História Bloody rose - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Harem, Kookv, Taekook, Vkook, Vkookweek
Exibições 515
Palavras 4.833
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Harem, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa noite, gente.
Perdoem minha demora, mas eu estou CHEIO de coisa para fazer. Além das coisas da faculdade, eu tenho que começar um artigo, ler dois livros e escrever para as weeks que eu organizei e que o TKwishes organizou. Choremos.
Mas aqui estou com atualização. Não tenho muito o que falar aqui, mas vou deixar muito links nas notas finais, então tratem de olhar.

Boa leitura!
Atenção nesse capítulo, ok?

Capítulo 17 - Chapter 17 - Por que fui aceitar algo tão bobo?


Fanfic / Fanfiction Bloody rose - Capítulo 17 - Chapter 17 - Por que fui aceitar algo tão bobo?

Chapter 17 – Por que fui aceitar algo tão bobo?

 

Ok, isso foi inesperado, isso foi muito inesperado. Eu já sabia que iria perder essa aposta e nem sei ao certo o motivo de tê-la aceitado. Mas Taehyung sair vencedor daquele joguinho bobo foi completamente imprevisível. Nunca pensei que o ruivo, depois de anos sem segurar uma arma, conseguiu vencer o experiente do Seokjin no tiro alvo.

 

Como ele estava? Radiante, ele tinha o poder de fazer o que quisesse com nós dois e, particularmente, não estava gostando nada disso. É claro que Taehyung não sugeriria uma transa a três porque não suportaria ver Seokjin me tocando, então eu sei que minha virgindade está bem guardada. Porém aquele sorriso infantil e vitorioso do rapaz, mesmo que fosse bastante fofo, estava me assustando demais.

 

Nós devolvemos as armas em seus devidos lugares e seguimos por aquele corredor longo e silencioso. Meus braços doíam um pouco devido a pressão que a arma exercia sobre meu corpo. Eu não pensei que ficaria dolorido com algo como aquilo. Entretanto, achei aquela experiência muito boa. Nunca pensei que fosse atirar, mas admito que gostei mais do que eu imaginava que aconteceria.

 

Deixamos a loja de armas e voltamos à limusine. Taehyung disse nosso novo destino ao motorista. Fitei Seokjin buscando qualquer traço de medo ou ansiedade, mas ele apenas estava irritado por ter perdido para o irmão mais novo. Estremeci novamente quando vi o ruivo mais novo entrar no veículo alguns segundos antes dele pôr-se em movimento.

 

– Aonde vamos? – Arrisquei perguntar de uma vez para sanar minhas dúvidas e acabar com aquela tortura. Taehyung sorriu para mim e percorreu todo o espaço entre nossos corpos para jogar o braço sobre meu ombro e dar um pequeno peteleco em minha bochecha. Fiquei um pouco irritado e passei a ponta dos dedos no local, doeu.

 

– Espere e verá. Vai ser legal, nunca mais esqueceremos o dia de hoje. – Assim que terminou aquela frase, até Seokjin passou a fitá-lo com o olhar estreito. Sabia que o irmão já tinha planejado alguma coisa e não estava gostando nem um pouco daquele tom de voz. Eles apenas conversavam com olhares e expressões enquanto eu boiava e ficava sem entender nada. No fim, Taehyung abriu um sorriso largo e Seokjin revirou os olhos, voltando a concentrar-se na janela do veículo.

 

– Eu estou me arrependendo desde já de ter aceitado essa proposta ridícula de vocês sabendo que eu iria perder. Nenhum trouxa me supera em trouxísse. – Eu comentei passando os dedos levemente na minha têmpora antes de ouvir uma risada fraca por parte de Taehyung e ele encostar a cabeça na minha, movendo rapidamente como se estivesse fazendo carinho com a testa. Achei o gesto incrivelmente bom e tranquilizador. Aquilo foi bastante estranho e imprevisível, mas não estava mais com medo.

