História BodyGuard [Hiatus] - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Jikook, Jimin, Jungkook
Visualizações 2.852
Palavras 4.455
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


LEIAM AS NOTAS FINAIS
BOA LEITURA~
#Especial 4K
SOMIAH TI LOVE

Capítulo 33 - Capítulo XXXIII


Fanfic / Fanfiction BodyGuard [Hiatus] - Capítulo 33 - Capítulo XXXIII

Por mais que tentasse não demonstrar tão nitidamente sua ansiedade, os olhos de Park Jimin não o deixava enganar. Ele encarava o garoto em sua frente de forma intensa, buscando entender o que se passava na mente daquele tão absorto em devaneios. O sorriso inusual e safado ainda moldava-lhe os lábios, porém daquela vez parecia mais simples do que segundos anteriores quando a ficha ainda não havia caído.

Embora quisesse compreender os pensamentos alheios, os seus próprios estavam vagos. Não havia incerteza e nem mesmo aquela sensação que sempre lhe atingia em momentos como aquele; aquela necessidade gritante de parar por saber do erro que seria. Não existia mais erro, afinal. Não era errado querer criar novas experiências com o próprio namorado, isso Jimin foi descobrindo aos poucos durante aqueles curtos dias que passara com o mais novo.

Mesmo não tendo em mente apressar as coisas, uma vez que sua vontade era conhecer cada parte de Jungkook pouco a pouco, bem devagarinho para que pudesse apreciar cada nova descoberta, o ruivo sentia-se tentado a aprofundar aquela reação. Não só no quesito “conhecer” o outro — de várias formas —, mas também no sentido literal da palavra.

A mesma vontade que tinha de saber sobre os gostos, os medos e as inseguranças do parceiro, ele também tinha de saber sobre os desejos e fetiches daquele. Enquanto observava-o em silêncio, sua mente — que até então estava neutra; mais quieta do que o cômodo — se pôs a trabalhar. Afinal, o que levaria Jungkook ao céu e ao inferno além da boca do namorado? Porque claro que Jimin havia percebido sobre o quão derretido o mais novo ficava sempre que tinha seus lábios tocando-lhe a pele. Seus beijos pareciam sempre surtir um efeito satisfatório no moreno, não precisava de muito para perceber aquele fato. No entanto o ruivo queria saber mais. Queria descobrir coisas que ainda estavam um pouco cedo para descobrir, mas que não lhe deixavam a mente, dantes mesmo daquela relação ter se oficializado. A diferença era que antes ele sentia-se horrível por pensar tanto sobre coisas obscenas direcionadas ao filho de seu patrão, porém agora havia apenas curiosidade e a certeza de que não era tão horrível assim se imaginar em momentos íntimos com o cara que desejou por tanto tempo, ainda que se limitasse a apenas apreciá-lo de longe. O que antes parecia somente desejo carnal, agora era certeza de que havia muito além disso.

Naquele instante, vendo-o tão sereno e pensativo; Jimin concluiu que não tinha como não ter se apaixonado.

— Ei… — Jimin chamou pelo maior, levando a mão até o queixo do mesmo e fazendo-o olhá-lo. Não deixou de notar a hesitação e o medo de errar nos orbes escuros e brilhantes que agora fitavam-lhe. — Não precisa fazer se não estiver preparado.

A verdade é que Jungkook estava preparado, só que também estava inseguro. Os segundos que usara para ponderar havia lhe feito questionar-se sobre como seria fazer algo tão íntimo como aquilo. Não era experiente, sequer havia imaginado-se em uma situação similar e aquilo apenas aumentava o seu desespero. Embora parecesse ser fácil — era só chupá-lo... afinal, tinha o quê de difícil nisso? — na mente do moreno não era tão simples assim. Jimin poderia não gostar da sua maneira de usar a boca para satisfazê-lo e aquilo poderia comprometer o namoro de ambos, era sobre isso que o Jeon pensava. Não queria um término indesejável por motivos tão frívolos como este, sobretudo era difícil não pensar naquela possibilidade. Se fosse para se arriscar, arriscar aquele relacionamento, então teria que dar o melhor de si.

Teria que se tornar um profissional em boquete, se fosse necessário.

— Shh… — Jungkook murmurou determinado enquanto sorria de forma devassa. — Vou te provar que fez uma ótima escolha ao aceitar o meu pedido de namoro. — Disse sem pensar, apenas proferindo o que lhe veio à mente simultaneamente.

