História Blankness - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, V
Tags Autora Louca, Carta, Coisas Doidas, Drama, Gay, Hoseok, J-hope, Jung Hoseok, Kim Taehyung, Taehyung, Tristeza, Vhope
Visualizações 8
Palavras 1.020
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lírica, Mistério, Universo Alternativo, Yaoi

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá
Eu não sei ao certo o que eu pretendia com esta one, mas ela significa bastante pra mim, enfim, tá ai.
Boa leitura.

Capítulo 1 - Capítulo Único


Eu sentia o vazio.

 

Todas as vezes que lia algo inspirador, profundo. Todas as vezes que encarava o céu, em todas as suas formas e cores, no escuro da noite com estrelas cintilantes, na manhã clara e fresca, com o azul misturado com rosa e lilás nas nuvens ao nascer do sol. Era lindo.

Eu sentia o vazio quando sentia a brisa da madrugada de verão acariciar meu rosto num toque leve, que me esfriava a alma. Quando eu ouvia as notas tristes e melancólicas de um piano solitário. Quando, em meio a um oceano de rostos, vozes e risos eu apenas ouvia a voz da minha mente.

Eu sentia o vazio quando ouvia uma música, na madrugada, deitado em minha cama, em meio ao silêncio, quando eu me sentia infinito, quando eu sabia que o universo morava em mim, quando eu finalmente me sentia livre, era quase como presenciar o sol queimando e as estrelas brilhando na minha alma. Eu sentia o universo dentro de mim, e ainda assim me sentia vazio.

 

Eu lembro de quando era apenas um adolescente, demasiadamente preocupado com a vida e com o futuro incerto que me aguardava, lembro de ficar acordado até que todos na casa estivessem em sono profundo, lembro de me levantar da cama, cuidadosamente, para não fazer barulho, caminhar até a janela sem cortinas, abri-la e encarar a noite, quando o mundo dormia e eu me sentia um fantasma, alheio a tudo, apreciava o ar frio que entrava em meus pulmões me fazendo sentir vivo, era ali, com a lua e as estrelas como únicas testemunhas que eu sentia que valia a pena, que deveria continuar vivendo, que a esperança tomava conta de mim. Mas era ali também que eu revelava minhas fraquezas que tanto insistia em esconder do mundo, era ali que eu permitia sentir-me mais leve, sem o peso do mundo nas costas. Era quando eu me sentia bem. Me sentia vazio.

Mas o vazio que eu sentia ali, ou quando encarava a vida e a beleza nas pequenas e mais simples coisas, como nos fios das teias de aranha pendurados em árvores e em pequenas plantas após uma madrugada fria e chuvosa, era um vazio diferente. Era reconfortante, era o vazio dos problemas, como se eu já não tivesse mais preocupações. Embora no fundo, se eu procurasse bem, eu ainda encontraria um resquício de desespero, sufocante.

Eu também encontrava esse vazio quando te olhava, após sentir coisas estranhas que não sei colocar em palavras, talvez em sons ou cores, talvez em gestos, vendo sua pele pálida e os cabelos negros caindo sobre seu rosto, e aos poucos vendo a cor retornar para a sua face, colorindo sua pele novamente, fazendo voltar a alegria que você tanto emanava. Era realmente muito bonito. Você me dava uma visão que poderia ser comparada ao paraíso, aos mínimos detalhes da natureza, poderia ser comparada a pureza, ao sentimento mais verdadeiro, a paz… e ao amor.

 

Te olhar nos olhos me causava esse vazio reconfortante que eu tanto adorava sentir, sua expressão calma, o mínimo movimento de seus olhos, você de fato era o paraíso. Você era o mistério mais trágico e bonito que existia no mundo, o pensamento mais distante, o sentimento mais intenso. Você era tudo ao mesmo tempo, e você era nada, você era uma confusão, você era a alegria, o riso mais doce, o sorriso mais sincero, o olhar mais cúmplice.

Você me dava a certeza das coisas quando tudo o que eu tinha era insegurança e desconfiança, você era a resposta para todas as perguntas que minha alma guardava. Você era o caminho correto, você era o som das ondas do mar, a menor e mais bela das flores que desabrocham na primavera, uma lembrança boa.

Você era a vontade que eu tinha de correr pelas estradas livremente, a vontade de viver intensamente. Você era incrível, era extraordinário, era algo que ninguém conseguiria descrever. Você era a pura loucura, mas a loucura boa, aquela que me dava coragem nos momentos mais obscuros. Quando eu precisava do seu apoio, você não dizia nada, sabia que não era necessário, você apenas me lançava aquele olhar, daquele jeito que eu sabia que poderia ganhar o mundo. Você nunca disse nada, você apenas ficava do meu lado nos momentos que era necessário, e eu cresci com você ali, sem dizer uma palavra.

Mas um dia, num dia qualquer, desses que nada de importante acontece, alguém me disse algo que eu já não recordo mais, pois aconteceu num daqueles dias que ninguém lembra, mas eu me recordo de te ver indo embora, caminhando calmamente pelo gramado, descalço, com os sapatos nas mãos, você caminhava em direção ao portão, parou quando chegou, olhou para trás, diretamente em meus olhos, e você finalmente falou, a primeira e última vez, e eu ainda consigo lembrar da sua voz rouca proferindo as únicas duas palavras que eu guardei e guardarei na memória até que a última parcela de ar escape de meus pulmões e eu feche meus olhos para sempre.

Fique bem”, você disse, sorriu, e virou a esquina, depois desse dia eu nunca mais vi seu rosto, nem senti sua presença ou ouvi sua voz de novo, mas você sempre esteve muito bem guardado em minha memória.

Hoje eu sei seu nome, Taehyung, e sei também que você foi embora e se juntou com toda aquela eternidade que eu sentia quando me sentia vazio. Eu ainda não sei o porquê de estar lhe escrevendo, sei que você não irá ler isso nunca, mas sinto a necessidade de escrever para você, acho que essa necessidade se dá ao fato de que hoje eu finalmente irei me tornar parte do universo que morava dentro de mim.

Eu lamento que daqui a algumas horas eu não lembrarei de mais nada sobre você, nem das palavras que você disse, nem dos traços do seu rosto. Mas quero que você saiba que eu segui suas únicas palavras, não se preocupe, eu fiquei bem, e hoje eu finalmente posso ser livre.

 

Com amor, e toda a gratidão do universo

Jung Hoseok.

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado, como eu disse, essa one tem um lugarzinho especial no meu coração, comentem, é importante pra mim.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...