 

> Chapter 17 – Cut <

 

– Eu me recuso, definitivamente eu não vou fazer isso, Taehyung. Você é louco? – Eu estava muito irritado com a inconsequência do ruivo. Ele nos levou para uma loja de tatuagens superpesada com vários coreanos gordos e de aparência nada agradável. Eu praticamente fui arrastado para dentro do lugar e quando Taehyung disse qual era prêmio por ter ganhado a aposta, senti vontade de batê-lo com todas as minhas forças. – Isso é muito inconsequente da sua parte, mais que o normal. Vamos marcar nosso corpo definitivamente.

 

– Para de reclamar, Jeongguk. Você deveria estar agradecendo a todos os deuses por eu não ter vencido e arrastado vocês dois comigo para aquele retiro sexual. – Seokjin falou com certa impaciência. Também, eu estava fazendo todos nós passarmos vergonha lá dentro com minhas reclamações. – Isso não é grande coisa.

 

– A gente vai apenas furar as orelhas, para de ser chato e antiquado. – Taehyung pediu enquanto pagava o valor cobrado pelo estabelecimento. O recepcionista já dava medo em todos nós e percebi o quanto minha faladeira estava piorando nossa situação no local, mas a última coisa que eu queria era fazer algo e me arrepender depois. – Além do mais, já imaginei você com pequenas argolas na orelha e tenho certeza que ficará lindo.

 

– Para você, eu fico lindo de qualquer jeito, Taehyung. – Nem eu sei de onde saiu tanta autoconfiança de mim. O ruivo apenas revirou os olhos enquanto Seokjin deixava uma risada fraca escapar dos lábios. – E você falou que os brincos não são a única parte da aposta.

 

– Não mesmo, vamos fazer umas tatuagens. – Eu estava prestes a reclamar quando Seokjin segurou minha boca e apontou para um cara velho barbudo sentado em uma cadeira enquanto uma mulher desenhava atentamente em seu braço. O desconhecido não parecia estar feliz com meu escândalo. Então apenas calei a boca e segui Taehyung com o homem que seria o responsável de realizar todos os procedimentos em nós.

 

O desconhecido preferiu começar furando a minha orelha para eu não desistir no meio do caminho. Eu sentei na cadeira e o homem levou uma bolsa de gelo para minhas orelhas, estava feliz em saber que não precisaria sentir a dor daquele brinco abrindo um buraco na minha cartilagem. O homem verificava se a pistola estava preparada devidamente para não causar nenhum acidente. Meu corpo estremeceu em antecipação. Acho que prefiro ser fodido, MENTIRA!

 

Respirei fundo tentando controlar o meu nervosismo, olhei para Taehyung sentado do meu lado e o vi sorrir. Eu revirei os olhos, mas gostei da forma que ele estava me tratando. Senti uma de suas mãos extremamente quentes encostar na minha, senti seu polegar fazer carinho nas costas da minha mão e meu coração simplesmente ameaçou parar. Naquele momento, passei a ficar mais nervoso com Taehyung do que com o brinco.

 

Vir-me-ei para o responsável por furar minha orelha e franzi o cenho. Aquilo era uma bicha exageradamente afeminada, eu estava tão nervoso que nem tinha percebido esse cara. Ele sorriu para mim e passou a mão no meu rosto rapidamente. – Relaxa, fofo, não vai sentir nada.

 

Os dedos de Taehyung apertaram minha mão e eu senti um pouco de dor. Eu sabia que ele estava com ciúmes, mas não precisava descontar aquilo em mim, não era minha culpa. Seokjin colocou a mão sobre a coxa do ruivo mais novo e falou em um tom autoritário:

 

– Anda logo com isso e faça o que tem que fazer. Você ainda tem quatro orelhas para furar e ainda vamos fazer tatuagens. Não temos o dia inteiro. – Seokjin resolveu reclamar por Taehyung antes que houvesse uma agressão física. Taehyung continuou olhando para o estranho com ódio no rosto, mas pareceu mais calmo porque o aperto de sua mão diminuiu.

 

O processo foi bem rápido, nem cheguei a sentir o ferro perfurando minha pele e atravessando-a sem dó. Deixei meu lugar, ainda um pouco tenso já que a minha ficha ainda não tinha caído, estava com as duas orelhas furadas. Taehyung foi depois de mim e o processo pareceu muito mais rápido do que quando foi minha vez. Seokjin foi ainda mais rápido, talvez porque queria que aquilo demorasse, não estava preparado para ser tatuado.

