História Bloody rose - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Harem, Kookv, Taekook, Vkook, Vkookweek
Exibições 335
Palavras 4.165
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Harem, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa madrugada,
Estou postando porque a Lara pediu, desculpem a falta de capa.
Dica? preparem os corações antes de ler.
beijos, boa leitura.
PS: Desculpe qualquer erro, depois eu concerto

Capítulo 20 - Chapter 20 - Você quer tapas ou beijos?


Chapter 20 – Você quer tapas ou beijos?

 

Acordei com uma tremenda dor de cabeça no dia seguinte, minha visão estava completamente embaçada e meu corpo estava fraco. Era como se estivesse com uma bela de uma ressaca, o que é impossível sabendo que bebi muito pouco na noite anterior. Tentei olhar a minha volta a fim de descobrir onde estava. Provavelmente estava no quarto de Taehyung, não sabia dizer, tudo estava muito confuso para mim. Foi quando lembrei-me de Beatrice, que ela estava naquela festa.

 

Levantei-me rapidamente, assustado com a possibilidade dela ainda estar ali e todos aqueles sintomas que me deixavam frágil naquele momento desapareceram. Eu simplesmente fiquei de pé na cama e olhei a minha volta atordoado procurando por alguém que obviamente não estava ali.

 

Por fim, meu olhar foi diretamente para o rapaz de cabelo vermelho que olhava assustado para mim, provavelmente, eu estava parecendo um louco agindo daquela maneira. Vi a boca do mais velho se mover, mas por algum motivo, eu não escutava nada. Que merda está acontecendo comigo?

 

– Jeongguk! Jeongguk! Você está bem? – Finalmente a voz grave de Taehyung alcançou meus ouvidos. Dei uma última olhada no quarto e percebi que estava mesmo lá. Não era sonho ou ilusão, eu estava mesmo de volta à mansão e estava seguro. Respirei fundo e voltei a sentar-me na cama macia. A dor de cabeça voltou de imediato.

 

– O que aconteceu? – Perguntei com a mão na testa enquanto sentia tudo dentro do meu crânio latejar insistentemente. – Eu estava na festa e a Beatrice estava lá. Ela me perseguiu! Ela tentou me matar.

 

– Calma, Jeongguk, ninguém tentou te matar. Beatrice não estava naquela festa.

 

– Claro que estava, eu vi. Eu fugi dela até o banheiro onde eu desmaiei. Aquilo não poderia ser uma ilusão ou uma miragem. – Eu não sei exatamente o que aconteceu, mas não existia nenhuma possibilidade daquilo ser invenção da minha cabeça. Eu senti meu cabelo sendo puxado com força, eu senti bastante medo quando estava preso naquele espaço apertado e aquela bruxa apareceu. – Você precisa acreditar em mim. Ela quer me matar, não sei bem o motivo, mas quer.

 

– Tudo bem, Jeon. Mas você evidentemente estava sobre efeito de drogas. Por isso eu disse a você que sair com aquele garoto não era uma boa ideia. Eu te disse. Olha no que se meteu. – Ele falou em um tom bastante irritado, nesse momento lembrei-me de meus amigos.

 

– É verdade! Como estão Jihoon e Minghao? – Perguntei-o a fim de saber se eles estavam bem. – E nem venha pensar besteiras a respeito de mim, eu não ingeri nenhuma droga naquela festa, apenas ingeri um pouco de bebida, nada mais que isso.

 

– Aqueles dois estão no quarto do Yoongi sendo vigiado por ele mesmo. Ele está bem bolado e sei que seu amiguinho vai ouvir muito quando acordar. – Taehyung disse com um sorriso vitorioso. Isso me irritou tão tremendamente.

 

– Melhor avisar a Soonyoung que eles estão aqui e bem.

 

– Já fiz isso.

 

– Bem eficiente você, hein. – Disse de maneira sarcástica. Minha cabeça estava doendo tanto que estava começando a alterar meu humor. Estava ficando irritado com Taehyung pelo simples fato dele estar presente no quarto. – Como você sabia onde estávamos?

