História Blowaster - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Demi Lovato, Fifth Harmony, Selena Gomez
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Demi Lovato, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Selena Gomez
Tags Camren, Semi
Exibições 851
Palavras 6.077
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, FemmeSlash, Fluffy, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OLÁ CARINHAS UHUUUUUUUUUUUUUUUUUUU!!!

Como vocês estão? Espero que estejam bem.

Vamos de tombo, digo, vamos de capítulo?

LEIAM AS NOTAS FINAIS!

Capítulo 17 - Get Out


Lauren mordeu o lábio inferior, abaixando sua cabeça. Não queria encarar Ryan, não conseguiria lidar com o olhar decepcionado dele assim que ela contasse o que tinha feito. Estava sentindo-se a pior pessoa do mundo, além de ser muito irresponsável. Camila estava bem o suficiente para ir embora sozinha? Será que ela conseguiria chegar em casa?

Lauren arregalou os olhos quando sua mente foi tomada por imagens de acidentes. Ela ignorou o chamado de Ryan, passando por ele para chegar ao seu quarto, buscando por seu aparelho celular. Desbloqueou a tela e procurou o contato de Camila, ligando rapidamente. Chamou, chamou, chamou e chamou até a ligação cair.

— Não faz isso comigo. Por favor.

Murmurou para si mesma, transbordado angústia. Ela praticamente mastigava seu lábio inferior, batendo o pé contra o piso de madeira freneticamente enquanto ouvia os bipes da chamada. Lauren apertou o aparelho celular em sua mão, voltando a discar de novo, mas dessa vez a chamada foi recusada. Ela não sabia se poderia suspirar aliviada por aquilo ou se ficava mais preocupada ainda.

“Eu deveria não ligar para ela da mesma forma que ela nunca demonstrou se importar comigo.”, pensou consigo mesma tentando odiar Camila, mas no momento tudo o que queria era uma ligação da latina para saber se ela estava bem.

— Você vai me explicar agora o que está acontecendo? Eu… – Ryan entrou no quarto, os cabelos bagunçados e seu rosto marcado pelos lençóis da cama. Ele umedeceu os lábios, aproximando-se de Lauren e sentando-se ao seu lado na cama. — O que Camila Cabello estava fazendo aqui? Pensei que vocês se odiassem.

Confuso ele indagou, pois não era mistério para ninguém que Camila e Lauren viviam em pé de guerra porque não se suportavam. Era estranho vê-las juntas sem ser em alguma premiação ou outro compromisso. Ryan já tinha servido muitas vezes de ombro amigo para ouvir Lauren xingar a latina de diversos nomes e reclamar do quão egocêntrica ela é.

— Nós ainda não nos gostamos. – ela murmurou após enviar duas mensagens para Camila, soltando um suspiro aliviado ao ver que a latina tinha visualizado. — É uma história longa e conturbada.

— Quer conversar?

Ela negou com a cabeça, bloqueando a tela de seu celular e olhando para ele. Ryan abriu os braços, acolhendo Lauren neles em um abraço apertado.

— Eu só quero dormir e esquecer que essa madrugada foi real.

Resmungou contra o peito dele, fechando os olhos com força. Lauren tentaria esquecer, mas jamais iria esquecer quão nojenta tinha sido ao transar com Camila e depois descartá-la, da mesma forma em que ela sempre abominou; tratando-a como um objeto.

Lauren não iria se perdoar por ter agido como Camila.

Dizem que o karma sempre volta para a gente, não é mesmo?

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Camila fechou a porta de seu apartamento com força, deveria se sentir aliviada por estar em seu lugar sagrado, mas não conseguia. Ela sentiu uma angústia em seu peito, de uma forma que estava a sufocando. “Então é assim que nos sentimos quando somos tratadas como objeto?”, perguntou a si mesma. Ela nunca ligou realmente para essas coisas, todas as mulheres com as quais ela havia dormido, sabiam muito bem que era algo casual e não voltaria acontecer. Talvez algumas vezes, mas nada de compromissos. Ela não podia se apegar a ninguém.

Camila estava indo bem, sua vida pessoal e profissional estava em sincronia e tudo finalmente tinha se organizado. Ela levou oito anos para tornar-se a pedra de gelo em que era hoje, inalcançável, mas bastaram alguns meses convivendo com Lauren que tudo pareceu ter desabado.

Ela nunca tinha se humilhado para alguém daquela forma. E tudo por causa de sexo? Camila sabia que poderia encontrar outra.

Mas ninguém se comparava a Lauren.

Ter a morena por uma noite era como provar uma droga nova. Você vicia logo na primeira vez, e sempre vai querer mais.

— Eu deveria odiá-la. – Camila murmurou para si mesma, retirando suas roupas e fazendo uma trilha delas por seu apartamento. — Ela não merece meus pensamentos. – seu telefone voltou a vibrar, ela revirou os olhos antes mesmo de ver o que era. — E agora fica me ligando sem parar, eu não entendo essa mulher. Lauren deve sofrer algum distúrbio mental.

