História Blood ties - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Romance, Vampiros
Exibições 5
Palavras 1.234
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, Magia, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Sabe aqueles pensamentos loucos da madrugada que não te deixam dormir?
O resultado foi esse, espero que gostem.

Capítulo 1 - Capítulo 1


Naquela noite os líderes dos doze clãs de paladinos estavam reunidos sob a luz da lua de sangue com o objetivo de ressuscitar o rei dos vampiros, geralmente apenas um era requisitado em casos como esse mas o rei fora vitima de uma magia muito antiga e poderosa, e somente os doze líderes poderiam trazê-lo de volta. O grande e poderoso Ilías, morto pelo próprio neto.
Como o ritual era restrito apenas os filhos do rei estavam lá, Nicolas era o mais velho e deveria assumir o trono, mas recusou-se deixando a tarefa para Edward seu irmão mais novo.
Quando a lua atingiu seu auge os paladinos puseram-se ao redor do corpo. Ariana do clã Valentine, com quem o príncipe mais velho mantinha um relacionamento em segredo. Benjamin do clã Ventrue, Abigail do clã Flynn, Marcus do clã Castle, Adamastor do clã Becket, Lili do clã Zeeuw, Adnithi do clã Twyllire, Jasper do clã Doyle, Alec do clã Dunigan, Anastácia do clã Kassa, Zacarias do clã Gavrie e Amélia do clã Vlosak.
Fecharam os olhos para em seguida abrí-los exibindo a coloração completamente branca, o ritual começou, o vento soprava forte e ruidoso apenas as vozes baixas dos líderes eram ouvidas. Os príncipes se olharam torcendo para que tudo corresse bem.
De repente uma risada sinistra cortou o silêncio, Bruxas! Malditas e odiosas bruxas, mas não eram só elas também havia vampiros não muitos, mas o suficiente para distrair os príncipes enquanto os paladinos tinham suas gargantas cortadas. Nicolas entrou em desespero assim que todos sumiram, só restou o silêncio, procurou por sua amada mas não encontrou, o corpo do pai também sumira, e pela primeira vez em sua vida sentiu medo.
— Nick!! - ouviu o irmão chamar. — Ela está aqui, Benjamin a salvou.
Nicolas correu até lá, a paladina estava desacordada nos braços do outro, ele a olhou e sentiu seu coração apertar.
— Cuide dela Benjamin, a proteja, vocês são os únicos líderes que restaram, o resto está morto, eu não pude garantir que ela ficasse segura, então peço que por favor cuide dela.
— Cuidarei príncipe, tens minha palavra.
                              ...
Aquela noite foi bem mais negra do que aparentou ser, não só os líderes foram assassinados, mas também seus clãs, todos os doze clãs foram dizimados, mulheres, idosos, crianças, ninguém foi poupado, todas a casas foram queimadas, todos os bebês foram mortos, ninguém absolutamente ninguém sobreviveu.
Os vampiros esconderam Ariana e Benjamin, garantiram que ficassem seguros por muitos e muitos anos, nesse mesmo período Edward assumiu o trono e teve outros filhos, já que o seu primogênito fora condenado à morte após assassinar o rei. 
Em uma bela manhã de outono, a notícia da gravidez de Ariana causou extrema comoção e alegria entre todos os vampiros, no entanto grande apreensão também foi sentida, a segurança fora dobrada, dentre muitas outras coisas  que foram feitas para garantir a segurança da mãe e do bebê.
Agora ela já ostentava uma barriga enorme e redonda, no auge do seu terceiro trimestre de gestação, Ariana nunca esteve tão bela e radiante.
— Ela está tão agitada hoje. - tocava a barriga na tentativa de acalmar o pequeno ser.
— Deve ser apertado ai dentro, ela deve estar começando a ficar desconfortável.
— Sim, logo chegará a hora do nascimento.
O homem a olhou e sorriu, sabia que o coração dela pertencia a outro homem, mas mesmo assim ainda era infinitamente grato pela chance de reconstruirem seus clãs. — Sim, logo veremos nossa garotinha.