 

– Isso não é óbvio? Eu segui vocês. – Ah, ele não fez isso comigo. – Eu sabia que Jihoon não é uma boa companhia, acabou que eu estava com a razão. Ainda bem que fiquei vigiando vocês ou estariam em uma banheira cheia de gelo sem um órgão. – Eu estou muito irritado. – Vocês seguiu aquele garoto até uma festa suspeito, nem pensou sobre isso e ainda foi drogado.

 

– Você veio atrás da gente? – Foi a primeira coisa que perguntei ainda tentando me controlar. Meus punhos estavam completamente cerrados de raiva.

 

– Claro. Como eu disse, eu sabia que esse Jihoon não prestava.

 

– O que te dá o direito de ir atrás da gente, Taehyung? – Eu gritei mostrando toda a minha raiva. Logicamente Taehyung se assustou, mas eu não me deixei senti pena por ele, aquela fissura já tinha passado dos limites. – Eu já disse, eu não sou seu objeto, eu não sou seu namorado e mesmo se fosse, você não tem o direito de me espionar. Eu quero ter privacidade, eu posso sair com quem eu quiser e você tem que aceitar isso.

 

– Você está brigando comigo? Se eu não estivesse vigiando vocês, estariam à mercê de qualquer um! – Ele tentou se justificar, mas continua errado. Não importa que ele tenha nos salvo da morte, ainda assim Taehyung se meteu onde não foi chamado. – Alguém drogou vocês três, sabe o quanto isso é perigoso?

 

– Ah, eu já entendi tudo. Eu já sei o que você fez. – As coisas começaram a se ligar na minha mente e meu autocontrole estava se perdendo. Faltava pouco para eu chegar no meu limite e espancar Taehyung como nunca fiz antes. – Você nos seguiu e quando percebeu que fomos a uma festa, você resolveu nos dar uma lição, não é? Colocou drogas nas nossas bebidas para nós apagarmos, assim você nos salvaria e ficaria como o herói da história! E eu seria o errado. Pois isso, Taehyung, só prova o quanto você é doente.

 

– Jeongguk, você está me magoando falando essas coisas. Eu nunca seria capaz de fazer algo assim. – Mentiroso!

 

– Mentiroso! – Eu nem estava pensando mais direito, apenas gritava tudo o que vinha na minha cabeça. – Você fica criando esses joguinhos com essa visão doentia de mundo e fica me metendo dele, mas já chega. – Eu gritei ainda mais alto. – Vou dar um basta nisso tudo. Seus atos impulsivos estão causando muitas consequências à todos a sua volta, você não consegue ver? Se não, então se afaste de mim. Não quero que me siga, não quero que se aproxime, não fala mais comigo. Saia de vez da minha vida.

 

Eu nem o deixei falar mais nada, apenas saí do quarto e passei por Seokjin e Hoseok cuja a presença eu só percebi naquele instante.

 

> Chapter 20 – Cut <

 

Demorou apenas mais alguns minutos para Jihoon acordar. A primeira coisa que ele fez foi perguntar sobre Soonyoung, mas ele não estava ali. Naquele momento eu até duvidei de Taehyung, duvido que ele tenha avisado alguma coisa para o namorado do meu amigo. Mas Yoongi confirmou que logo ele estaria aqui, pois mandou uma limusine ir busca-los.

 

– O que? Wonwoo também está vindo? Ele vai nos esganar. – Jihoon falou passando a mão no cabelo completamente bagunçado. Eu não sei quem era esse tal de Wonwoo, mas o pequeno parecia estar realmente assustado. – Melhor Minghao acordar logo ou vou ouvir mais ainda.

 

– Pois vou dar toda a razão a ele. Por que vocês fizeram essa loucura de ir para uma festa onde não conheciam ninguém? É muito perigoso. – Yoongi matinha os braços cruzados com um olhar assustador. – Me espanta o Jeon estar com vocês e ainda deixar que continuassem naquele lugar.