Resmungou ao recusar mais uma vez a chamada de Lauren. Camila tinha cansado daqueles joguinhos, sempre indo conforme a morena queria. Mas aquilo acabou.

Camila não correria atrás de Lauren nunca mais. Era hora de escolher seu orgulho outra vez.

(•)(•)

Depois de um longo e relaxante banho, Camila deitou-se completamente nua em sua espaçosa cama. Às vezes ela pensava que aquele luxuoso apartamento era grande demais para que ela convivesse sozinha, mas o aconchego que ele a trazia sempre foi maravilhoso. Quando o corretor lhe mostrou aquele lugar, que poderia passar despercebido por todos, ela nem quis saber de outros apartamentos, logo comprando aquele. Era onde Camila poderia ser ela mesma sem precisar usar máscaras, ninguém a incomodaria.

Pegou seu telefone celular, só tinha uma pessoa no mundo a qual ela gostaria de ouvir a voz nesse momento. Ligou ao menos quatro vezes antes de finalmente ser atendida.

— Eu espero que alguém tenha morrido e você me ligou para dizer onde vai ser o enterro, caso o contrário o enterro vai ser seu.

Camila soltou uma risadinha, virando-se de bruços na cama.

— Eu também senti sua falta, Chee.

— Camila pelo amor de Deus, eu estou de folga. O que você quer?

— Queria seu colo. – murmurou, usando e abusando de seu tom mais manhoso para acalmar Dinah. — Você volta quando?

— Esse seu tom de voz… Quem está te tirando sono?

— Ninguém.

— Okay, eu chego amanhã à noite. Você me busca no LAX?

— Claro. Só não demora…

— Eu também amo você, Chancho. Nos vemos amanhã, agora deixa eu voltar a transar.

— Não acredito que empatei sua foda finalmente! A vingança é doce vadia!

Camila gritou em meio a gargalhadas, mas tudo o que recebeu foi o som de chamada finalizada. Continuou rindo, divertindo-se bastante por saber que tinha atrapalhado Dinah da mesma forma em que ela tantas vezes fizera consigo. A latina sentiu-se um pouco melhor, era incrível como sua amiga e agente não precisava fazer muito para deixá-la melhor. Ter Dinah em sua vida é o maior presente de Camila.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Na outra semana, às 09am de uma segunda-feira, Camila chegou ao local onde seria gravada a cena modificada entre Lauren e ela. Tinha passado a noite revisando o roteiro com Dinah e sentia-se mais confiante do que nunca. Seu humor estava incrivelmente bom, mesmo tendo sido acordada cedo por certa agente e sua maldita corneta. Dinah comprou especialmente para acordar a latina toda vez que ela ficasse enrolando para seus compromissos.

— Bom dia, Mila. – Uma das assistentes cumprimentou-a, Camila colocou seus óculos escuros no topo de sua cabeça e sorriu. — Aceita água?

— É um ótimo dia. – pegou a garrafa de água que a assistente lhe estendeu. — Muito obrigada, eu estava mesmo com sede.

— Que milagre você de bom humor. – o sorriso de Camila murchou ao ouvir aquela voz, revirando os olhos ela virou-se na direção de Lauren. — Será que vai chover hoje?

— Não sei, eu por algum acaso sou meteorologista?

Revidou acidamente, um sorriso cínico enfeitando seus lábios. Lauren revirou os olhos, jogando os cabelos por seus ombros. O cheiro deles invadiu as narinas de Camila, fazendo-a prender a respiração para não se intoxicar com aquele aroma delicioso.

— Nossa que garota seca.

Camila abriu a palma da mão e jogou um pouco de água sobre a mesma, logo em seguida fez aquela mesma água respingar em seu rosto. Lauren franziu o cenho.

— Estou molhada o suficiente para você? – questionou cínica, aproximando-se dela para sussurrar: — Ou prefere olhar minha calcinha?

Lauren arregalou os olhos, afastando-se de Camila, que gargalhava, divertindo-se com a situação. O rosto vermelho da morena só fazia a latina rir ainda mais, fazia tempo que ela não a deixava daquela forma e nunca perderia a graça.

(..)

!AÇÃO!

Karma ajeitou seu cabelo, olhando-se através da câmera frontal de seu celular para verificar se continuava devidamente arrumada. Seria apenas uma sessão de filmes com Amy, porém, a morena não poderia estar mais ansiosa. Era sempre tão bom passar algum tempo com aquela latina encantadora e sexy. Tocou a campainha quando finalmente se deu por satisfeita com sua aparência, guardando o celular de volta no bolso de sua calça e esperando pacientemente. O dia estava em um clima fresco, mas começava a esfriar.

Karma queria ser esquentada por Amy.

— Você chegou. – Amy disse assim que abriu a porta e deparou-se com uma tímida Karma em frente à sua porta. Ela sorriu, dando um passo na direção da morena para selar seus lábios aos dela. — Entra, eu aluguei alguns filmes, podemos escolher enquanto a comida não chega.