Os dois estavam escondidos em uma casa no campo, vampiros faziam a guarda do local, naquela noite o vento soprava tranquilo então a mulher aproveitou para sentar-se na varanda e relaxar um pouco, estava sentindo algumas pequenas dores mas nada que fosse alarmante. Benjamin a olhava de longe, precisa garantir que ela ficasse segura, já que durante o trabalho de parto ela se tornaria humana, e toda a sua magia desapareceria.
— Ben, quero entrar, está esfriando. - falou enquanto se levantava bem devagar.
— Já vou querida. - foi até ela e pegou em sua mão a conduzindo para dentro. Sentiu um calafrio, algo não estava certo. — Vá andando, eu só vou trancar a porta.
— Tudo bem. - foi seguindo até o quarto quando sentiu um líquido escorrer por suas pernas, nessa mesma hora a mesma risada daquela noite foi ouvida. —Não filha, não é uma boa hora, arg! Ben!
— Fuja Ana, elas estão aqui e são muitas, os vampiros não vão dar conta de todas, se esconda.
— Minha bolsa estourou, não consigo sozinha! Por favor!
O homem caminhou com ela o mais rápido que pôde para tentar chegar até o porão e ter o bebê em segurança, mas foi surpreendido por um vampiro rebelde, um inimigo, ele então se pôs na frente da mulher e proferiu algumas palavras mágicas fazendo com que o vampiro pegasse fogo e desaparece. Mas logo outros surgiram, Ariana foi derrubada no chão e gritou em agonia ao ver a garganta do companheiro ser dilacerada por um dos vampiros, se arrastou até o banheiro e trancou a porta, o vampiro tentou abrí-la mas não conseguiu pois Benjamin tinha usado seu último resquício de vida para selar o cômodo, o encantamento não duraria por muito tempo, mas talvez fosse o suficiente para a criança nascer e Ariana poder usar seus poderes novamente.
— Abra essa porta vadia!
A paladina gritava tanto de dor quanto de desespero, sentia que a hora do bebê nascer havia chegado e fez força, muita força, respirou aliviada quando o choro do bebê foi ouvido, tomou a pequena nos braços e beijou o topo da cabecinha dela. Estava fraca e sangrando, não poderia fazer muita coisa, olhou a menina nos olhos e disse algumas palavras em uma língua antiga, sentiu o mundo rodar e deitou-se no chão frio sem soltar a filha, fechou os olhos e se encolheu assim que o vampiro conseguiu entrar.
— Pronta pra morrer? - segurou-a pelo cabelo e puxou fazendo ela arquear as costas. — Primeiro você, depois essa vadiazinha.
— Não vai tocar na minha filha. - ditou trazendo a pequena para junto de si.
— É o que vamos ver. - puxou ela para fora do banheiro.
Jogou o corpo dela contra a parede, estava sendo extremamente cruel.
— Você devia estar morto.. - segurou a bebê contra o peito, a bebê chorava sem parar.
— Mas não estou. - voltou a arrastá-la, dessa vez foi até a sala e deixou ela ao lado do corpo inerte de Benjamin, segurou o cabelo dela fazendo ela expor a garganta e ficou as garras ali, depois tentou pegar o bebê mas foi impedido pela poderosa barreira criada por Ariana. — Maldita! - já ia atacá-la novamente, mas sentiu a presença poderosa dos vampiros do conselho e do rei. Fugiu, desapareceu nas sombras da noite.
Nicolas foi o primeiro a entrar, afastou os corpos, tirou o sobretudo e enrolou a garota nele, sentiu quando a mulher tocou sem braço.
— C-Cuide..dela
— Vou cuidar, vou cuidar dela meu amor. - se inclinou e beijou a testa dela.
O brilho dos olhos dela se apagou.
Ele andou até o lado de fora e entregou a criança para o irmão. — Cuide dela pra mim Edward.
— Onde você vai?
— Achar quem fez isso e acabar com o desgraçado.
                        .... Continua ....


Notas Finais


Desculpem possíveis erros.
Mil beijos e até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...