História Bloodborn - God's War - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Bloodborn, Bloodborn Gw
Exibições 19
Palavras 2.337
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Violência
Avisos: Canibalismo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


>>>Valahastos<<<
>>>capitais<<<
Aproveite a segunda parte dos ataques de Gehenna as capitais do reino de Nortrend.
Façam suas apostas [-_-]
Valahastos x Capitais! heueheue
Se acomoda aí e vem com pai <3

Capítulo 9 - Jiguin x Cidade de Trundar


Fanfic / Fanfiction Bloodborn - God's War - Capítulo 9 - Jiguin x Cidade de Trundar

[O maior erro dos humanos é persistir errando]

[Trundar/Cidade Élfica]

Séculos se passavam e as dores do mundo humano sequer comovem os orgulhosos Trundarianos, elfos da floresta de Trundar; que em pouco tempo se tornou uma nação, de elfos habilidosos com espadas, arcos flechas, reconhecidos por sua eficácia na produção de armas de guerra e encantamentos. Seu orgulhoso e até então imortal Rei supremo Denortus o acólito da vingança assim conhecido no mundo mortal reinava solene e correto. Trundarianos sempre se acharam melhores que os humanos mortais, pela beleza e habilidades em combate; seu reino fica entre a floresta de Trundar, uma grande mata fechada, entrar lá era difícil não só pela localização mas pelas patrulhas constantes de Trundarianos a cada minuto.

[Masmorras/Prisão Tehenla]

No meio da grande floresta de Trundar, mais ao lado oeste dos ermos, estava situada a prisão astral Tehenla, criada por Denortus para deixar sob cativeiro todos os inimigos do reino, anões, humanos, orcs, trolls e outras criaturas que eram taxadas de ameças ou pegas nas fronteiras de Trundar.

- sentinela, estou com sede! - fala um humano barbudo e maltratado em uma das milhares de celas.

- sede? Ouvi dizer que as necessidades fisiológicas de vocês podem ser aproveitadas!

- hahaha! Sua gazela saltitante vem cá e deixa eu mostrar como se empunha essa espada! - grita um anão!

- me recuso à olhar para uma criatura ridícula como tu anão!

- Por quê então fala comigo gazela? - fala irritado o anão de longos cabelos negros que já se arrastavam no chão.

- não estou falando com um anão... E sim com um monte de esterco. - retruca o sentinela, que como todos os outros elfos. Era muito bonito, de longos e lisos cabelos negro e olhos verdes cintilantes.

- maldita gazela! - grita o anão, ao ver o sentinela descendo as escadas para ir até o salão principal.

[Palácio de Ouro Eptarion]

Já na grande cidade de Trundar estava localizado o lindo palácio dourado Eptarion onde o Rei Denortus morava sozinho com sua filha, a futura rainha Diana. Assim que ele renunciasse, ela assumiria.

-Diana! Volte aqui estou falando com você! - grita Denortus! O elfo alto de cintilantes olhos negros o que era incomum dentre os outros, longos cabelos brancos e lisos, sua pele não era enrugada como a dos humanos na velhice e sim mais bela e lisa, já que se aproximando da velhice os elfos Trundarianos se tornavam mais jovens.

- não vou falar com você pai! - grita Diana! A filha de Denortus a elfa mais linda do reino, seus lindos olhos verdes refletiam a vida e seus cabelos ruivos e longos que se esvaíam até seus pés era o símbolo do cuidado e perseverança no reino. - não enquanto agir como um monstro à respeito do povo de Nortrend! Não sei se sabe mas nós! Nós! Também somos de Nortrend e sabendo o que está por vir! Deveríamos ajudar as outras capitais! E não ficar aqui e esperar Lúcifer destruir o reino...

- não fale esse nome!

- enquanto agir como um monstro! Não me chame de filha! - grita Diana, e depois sai correndo chorando.

- aaaah jovens rebeldes! - fala a calma voz.

- Mehandro! - fala o rei surpreso ao ver o elfo ali! Mehandro é seu confiável mago da corte, vidente, conselheiro e também um amigo de infância. Ninguém melhor do que ele para exercer função que exige extrema fidelidade.

- Denortus! Em partes você sabe que ela está certa!

- vou ouvir sermão de você também? Depois de velho ouço sermão ainda, por mil girassóis Mehandro, ela está em uma fase complicada.

- se falar juventude... Seria um absurdo. Diana é uma mulher adulta...!

- sem mais delongas... O que veio fazer? Sei bem que esse horário geralmente estava meditando no meio do mato!

- más notícias! - fala Mehandro seriamente, o elfo de cabelos brancos curtos até os ombros e os olhos azuis já não tão cintilantes.

- o que lhe incomoda? São os macacos selvagens? - fala sarcástico Denortus!

- Não são os Hakongos que me preocupam! E sim isso! - Mehandro esfrega ambas as mãos e abre em seguida um tipo de visão da floresta em sua mão.

- não estou vendo nada! Nada, além de floresta...! - fala com sarcasmo Denortus.

