História Bloody Paradise (REVISANDO) - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Bruxas, Camila Cabello, Camren, Hereges, Híbrido, Lauren G!p, Lauren Jauregui, Lobisomem, Norminah, Vampiro, Vercy
Visualizações 215
Palavras 2.367
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olha quem apareceu de surpresa?
Eu!!!
Bem, isso é tipo um feliz natal para vocês.
Rsrsrsrs..
Boa leitura.

Capítulo 17 - Betrayed One More Time - Part 4


Nova Orleans. Luisiana


  Pov Narrador.


Andou indiretamente até a cadeira, e olhou para o lado. Seus cabelos agora loiros estavam totalmente liso com ondulações nas pontas. A calça de couro preta combinava perfeitamente com a blusa e a jaqueta da mesma cor. Os saltos negros que cobriam todo o pé lhe dava um toque de mulher mais desejável.

- Falou com nossa amiga Veronica hoje? - Perguntou Lauren enquanto mordia o pulso de uma garota qualquer e colocava o copo de cristal embaixo dos buraquinhos causados pelos seus caninos, o sangue que jorrava dali caia feito água no copo.

Era uma manhã de terça-feira em New Orleans. Camila se encontrava em seu quarto, estava  conversando com Nora sobre o repentino sumiço de Normani e Dinah. Ela estava mais aflita que o normal. Seus hormônios e a bebê não lhe ajudavam em nada com isso. E ela apenas concordava com tudo que Nora a falasse, mais ao mesmo tempo falava a beça.

Camila estava estranha. Muito estranha. Deverás estranha digamos assim. E não lhe ajudava em nada todo aquele ambiente. Iria entrar no seu 24 semana de gestação. E estava recebendo mais cuidados do que nunca. So para variar.

Voltando ao andar de baixo da mansão. Lauren olhava calmamente seu copo encher-se de sangue. Estava de cabeça baixa e dessa posição olhou para sua irmã, que em um jesto de irritação a olhou com total Frieza enquanto sentada na cadeira a frente de uma mesa farta de comida tomava seu costumeiro café.

- Não. - Respondeu-lhe olhando para o lado com total desde. - Deveria? - Olhou rápido para a irmã.

- Bem, ela tem estado misteriosamente quieta, evitando-me, por assim dizer. - Pontuou ainda presa a espetacularidade de ver o sangue saindo dos pequenos furos da pele da garota. Afinal, sangue era tudo para um vampiro. - Achei que ela, talvez, podia ter sussurrado motivos em seu ouvido junto com todas aquelas palavras carinhosas. - Disse em total deboche. Depois fez a garota ir limpar seu ‘machucado’ e se sentou a frente de Taylor, que estava a encarar. E Lauren conseguia ver tudo em seu irmã, o que a fez rir. Taylor era um livro aberto. Facilmente acessível.

- Se a vir, perguntarei se ela está guardando alguma magoa com para você. - Taylor nunca fora tão desdenhosa na vida com sua irmã. E aquilo fez Lauren olhar para ela. Não pela surpresa. Que não veio. Mais por querer ler sua irmã. 

- Deixe-me interpretar esse seu olhar. - A voz  rouca de Lauren se fez auditivel, com um sorrisinho de lado e uma pose desleixada na cadeira começou a falar enquanto ainda analisava Taylor, que por sua vez estava um pouco curiosa. - “Meu santo e nobre irmão, está agonizando num caixão, vítima das atrocidades da minha irmã bastarda quando uma localização da própria ajudaria a aliviar o meu coração”. - Em toda a palavra dada a Lauren, Taylor permaneceu com o corpo curvado na cadeira e a xícara na mão, e seu sorriso sem dentes.

- Pelo contrário, Laur. Estou apenas aproveitando meu café da manhã esperando seu passo em falso para buscar Christian. - E novamente aquele sorriso e voz doce para cima de Lauren. O que fez a Hibrida repousar o copo de sangue na mesa voltando a olhar para Taylor.