 

– Não coloque a culpa em mim, sou mais novo que o Jihoon. – Eu tentei me defender como se aquilo ajudasse em alguma coisa. Só não queria me irritar mais do que já estava irritado com Taehyung.

 

– Pois eu não quero saber de nada. Só queria fazer alguma coisa diferente, não mereço uma bronca se sou azarado o suficiente por ser dopado na primeira festa que eu resolvi ir. – Jihoon falou voltando a deitar. – ACORDA, SEU VIADO!

 

– Oi, estou bem! – Minghao falou assim que acordou. Acabei rindo com aquele ato inesperado por parte de Jihoon. Acho que passei tanto tempo com os irmãos que estou desacostumando com esses momentos anormais, porém divertidas. Aposto que vou sair daqui mais chato que um velho. – O que aconteceu?

 

– A gente foi dopado, isso que aconteceu. – Jihoon estava estranhamente normal, que tipo de organismo ele tem para não estar sentindo dores de cabeça? A minha ainda lateja de vez em quando. – Olha em que tipo de furada você mete a gente. Já fiz uma nota mental de nunca mais deixar você ir a uma festa.

 

– Eu nunca mais vou para uma festa, pode ter certeza disso. – Minghao falou com o braço em cima dos olhos, provavelmente ele acordou tão mal quanto eu. – Mas que dor de cabeça do diabo. Eu vou matar a pessoa que me deixou assim.

 

– Se você sobreviver, porque o Wonwoo está chegando com o Soonyoung. – A dupla começou a falar algo do amigos deles, e eu apenas parei de prestar atenção porque Yoongi aproximou-se para falar baixo comigo.

 

– Que confusão foi aquela com Taehyung? – Ele perguntou em voz baixa.

 

– Nada demais, só não quero mais ter nenhuma relação com aquele doente. – Falei percebendo aquela raiva de minutos atrás voltando. – Gostaria de esquecer disso, se não se importa. Eu estou finalmente conseguindo me acalmar e pensar em Taehyung nesse momento é destruir minha paz.

 

– Tudo bem, não está mais aqui quem falou. – Naquele mesmo segundo, a porta foi aberta com violência. Um rapaz bem alto, furioso e extremamente bonito fez uma entrada no quarto digno de cinema.

 

– Quais são suas últimas palavras? – Ele perguntou em um tom tão sério que podia jurar que iria matar mesmo os dois.

 

– Me mata, por favor. – Minghao falou ainda deitado na cama.

 

– Primeiro, essa situação toda não foi culpa nossa e segundo, quero transar muito nessa vida ainda. – Jihoon respondeu. Eu quis saber naquele momento quando ele se tornou uma pessoa tão depravada assim. Naquele momento Soonyoung apareceu, desesperado e pulou na cama, abraçando os dois rapazes.

 

– Ainda bem que vocês estão bem! Eu já estava pensando no pior! – Ele falou com a voz completamente chorosa. Yoongi e eu apenas ficamos observando de longe.

 

– Não agradeça ainda, Soonyoung, quero ver se eles vão sobreviver à surra que vou dar nos dois. – O rapaz voltou a falar antes de perceber nossa presença no quarto. – Vocês devem ser os responsáveis por tirá-los dessa enrascada. Obrigado.

 

– Eu sou o irmão mais velho, é mais que minha obrigação. – Yoongi respondeu. Eu apenas permaneci calado, afinal estava com os dois naquela festa e não queria conhecer a fúria daquele homem como Jihoon e Minghao sentiriam.

 

> Chapter 20 – Cut <

 

E lá estávamos nós, novamente na escola. Nós iríamos receber as notas das avaliações e voltar com nossas aulas. Eu já estava pedindo por isso, não por ter amigos no colégio ou algo assim, mas estudar distrai minha cabeça dos problemas, neste caso, Taehyung. Mesmo que estudemos na mesma sala, eu não teria que ficar olhando para a cara dele o tempo inteiro como era nos momentos de refeições ou quando nos esbarramos nos corredores da mansão.

