História Blind faith, blind love. - Capítulo 5


Escrita por: ~

Exibições 15
Palavras 1.067
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Científica, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Terror e Horror
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


× Oiiiie!!!! Tudo bom???
× Desculpem os erros.
× Carol S2
× Boa leitura!

Capítulo 5 - Daryl, Daryl...


Fanfic / Fanfiction Blind faith, blind love. - Capítulo 5 - Daryl, Daryl...

Dias, semanas, talvez até meses, se passaram desde que os irmãos Mills se uniram a nós... Com a volta de Michonne o Conselho ficou completo, Rick não deixa que mais ninguém saia da prisão sozinho. Daniel criou laços fortes com Beth, Gleen, Maggie e Rick, o garoto passa boa parte do tempo ajudando a filha mais nova de Hershel. Lilithy conversa com todos, mas raramente. Prefere ficar a sós com Miki em sua cela ou no pátio encima do caminhão onde jurei que a protegeria.

- Hoje é aniversario da Beth e, - Hershel disse assim que marcamos uma reunião com todos no bloco de celas C, com exceção de Daniel, Beth e os filhos do xerife. - pensei em fazermos algo simples, bobo até, pra ela. - Sorriu alargado.

Todos se entreolharam e assentiram, animados. Olhei pelo canto de olho para a lolita, ela estava na escada, afastada do grupo, ao cruzamos nossos olhares ela sorriu disfardamente, mas este breve sorriso sumiu assim que a voz de Michonne ecoou pelo cômodo para opinar algo para a festinha de Beth.

A "festa" foi ótima, fizemos uma jantar com todos reunidos, até Miki.

- ....Vai depender, vai depemder se o Daniel vai querer...

Cantamos parabéns com sorrisos abobalhados, o "casal", Beth e Daniel, ficaram corados com o fim da canção, mas apenas riram. Fizemos discursos, conversamos e aproveitamos bastante...

Os irmãos Mills nos conquistaram, fazem parte do grupo, da nossa família, por essa razão eles passaram a dormir no bloco C conosco, ambos na mesma cela.

O relógio da parede de minha cela do andar de cima marcava quase meia noite quando alguém invadiu meus aposentos.

- De novo? - Pergunto ao ver a Mills entrar e ficar parada fitando o chão, com o olhar trêmulo. - Venha cá. - Me viro de lado para encara-la, dou palminhas no colchão para que se aproxime. Ela o faz receosa, pego a fina coberta e nos cobrimos, Lily se encolhe em meu corpo, respirando pesado. - O que foi dessa vez? - Acaricio seus fios negros, ela aperta minha regata num gesto de socorro. 

- Sonhei que Niel morria... - Sua voz saiu falha, a ponto de chorar. - Foi horrível... - Aos poucos sua respiração se acalmou. A menina adormeceu.

A primeira vez que veio ao meu quarto foi na segunda semana em que se mudou para o nosso bloco.

"- O que faz aqui, menina? - Indaguei sério. Era por volta das três da manhã...

- Tive um pesadelo... - Se encolheu, desviando o olhar do meu. - Não queria preocupar nem acordar o Niel e além dele só tenho certa intimidade consigo... - A cada palavra sua voz se esvaia. - Posso dormir com você, só hoje?"

Agora sempre que tem um sonho ruim vem a minha cela pedir socorro, já perdi a conta de quantas vezes ela veio... No começo a deixava dormindo sozinha na cama de cima, mas ela gemia assustada durante todas as noites, então passei a deixar que durma comigo na mesma cama, assim ela saberá que terá alguém para protegê-la do mal enquanto descansa e a envolvo em meus braços.

No meio da madrugada acordei com ela se remexendo muito, o que estava a me incomodar...

- Ei, menina, para... - Toquei seu ombro, ela resmungou ainda dormindo e chutou minhas bolas, a xinguei mentalmente. - Maldita! - Disse um tanto alto, ela abriu os olhos assustada, perguntando o que houve para eu dizer aquilo. A fitei de cima a baixo, está, outra vez, com uma blusa fina de cor amarela masculina, deixando sua roupa preta pouco visível, com o seu pijama dado por Maggie. Mordi o lábio inferior, Lilithy continua a me fitar, sem esboçar expressão, fixamente.

- Está se sentindo bem? - Toca minha testa para medir minha temperatura. - Está vermelho... 

- Estou bem. - Me viro dando as costas pra ela, a escuto resmungar.

- O quê eu fiz? Está com raiva? - Não respondo, ela suspira e se aproxima, não me abraça, mas encosta a cabeca em minhas costas para voltar a dormir.

Fui acordado por Rick, ele parecia surpreso, me levanto e vou até ele.

- O que houve? - Pergunto colocando meu colete e fito franzindo o cenho ao fazendeiro.

- Vem cá... - Me puxou para fora da cela perto da grade de proteção, fez um gesto de silêncio e sinalou um casal que se beijavam no meio do local. Se tratava de Carl e Lizzie, o pai do garoto tinha um sorriso alargado no rosto. A menina se afastou de Carl, ao meu ver foi ela quem o beijou, e saiu correndo as pressas para fora do pavilhão. Rick sorriu nasal, batendo palmas, Carl que estava paralisado com um sorriso bobo olhou para cima e corou ferozmente.

- Pai...

- Meu filho está virando um homenzinho! - Este comentário fez o moleque corar mais e sair negando com a cabeça. Sem evitar comecei a rir do ocorrido, Rick me fitou arqueando a sobrancelha. Deu tapas em seu ombro e saio rindo. Perto da horta e da cerca vejo Carol e outras pessoas matando os walkes que insistem em tentarem derruba-la, não muito longe deles as crianças brincam de pega-pega, entre elas estava Lilithy, ela corria de Mika, que provavelmente deve ser a mancha. Ao me ver, Carol diz algo para um cara e vem até mim.

- Então, Daryl, gosta de crianças? - Ela mantinha um sorriso sapeca, inclino a cabeça confuso com a pergunta. - Os vi dormindo juntinhos. - Juntou as mãos como numa oração, inclina o rosto e as coloca embaixo do mesmo, logo fez um coração, ainda sorrindo brincalhona. - Estão juntos? - Engasguei com a própria saliva e a olhei indignado. - Gosta dela? - Sinala com a cabeça à lolita, a fito por breves segundos sem dizer nada. - Daryl, Daryl... - Me encarou maliciosa e volta para ajudar aos outros a matar os caminhantes da grade.

Escuto um grito, olho em direção dele e vejo Lily caída no chão com as mãos sustentando todo o contra a grama verde, Mika, Lizzie e as outras crianças correram até a morena e soltaram sobre a mesma, lhe fazendo cócegas, todas gritando que a pegaram. Ri disfarçadamente com a cena, Carol me olhou por canto de olho e mandou um coração, dei de ombros olhando para as crianças brincando.


Notas Finais


× O capítulo ficou meio coisinha, mas amo momentos assim, então... Aguentem :v heuheubeu
× Desculpem novamente os erros.
× Beijokas, Beijokinhas, Beijokonas e Beijokões~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...