Jimin abriu a boca surpreso, mas logo estava sorrindo de volta; com os olhos desaparecendo e os dentinhos tortuosos se tornando visíveis. Tragou o ar com força, enchendo os pulmões antes de deitar-se novamente no encosto do sofá. Não sentia-se preparado para o que viria a seguir, todavia gostaria de ter aquela nova descoberta, afinal já pegou-se imaginando aquela cena tantas vezes que pareceu saber de cor o que aconteceria. Embora jamais fosse admitir, tinham momentos em que ele também conseguia ser um pervertido — igualmente ao mais novo, este que não sabia como esconder seu lado impudico —, mesmo que silenciosamente.

— Então prove... estou ansioso por isso.

Aquilo havia sido, definitivamente, o estímulo que Jungkook precisava para colocar suas palavras finalmente em prática. Após um suspiro longo, suas mãos moveram-se ligeiramente pelas coxas — cobertas pelo short vermelho fino — do ruivo, criando um caminho lento até o cós da peça para que ela fosse retirada do corpo alheio. Seu olhar não tardou subir tronco acima, parando somente no rosto sereno daquele que estava sentado. Jimin parecia tão calmo e despreocupado que toda aquela insegurança do mais novo pareceu simplesmente não existir. Mesmo que ainda houvesse sombras de receio, do medo de errar; algo ali falava mais alto naquele instante.

O desejo de colecionar novas expressões no ruivinho.

Até aquele momento Jungkook sequer havia percebido sobre o quanto seus dedos tremiam, assim como não percebeu que havia fechado os olhos com força quando desceu ambos os tecidos baixos do namorado corpo à fora, mas acabando por parar no meio das coxas por falta de coragem e vergonha de prosseguir com o ato.

Bem devagar seus olhos foram se abrindo, um rebuliço formando-se em mente por conta das várias cenas que havia acabado de imaginar ao se tratar de ter um Park Jimin pelado — ou quase — frente à frente. Soltou o ar dos pulmões, que só então percebeu que havia prendido-o, ao vislumbrar o que tanto almejou há tanto tempo.

Foi despudoradamente que seu olhar caiu sobre a parte íntima de Jimin; fazendo-o ter o vislumbre da pele claro do outro, mais alva do que o comum, além do membro semi-ereto torneado por veias levemente saltadas. Jeon se sentiu a pessoa mais pervertida do mundo ao reparar tanto detalhes, no entanto ele cuidou de certificar-se de saber até sobre a cor da glande alheia.

Pareceu até tentadora a ideia de ter aquilo entrando e saíndo de sua boca, tocando-lhe a garganta e besuntando-lhe os lábios finos. Ao mesmo tempo em que era estranho se imaginar daquela forma, com outro homem, mesmo depois de toda aquela auto-aceitação que tivera quando resolveu assumir seus sentimentos. Ainda era complicado pensar em um “eu” apaixonado, tão perdido naquelas sensações que o tornara escravo. Jungkook sabia que, se Jimin quisesse, não precisaria mais do que um estalo de dedos para tê-lo de todas as formas possíveis. Era o tão familiarizado trouxa, com todas as características que o termo possui.

Porém Park Jimin era diferente, e jamais se aproveitaria de sua tão inusual fraqueza.

O ruivo ainda mantinha os olhos fechados quando o toque dos dedos quentes foram de encontro com sua pele flácida, dedilhando bem lentamente seus testículos, como se estivesse os conhecendo primeiramente. Ele até cogitou abrir os olhos para encarar a cena do maior brincando com suas bolas, todavia ainda não sentia-se psicologicamente preparado. Ainda que fosse vergonhoso estar tão exposto daquela forma, era aconchegante saber quem estava a apreciá-lo.

Não era qualquer um.

Era o seu namorado.

— Eu não sei o que fazer aqui… — Jungkook comentou envergonhado, não sabendo por onde começar. Quando elaborou mentalmente as cenas, os passos pareciam mais fáceis. Agora, estando ali, as peças do quebra-cabeça não se encaixavam corretamente. Ele não sabia como começar a montá-lo. — Por onde eu devo começar? — Era macio e engraçado dedilhar aquela parte do corpo alheio.

Park sabia que o outro estava tendo dificuldades, por isso seus olhos foram abertos para observá-lo e guiá-lo.

Seria o mestre ali, naquele instante.