 

E o que eu posso dizer de ser furado continuamente por uma agulha que enfiava tinta no meu pulso? Eu não posso dizer que fazer tatuagem era megadoloroso ou que era impossível aguentar aquilo, mas estava longe de ser uma experiência agradável. Tive que morder os lábios e ficar com os olhos fechados por um longo tempo enquanto o homem fazia um “V” perfeito e muito bem desenhado na minha pele.

 

Ser tatuado foi muito mais doloroso que furar a orelha já que aquela região não era cartilaginosa. E o barulho não ajudava em nada, me fazia sentir mais vontade de terminar tudo aquilo e voltar para a mansão. Eu não podia dizer que sentia dores, porém era algo desconfortável e não é algo que eu queria repetir na minha vida.

 

Pior, o homem depois que terminado, tinha que retocar, passando a tinta novamente por toda a tatuagem para ela ficar bem escura. Olhei para Taehyung tentando segurar as lágrimas que já forçavam a deixar meus olhos. Segurei a mão esquerda do meu amigo – já que seu braço direito também foi tatuado no mesmo lugar que eu – e me senti um pouco mais confortável da dor. Aquilo era estranho, talvez fosse explicado por alguma área da psicologia.

 

Mas tudo deu certo, nós três saímos da loja com orelhas doloridas e furadas, cada um com um V no pulso desenhado do mesmo jeito. Aquela era a forma de sempre lembrássemos daquele dia unidos.

 

– Viu? Ficou bem bonito. – Taehyung disse colocando a tatuagem dele próxima a minha. Eu estava achando tudo isso uma grande besteira que eu me arrependeria depois. Seokjin sorriu e apenas se aproximou de nós.

 

– Hoje foi bastante divertido, acho que devo sair mais com vocês dois. – Seokjin disse olhando para o céu azul, mas que já perdia luz devido ao pôr do sol. – Parabéns, Jeongguk, você provou que podemos mesmo nos divertir sem sexo. – Ele apoiou-se na limusine e abriu o carro ele mesmo. – Entrem, vamos para casa, não terá retiro sexual esse ano.

 

 – E espero que nunca mais. – Me aproximei do mais velho e percebi algo estranho, coisa de dois ou três segundos. Quando Taehyung se aproximou, Seokjin voltou ao normal. Estranhei o fato, mas apenas entrei no carro a fim de voltar para a mansão.

 

> Chapter 17 – Cut <

 

Chegamos na mesma hora que Yoongi e Jimin, eles tinham levado Hoseok para o encontro com o psicólogo enquanto Seokjin saía conosco. O cabelo dos dois estava diferente, ambos estavam loiros naquele momento. Como já disse antes, prefiro cores naturais, Yoongi ficou melhor loiro do que com cabelo verde, já Jimin, não posso dizer muito daquela cor mais clara.

 

Controlei a pequena queimação que tinha no meu pulso direito e me aproximei do trio. Queria saber como Hoseok estava e se o tratamento estava dando certo. Até porque, graças às provas da escola, eu não falei mais com ele.

 

– Hoseok, como você está? – Perguntei assim que me aproximei do trio. Hoseok virou-se para mim com um sorriso no rosto como se tivesse dado um passeio em um parque de diversões.

 

– Foi muito bom, desde que comecei a conversar com a psicóloga, eu deixei de ver algumas coisas e aquele remédio está me ajudando a controlar minha ansiedade e bipolaridade. – Senti uma pequena diferença na forma que Hoseok estava falando, ele parecia crescido. – E eu achei tão interessante a forma como ela falou comigo, acho que já sei a carreira que vou seguir na faculdade.

 

– E é por isso que vamos sair hoje à noite, todos nós, para comemorarmos. – Yoongi disse de repente abraçando o irmão mais novo por trás. – Vamos sair para jantar porque estou cansado dessa mansão.

 

– Eu acho desnecessário o Jeon ir, mas posso fazer o que? O Hoseok gosta dele. – Jimin comentou virando-se de costas para nós e caminhar para dentro da mansão. Resolvi apenas ignorar a provocação.