— Obrigada. – agradeceu Amy ao entrar na casa, observando discretamente em volta e adorando ver que o ambiente era aconchegante. Diferente do que ela pensou, mas tão belo quanto. — Sua casa é muito bonita.

— Não imaginou que fosse assim, imaginou?

Perguntou em meio a um sorriso, tinha notado o olhar surpreso de Karma.

— Okay, eu confesso que esperava algo como cores escuras na parede e pôsteres espalhados por todos os cantos. Mas eu adorei a decoração, bem a sua cara na verdade.

— Estou tentando deixá-la o mais possível parecida com um lar para não sentir tanta falta de casa. – indicou o sofá para que Karma sentasse. — Uh, bem, meu quarto tem alguns pôsteres de banda.

Comentou e deu de ombros, pegando o controle da televisão para mostrá-la os filmes que tinha alugado. Para Amy o comentário tinha sido casual, mas para Karma soou como uma convite. Elas estavam tendo esse lance de ficar e saírem juntas, mas até então nada tinha rolado além de umas boas passadas de mão no banco traseiro de seus carros.

Karma ficou calada, pensando na possibilidade de Amy querer levá-la para a cama. “Meu Deus e se ela não gostar?”, pensava apavorada com a hipótese de decepcionar sua latina.

— O que você disse?

Amy riu da carinha fofa que Karma fez ao demonstrar sua confusão, estava tão concentrada em seu surto interno que nem notou a outra falando com ela.

— Eu perguntei qual desses você prefere?

— Oh… – ela olhou para a televisão, vendo filmes de todos os gêneros. — Hm, eu vou deixar você escolher o primeiro.

— Certeza?

— Sim.

— Tudo bem então. – sorriu, escolhendo um dos filmes que ela estava ansiosa para assistir. — Eu realmente quero ver esse filme.

(..)

— E eu acabei machucando o pulso.

A latina disse, contando como havia machucado seu pulso. Karma olhou penalizada para o pulso enfaixado, delicadamente o segurando e trazendo-o para seus lábios, onde depositou um delicado beijo. Karma sorriu, achando adorável o gesto de carinho da morena.

— Deve ter doído bastante.

— Nem tanto. – fez descaso, ganhando em troca um olhar de deboche. — Tudo bem, doeu como o inferno. Quando meu sangue esfriou foi horrível, eu queria arrancar meu pulso.

— Nossa… Deve ter sido horrível mesmo.

— E foi… – buscou fôlego, escorregando mais para baixo, fazendo com que Karma ficasse praticamente toda por cima dela. — Mas ainda bem que tenho você para cuidar de mim.

Karma abriu um enorme sorriso, virando-se para ficar de frente. Seus olhos se encontraram, Amy ajeitou a delicada presilha na lateral esquerda da cabeça da morena, arrumando seus longos cabelos.

— Eu sempre vou cuidar de você.

Sussurrou antes de se inclinar e tomar os lábios de Amy com os seus, beijando-a com todo o amor.

____

!CORTA!

Camila puxou bruscamente sua cabeça para trás ao ouvir o diretor dar fim aquela cena, soltando seus lábios dos de Lauren. O ato foi tão rude e repentino que deixou a morena atordoada, principalmente quando a latina fez questão de jogá-la no sofá e levantar.

— Preciso escovar os dentes antes de pegar o vírus da chatice.

Sorriu de forma amarga para Lauren, saindo dali para ir em direção a porta de saída da casa. Todos ficaram confusos, nas cenas de beijo alguém sempre tinha que parar Camila e hoje ela simplesmente tinha levantado e saído. Lauren se recompôs, sentando-se no sofá para recuperar seu fôlego e a dignidade.

“Parece que voltamos ao início.”, pensou consigo mesma ao notar que Camila tinha outra vez se fechado naquela concha inquebrável. Bem, não era problema de Lauren mesmo, ela só tinha a agradecer por não ter que se preocupar mais com a latina e suas ações inesperadas.

Ela finalmente poderia viver sua vida em paz, não poderia?

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Não somente Camila, mas Lauren também gravou outras duas cenas naquele mesmo dia, separadas. Tinha anoitecido quando a morena chegou ao seu apartamento, não encontrando sinal algum de Ryan. Ele poderia ter saído para comer alguma coisa, ou resolver algo na gravadora.

**************

A latina estava terminando de vestir-se quando ouviu o toque estridente de seu celular. Ela grunhiu e vestiu rapidamente a blusa cinza em suas mãos, andando energicamente em direção ao seu criado mudo, onde o aparelho celular preto vibrava sem parar. Ela não queria falar com ninguém, estava exausta e gostaria de apenas dormir. Seus olhos não acreditaram ao ler o nome na tela, “Lauren.”

“Isso é algum jogo comigo?”, Camila se perguntou antes de deslizar o dedo na tela e levar o aparelho até sua orelha.

— Camila?

— Ah... Eu...?

Ela estava confusa, um tanto intrigada e bastante curiosa. Pensou ter deixado claro mais cedo que não queria contato algum com Lauren, da mesma forma que a morena tinha deixado claro que apenas falaria com Camila quando fosse sobre o trabalho ou extremamente necessário.