Sua destra caminhou primeiramente sob os fios negros, as pontas dos dedos massageando a nuca do outro. Sobretudo não demorou para que o carinho escorregasse pelo rosto, massageando a bochecha até parar no maxilar de Jungkook; ali da qual foi segurado com certa firmeza e suavidade. Ele parou um pouco, apreciando o lábio inferior avermelhado sendo mastigado pelos dentes do mais novo, deixando claro todo o nervosismo sentido. Era uma cena graciosa, na concepção do segurança.

Jungkook então teve o rosto suspenso, de maneira leve e delicada da forma que Park Jimin costumava ser em seus atos. Notou que o mais velho havia curvado o corpo, aproximando ambos os rostos de repente. Também foi de repente quando a mordida em que dava em seu próprio lábio foi substituída pela lambida suave de Jimin — que lhe causou arrepios — antes de um beijo rápido e um pouco alvoroçado ter dado início.

O descontento veio quando o ato foi findado, mas não demorou para que os arrepios retornassem. Ao pé de seu ouvido, a respiração desconforme alheia roçava-lhe a pele.

— Não precisa ficar tão tenso, afinal não há segredo algum nisso. Apenas faça, hm? Deixe os seus instintos guiá-lo. Eu tenho certeza que vai se sair bem. — Tudo saiu murmurado e erótico demais da boca do menor, tanto que o moreno sentiu um fraquejo involuntário nas pernas. — Por favor... eu estou… — “ansioso por isso” ele diria, se tivesse coragem.

Quando o ruivo voltou para o seu lugar, levemente ruborizado, tornou a fechar os olhos. Sua respiração agora estava mais calma, como se o alvoroço de antes fosse apenas pela ansiedade e pouca coragem de dizer palavras que encorajassem o outro. Embora tivesse se passado pela mente desistir, levantar e dizer para Jungkook que não precisava fazer aquilo, ele não fez. Não apenas por estar tão sedento de vontade, mas também porque sabia que se aquele desconforto continuasse o relacionamento de ambos não iria para frente nunca. Tinham que tentar explorar um ao outro aos poucos, ainda que isso lhes custasse rubores nas bochechas e vergonha indesejável.

Com as palavras do mais velho em mente, Jeon se sentiu mais confiante. Ajeitou-se melhor no meio das pernas alheia no mesmo tempo em que subiu um pouco os dedos, levando-os dos testículos até a extensão semi-ereta, ali onde seus instintos o incentivou a apertar com certa força demasiada. Aquilo havia sido bom, afinal o ruivo havia curvado o corpo de leve e um som baixo e rouco lhe escapou dos lábios.

Jungkook sorriu, satisfeito com o que recebeu em troca do toque ousado.

— Isso é bom? — Indagou curioso, referindo-se ao aperto que havia dado mais uma vez. Jimin nada respondeu, apenas abriu a boca sem proferir som algum. — Você parece ter gostado.

E ele havia, de fato, gostado. Já fazia tanto tempo que não era tocado por alguém — além de si próprio — daquela maneira que a sensação pareceu ter sido apagada de sua mente. O trabalho e as responsabilidades haviam tirado-lhe lembranças boas como aquelas, mas ele estava realmente gostando de como os toques do maior pareciam algo novo. Ao sentir a respiração próxima; a bochecha de Jungkook roçando em sua parte íntima, o toque tímido e úmido provindo de uma língua quentinha e macia, ele acabou por resmungar algo desconexo quando sentiu seu nervo endurecer ainda mais.

Se antes seu pau estava apenas semi-ereto, agora não poderia estar mais duro.

Mais uma vez seu corpo relaxou, deixando-o mais à vontade. Seus olhos fechados só abriam espaço para imaginação da cena, uma vez que ele preferiu não olhar o embaraço que o Jeon provavelmente estava, mas somente por não estar preparado ainda. Mordeu o lábio levemente ao sentir a língua torneando seu falo outra vez, como se fosse uma forma inusual de conhecê-lo e se acostumar com o gosto recém-sentido. A cada novo contorno do músculo, Jimin sentia suas veias ali se alterarem um pouco mais, correspondendo de forma positiva ao toque.

Jogou a cabeça para trás quando a língua alheia escorregou da glande até a base, descendo alguns centímetros; para só então a boca quentinha ter abrigado seus testículos repentinamente. O arrepio que sentiu lhe deixou a dúvida sobre ter sido causado pelo ato inesperado ou se foi por ter ouvido o som obsceno da cavidade sugando-lhe a pele ali. Ele não saberia responder o motivo de ter gemido tão rouco, mas a satisfação que teve com aquilo era certa.