 

– Vai ser muito bom, fico feliz de ter sido convidado. – Eu falei com um sorriso largo no rosto. Senti o braço de Taehyung sobre meu ombro e o idiota encostou na minha orelha dolorida. – Toma cuidado, idiota! Minha orelha ainda dói.

 

– Ué, furaram as orelhas também? – Yoongi perguntou rindo após ver que todos eles tinham pequenos brincos presos em sua pele. – Quando eu fiz, me julgaram até que eu me irritasse e quase quebrasse a cara de vocês.

 

– Foi o Namjoon quem fez isso e você tinha apenas catorze anos, louco. – Taehyung respondeu afastando-se de mim e se aproximando de Hoseok. Bagunçou o seu cabelo e sorriu para o irmão mais velho. – Vamos entrar para nos arrumar, temos uma longa noite pela frente e estou morrendo de fome.

 

– Sim. – Ele respondeu e todos nós concordamos. Passamos a andar todos juntos pelo jardim enquanto mergulhava nos meus pensamentos. Iria fazer três meses desde quando passei a morar na mansão e conviver com os irmãos. Desde fevereiro, eu estou lutando para reuni-los e olha o que consegui. Eles não brigavam mais, suas individualidades e defeitos estavam diminuindo cada vez mais. Até Jimin passou a sair mais do quarto para realizar atividades com Yoongi e Hoseok estava melhorando cada vez mais.

 

Eu estava me sentindo realizado, estava conseguindo seguir as ordens do senhor Lee com maestria. Claro que ainda falta a parte de serem responsáveis, mas talvez isso venha com o tempo. O importante é que eles eram irmãos novamente.

 

Vi Namjoon parado na frente da porta da mansão enquanto Jimin vinha correndo em nossa direção com um sorriso no rosto. Eu não entendi nada, apenas o vi pulando em cima de Hoseok de uma forma que eu me assustei. Ele abraçou o irmão mais velho e apertou as pernas em torno de sua cintura. Ele quase perdeu o equilíbrio, mas permaneceu de pé.

 

– Vamos viajar, vamos viajar, vamos viajar, vamos viajar! – Ele repetia várias vezes no colo do amigo enquanto ria animadamente. Um sorriso se formou no rosto de Yoongi e Taehyung enquanto Seokjin batia palmas animado. Eu não entendi nada.

 

– Isso é sério? – Taehyung perguntou para Namjoon que se aproximava com um sorriso mínimo no rosto.

 

– Sim, vamos viajar mês que vem para uma ilha chamada Maya Bay na Tailândia. Nosso pai quer tirar férias e todos nós vamos.  – Namjoon disse próximo a todos eles. – Ele elogiou nossa melhora na escola, tiramos dez na média em quase todas as matérias e disse que precisamos de um descanso.

 

– Isso é demais, faz tanto tempo que não viajamos. – Seokjin comentou se aproximando de Hoseok ainda com Jimin no seu colo. Estava com medo dos dois acabarem caindo no chão.

 

– Sim, temos mais motivos para comemorar. – Yoongi caminhou até Namjoon e pegou sua mão. – Vamos todos nos arrumar para jantar e depois vamos comemorar com uma noite agitada.

 

– Espero que não esteja falando de balada. – Eu falei olhando-o de forma desconfiada. Ele apenas riu e todos nós entramos juntos para mansão, com Jimin agora no chão depois de Seokjin reclamar que Hoseok poderia ficar com dor na coluna.

 

– Jeon, depois posso falar com você? – O mais velho dos irmãos perguntou baixinho e eu fiquei arrepiado com aquela proximidade. Eu apenas movi a cabeça em confirmação e vi se afastar com um sorriso simples no rosto. Estava acontecendo muita coisa boa uma atrás da outra e sinto que todo aquele arrependimento que tinha por aceitar o emprego ir embora.

 

> Chapter 17 – Cut <

 

Eu fui o primeiro a tomar banho, os outros meninos preferiam ir a outros banheiros enquanto Yoongi reservava uma mesa em um restaurante o qual eu nunca ouvi falar, mas que provavelmente era bem caro. Raramente Taehyung e Seokjin elogiavam a culinária de algum lugar e ambos falaram muito bem desse estabelecimento.