— Eu quero te ver. – a voz da morena não passa de um sussurro, Camila pressiona os olhos, incrédula. “O quê?”, pergunta a si mesma. — Por favor, eu só quero ver você... Eu preciso.

Eu preciso. Essas duas simples palavras ecoam na mente de Camila, ela precisa... Mas como infernos ela precisa? Lauren tinha a chutado de sua vida, tratado-a da pior forma possível. Como raios ela precisava vê-la agora?

— Isso é algum tipo de brincadeira idiota sua? Se for, não tem a mínima graça.

— Você é desconfiada demais. – Suspirou antes de retomar sua fala — Eu quero muito te ver. Está em casa?

— Eu... sim...

Respondeu por fim, soltando o ar de seus pulmões e abaixando os ombros. Lauren enlouqueceria Camila, aquilo era uma certeza. Quando a campainha do apartamento da latina tocou, ela por um momento travou no lugar. Quem subira até ali sem ser anunciado?

— Lauren eu vou ter que des-

— Abra a porta!

Ela cortou Camila, que pressionou os lábios. Sua mente trabalhando furiosamente para assimilar aquela... Ordem?

— Mas o que... Você ouviu a campainha tocar?

Indagou confusa e Lauren bufou, estava impaciente com a lerdeza de Camila.

— Camila, abra a porta. Eu não vou ficar aqui parada a noite inteira.

Os olhos da latina arregalaram-se. Seu coração deu um solavanco dentro do peito para logo em seguida disparar em batidas frenéticas. “Como. Ela. Descobriu. Onde. Eu. Moro?”, ela não conseguia e nem queria acreditar que Lauren realmente estava ali, parada no corredor esperando Camila abrir a porta. Aquilo não poderia ser real.

Camila tirou o aparelho da orelha e caminhou energicamente em direção à porta, contou até 10 antes de girar a maçaneta e...

— Não pode ser...

Murmurou abismada, ela realmente estava ali. Lauren tinha em seus lábios pintados de vermelho, um sorriso charmoso e ao mesmo tempo safado. Camila não conseguia desviar o olhar de seus lábios, mas ela só conseguia questionar a si mesma como infernos Lauren tinha chego até ali. Não era possível que a morena soubesse de seu apartamento, somente se uma de suas amigas tivesse contado.

“Selena...”, Camila pensou na mais provável e ela mataria sua melhor amiga.

— Não vai me convidar para entrar? Achei que fosse mais educada.

Cruzou os braços, lançando um olhar provocante para a latina. Camila forçou uma tosse e se recompôs; hesitante sobre deixar Lauren entrar ou não.

— Ok... Explique-me como você conseguiu descobrir onde eu moro, e porque você veio aqui.

Camila também cruzou os braços, apoiando seu ombro esquerdo no batente da porta e encarando amorena. Ela tentou não demonstrar, mas estava tremulando de nervoso, talvez com receio do que a outra tinha ido fazer ali. Lauren tem esse efeito sobre ela, deixá-la nervosa apenas com sua presença.

— Posso entrar pelo menos? Eu quero muito me sentar. – Fez uma carinha pidona, Camila revirou os olhos, dando um passo para trás deixando um espaço para que a morena passasse. — Nossa... Esse lugar é incrível.

Elogiou boquiaberta, olhando admirada em volta. Era um lugar enorme e todo bem decorado, além de extremamente luxuoso. Camila sorriu orgulhosa, tinha prazer de dizer que cada coisa ali tinha sido comprada por ela mesma.

— Eu sei que é. – Lauren revirou os olhos ao ouvir aquilo. “Egocêntrica.”, pensou zombeteira. — Mas com toda certeza não foi para elogiar minha casa que você veio aqui. – fechou a porta atrás de si, bloqueou a tela de seu celular e o guardou no bolso da frente do short. — O que você quer Lauren?

— Você!

Respondeu direta, sem hesitar. Camila levantou as sobrancelhas, surpresa. Parecia como se o jogo tivesse virado.

Então agora Lauren iria atrás dela?

— Como...?

Fingiu não ter entendido apenas para ouvir outra vez e ter certeza de que não estava enlouquecendo e ouvindo coisas.

— Eu. Quero. Você.

A cada palavra dita, Lauren deu um passo, ficando a poucos metros de distância de Camila. A latina tragou a saliva acumulada em sua boca.

— Isso é piada, não é?

O olhar de Lauren tornou-se sério, ela observou Camila durante alguns segundos antes de cortar a sala e parar em frente a latina. Suas respirações praticamente se fundindo.

— Eu estou aqui. – cautelosamente levou sua mão direita até o rosto da latina, acariciando a bochecha da mesma. Camila fechou os olhos e suspirou, não queria se render, mas era Lauren ali. — Falo sério, eu quero você.