 

Na verdade, ele estava realmente me obedecendo e nem estava olhando para a minha cara. Eu não tinha certeza se ele estava irritado comigo ou triste pelo meu afastamento, mas eu também nem quero saber. Ele tinha passado dos limites e tem que entender que o mundo não gira em torno dele.

 

Neste dia, especificamente, ele matou aula. Eu até senti uma ponta de preocupação já que Taehyung perdera essa mania de fugir das aulas à toa ou algo tipo, mas logo voltei a prestar atenção no professor e esqueci o ruivo. Tenho coisas melhores para me preocupar e eu posso avisar à Seokjin e Namjoon sobre esse ato impensado do rapaz na transição para a aula de culinária.

 

Como sempre, sendo inconsequente.

 

Eu fiz exatamente o que falei e reportei à Seokjin e Namjoon, afinal Taehyung nunca faltava às aulas de culinária e ele não estava na sala. Aquela era sua hora favorita no colégio.

 

– Jeongguk, posso falar com você? – Seokjin pediu assim que Namjoon se dispôs a procurar Taehyung pelo estabelecimento. Eu apenas confirmei com a cabeça e fomos a um lugar mais silencioso. Por mais que a maioria dos alunos estivessem em aula, ainda podia-se ver alguns transitando, sem contar os funcionários.

 

– Eu acho que você está pegando muito pesado com Taehyung. Ele deve estar arrasado por não estar falando mais com você. – Seokjin parecia extremamente preocupado com o irmão. Talvez tenha a ver com o passado dele, mas isso estava me importando cada vez menos.

 

– E daí? Foi ele quem pediu isso. Fica pensando somente nele e acaba fazendo merda. Se eu continuar passando a mão na cabeça dele, ele vai continuar do mesmo jeito. – Eu acabei falando palavrão sem querer. Que horror. – Talvez ele aprenda quando perder uma amizade, isso se eu for importante para ele.

 

– Você é tão importante para Taehyung quanto nós somos. – Assim que ele falou aquelas palavras, eu acabei deixando uma risada escapar. Não porque achei engraçado, mas aquilo realmente parecia uma piada.

 

– Pois não parece. Ele faz de tudo para nos prejudicar simplesmente porque estamos fazendo algo que ele não quer. Por isso eu acho que ele quem nos drogou naquela festa, assim ele ficaria com a razão.

 

– Taehyung pode ser meio perturbado, confuso e até difícil de entender, mas ele nunca seria capaz de drogar alguém para provar alguma coisa. – Seokjin disse com toda certeza do mundo, e neste momento a ficha começou a cair para mim. Provavelmente eu acabei exagerando demais. – Taehyung continua tendo valores muito bons, todos nós temos. Quando ele finalmente se abrir com você, entenderá o motivo dele sempre agir assim.

 

– Não sei mais se quero saber sobre ele. Eu já passei por muita coisa por causa dele. Até Jimin eu consegui compreender mais ou menos, mas Taehyung continua sendo uma incógnita para mim. – Eu estava sendo bem sincero. – Até Hoseok, com todos os problemas dele, ainda conseguia ser mais normal que esse garoto.

 

– É, você realmente não entende. – Seokjin falou afastando-se de mim. Sinceramente? Essa conversa está começando a me fazer mal. Estou me sentindo um monstro pelo o que eu fiz e nem estava errado. Eu tinha o direito de ficar irritado. Então por que estava me sentindo tão mau? – Taehyung pode ser uma pessoa inconsequente e grossa, mas ele era muito pior antes de você chegar. Talvez não tenha percebido, mas basta lembrar de como ele era quando você chegou na nossa casa. Dominador, implicante, gosta de se impor em tudo. Não percebeu o quanto ele melhorou nesse tempo?

 

Parando mesmo para pensar, Taehyung mudara assim como os outros irmãos. Ele estava conseguindo melhorar sim. Mas…

 

– Lembra quando eu disse que cada um tem seu modo de superar seus traumas? Você conseguiu me entender depois que me conheceu melhor. Apenas dê mais uma chance ao meu irmão, sim? – Ele pediu com aquele sorriso calmo e olhos de cachorrinho. Droga, eu não resisto a essas coisas.