- a criatura camuflada entre as árvores. Parece um macaco de armadura, o que você acha? - indaga Mehandro, esperando Denortus falar algo:

- Ah... O que é isso! Por mil girassóis! É o que estou pensando? - Denortus se pergunta, de olhos arregalados completa: - Valahasto! Em Trundar!

- sim meu rei, e amigo! Os problemas dos humanos também são nossos problemas!

- impossível, como um Valahasto entra em Trundar? - se pergunta o mesmo, pensativo.

- Há anos... Há anos fugimos das responsabilidades. Agimos como se não fossemos de Nortrend e também como se não tivéssemos coração! - fala Mehandro olhando fixamente para Denortus.

- o que supõe? - questiona Denortus. Neutro.

- que sejamos mais participativos nesta guerra! Não podemos deixar Gehenna destruir Nortrend.

- Vou pensar...! Agora mande os sentinelas investigar essa criatura!

- agora mesmo meu rei! - fala Mehandro se ausentando da sala.

- agora... Tenho uma filha para cuidar...! - completa Denortus se levantando de seu trono e olhando para cima!

[Torre Sentinela/Alta floresta]

Em Trundar a segurança era tudo, principalmente para erradicar pequenas ameaças, por isso por toda floresta havia torres com sentinelas, operantes para qualquer chamado.

[Ruído]

- o que foi isso? - fala a sentinela ruiva. Parando para ouvir os sons da floresta.

- Hakongos talvez? - responde a sentinela arqueira de cabelos loiros em um interessante rabo de cavalo trançado.

- Também ouvi! Não são Hakongos, foi algo semelhante à um ronco...! - completa o elfo mago! Em sua maioria as patrulhas Trundarianas são feitas por um elfo de combate direto, um arqueiro e um mago.

- vamos verificar! Tenho quase certeza que são Hakongos! - completa a elfa arqueira. Alguns minutos passados pulando entre as árvores, até que o ruído semelhante à um ronco era mais audível, e parecia bem próximo.

- Mas o que será isso? - indaga o mago olhando ao redor!

- está tão próximo mas é impossível saber de onde está vindo! - alerta a arqueira!

- calem a boca! Não façam barulho! - fala a sentinela ruiva, desembainhando lentamente sua espada! - vejam entre as árvores o que é aquilo?! - com medo fala a ruiva. Ao avistarem um ser aparentemente dormindo, pendurado de cabeça para baixo, seus pés parecidos com os de um macaco o seguravam em um grosso galho, sua armadura tinha detalhes rúnicos e tons dourados e verdes.

- pessoal, tenham cuidado. Voltemos para a torre, temos de avisar o rei! - fala o mago temoroso.

- o que é isso?! - indaga assustada igualmente a arqueira.

- valahasto! - comenta assustado o mago! - não podemos lutar contra isso, valahastos são antigos heróis ou reis demônios do mundo inferior! Não sei o que um desses está fazendo aqui mas nós não ficaremos vivos para contar história se ficarmos! - eles recuam com cuidado, porém o próprio mago acaba pisando sem querer em um galho seco, seu estalar acorda o valahasto que abre os olhos, revelando o brilho amarelo dentro do elmo! - fujam para a torre! - eles ouvem então berros como se fossem macacos gritando! E logo vêem árvores caindo e mais e mais perto! Até que...!

- parou? - indaga a elfa ruiva.

- não sei, acho que n-

O mago não teve a sorte de terminar sua frase. O valahasto primata desce com violência seu bastão de madeira sob o mesmo, o esmagando, jorrando sangue pelas árvores.

- corra para a torre! Não pare! - grita desesperada a elfa ruiva! Vendo a terrível cena do parceiro mago. Desesperadas elas fogem por entre as árvores mas parecia impossível, o valahasto tinha uma grande velocidade, vinha destruindo todas as árvores em seu caminho!

- está tudo acabado! Ele é mais rápido que nós! - grita a arqueira!

- vamos ataquem! - elas escutam as vozes vindas do alto, da copa das árvores. Eram os sentinelas! Muitos deles! E em seu comando a capitã da guarda Eramina, que descia com velocidade com sua espada dourada em mãos, seus cabelos negros voavam e não havia brilho em seus olhos, o escuro do elmo vedado a tornava ameaçadora.

- é a capitã Eramina! - fala aliviada a elfa ruiva.

- saiam daqui! - grita Eramina olhando para as meninas! E ao voltar sua visão para o valahasto é recebida com um potente golpe do bastão, a fazendo subir para as alturas e depois descer, rachando seu elmo.

- sentinelas atrás! Comecem o ritual para banir Jiguin de uma vez por todas! - grita Eramina passando a mão na superfície lisa de seu elmo e vendo que havia sangue nele.

- Elfos... Conhecem a floresta mas desconhecem seus truques! - fala Jiguin com uma voz tenebrosa! Sumindo no meio de tantas árvores! - lembrem que alguns predadores observam suas presas esperando o momento certo para atacar!

- não é hora de brincadeiras! Jiguin, Rei primata de Gehenna! Seu reino não é aqui e muito menos ainda existe! - retruca Eramina.