Colocou a mão esquerda também, deixando assim o rosto da latina entre suas mãos. Deu um passo para perto, ficando com o rosto a milímetros da latina. Camila abriu a boca para tentar falar algo, mas calou-se ao se dar conta de que não sabia o que falar. Lauren abriu um sorriso fofo e Camila sentiu o ar sumir de seus pulmões quando a morena inclinou-se para frente, diminuindo cada vez mais a distância entre os lábios de ambas. Ela sentia o ar quente bater contra seu rosto e o hálito fresco que escapava da boca de Lauren.

— Depois conversamos. – sussurrou sob os lábios da latina, que arfou. — Prometo que respondo qualquer coisa que quiser me perguntar, apenas... Deixe-me...

Camila agarrou na nuca de Lauren e pressionou seus lábios nos dela, cortando sua falta. Ela arfou e se entregou ao beijo, deixando que a latina maltratasse seus lábios daquele jeito delicioso que ela adora. Lauren agarrou o rosto de Camila com mais força, soltando o ar pesadamente por suas narinas antes de abrir a boca e dar passagem à língua da latina, que rapidamente tomou conta de sua boca.

Camila gemeu baixinho em meio ao beijo, mesmo tendo beijado Lauren mais cedo durante as gravações, nada poderia ser comparado a um beijo real. Tinha toda uma coisa diferente, parecia melhor.

Viciante.

— Onde... Fica – a voz da morena saiu meio estrangulada por entre o beijo afoito que as duas trocavam. — Seu quarto... onde fica?

Conseguiu perguntar ofegante após Camila quebrar o beijo e olhou para a latina, seu rosto estava um pouco vermelho e Lauren tinha certeza que o dela não deveria estar diferente.

— Vem.

Segurou na mão da morena e saiu puxando-a em direção a um extenso corredor com várias portas. Camila entrou na última, Lauren não tivera tempo de observar bem o quarto, logo suas costas estavam colidindo com a porta e seus lábios sendo outra vez tomados pelos da latina. Ela fechou os olhos, resfolegando.

— Espera. – Lauren parou a latina, que já segurava sua perna esquerda flexionada no ar, pronta para enlaça-la em sua cintura. Camila olhou-a sem entender, ofegando. — Tem algum rádio aqui?

Camila pressionou os lábios e juntou as sobrancelhas, confusa.

— Hã... Tem, tem sim. Está ali... – Apontou em direção ao home teather de seu quarto, Lauren separou-se dela e caminhou na direção que havia apontado nem deixando Camila terminar de falar. — Perto da televisão. Pode usar se quiser.

Completou baixinho, sem entender as intenções dela e foi em direção a cama. Sentou-se na beira da mesma e ficou a observar cada movimento da morena, que retirou seu Iphone do bolso e conectou-o no estéreo. Lauren mexeu em algumas coisas, e sorriu ao achar o que procurava. Logo o som da música ressoou pelo quarto e a morena abriu um enorme sorriso. Camila ainda a observava de costas, começando a entender seu plano.

Lauren vestia um blazer preto, virou-se de frente para a latina segurando na gola do mesmo. Camila engoliu a seco; sua boca foi abrindo-se lentamente quando a realização começou a cair sobre si. Ela realmente iria ganhar um lap dance.

— Está se perguntando o que eu irei fazer, certo? – Camila assentiu, apertando a colcha entre seus dedos e observando Lauren caminhar até si. — Eu pensei em te fazer um lap dance, apenas para te provocar. – comentou pensativa e Camila sentiu seu estômago revirar, a imagem de Lauren lhe fazendo um lap dance era deveras excitante. — Mas aí eu pensei. – parou em frente à cama e pôs sua mão direita em seu queixo para dar ênfase em sua fala. Olhou para Camila e abriu um sorriso lascivo antes de completar: — Por que não fazer logo um strip-tease? Assim eu poderei ter suas mãos me tocando enquanto danço. – mordeu os lábios de uma forma sensual. — Eu quero que você me pegue com força. Como só você sabe Camila.

Camila até tentou conter-se, mas sua expressão deixou claro quão abalada ela tinha ficado com aquilo. Lauren sorriu, satisfeita com o que estava causando na latina. A música, que estava para repetir, voltou ao início. Ela aproveitou para começar, estava na hora.

Levou as mãos até os botões de seu blazer, desabotoando um por um sem quebrar o contato visual com a latina. Os nós de seus dedos já estavam sem cor, sua pulsação acelerando conforme a morena desabotoava seu blazer. Camila a observou começar a rebolar seu quadril, movendo-o para um lado e para o outro, deslizando o blazer por seus braços até retirar a peça, jogando-a para trás em seguida.

Camila mordeu o lábio inferior com força, travando o gemido satisfatório ao ver como a morena estava vestida. Lauren trajava uma calça social preta colada no corpo, uma blusa também social de botões por dentro da calça e um suspensório completava o look.

“Gostosa”, Camila concluiu em pensamento.

Lauren levou suas mãos até os cabelos de sua nuca, levantando-os e deixando aquele local exposto. Camila lamentou o fato de a morena estar virada de frente para ela, uma das coisas que a latina mais gosta em Lauren, é sua nuca. Como se fosse capaz de ouvir os pensamentos da latina, a morena ainda rebolando começou a rodar, ficando então de costas para a latina.