 

– Olha… – Fui interrompido por um Namjoon ofegante. Ele simplesmente chamou nossa atenção e estava estranhamente nervoso.

 

– Eu não estou o encontrando em lugar nenhum. Essa escola é enorme e vou precisar da ajuda de vocês. – Ele disse ainda tentando recuperar sua respiração normal. – Eu também passei na sala de Hoseok e ele não está em sala. Temos dois irmãos desaparecidos.

 

– Essa é a melhor noite da minha vida. – Seokjin disse em um tom diferenciado assim que virou-se para Namjoon. – Vamos ajudar a encontrar essas pestes. Posso contar com você, não é, Jeongguk?

 

Eu não respondi de imediato porque não tinha certeza se poderia ser capaz de continuar com essa loucura de ajudar Taehyung nas burradas e apoiá-lo durante essas loucuras sem fim, mas pensando bem no que Seokjin me disse, eu tinha que dar o meu melhor para superar todas essas dificuldades e ter sucesso no trabalho que o senhor Lee me confiou.

 

– Pode sim, vou começar a procura-lo agora mesmo. – Respondi com um sorriso confiante. O mais velho respondeu com o mesmo ato e foi para a mesma direção de Namjoon. Eu, claramente, sabia onde Taehyung estava, afinal a piscina das aulas de natação eram seu porto seguro quando queria ficar sozinho nesse lugar enorme. Ele com certeza estava lá porque ninguém nunca o procurava ali.

 

Sem pensar duas vezes, passei a caminhar pelo colégio. Ficar uma semana sem estudar resultou em eu me perder naqueles corredores parecidos, mas logo encontrei aquele caminho mais escuro que me levaria à Fortaleza da Solidão de Taehyung.

 

Segui sem descanso até o local e rapidamente abri a porta. Encontrei-o lá, mas ao contrário do que imaginava, não era Taehyung quem observava o movimento calmo da água. Era Hoseok. Ele estava parado, quieto, apenas observado.

 

– Hoseok? Você está bem? Por que não está na aula? Estão todos te procurando. – Eu perguntei me aproximando aos poucos. Ele não me respondeu de imediato, na verdade, ele apenas percebeu minha presença quando o toquei no ombro. Foi como se eu tivesse o tirando de um transe. – Hoseok.

 

– Jeongguk, você está aqui! Não sabia que você conhecia esse lado do colégio. – Ele falou com um sorriso animado. Eu agradeci a todos os deuses por ele estar agindo normalmente. Pensei naquele momento que Hoseok poderia estar em meio a um surto ou algo tipo. – Eu tinha até me esquecido que a escola tem uma piscina! A água é muito relaxante, não acha? Eu acho.

 

– Concordo com você, o movimento leve e elegante da água nos faz sentir que todos os nossos problemas podem ser lavados e levados pela pureza desse elemento. – Eu repeti as palavras de Taehyung porque aquela era a melhor metáfora da água entre todas as outras as quais eu conhecia.

 

– Você pareceu meu irmão falando. – Hoseok percebeu que eu usei uma de suas frases, acabamos rindo juntos. – Quando eu olho para a água, eu lembro da minha mãe. Eu até sinto falta dela.

 

– Mesmo? Ela costumava levar vocês para nadar? – Eu perguntei aleatoriamente porque a única coisa que queria fazer é levar Hoseok de volta para a sala e ser muito direto poderia ser ruim.

 

– Sim, foi ela quem nos ensinou. Mamãe costumava ser uma ótima nadadora, a melhor na verdade. Ela chegou a competir! – Hoseok falou animado e orgulhoso pela habilidade da mãe. – Ela nadava muito bem e é até irônico ela ter morrido afogada.

 

– Acho que sim.