Jungkook não sabia exatamente se estava fazendo certo, mas também optou por não pensar muito sobre aquilo. Estava seguindo os instintos, tal como o namorado sugeriu e, pelo que tudo indicava; seus instintos pareciam experientes no assunto, já que o fizera chupar os testículos do outro com tanto profissionalismo. Mesmo que seus dentes arranhassem bem de leve a pele áspera, não fora o bastante para machucar o parceiro. Aquilo já era um progresso, na mente do moreno, pois um de seus medos se consistia em acabar machucando Jimin durante o ato.

O ruivo abriu os olhos, já não aguentando mais apenas imaginar a cena.

O mais novo estava tão lindo; com o rosto suave e os cabelos da franja escura caindo-lhe sobre a testa. Os olhinhos fechados serenamente, a boca em um tom mais avermelhado do que o comum e, acima de tudo, chupando-o sem hesitação. Ele parecia estar não mais desconfortável, aquilo havia sido gratificante e relaxante ao mesmo tempo.

“Isso... está indo bem… sua boca é tão gostosinha”

Os pensamentos vinham, contudo as palavras entalavam em sua garganta. Depois que Jungkook abandonou suas bolas, passando a dar atenção ao falo, tudo o que saia da boca de Jimin eram alguns murmúrios inaudíveis. Logo suas mãos foram até os fios escuros, emaranhando os dedos para ajudar nos movimentos que haviam acabado de dar início.

O moreno alto sugou primeiramente a glande um pouco avolumada e rósea, experimentando o gosto do pré-gozo que lhe viera na boca. Não era um dos melhores, mas ele acreditou que fosse apenas por ser pertencente ao namorado. Algo lhe dizia que contornar a cabeça com a língua fosse realmente prazeroso, então assim ele fez, e o resultado foi o som do primeiro gemido “alto” provindo do ruivo. Sugar ali com vontade parecia uma ideia boa também, Jungkook sentiu-se tentado a experimentar. Daquela vez foi agraciado com um puxão leve de cabelo, além do movimento inusitado do quadril alheio impulsionando contra sua boca. Mal notou quando a extensão escorregou em sua cavidade de uma vez, fazendo-o acomodar mais da metade do pau do outro ali.

De repente o mais velho começou a fazer um carinho gostoso nos cabelos alheios, um ato reconfortante e encorajador. Aos poucos foi movimentando o próprio quadril, iniciando aquilo que o outro parecia ponderar sobre como fazer. Não demorou muito para que Jungkook acompanhasse seu ritmo — lento, até então — e para que sua glande estivesse em contato com a garganta sensível dele; indicando o quão fundo estava indo, ainda que em uma velocidade moderada.

Logo conter os gemidos pareceu impossível e o empenho do maior no que fazia denunciava seu interesse em ouvi-los. Pareceu injusto tentar contê-los, por isso cada nova sugada que recebia, um gemido satisfeito lhe escapava. Guiou o polegar até o lábio inferior do parceiro, alisando-o enquanto sentia-o movendo-se rapidamente diante de seu membro. Sua mão livre continuava alisando os fios negros, porém a necessidade de puxá-los veio quando, juntamente aos movimentos hábeis de seu quadril em sintonia com os da cabeça de Jungkook, vieira os espasmos.

— O-olha pra mim, Jungkook-ah. — Pediu envergonhado, sentindo o corpo inteiro tremer de leve.

O moreno o encarou de baixo, tirando o falo da boca e permitindo que o som de um estalo impudico se presenciasse. Ele passou a lamber a cabeça do pau do namorado com tanta vontade que o prazer foi sentido por ambas as partes, embora de formas diferentes. Jimin sentia o prazer carnal, a vontade de gozar e a satisfação de presenciar aquela expressão serena do outro. Já Jungkook sentia um certo prazer psicológico, não físico como o Park. Embora sentisse seu maxilar dolorido, embora tivesse achando um tanto quanto desconfortável ter todo aquele volume em sua boca; o melhor de tudo era os gemidos roucos que ouvira e, também, a forma linda que o ruivinho fechava os olhos com força e abria-os novamente, encarando-o com intensidade antes de jogar a cabeça para trás ou para o lado, sempre seguido de um puxão nos seus fios escuros.