— Porra!

Camila soltou exasperada, seus olhos cravaram na bunda da morena, que se movia de um lado para o outro. “Tão redondinha e durinha, ugh”, ela desejava internamente poder toca-la e estapeá-la. Lauren jogou os cabelos para o lado, olhando para a latina por cima do ombro. Ela sorriu e piscou antes de começar a descer até o chão requebrando os quadris com vontade. Camila fechou suas pernas, pressionando suas coxas para aliviar a pressão que se instalara ali. Lauren subiu e desceu, fingindo sentar e levantar. Camila engoliu a seco mais uma vez, ela iria morrer.

Lauren então começou a abrir os botões de sua blusa social e após tê-la aberta, ela então apoiou suas mãos em seus joelhos e levantou-se, empinando bem a bunda na direção de Camila. Queria deixá-la louca e estava conseguindo.

Camila abanou-se quando a morena virou de frente outra vez, a blusa aberta agora lhe dava uma bela visão da barriga dela, fazendo-a ter vontade de lamber. A latina endireitou-se sobre o colchão, olhando Lauren de cima a baixo e chamou-a com o dedo. A morena sorriu, sabendo que a latina estava cedendo e se deixando levar.

Lauren puxou Camila mais para a borda da cama, ficando de pé entre as pernas dela.

— Gostosa. – sibilou levando as mãos até as coxas ainda cobertas pela calça da morena. Lauren sorriu, puxando as alças do suspensório para os lados. Ela segurou na barra da blusa, pronta para retirar parte da peça que estava por dentro da calça, porém foi parada pela mão de Camila, que lhe sorriu antes de puxar com violência a peça para fora da calça, fazendo-a arfar. — Bem melhor.

Terminou de retirar a blusa da morena, sem nem se importar se estava sendo rude demais ou não. Ela só não sabia que Lauren estava gostando de tudo aquilo, principalmente da força que Camila usava para tocá-la.

— Aprecie. – piscou para a latina, apoiando-se nos ombros dela e se pondo de joelhos sobre a cama, ficando por cima dela. Camila levou suas mãos até a bunda de Lauren, onde ela apertou com vontade. — Mais forte, aperta com toda sua força.

Lauren pediu, apesar de ter soado como ordem. Camila não demorou a executar o pedido da morena, apertando com extrema força aquela bunda atrativa e durinha. Camila segurou na cintura da morena e inclinou seu tronco para frente, tocando superficialmente o abdômen dela com seus lábios. Lauren arfou, levando a mão direita até os cabelos da nuca de Camila e pressionando o rosto da latina contra si.

Camila pôs a ponta da língua para fora e rodeou o umbigo da morena, fazendo-a estremecer. Ainda deslizando sua língua pela barriga de Lauren, ela foi subindo e descendo pelos gominhos discretos, descendo até a barra da calça e voltando a subir até o umbigo.

— Me pega com força, eu não quero suavidade. – Lauren sussurrou rouca, empurrando a latina para trás e deitando-a sobre a cama. Camila arfou quando a morena sentou bem em cima de seu sexo. — Você vai?

— O quê?

Lauren revirou os olhos pela falta de atenção da latina, ela então segurou com força no queixo de Camila e a fez olhar em seus olhos.

— Vai me pegar com força?

Camila praticamente rosnou ao ouvir aquilo, segurando na nuca da morena e puxou-a para um beijo voraz. Lauren gemeu entre o beijo ao sentir o tapa que Camila dera em sua nádega esquerda, a latina sorriu, adorando ouvir aquele som. Fez o mesmo do outro lado, ganhando mais um gemido em troca.

— Me mostre o que você tem, então eu mostrarei o que eu tenho.

Camila voltou a deitar, um sorriso brincava em seus lábios. Lauren passou a ponta da língua sobre seus lábios ressecados, balançando a cabeça em sinal de confirmação. Ela aceitaria o desafio da latina.

Lauren ajoelhou na cama, logo em seguida se pondo de pé. Camila apoiou-se em seus cotovelos, para poder ver melhor o que a morena faria. Lauren abriu o único botão de sua calça, deslizando o zíper para baixo sem quebrar o contato visual e sem parar os movimentos sincronizados de seu quadril, ela foi andando para trás, até saltar da cama e para de pé em frente à cama. Camila não desviava o olhar dela, atenta a cada movimento.

— Eu lembro que você adora quando eu uso vermelho. – o corpo de Camila enrijeceu ao ouvir aquilo. Definitivamente Lauren de lingerie vermelha era a cena mais bela que vira até hoje. — Eu comprei esse conjunto pensando justamente em você.

Virou-se de costas para poder retirar sua calça, puxando-a por suas pernas e empinando bastante sua bunda conforme ia descendo a peça. Camila sentou-se para poder ver melhor e quase morreu; surpresa com o tamanho minúsculo da calcinha que a morena estava vestida. Lauren olhou para trás ainda abaixada, sorriu para a latina antes de voltar a ficar de pé. Estava adorando vê-la tão rendida aos seus encantos.