- Fala sério, Taylor. Está me dando olhares fulminantes a manhã toda. Fala logo. - Reverbou Lauren. Com uma expressão nada agradável.


- Talvez, eu esteja preocupada em dar minha opinião sobre o que você fez com o Chris e acabar no lado errado dos seus dentes tóxicos de híbrida. - Decretou Taylor acabando com seu café. Lauren bateu a mão na mesa e rosnou irritada.


- Bobagem. Nunca lhe morderia. - Falou apontando para Taylor. Que estava ainda com seu sorriso ‘irritante’ segundo os pensamentos de Michelle. - Christian tinha que sair do jogo. Eu tinha que tirar um original de cena. - Falou olhando o nada. Segundos depois olhava para Taylor claramente querendo esclarecer algo. - Além disso, você sabe que meu método preferido para punir as suas indiscrições é a adaga. - E novamente aquela troca de olhares fulminantes, Taylor com seus olhos verdes mais musgos enquanto Lauren tinha os seus mais intensos e vividos.


A vampira sorriu sem dentes olhando ainda para Lauren, se levantou da cadeira depositando a xícara já vazia na mesa. Se inclinou para frente e olhando para sua irmã bastarda.


- Tem algo muito errado com você. - A vampira falou em voz baixa e lenta. Logo se retirando da local deixando uma Lauren com os dentes trincados para trás.

        O dia não seria fácil...

(....)

Camila dessia as escadas calmamente para não cair ou escorregar em nada. Olhou ao redor não vendo ninguém. Bufou irritada. Quando não queria tinha Taylor para lhe irritar. Ou Christian para cuidar execivamente de sí. Mais naquele dia em especial as coisas estavam bem diferentes. 


Suspirou e acabou por ir comer algo. Mais estacou em pé quando viu Lauren morder o pescoço de uma servente. Arregalou os olhos quando viu oque sua anfitriã estava fazendo. As mãos de Lauren estavam possessivamente na cintura da garota loira, e seus rosnados se tornavam mais auditiveis. Camila estranhamente se sentiu desconfortável com a tal sena e pigarriou alto.


Com o susto de não ter percebido nada a sua volta e simplesmente ouvir algo de repente, fez  Lauren  por puchar seus dentes da carne da jugular fortemente. O que causou uma abertura maior, e um sangramento maior.


- Ai Meu Deus... - Baubuceou Camila antes de correr para o banheiro mais perto que tinha no casarão. Abrindo a porta e logo se ajoelhando botando todo seu café da manha pra fora na privada.


Um gemido sôfrego cortou sua boca e mais outra ânsia. Ficou nessa por cinco minutos inteiros. Quando não conseguiu mais por nada para fora se levantou cansada. Parecia que tinha corrido uma maratona. Não demorou para que se colocasse de pé. Que para apenas a sola de sua bota deslizasse no chão é quase ocasionar uma queda feia. É, quase.


- Te peguei. - Falou a voz rouca de Lauren. Ela tinha cuidado da bagunça que fez e procurou Camila para saber o que ocorreu. Quando se deparou com o quase tombo da menor. 


A Híbrida segurava fortemente, não tão forte assim, a cintura da Herege enquanto a metade Bruxa metade vampira repousava suavemente suas mãos nos ombros de Lauren. Elas estavam perigosamente aproximadas e isso ocasionou um suspiro baixo de Camila pelo incrível calor que ela sentia emanar de Lauren, mesmo a mesma sendo uma metade vampira. Oque não passou dispercebido por Lauren que direcionou seus olhos aos da Herege.


Os olhos castanhos da Cabello encontraram os verdes de Lauren. A menor se assustou ao notar que a tonalidade do verde de Lauren estava mais claro que o normal. Ficou admirada. Olhando para as esmeraldas clarinhas sem desviar um so segundo. Ela jurava conhecer todos os segredos que por se passasse por aquelas íris, se lembrasse. Lauren dr alguma forma soube o que se passava na mente da Herege. Pois logo apos segundos de ter está ideia se soltou-se de Camila calmamente.