— Caramba, sua boca é tão quente!

Jimin parecia tão imerso em prazer que nem notou que havia começado a estocar a boquinha do namorado com mais força e profundidade, ainda que de forma delicada. A vontade de gozar veio com força daquela vez, o que o deixou com o coração agitando e os batimentos mais frenéticos do que o comum. Ele não queria se desfazer na boca do outro, por medo de não agradá-lo com o gosto do sêmen. Não seria tão cruel assim, mesmo morrendo de vontade.

Quando suas mãos puxaram a cabeça do moreno para trás, fazendo-o parar de chupá-lo, a atitude simultânea de Jungkook o deixou surpreso. Ele havia segurado em seus pulsos, impossibilitando-o de impedi-lo de continuar o que estava fazendo. Ao invés de cessar os movimentos, para que não o fizesse gozar em sua cavidade, o garoto havia lhe incentivado a prosseguir ao ter aumentado a velocidade das sugadas e ter se empenhado um pouco mais naquilo.

Ao ter sinais fortes do ápice, Jimin puxou seus pulsos do aperto alheio e voltou a segurar os cabelos do mesmo, dessa vez na nuca. Gemeu em alto tom ao ter se desfeito, finalmente, dentro da boca do namorado. Deixou que as sensações gostosas o abraçasse e que o êxtase lhe possuísse com todo o direito que tinha.

Jungkook havia aberto os lábios, permitindo que resquícios de sêmen lhe escorressem pelos cantos. O gosto não era bom... Na verdade era salgado, demasiadamente viscoso, e ele teria desejado não senti-lo nunca mais, caso não tivesse presenciado o prazer tão nitidamente estampado na face ruborizada do ruivo. Aquilo sim, valia a pena. Aquilo sim, era a melhor imagem de todas. Aquilo sim, era o paraíso. Não apenas por ter Jimin entorpecido em prazer, mas sim por ter sido ele o causador.

Se antes não se via fazendo um boquete em alguém de maneira alguma, agora a ideia parecia deveras interessante. Se Park Jimin permitisse, ele faria questão de executar aquilo todas as noites com ele, bastava uma única permissão.

— V-você… gostou? — Indagou nervoso enquanto suspendia as duas peças, que antes vestiam Jimin, novamente para o seu devido lugar.

Jimin riu da pergunta, não sabendo como respondê-la. Chamou o moreno para que se acomodasse ao lado de si no sofá, logo tendo-o da forma que queria. Envergonhado, abaixou a cabeça e desviou o olhar antes de procurar por um retruque bom o suficiente.

Jungkook estava sorrindo ansioso.

— Sim.

“Apenas um sim?

O sorriso morreu.

— Você se saiu bem. — Até para elogiar o namorado, o orgulho parecia querer falar mais alto. Percebendo que sua resposta tinha surtido um efeito negativo, ele suspirou e voltou a olhar o mais novo nos olhos, não tardando a juntar suas testas. — Poderia fazer isso todos os dias?

Jeon era trouxa, a prova maior disso foi o tamanho largo de seu sorriso.

— Todas as horas, se você quiser. — Riu. — Eu tenho um pedido também. — Ajeitou-se, animado.

— Qual? Farei qualquer coisa que quiser.

— Eu quero Marshmallows, hyung.

Jimin arregalou os olhos, negativando freneticamente.

— Mas já está tarde, Jungkook, não podemos sair só para comprar doces! — Exaltou-se em desespero.

— Você disse “qualquer coisa”.

 

⇜ ⇝

 

Jimin levou as mãos até as têmporas, suspirando arrependido por ter dito aquele “qualquer coisa” minutos mais cedo. Agora estava ali no supermercado, com o carrinho cheio de besteiras e a paciência quase nula. Havia concordado em comprar os marshmallows, mas o Jeon usou o “qualquer coisa” para encher o carrinho de doces e guloseimas e, por ter dito aquelas duas malditas palavras, ele não poderia protestar contra.

— O que você quer pra comer, Hyung? Só avisando que aqui não tem nenhum doce de brócolis ou de alface, então terá que escolher entre chocolate ou doce de leite. — Sorriu doce, não ligando para a cara de tédio do ruivo.

— Não acha que já comprou doce demai-... — Foi interrompido pelo grito eufórico do mais novo.

— Kihyun! — Ele havia gritado ao ver um dos funcionários do mercado arrumando algumas prateleiras próximas. Sorriu largo antes de caminhar até o rapaz, abraçando-o de lado.