 

Então terminei de me lavar e coloquei aquele mesmo terno vermelho que Taehyung me dera no dia do aniversário de Yoongi. Se o restaurante for chique, era melhor prevenir e estar bem arrumado. Caminhei pelo quarto sem minha gravata, afinal eu não sabia dar um nó nisso, e olhei para o corredor para ver se alguém também estava bem arrumado como eu. Foi quando vi Namjoon apertando a gravata borboleta de Hoseok, me aliviei, eu estava devidamente vestido.

 

Voltei ao meu quarto e percebi que recebi uma mensagem. Era algo realmente raro de acontecer. Caminhei até minha cama e peguei o aparelho para verificar o conteúdo da mensagem.

 

“Jeon, me encontre no terceiro andar, ala oeste da mansão, quero falar com você.”

 

Franzi o cenho tentando adivinhar de quem era aquele número, até que me lembrei que Seokjin queria falar comigo. É perigoso conversar com um louco viciado em sexo sozinho? Era, mas acho que posso confiar, ele nunca faria nada contra minha vontade. Bom, eu acho que não.

 

Deixei meu quarto rapidamente ainda sentindo as roupas apertadas sobre meu corpo. Deveria lembrar de pedir ao Taehyung um terno para mim, ficar usando um desses estava começando a me incomodar.

 

Iniciei meu passeio pela mansão, na verdade era uma verdadeira exploração já que nunca fui para aquele lado da casa. Não sei exatamente o motivo, mas como os garotos quase nunca iam para o terceiro andar – tirando quando iam para a sala de música –, eu peguei esse mesmo hábito.

 

Subi as escadas lentamente enquanto sentia meu corpo se aquecer com aquele monte de tecido pelo o meu corpo. O clima estava começando a mudar. O frio finalmente estava indo embora e em uma hora péssima. Os músculos das minhas coxas doeram levemente e eu estranhei isso, já estava acostumado a subir escadas.

 

Ignorei esse fato e segui em frente, tentei me encontrar e fui para o leste, como Seokjin tinha me indicado. O lugar era bastante vazio, vez ou outra, eu via uma porta aleatória e sozinha no corredor.

 

Finalmente encontrei Seokjin parado a porta de um quarto, ele me esperava com a franja na frente dos olhos e eu não conseguia ver sua expressão. Era difícil adivinhar o assunto da conversa que teríamos. Não me julguem, ainda estou com medo de ficar sozinho com ele.

 

– Queria te mostrar esse cômodo. – Ele disse abrindo a porta do lugar lentamente. Engoli em seco e fui até o lugar indicado pelo mais velho. Olhei em volta e estávamos em um quarto muito grande, muito maior que qualquer outro e muito mais luxuoso. Pude ver quadros caros, móveis onerosos, estantes com muitos livros. Com certeza era o quarto de alguém importante. – Esse aqui era o quarto da primeira esposa do meu pai, mãe do Namjoon e Jimin.

 

Ele confirmou minhas teorias. Caminhei pelo local frívolo, a luz ainda mantinha-se apagada e única coisa que iluminava o quarto era a luz da lua que atravessava a janela. Com toda certeza era um quarto abandonado, ninguém vinha aqui faz tempo. Não que estivesse sujo ou com teias de aranha, longe disso, os empregados dessa mansão trabalhavam impecavelmente bem e eu já estava ficando mal acostumado. Mas aquele lugar não tinha calor, aquela energia do corpo humano.

 

– Entendo, mas por que está me mostrando isso aqui? Isso é no mínimo estranho já que ela não era sua mãe. – Assim que falei sobre a minha duvida, uma risada fraca escapou dos lábios de Seokjin. Sem nenhum receio, ele caminhou pelo quarto e sentou-se na cama.

 

– Gelado como eu me lembrava. – Seokjin comentou antes de se jogar no colchão. Eu estava bastante confuso, vocês não têm noção. Como sempre os irmãos conseguem me surpreender em todo momento. O mais velho de todos eles foi o único que me apoiou desde que cheguei aqui e o único que não me desprezou de alguma forma, mesmo que já tivesse tentado me seduzir várias vezes ou me espiar no banho, ou roubar minhas roupas intimas. Ok, Seokjin também era estranho.