- Está bem? Oque ouve? Por que saiu correndo daquela forma? - Lauren disparou as perguntas sem desviar seus olhares. Ela estava fascinada como os olhos da garota poderiam ganhar uma intensa camada vermelha por cima do castanho. Camila riu despreocupada com o afobamento da Jauregui. Lauren ficou tensa no mesmo instante. Mais ao mesmo tempo gostou de ouvir o som gostoso da risada.


- Sim, estou bem Jauregui. Estava indo comer algo quando eu vi... Aquilo, e-e eu-u... e-u uhm... - A Herege mordeu o lábio inferior e passou e enrolar os dedos uns nos outros. - ... Bem, eu estou me acostumando ainda em não ingerir sangue humano. - Forçou a dizer.


Lauren achou adorável o jeito que Camila não conseguia nem falar sobre o que lhe fez se sentir um tanto mal. Logo depois levantando as sombrancelhas e olhou para asoltdo Camila. O orgulho que ela sentia so de saber que a garota estava conseguindo carregar a sua filha era enorme. Lauren sorriu minimamente e levantou o olhar para Camila que estava olhando exatamente para Lauren. A garota pega no flagra ficou completamente vermelha. 


- Eu ia pra cozinha. Comer algo... Então.. - Camila de sua forma exagerada apontou para a porta do banheiro que estava visivelmente aberta ainda falando.


Lauren riu rouco e deu espaço para Camila sair e fazer uma refeição. A latina ficou mais vermelha se o possível e praticamente correu. Quando se certificou que não tinha ninguém mais no corredor Lauren soltou um suspiro alto e olhou para seus olhos no espelho e sorriu de lado soltoando uma piscadela para sí mesma. 


(....)


                    Pov Dinah Jane


A dor em meu corpo era quase insuportável. Minhas celular critavam por sangue. Minha guarganta estava em brasa. Parecia que eu tinha bebido ferro líquido. Tentei preguiçosamente afastar minhas mãos, mais elas estavam amarradas por correntes. Com esses movimentos sentir a veias do meu braço arderem fortemente e uma dor me subir a cabeça começando aquele ciclo vicioso de tortura... 


- Chega! - Ouvi uma voz alta e clara de uma mulher. Mais pera! Eu já tinha escutado essa voz antes. Tentei abrir meus olhos, para quase me segar. A claridade ali estava alta. Muito alta. Um chute do meu braço e eu cair de cado, gritei assim que sentir uma lâmina perfurando meu braço.


- DINAH! - Uma voz gritou. Fiquei em alerta. Mais para que já que eu estava totalmente inútil. Tussi um pouco e sentir a lamina sair do meu interbraco e dendo cravada em minha perna direita. Dessa vez não soltei nenhuma palavra.


- Mani! - Falei o quão alto conseguir. Sendo em um tom muito baixo. A garota negra estava a minha frente com as roupas rasgadas e manchadas de sangue. Sua aparecia não era das boas e eu apenas sentir uma imensa vontade de conforta-la. Céus!


- Ora! Ora! A bela adormecida acordou. -  A voz reconhecida por mim ficou mais perto. Me indireitei calmamente e cuspi um pouco de sangue. - Como as convidadas estão se sentindo? Estão confortáveis? -  a voz sarcástica apareceu novamente. 


Olhei para Normani buscando por respostas. Ela apenas balançou a cabeça e suspirou se encostando na parede atrás de sí. Deixei o cansaço me levar e fiz o mesmo que minha amiga. Logo um vulto rápido pairou a nossa frente. Rápido como veio, rápido como foi. Fiquei tão curiosa para saber quem era que esperei o vulto passar novamente. Mais nada. Absolutamente nada. E novamente a dor com mistura da sede de sangue me veio o cansaço. Adormeci no que parecia ser o chão de uma caverna. Sem nem saber se ficaria viva para contar a história...