Jimin estreitou os olhos, estranhando a animação repentina de seu namorado, mas não dizendo nada até então. Viu o jovem de cabelos castanhos deixar os seus afazeres de lado para dar atenção a Jungkook, sempre sustentando um sorriso admirável nos lábios. De repente a cena pareceu desconfortável, e se aproximar dos dois — que estavam entretidos no assunto — não pareceu uma péssima ideia; por isso ele arrastou o carrinho até o dono das guloseimas que haviam dentro dele.

— Eu não recebi sua mensagem... — Jeon dizia, aparentando preocupação. Logo a presença do mais velho fora notada. — Ah, Hyung, deixa eu te apresentar. — Puxou o namorado mal-humorado pelo braço. — Kihyun, esse é o Jimin. Jimin, esse é o Kihyun. Nos conhecemos há alguns dias, quando eu vim aqui comprar algumas coisas... ele foi super gentil, além de muito fofo. — Soltou um risinho, olhando do ruivo para o outro. — Nos tornamos amigos.

— Prazer em conhecê-lo. — O suposto amigo de Jungkook falou, mais uma vez esbanjando sorrisos, porém recebendo apenas um aceno positivo provindo de Jimin. — Você conseguiu levar todas aquelas compras? — Virou-se para o moreno.

— Ah, sim. — Jungkook retrucou. — Aliás, que tal você almoçar lá em casa amanhã? Jimin cozinha muito bem.

Kihyun até cogitou dizer sim, prova disso foi o rubor em suas bochechas. No entanto ele desistiu assim que pousou o olhar no menor do trio, vendo a carranca nada contente que ele esbanjava.

— Eu não estou com tempo livre, desculpe. — Lamentou-se, suspirando. — Mas se você concordar, Jungkook, podemos sair para jantar amanhã. Eu conheço um restaurante ótimo, tenho certeza que você vai adorar.

— Ah, seria perfeit-...

— Amanhã iremos sair. — Jimin faltou gritar. Ele apertava o suporte do carrinho com tanta força que seus dedos estavam ficando brancos.

— Iremos…? — Jungkook havia percebido o ciúmes, afinal havia feito aquele showzinho por vingança. Não tinha esquecido do garçom de outrora, aquela era uma ótima oportunidade para descontar. — Engraçado… você não avisou sobre isso.

— Eu esqueci. — Mentiu Jimin, soltando o ar dos pulmões com força. — Está tarde, acho melhor irmos logo pro caixa.

Jungkook sorriu vitorioso antes de acompanhar o namorado até o caixa, mas não sem antes ter dito um “te ligo depois” direcionado a Kihyun, o que fez Jimin se engasgar com o vento repentinamente, porém o moreno se fez de inocente ao ter perguntando se ele estava bem.

Depois de terem passado pelo caixa, eles seguiram para casa.

— Por que deu o seu número para um estranho? — Perguntou enquanto caminhavam lado a lado.

— Ele não é um estranho, é o meu amigo.

— Um amigo que você conheceu há menos de uma semana? — Ele tentou não demonstrar o ciúmes em sua voz, porém era inevitável. Suspirou, parando de caminhar e puxando o namorado pelo pulso de repente. — Você continua sendo um irresponsável, não é? Iria mesmo se encontrar com aquele cara amanhã, caso eu não tivesse impedido?

Jungkook sentiu o seu corpo gelar, uma vez que nunca imaginou Jimin perguntando algo como aquilo. O máximo que esperou dele foi um gelo, alguns suspiros, nada além disso.

— Qual o problema? Eu não posso sair com um amigo? — Embora tenha feito para causar ciúmes no ruivo, de repente aquilo virou algo mais sério. Jungkook não gostava de ser controlado, por isso a pergunta do outro havia lhe incomodado. — Não vejo problema algum em sair para jantar com um amigo. — Deu de ombros.

Jimin o encarava sério.

— Você é realmente um irresponsável! Não mudou nada... — Seu olhar era frio, algo como decepção refletindo-o. — Você pode fazer o que quiser, portanto que faça quando não estiver sob a minha supervisão. Embora tenhamos feito muitas coisas erradas em tão pouco tempo de viagem, não esqueça que ainda estou aqui como seu guarda-costas.