 

– Sabe, foi naquele rio que eu e meus irmãos aprendemos a nadar. Ela dizia que tinha um ótimo método de ensino e por isso nós três sabemos nadar muito bem. Minha mãe era fantástica. – Ele estava elogiando a mãe até demais. Dei alguns passos para ficar de frente para Hoseok, eu sentia alguma coisa estranha no modo como ele estava falando. – Um dia eu te mostro como sou tão rápido quanto um golfinho nadando.

 

– Seria ótimo, mas agora temos aula, não é mesmo? Acho melhor… – Assim que estava prestes a fazê-lo voltar para a sua sala, ele me cortou.

 

– Eu poderia te ensinar a nadar. Você aprenderia rapidinho. – Ele estava usando novamente aquele tom de animação e sinceramente, isso estava me assustando. Ele estava falando de forma muito parecida de quando eu o conheci. – Eu usaria a mesma tática da minha mãe. Ela é infalível. Pode ter certeza.

 

– Tudo bem, a gente pode nadar um dia, mas agora nós temos aula e… – Ele novamente me interrompeu.

 

– Para de ser chato como o Namjoon! Hoje é o primeiro dia de aula depois das provas. Repor as matérias vai ser bem fácil. – Dessa vez, Hoseok estava parecendo demais com Taehyung. – Venha, vou te mostrar como é fácil nadar.

 

– Como? Antes mesmo que pudesse tomar alguma atitude, ele me pegou no colo com uma facilidade que até me surpreendi. Nunca pensei que Hoseok fosse forte desse jeito. – Hosoek, isso não tem graça, me põe no chão.

 

– Nossa, você está chato hoje. O que aconteceu com você? – Ele perguntou começando a caminhar pelo local, cada vez mais perto da piscina. – Você precisa ficar calmo, eu estou aqui, então você está seguro.

 

– Mas isso não é hora de nadar, me põe já no chão! – Eu comecei a me mover em seus braços na esperança que ele me soltasse ou que nós caíssemos juntos no chão, mas Hoseok continuou de pé com os braços bastante firmes.

 

– Se prepare, prenda a respiração. Um, dois, três e vai! – Então Hoseok me jogou no meio da piscina. Eu não me desesperei no primeiro momento porque eu fiz o que ele mandou e prendi a respiração. Mas mesmo assim, eu não sabia nadar e tudo ficava mais difícil quando você está cheio de peças de roupa de seu uniforme e sapatos.

 

Bati meus braços e pés na água e consegui emergir. O ar entrou nos meus pulmões com tanta força que eles chegaram a doer. Olhei para Hoseok em desespero enquanto ainda tentava manter a cabeça fora d’água. – Me tira daqui, por favor. Eu não sei nadar.

 

– Mas é assim que se ensina! Minha mãe me ensinou assim. – Hoseok disse com a voz extremamente infantil. – Ela sempre me jogava no rio e mandava eu nadar. Ela dizia: “A melhor forma de aprender alguma coisa é quando sua vida está em risco”. – Eu senti todo o meu corpo pesar, mas mesmo assim, agitava meus braços a fim de continuar emerso. – Eu me afoguei algumas vezes, mas aprendi. Tenho certeza que você não vai morrer tão fácil.

 

– Hoseok. – Eu pedi quando senti que não conseguiria mais me manter ali. Me desesperei assim que percebi que nenhum dos meus esforços adiantavam. Eu estava cada vez afundando mais. Comecei a me debater e usar de todas as minhas energias. Senti meus olhos arderem e tenho certeza que estaria chorando se pudesse. Se eu tentasse gritar, perderia parte do meu oxigênio preciso para que ninguém ouvisse meu pedido de socorro. Se Hoseok não me tirasse dali eu estaria completamente perdido.

 

Meu coração acelerou, meus pulmões já estavam pedindo por renovação de ar e foi nesse momento que minha garganta fechou. Eu precisava subir, mas estava cada vez mais distante do meu objetivo. Senti a ponta dos meus pés tocarem o fundo, eu já estava completamente sem esperanças de sair vivo. Minha visão já estava escurecendo aos poucos quando ouvi um barulho alto fazendo a água na piscina ficar mais movimentada que antes.