 

Mas quem não seria com aquela vida que levavam? Yoongi era o filho único desprezado por todos e que sempre precisou se virar sozinho depois da morte da mãe. Jimin e Namjoon eram cobrados o tempo inteiro para serem perfeitos e esquecerem de quem realmente eram e do que gostavam. E, bom, Hoseok apanhou muito na infância e sofreu tentativas de assassinato por parte de sua mãe louca. Imagina o que Seokjin e Taehyung também passaram nas mãos dessa mulher.

 

– O que você vai me dizer tem relação com a mulher louca que era a sua mãe? – Perguntei sem pensar direito se as palavras que escolhi iriam ofender ou não. Mas eu apenas estava falando a verdade e ele sabia muito bem disso.

 

– Eu queria falar do meu passado no geral, eu disse que só iria te contar quando fosse digno da minha confiança. Bom, você conseguiu. – Seokjin disse mostrando a tatuagem que fizemos no braço. – Você fez de tudo para eu não ir para aquela festa para o meu próprio bem, arriscou sua carinha bonita em uma briga de Taehyung e ainda fez uma tatuagem para nosso dia não ser esquecido. Eu não me lembro de alguém ter feito isso por mim.

 

– Eu sempre quis me aproximar de todos vocês, desde o começo. Hoseok e Yoongi foram mais maleáveis e consegui conversar com facilidade, já Namjoon precisei que estivesse drogado para saber as torturas que ele sofria com a mãe. Acho que todos eles estão melhores, já Jimin e Taehyung… – Cortei minha frase no meio e mordi os lábios. – Jimin me contou sobre o passado dele e até apresentou melhora, mas não consegui me tornar amigo dele, nós não somos muito amigáveis e ele ainda desconfia que eu seja uma pessoa falsa e manipuladora. – Respirei fundo e olhei para o céu através da janela na frente da cama. – Já Taehyung nunca me fala nada, mesmo que eu tenha percebido uma grande proximidade entre nós dois.

 

– Cada um tem sua maneira de superar, Taehyung é uma pessoa complicada, mas quando ele conseguir se abrir para você, irá entender tudo. – Seokjin disse voltando a se sentar na cama. – Assim como vai entender o motivo de eu ser assim, tão estranho. Talvez minha forma de superar pode ter sido meio estranha ou bizarra, mas aconteceu.

 

– Foi por isso que me chamou aqui? – Perguntei retoricamente, eu já tinha certeza que Seokjin iria se abrir comigo sobre seu passado.

 

– Você sabe que nossas mães tinham uma rixa horrível entre si, não é? – Ele começou a falar passeando seu olhar pelo quarto. – Quando minha mãe, a segunda esposa do senhor Lee, engravidou, a mãe de Namjoon ficou irritadíssima. Na verdade, ela era uma mulher invejosa, até porque nasceram três meninos antes dela finalmente engravidar. Porém, mais que minha mãe, ela queria seus filhos herdassem toda a fortuna do nosso pai. Bom, Hoseok já tinha seus problemas individuais e Yoongi nunca seria escolhido por ser considerado “filho bastardo” como ela costumava falar. No fim, apenas eu estava no caminho de Namjoon.

 

– Ela fez alguma coisa com você? Te bateu ou tentou te matar? – Resolvi perguntar meio nervoso já que aquelas mulheres eram doentes. Por que elas não tentavam ser mães normais para seus filhos e deixassem o futuro decidir o que acontecerá?

 

– Não, mas ela decidiu “sabotar” o primogênito da família, se é que você me entende. Eu sempre fui um rapaz muito bonito, inteligente e talentoso desde pequeno. Eu aprendia tudo com facilidade; era bom tocando, pintando e cozinhando. Eu era autoditada, não tanto quanto Namjoon, mas bom o suficiente. Com certeza meu pai me escolheria se continuasse sendo perfeito assim. – E naquele momento o Seokijin mordeu os lábios em nervosismo. – Foi quando a mãe do Namjoon me chamou para esse quarto uma noite, eu tinha doze ou treze anos, não sei ao certo. Ela falou várias coisas bonitas para mim e me beijou. Eu não sabia como lidar com aquilo, eu era muito jovem e eu a considerava uma tia. Naquele dia, eu perdi a virgindade com a mãe dos meus irmãos.

