trilha de fumaça para trás.

 


Notas Finais


Chegamos ao fim de mais um capitulo, Obrigado por lerem tudo, deixe seus comentários, com criticas e opiniões. e como já combinado, os capítulos serão postados no padrão de um dia sim e outro não.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...