— Uma pena eu ter que rasgar uma peça tão bonita assim. – Camila comentou apontando em direção à calcinha de Lauren, que mordeu o lábio em resposta. — Quanto tempo mais irá me torturar?

Sua voz era quase um lamento e Lauren fingiu pensar, mas logo em seguida abriu um sorriso. Chamou a latina com o dedo e depois apontou para o chão. Camila franziu o cenho.

— Nos seus joelhos, aqui! – apontou outra vez para o chão, mostrando onde a queria. Camila prontamente obedeceu, arrastando-se sobre o colchão até estar na ponta. Ela desceu sem deixar de olhar para o rosto da morena, que sorria. — Incline a cabeça para trás.

Ordenou e a latina obedeceu outra vez. Lauren sorriu, satisfeita ao vê-la tão submissa aos seus comandos. Rasgue, foi o sussurro dela para Camila, que não hesitou ao segurar no centro da calcinha, puxando a peça para lados opostos e fazendo-a se partir em dois.

— Seu sutiã.

— O que tem ele?

— Tire-o.

Pediu. Lauren concordou com a cabeça e levou as mãos até suas costas, rapidamente abrindo o fecho de seu sutiã e retirando a peça, jogando-a para trás. A música ainda tocava, apesar de estar num volume médio era possível ouvir a respiração descompassada de Camila. Lauren pôs seu pé direito sobre o colchão, ficando assim aberta para a latina, que sentiu a boca encher-se de água ao sentir o cheiro feminino que a boceta da morena exalava.

— Me chupa, mas bem gostoso. Faz do jeito que só você sabe... chupa essa boceta com vontade.

A voz de Lauren soou um tanto como uma atriz pornô, o tom gemido e rouco enlouqueceu Camila, que sem pensar duas vezes, segurou nas nádegas da morena e pressionou-a contra sua boca. As duas gemeram com o contato, o da latina saiu mais abafado por conta de estar com a boceta de Lauren em sua boca. Ela segurou nos cabelos da latina, no topo de sua cabeça, puxando alguns fios entre os dedos e jogou a cabeça para trás, gemendo o nome de Camila. Isso só deu mais gás à latina, que sugou o clitóris da morena para dentro de sua boca, chupando-o com força até que suas bochechas ficassem côncavas e soltando-o em seguida, para logo repetir o mesmo movimento.

Camila passou o ombro por debaixo da coxa esquerda de Lauren, ficando então ajoelhada atrás da morena. Ela olhou para cima apenas para ser contemplada pela bela visão da bunda da morena. Lauren olhou para trás por cima de seu ombro, seus olhos encontraram-se com os da latina, que sorriu antes de fazer sinal para que a morena se curvasse. E assim ela fez, apoiando suas mãos no colchão e empinando sua bunda, ficando praticamente de quatro para Camila.

— Eu amo sua bunda, ela é tão... – Interrompeu a si mesma, desferindo um tapa firme contra a nádega esquerda da morena. Lauren gemeu, encolhendo seu corpo, para logo em seguida se oferecer para a latina outra vez. Camila sorriu. — Você, não adora? Adora apanhar. Você é uma safada, gostosa.

Lauren ronronou com as palavras da latina, balançando seu quadril para um lado de para o outro. Camila rosnou, separando as nádegas de Lauren e afundando seu rosto na brecha entre elas, sua língua foi certeira no pequeno orifício, arrancando um alto gemido da morena, que empurrou o quadril para trás. Camila deslizou a língua para baixo, brincando com os pequenos lábios, em seguida tremendo-a sobre o clitóris inchado da morena. Tornou a subir e parou na entrada de Lauren, que empurrou o quadril para trás outra vez, gemendo alto ao sentir a língua de Camila penetrá-la.

— Assim... desse jeito.

Lauren suplicou, sem parar de mover seu quadril para frente e para trás. Camila estava adorando aquilo e levou seu polegar até o clitóris da morena para acariciá-lo. A morena gemeu com aquilo, era uma sensação esmagadora ser masturbada enquanto era penetrada. Camila abriu mais sua boca, expondo mais sua língua e empurrando-a para dentro da morena. Lauren apertou a colcha da cama entre seus dedos, deixando os nós deles quase sem cor.

— Sua boceta é uma delícia. – Camila comentou ao retirar sua língua de dentro da morena. Ela levou seu dedo indicador até a entrada de Lauren, penetrando-a rapidamente. A morena soltou um palavrão seguido de um gemido por conta da invasão repentina. — Mmmm... Sente como sua boceta engole meu dedo, sente...

Dentro, fora, dentro, fora. Camila penetrava Lauren lentamente, porém com a força necessária que a morena queria, arrancando gemidos altos dela. Num puxão só, a latina retirou o dedo de dentro de Lauren, levando-o até sua boca, e chupando-o em seguida.

Camila até fechou seus olhos para apreciar melhor o gosto da morena.

— Uh... Camila, não! - Lauren reclamou ao sentir o polegar da latina rodear o pequeno orifício entre suas nádegas. Camila soltou uma risada nasal e não respondeu de primeira, levou sua boca até o clitóris da morena e o chupou com força. — Sim...