 

– Isso não pode ser verdade. – Levei uma das minhas mãos inconscientemente até as alheias e apertei com certa força tentando passar conforto. – Você está falando sério, Seokjin? Ela fez mesmo isso com você?

 

– Sim, e não foi apenas uma vez. – Ele respondeu respirando fundo. – Mas não me importo muito com isso hoje em dia. Isso me fez forte e me tornou o que sou hoje e gosto de mim mesmo, apesar dos defeitos. – Seokjin tentou mostrar que havia superado, mas ele não enganava, não era tão fácil esquecer algo assim. – E bom, a mãe deles se arrependeu de tudo o que fez comigo, com Namjoon, com Jimin e até com a mãe do Yoongi. Ela estava realmente mal quando foi até a floresta chamando a senhorita Beatrice e foi lá que ela se matou. Namjoon viu tudo, na verdade, acho que foi ele que a estimulou a se matar, mas não tenho certeza.

 

– Isso é terrível, ela marcou muito sua vida, não é justo que ela tenha simplesmente se matado sem pagar pelos crimes que cometera. – Eu disse um tanto irritado. Ela apenas se matou e escapou de todas as represarias.

 

– Ela sofreu, Jeon, eu vi. Imagina a dor de ser julgado pelo o seu filho, a culpa de ser a responsável por uma mulher ter morrido. Minha mãe pode ter ficado feliz com a morte da mãe do Yoongi, mas ela não. – Seokjin levou seu olhar para o chão e respirou fundo. – E Namjoon sofreu muito mais que eu e se vingou da maneira dele. Nós três superamos do nosso jeito. Namjoon continuou perfeitinho como ela gostava, pois ele também se sentiu culpado pela morte dela. Jimin se tornou uma pessoa rebelde e sem expectativa de vida e eu, bom, sentia falta do sexo. Era esquisito, mas transava com ela quase todas as noites, até porque meu pai quase não parava em casa e tinha que dividir atenção com três.

 

– Eu sinto muito por isso. – Foi a única coisa que eu fiz antes de apertá-lo em um abraço forte. Seokjin apenas riu e acariciou a minha mão de maneira carinhosa. Ele era o mais velho e foi o único que conseguiu realmente passar por cima de tudo.

 

– Relaxa, eu estou bem. – Ele riu soprado. – E sobre nossa mãe, não foi Hoseok que a matou e muito menos Taehyung, só para você saber. Eles podem até se culpar por isso, mas foi um acidente. – Seokjin disse de repente. Eu permaneci parado apenas absorvendo as palavras. Eu sabia que Hoseok se culpava, mas não sabia de Taehyung. – Se seguirmos as histórias dos filmes, é agora que você me beija e temos uma noite quente de sexo.

 

– Ei! – Eu disse lhe empurrando para longe de mim enquanto ele soltava uma risada. É claro que é brincadeira e eu nem percebi. Acabei rindo junto com ele. – Nem pense nisso. Eu nunca beijei antes e minha primeira vez definitivamente não será com você.

 

– Agora eu me senti ofendido. – Ele falou cruzando os braços com um bico fofo nos lábios. Eu acabei rindo daquele ato, desde quando Seokjin sabia ser fofo? – A gente deveria aproveitar, tem uns chicotes bem legais guardados no armário aqui. – Ele riu novamente e levantou-se da cama.

 

– Os chicotes que ela usava em Namjoon? – Perguntei com a sobrancelha arqueada.

 

– Ela usava em mim também, ok? Não pense que ele era o exclusivo. – Seokjin devolveu cruzando os braços ainda de pé. Sorri para ele feliz por ele finalmente confiar em mim para contar sua história um tanto estranha. Ele transava com a madrasta, bom, não devo julgar porque esse talvez seja o maior medo do mais velho, talvez de todos os irmãos.