 

Eu me forcei a ficar acordado e quando estava prestes a perder a consciência, senti braços envolvendo meu corpo para perto de outro. De repente, lábios vieram em direção aos meus e senti o oxigênio invadindo minha boca e indo diretamente para o meus pulmões. Senti um alívio tão grande que despertei de imediato.

 

Eu não enxergava tão bem as feições da pessoa que pulara para me salvar, mas aqueles fios extremamente vermelhos me davam a certeza de quem era. Abracei seu corpo com a pouca força que tinha, e, meio desajeitado, passou a nadar com velocidade até o topo. Pegou meus braços e praticamente me jogou para cima. Em poucos segundos, estava fora da água, sendo suspendido por Taehyung.

 

Eu nunca me senti tão vivo por simplesmente respirar. Inspirei com força om máximo de ar que conseguia enquanto meu coração voltou a acelerar e a adrenalina voltou a tomar conta do meu corpo. Minha garganta fechou novamente e passei a tossir, mesmo que estivesse fora da água. Deixei as lágrimas do medo descerem pelos meus olhos e dominado pela vergonha, escondi meu rosto no ombro do mais velho. Mesmo depois de tudo o que eu disse a ele, ainda estava disposto a pular na água me salvar.

 

– Obrigado. – Foi a primeira coisa que eu disse, foi bem baixo, mas estava perto o suficiente do ouvido de Taehyung para que ele escutasse. Senti ele apertar meu corpo contra o dele em um abraço. Ele estava trêmulo.

 

– O mundo ainda não está preparado para perder você. Eu não estou preparado para te perder, Jeongguk. – Ele falou com aquela voz grave destruidora de qualquer estrutura. Eu acabei sorrindo com aquelas palavras, mesmo que ele não estivesse vendo, eu me senti muito bem por finalmente saber, por ter certeza, que sou importante para Taehyung.

 

Então, sem saber muito bem o que estava fazendo e porquê, levantei minha cabeça, olhei nos olhos de Taehyung, e juntei nossos lábios. Sim, eu estava beijando Taehyung e não pensei que um ato tão simples seria tão… bom.

 

Eu poderia jurar que nossas bocas se encaixavam perfeitamente porque era como se realmente tivessem sido feitas uma para a outra. Meu corpo começou a esquentar, meu coração acelerou mais ainda e uma sensação muito boa dominou cada uma das minhas células por completo. Eu me sentia satisfeito, me sentia aliviado, eu me sentia feliz.

 

Permiti que alguns dos meus dedos brincassem com os fios de cabelo da sua nuca enquanto permanecíamos naquele selar calmo, sem nenhum movimento nem pensamentos dos que estava acontecendo a nossa volta. Eu apenas estava de olhos fechados aproveitando todas as sensações boas que o ósculo me sujeitava.

 

Era a melhor sensação de todas.

 

Assim que me afastei, logo senti vontade de beijá-lo novamente. Era algo viciante, por algum motivo eu queria mais daqueles lábios, eu queria mais do efeito Taehyung em mim. Porém eu lembrei-me que Hoseok estava presente assim que ele disse: – Aish, Taehyung. Desse jeito ele nunca aprenderá a nadar!

 

Nenhum de nós dois respondeu, eu apenas continuava observando aqueles olhos enigmáticos de Taehyung, sem saber o que estava sentindo verdadeiramente, enquanto me aquecia com aquele corpo de temperatura superior a minha.

 

Eu beijei Taehyung e gostei.

 

> Chapter 20 – Finished <


Notas Finais


Sim, pessoas, o Jeon estava drogadão na festa.
E sim, eles tiveram o primeiro BEIJO AEEEEEEEEEEE POAAR
PODEM GRITAR, BATER PALMAS, CHORAR TUDO. FINALMENTE, VINTE CAPÍTULOS PARA UM BEIJO.

Enfim, espero que tenham pego as referências que joguei no capítulo.
Eu amo vocês.
Beijos de um viciado em TaeKook e escravo de SoonHoon,
Nahu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...