História Blood infection - Capítulo 2


Escrita por: ~

Visualizações 4
Palavras 956
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Violência, Visual Novel
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


bem, segundo capitulo ja, esse capitulo nao esta tao grande but, os próximos serão maiores. Boa leitura.

Aviso; capitulo nao revisado.

Capítulo 2 - E que os jogos comecem.


capitulo 2: e que os jogos comecem.


Sojung, tentava achar uma desculpa plausível para o que estava acontecendo mas a única coisa que ela conseguia pensar no momento, era em uma estratégia para que ela e seus amigos saissem dali vivos.

— A-Aigoo...para onde vamos? — Naeun, se pronunciou chamando a atenção do grupo, enquanto corriam em direção a saida de emergencia da escola, que era por sinal a unica saida ja que a saida central da escola estava infestada. 

— Vamos passar na casa da Lana, ja que o pai dela é policial e sempre tem alguma coisa la. — Sojung falou de forma rapida, tentando poupar o pouco folego que tinha, de verdade ela queria ir para casa da Lana para se certificar que Kihyun e Chanyeol estavam bem.

Continuaram correndo diretamente para a saida de emergencia dando de cara com uma daquelas criaturas, que estava ocupada demais devorando seu petisco para perceber que eles estava ali, Hyungwon percebeu que o ponto fraco deles era que eles não enxergavam então se nao fizessem barulho, eles estariam salvos e sairiam dali vivos.

— não façam barulho, andem devagar. —  Hyungwon sussurrou para os amigos que assentiram e foram a passos lentos ate a escada de emergência, mesmo que estivesse dando certo, quando descessem a escada para que todos pudessem sair dali com vida, faria um barulho enorme e chamaria a atenção do ser sem vida que estava bem ao lado de Sojung, que era a última da fileira, e talvez ate chamasse a atençao de outras criaturas o que era bem provável. Hyungwon percebeu isso, e pediu para que jaehyun descesse as escadas, trocando de posição com Sojung enquanto contava ate tres nos dedos. "um, dois, três " quando Jaehyun desceu a escada, Hyungwon quebrou o vidro do extintor de incêndio pegando o mesmo e batendo com força na cabeça da criatura, que foi esmagada ao meio, a criatura ja sem vida caiu ao chão de contorcendo enquanto parava de se mexer. O peito de Hyungwon subia e descia, mostrando o esforço que o mesmo fez para cometer tal ato, apenas olhou para os amigos e fez sinal para que corressem. Mesmo que ele não pareça culpado, ou assustado, ele queria chorar, queria entrar em desespero, queria desistir algum dia aquela criatura foi um ser humano e isso não saia da cabeça dele, querendo ou não ele acabou de matar alguém e isso não é algo que vai ser limpado com o tempo, tem coisas que nem o tempo pode curar.


Ao sairem e estarem ao lado de fora da escola, era possível ouvir os grunhidos das criaturas e os passos arrastados, alguns gritos de estudantes eram ouvidos também, Sojung queria ajudar cada um mas como Hyungwon sabia que ela sairia correndo para ajudar quem aparecesse na sua frente, o garoto não soltou a mão dela.

— Hyungwon....eu não vou por minha vida em risco, não se preocupa...— a garota tentou convencer o amigo de que estava tudo bem, mas ele sabia que na primeira oportunidade de ajudar alguem, Sojung seria a primeira.

— Conta outra, Krystal. — A garota sorriu fraco ao ser chamada pelo apelido de infância, o garoto sabia que aquilo ia fazer ela se sentir melhor, e como pensado realmente fez.

— Gente, vamos logo, Jaehyun ta de carro hoje? — Jaehyun negou, suspirando logo em seguida, ele iria se pronunciar quando um estrondo foi ouvido e um carro parou a frente deles, era Tsook.

— Sook! — Hyungwon abriu um sorriso ao ver a amiga descer o vidro do carro e sorrir de canto, ela estava em uma van, por tanto dava para todos subirem ali.

— Subam! — falou destravando as portas, Jaehyun abriu a porta esperando suas amigas e Hyungwon entrarem, logo entrando atras.

— Foi muita sorte de vocês que eu estava passando por aqui, essas criaturas não são brincadeira. — A garota olhou pelo retrovisor do automóvel, mostrando que sua expressão era de preocupação, apertava o volante com as mãos tremulas e soando, era perceptível o desespero em seus olhos.

— Bem, Sojung, tente mandar algum sinal para o Kihyun. — Yuna disse olhando para a janela, ela estava no canto esquerdo, Sun Hee no meio, e Lana no canto direito na janela, as três estavam em silêncio desconfortavel cada uma pensando em como fariam para saber sobre suas familias, principalmente Yuna, que tem sua irmã mais nova para cuidar e realmente não sabe nem se a garota ainda esta viva.

— Droga! Ele não atende, nem recebe. — A garota de cabelos avermelhados passou as mãos pelos próprios fios de cabelo, demonstrando o desespero em sua voz, com as mãos tremulas tentou mais uma vez, e mais uma, e outras duas vezes, sem receber resposta alguma.

— Hey, Jung...calma.. — Mina que estava ao meio e ao lado de Naeun, entre Jaehyun e Sojung disse olhando para ela e a abraçando de modo desajeitado, Sojung devolveu o abraço mas não se pos a chorar, nao iria parecer fraca num momento como aquele, um mínimo desespero pode levar a morte de todos ali. Hyungwon virou para tras, ja que estava no bando carona, para olhar a melhor amiga.

— Jung, me de seu celular. — A garota o entregou o eletrônico e o mesmo mandou mensagem a Chanyeol, que também não respondeu nem visualizou, mas recebeu e isso era ótimo.

— Agora vamos esperar, Tsook, vamos para casa da Lana. — explicaram o caminho para a garota de cabelos pretos e lisos, que assentiu e acelerou dirigindo na direção da casa da garota cujo o pai era policial e mantinha a casa trancada a sete chaves. — E que os jogos comecem. — Sun Hee disse, suspirando e olhando para os amigos de forma preocupante.

 

"Se eu tiver que escolher entre a vida e a morte, pode ter certeza que vou escolher a minha vida".



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...