- Zun...! - em velocidade redobrada o grande primata de armadura passa a desferir golpes aleatórios em Eramina que não consegue nem acompanhar seus movimentos!

- islenux! - grita Eramina sentindo seu corpo doer, tudo parece mais lento, e em uma piscadela consegue avistar Jiguin descendo do alto com seu bastão para acerta-la em cheio, e com um movimento rápido de um passo atrás, ela prevê perfeitamente.

- bom, mas não o suficiente! - retruca Jiguin, ambos se encaram por alguns segundos, ferozmente, Jiguin logo pega Eramina pelo pescoço e a levanta pressionando-a com mais e mais força!

- capitã! - grita a arqueira de antes. Efetuando um disparo e acertando em cheio a testa de Jiguin que solta Eramina e dá gritos de dor! E do alto a elfa ruiva desce sob a sua cabeça no intuito de perfurar o elmo de Jiguin! Mas é pega no ar pelas grandes mãos de Jiguin, ele a comprime e então seu frágil corpo é esmagado rapidamente!

- uma morte rápida para a ruivinha ligeirinha! - fala sarcasticamente Jiguin!

- Elud et insiris... Alksot! - a espada de Eramina logo perde a forma e com um leve brilho de luz torna-se punhos de combate com lâminas hiper amoladas.

- Alksot? Punhos da justiça... Então é você? Ouvi boatos de que entre os Trundarianos havia alguém com esse tipo de poder! - fala sarcástico Jiguin, assumindo uma diferente postura de combate.

- acabemos com isso de uma vez! Não me agrado de tal dom! Ele me obriga a derramar sangue! - fala neutra Eramina!

- então, experimente uma dose de desespero antes!

- o quê? - pergunta Eramina confusa.

- Orisis olung... Primatos! - e logo o bastão de madeira de Jiguin tem sua forma alterada, a madeira se tornara cobre e a sua ponta de ferro agora a cabeça de um macaco esculpida!

- vamos ver demônio o quão forte tu és! - fala confiante Eramina, correndo na direção de Jiguin. Que acerta sua perna ao aparecer ao seu lado. E uma ilusão do mesmo aparece na hora.

- sabia que... Primatos cria um clone meu a cada vez que golpeio meu adversário! - fala com um ar vitorioso Jiguin!

- não importa! Logo estarás morto, e dessa vez para sempre!

- Abysinthius Primatos! - uma grande energia amarela se reúne nas mãos de Jiguin o mesmo arremessa contra Eramina que corre tentando se distanciar ao máximo! A grande explosão era maior do que a de uma Abysinthius normal. Vendo a guarda baixa de Eramina, Jiguin avança contra a mesma lhe atingindo diversas vezes, todos seus clones lhe golpeiam com uma força monstruosa, ela se vê então fatigada e totalmente incapaz de lutar! Porém com algum esforço ela se levanta, olha para os sentinelas que a essa altura já devem estar terminando o feitiço de banimento! E diz:

- esse é seu melhor valahasto?

Furioso Jiguin parte novamente contra Eramina que apenas tenta bloquear a maior parte de seus golpes para sair viva. Até que:

- sum virt mensonir...! - Jiguin sente seu corpo travando, ele olha para cima e vê os sentinelas e percebe então que foi feito de estúpido!

- malditos elfos! - ele grita, com maior parte de seu corpo já sendo banido... Sua visão escurece e logo sua existência não passa de lembranças.

-, banido...!  - fala Eramina fatigada. - informem Mehandro sobre nosso triunfo, o resto fique para limpar a bagunça do valahasto! - pensativa Eramina olha para o alto:

"Como será que um valahasto entrou aqui? O que está acontecendo afora; Gehenna não pretende destruir cidade por cidade!"

[…]

[Palácio de ouro Eptarion]

- minha filha me perdoe...! - fala Denortus sentado à beira da cama de Diana.

- o que fez você mudar de idéia? - ela pergunta ainda chateada.

- decidi rever meus conceitos! E a partir de hoje irei me importar um pouquinho mais com os humanos! - ele fala com um leve brilho no sorriso.

- acho bom! - completa Diana, abraçando o pai!

- interrompendo o momento de  fraternização familiar... Meu rei? - era Mehandro. - me acompanha?

- depois continuamos à conversar minha filha! - fala Denortus dando um beijo de despedida na testa de Diana.

- então? - indaga Denortus, já na sala do trono, logo se acomodando em seu trono!

- está feito! Jiguin. Um rei do mundo inferior, um já caído, conseguimos abater ele! - diz Mehandro.

- ótimo! Envie uma carta até a cidade templária! A responsável pela linha de frente da guerra!

- o que devo dizer meu rei?

- diga que exijo uma assembléia para discutirmos uma possível aliança nessa guerra... Afinal Gehenna não está para brincadeira! E muito menos eu!


Notas Finais


E ai pessoal! Espero que tenham aproveitado esse cap ;b
Bem é só por enquanto. Aguardem os próximos caps...
Bjs do pai <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...