Camila acabou dando uma risadinha pela bipolaridade da morena. Ela usou a mão direita para separar melhor as nádegas de Lauren, expondo melhor a boceta de morena. Camila arfou enquanto masturbava com rapidez o pequeno orifício entre as nádegas de Lauren, que ronronou, sentindo um arrepio cortar sua espinha com a nova sensação. “Ela sabe o que faz... Tão bem”, concluiu em seu pensamento, qualquer receio tinha desaparecido.

— Eu sabia que iria gostar. – Camila comentou sem parar de masturbá-la e Lauren apenas assentiu com a cabeça, incapaz de conseguir dizer alguma coisa. — Empina mais. Isso.

Camila voltou a chupá-la, sem parar os movimentos de seu polegar. Lauren sentiu suas pernas bambearem e uma pressão mais do que conhecida concentrou-se na entrada de sua boceta. Seu clitóris começou a pulsar, e então ela se desfez na língua da latina, que sedenta, sugou tudo que ela lhe dera.

Após terminar de beber cada resquício do gozo de Lauren, a latina se pôs de pé atrás dela, segurando com força nos cabelos da nuca da morena e puxou-a para cima.

— Nós ainda não acabamos. – Sussurrou no ouvido dela, sua mão livre indo até o seio esquerdo da morena, apertando-o com força. — Eu disse e repito: mostre-me tudo o que você tem.

_______

Respirações alteradas, corpos suados e pernas entrelaçadas. Era assim que se encontravam as duas. Olhando para o teto e refletindo sobre a sessão de foda que acabaram de ter.

Aquilo sim era foder, Camila pensava.

“Foi o melhor sexo da minha vida.”, Lauren não duvidava daquilo. Realmente tinha sido o melhor sexo de sua vida.

Camila então começou a pensar demais e as imagens e palavras que Lauren lhe dissera estavam voltando em sua mente com toda força. Ela balançou a cabeça, uma, duas... seis vezes e nada. Os pensamentos continuavam ali. Ela levantou-se de supetão, tirando as pernas da morena de cima das suas. Lauren franziu o cenho, confusa com o ato de Camila.

— O que houve?

Perguntou receosa, sabia que havia chegado o momento de conversar com Camila. Aquela era a hora da verdade.

— Me diz. – Passou as mãos no rosto. — Mas me diz a verdade. O que veio fazer aqui?

Sua estava baixa, porém firme. Lauren soltou um longo suspiro, enrolando-se no lençol e sentou na cama.

— Vim ver você, eu lhe disse antes.

Camila sorriu ironicamente e alisou sua nuca, levantando-se da cama.

— Não seja engraçadinha, Lauren. – Pediu perdendo todo e qualquer resquício e paciência. — O que veio fazer aqui depois de toda aquela merda que você me disse?

Travou a mandíbula, fitando a morena com ódio. Lauren engoliu a seco, sentiu-se pequena sobre aquele olhar. Ela abriu a boca diversas vezes, buscando alguma justificativa. Apesar de saber o motivo de estar ali, era difícil admitir.

— Camila, eu...

— Você...?

Encorajou-a, curiosa e ansiosa pela resposta.

— Eu...

— Lauren?

Chamou, mas não obteve resposta.

— Lauren!

Um grito a fez saltar na cama, ofegando e confusa. Assustada ela piscou diversas vezes, focando sua visão e assustou-se ao ver um Ryan ajoelhado sobre seu corpo e segurando seus ombros.

— Mas o que...

— Você está tendo um pesadelo?

Ela fechou os olhos com força, sentindo vontade de sumir. Não poderia ter sido apenas um maldito sonho.

— Eu... sim. – mentiu, não querendo comentar mais sobre isso. — São que horas?

— Pode dormir outra vez, o dia não amanheceu ainda. Vem, deita aqui.

Lauren praticamente jogou-se nos braços de Ryan, afundando seu rosto no peitoral do britânico e fechando os olhos com força.

“Saí da minha cabeça!”, ela desejou em pensamento.

Não aguentaria ficar sonhando daquela forma com Camila.


Notas Finais


Oops I did it again....hahaha!

Como estamos? Tombo gostoso, hein?

Enfim... Bem, primeiramente obrigada por tudo, vocês são incríveis. Agora vamos falar sobre uma coisa aqui, eu não to fazendo a Camila se humilhar, estava assim na primeira versão só que a Camila dessa versão é menos escrota que a da primeira por isso eu entendo a compaixão de vocês. Porém, calma, todo mundo já fez isso uma vez na vida ou vai fazer, mas chega uma hora que a gente cansa de só correr atrás e não receber nada, certo?

Bem, era assim que pensei na história da primeira vez, acho que estou conseguindo levar de boa. Eu fiz as coisas muito cedo na antiga versão, agora to tentando ir com um pouco mais de calma e explicar tudo melhor. Elas ainda vão se alfinetar muito antes de notarem algo aí... não disse o que.

Vejo vocês em breve amores, keep streaming that's my girl! ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...