(....)


Acordei com um chute forte em minha perna e água gelada em meu rosto. Dei um pulo afobada sacudindo a cabeça tentando inutilmente tirar o excesso de água de minha cara. 


- Graças a Deus. - Esbravanjou alguém. Respirei fundo olhando para frente, encontrando uma Normani desacordada. Tentei me soltar das correntes, mais de nada funcionou. Suspirei frustrada. - Não adianta. Essas correntes estão magicamente grudadas em sua pele. 


- Quem é... Você? - Tentei falar mais minha voz saiu mais fraca que o previsto. Levantei meu olhar para ver quem supostamente tinham nos ‘sequestrado’ vamos assim dizer. 


Era uma mulher, e para minha surpresa eu conhecia a garota. Fiz um som nasal e novamente baixei a cabeça. 


- Oi pra você também. E não se preocupe eu irei explicar tudo. Mais para isso você e sua amiga vão ter que cooperar. - A bruxa falou em uma voz incrivelmente baixa. Instalei os ossos do meu pescoço e novamente fiz um som nasal de Concordância. Voltei a olhar a loira e vislumbrei seu sorriso pretencioso. 


- Por que nos pegou? Faz tempo que não te vejo. - Perguntei curiosa. Ela riu despreocupada andando até um tipo de mesa metálica e pegou algo que não consegui distingui.


- As Bruxas de Nova Orleans são bastantes observadoras e inteligentes. Gostam de saber tudo e de serem responsáveis por causas grandiosas. E aquela sua amiga, a Cabello, está carregando no útero um fenômeno da natureza. Que supostamente ira trazer morte a todas as bruxas de New Orleans. - Falou de costas para mim.


- As bruxas dessa cidade praticam magia ancestral... - Balbuciei.


- Isso. E se não tiver bruxa para praticar, não haverá magia em New Orleans. - completou.


- Oque você quer dizer com Isso? - Perguntei já um pouco aflita. A loira olhou para mim e no brilho do seu olhar vi uma triste ideia. - Não. Não, não, não, não, não. - repetir feito um mantra enquanto tentava me soltar. Oque era inútil. A loira soltou uma risada alta, oque reverbou por todo o local.


- É... - Se pronunciou a bruxa. Andou até mim com um calma assustadora e se agachou ao meu lado. Tirou metade de meus cachos loiros que estavam a tampar meu rosto e se aproximou do meu ouvido. -... O bebê tem que morrer. - Senti um arrepiu na espinha pelo tom maldoso da outra loira.


- Por que precisa de nos?! -  a pergunta cortou minha boca rapidamente. 


- Por que a bruxa Deveraux está obscecada em acabar com Veronica. E para isso precisa da ajuda da Hibrida original. Quando desfizeram a ligação de Camila a Jesy ela ficou sem alternativas. As bruxas estão sem recursos. E o único jeito de conseguir a lealdade de Lauren novamente e botando pressão. - Ela apontou para mim e para Normani e proceguiu. - Vocês duas, ela quer negociar vocês duas pelo ligamento do acordo. 


- Mais é claro que Lauren não ira fazer isso.. - Suspirei pesadamente e revirei os olhos. - Ela está muito mais preocupada em conquistar a cidade.


- Oh, claro. - Sorriu rapidamente e se levantou indo para qualquer lugar longe de mim. - Mais a jovem Cabello vai querer vocês duas de volta. E tenho certeza que Lauren e ela terão um grande embate pela proteção do bebe ou a ajuda as duas amigas. É isso é triste.


E com o último ultimato saiu batendo a porta de madeira fortemente. Revirei os olhos e suspirei novamente olhando para Normani.

Aquilo não deveria acontecer...


Notas Finais


Qualquer erro depois dou aquele grau.
Bye bye meu vampirinhos.
FELIZ NATAL ANTECIPADO.

Quem ama mata? Quem mata ama?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...