 

– Seokjin! – Ouvi uma voz rouca surgir de repente no corredor. Um Taehyung surgiu ofegante e parecia muito assustado. Me levantei rapidamente com medo de algo grave ter acontecido. Será que Hoseok teve algum surto? – Nosso pai surgiu aqui de repente, ele quer falar com todos nós.

 

– Como? Assim de repente? – Seokjin também pareceu surpreso. E pela primeira vez naquele longo tempo que passava na mansão, o senhor Lee resolveu dar as caras. Minha vontade era ir até ele e jogar na cara daquele homem o quanto ele era irresponsável por deixar os filhos com mães tão loucas.

 

– Sim, é sério. – Ele respondeu vendo Seokjin correr até o seu lado. – Jeon, vai para o quarto, se troque e fique lá. Não saia de maneira nenhuma, ok? – O mais velho concordou com o movimento de cabeça, e eu fiquei completamente sem entender. Para que isso? Eles estavam me escondendo? – Não pergunte, apenas obedeça, depois te explicaremos tudo.

 

– Apenas vá, Jeongguk, por favor, não nos desobedeça. – Seokjin disse antes de a dupla deixar o quarto e me deixar sozinho no cômodo.  Fiquei confuso? Lógico, mas fiz o que disseram. Voltei para o meu quarto, tirei aquele terno desconfortável e vesti alguma coisa para dormir. Até pensei em dormir de camisa e cueca como sempre fazia nos dias de calor com aquele, mas era suicídio dormir desse jeito naquela mansão.

 

Deitei na minha cama e tentei dormir, não tinha nada que eu precisasse ou realmente quisesse fazer. Eu não faço ideia de quanto tempo fiquei deitado ali tentando adormecer, minha orelha me incomodava, meu pulso ardia e alguns músculos do eu braço doíam. Eu estava morto de cansado, mas não conseguia apagar de nenhuma maneira. E quem dormiria com a bomba que Seokjin acabara de me soltar?

 

Só depois de muito trabalho duro para eu conseguir lidar com todos os irmãos que consegui descobrir seus passados. Mas ele apresentaram uma melhora e isso já era um grande avanço. Eu estava feliz. Sorri sozinho deitado no travesseiro e senti meus olhos pesarem, estava finalmente sentindo sono e estava prestes a dormir.

 

Quando minha mente estava a caminho do meu subconsciente, senti minha cama pesar e um braço passar por minha cintura. Eu levei um susto, lógico, mas reconheci a pessoa de imediato apenas pela temperatura do corpo. Apenas Taehyung tinha o corpo tão quente.

 

– Não fala nada, por favor, apenas me deixa dormir aqui com você. – Ele disse baixinho unindo ainda mais nossos corpos. Eu obedeci, fiquei calado e me deixei levar pelo sono, afinal, eu estava me sentindo estranhamente confortável.

 

> Chapter 17 – Finished <


Notas Finais


Vamos começar uma divulgação? VAMOS!
Então, eu sei que geral está destruído com o comeback do BTS, mas a vida continua.
Primeiramente, para os fãs do Seventeen, eu organizei a #HoziWeek naquele mesmo padrão da VKookWeek, se estiverem interessados, jornal aqui:
https://spiritfanfics.com/perfil/nahuel_mdj/jornal/projeto-hozi-week-6603635

Segundo, também terá o Haloween Week, organizado pelo @Tkwishes!! Está muito maneiro e já plotei para a semana. Confiram:
https://spiritfanfics.com/perfil/tkwishes/jornal/halloween-week-6667964

Terceiro, postei uma YoonSeok nova, para quem gosta do couple e gosta de heróis, fiz uma mescla dos dois. Será treeshot e postei o primeiro capítulo esses dias:
https://spiritfanfics.com/historia/com-a-justica-no-meu-braco-eu-sou-o-homem-de-aco-6644810

Acho que é só isso. Espero que tenham gostado do capítulo. AH! O que acharam da história do Seokjin? Lembrem-se que isso não chega a ser estupro, ou é, não sei. Vocês podem interpretar como quiserem.
Enfim, beijos de um viciado em TaeKook (e escravo de SoonHoon),
Nahu
Até mais.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...