Jungkook sentiu um incômodo inusual, uma vontade estranha de chorar. Não estavam brigando, estavam? Por um momento, arrependeu-se de ter tentado fazer ciúmes no outro. Vê-lo dar as costas para si, como havia acabado de fazer, lhe causou uma dor imensa.

— Qual é o seu problema, em? Está com tantos ciúmes que não mede suas próprias palavras? Pois saiba que você está sendo idiota!

Jimin já estava distante à alguns metros, no entanto ele parou novamente.

— Não estou falando isso por ciúmes! Jungkook, você convidou um estranho para almoçar em sua casa, sem saber ao menos se ele é uma pessoa confiável. Acha mesmo que estou preocupado por ciúmes? Eu não sou como você, então não desconfiaria da sua fidelidade! Se estamos namorando, é porque… Porque seria covarde em me trair.

O moreno abriu a boca para retrucar, mas não haviam palavras adequadas em sua mente para defendê-lo. Caminhou de cabeça baixa até o namorado, fazendo um bico com os lábios ao admitir que ele estava certo. Mais uma vez.

— Você está chateado comigo? — Inquiriu, jogando a cabeça para o lado de forma infantil.

Não brigaria com Jimin.

Não estragaria aquela viagem.

Jimin arfou antes de olhar para o outro de soslaio.

— Eu deveria, mas não estou. — Jungkook retribuiu o seu olhar, sorrindo aliviado. — Eu ainda sou o seu segurança, então… por favor, mantenha-se longe de perigo.

— Você ficou com ciúmes do Kihyun?

— Não.

— Tem certeza? — Ergueu uma sobrancelha desafiadoramente. — Então não vai se importar se eu disser sobre como ele é bonito, fofo, genti-...

— Chega! — Suspirou. — Eu já disse que não é ciúmes, e sim preocupação.

— Claro. — Eles voltaram a andar lado a lado. — Somente preocupação.

— Exatamente.

Jungkook deu de ombros, mas acabou por sorrir. Agora, depois que a situação apaziguou e o clima entre eles estava agradável novamente, ele percebeu que haviam acabado de ter uma DR. Não que fosse se orgulhar disso, porém aquilo fazia parte. Era o normal entre os casais, afinal.

E é isso o que eles são.

Um casal.


Notas Finais


RESPIRA PARK-CHAN. RESPIRA, DESLIGA ESSE CAPS SUA LOKA E VAMOS LÁ.
Socorro eu não estou bem, eu que não tô. COMO ASSIM MAIS DE QUATRO MIL FAVORITOS? COMO ASSIM CARALEO O QUE É QUE TÁ ACONTECENDO? PAREM O MUNDO QUE EU QUERO DESCER. SOCORRINHO AAAAAAHHHHHH
Ok, vou tentar não ter um AVC aqui, ok? Ok.
Bom galera, ainda estamos de Hiatus, mas eu queria muito postar um capítulo quando chegasse aos 4k. E bem, aqui estamos nós com um capítulo de 3k só de boquete. aushaus MDS ME PERDOEM POR ESCREVER TANTO, MAS NÃO CONTROLO OS MEUS DEDOS AAAAAAA. Então né, vocês mereciam algo muito especial, mas por enquanto foi só isso. Não esqueci dos especias que falei que iria fazer, tá? Ainda vai rolar, podem esperar.
CARALHO EU TO MUITO FELIZ PORRAAAAAAAAAAAAAAAAAAA MANO CES TÃO OUVINDO OS MEUS BERROS DAÍ? CARALHO EU ME SINTO UMA ESCRITORA REALIZADA! Não só por ter 4K, mas também por vocês todos serem especiais e darem amor a BG. ISSO É UMA DELICIA AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHH
Vcs sabem que meu sonho é responder todos os comentários de todos os capítulos de todas as minhas fics, mas é algo que não tenho condições de fazer. Bom, de qualquer forma agradeço a todos que comentam, vcs são o meu oxigênio namoral. SE BG EXISTE É POR CAUSA DE VCS, PODEM TER CERTEZA.
Eu não queria deixar essa nota muito grande, mas pelo visto já tá uma bíblia e quase ngm vai ler q eu sei. Mas eu só queria agradecer mesmo, sabe? Vcs me fazem feliz, é sério. Obrigada por estar aqui até hoje, por gostar e dar carinho a mim e a minha fic. NÓS AGRADECEMOOS AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH. Hoje eu já tive vários derrames, AVC, ATAQUE CARDÍACO E EPILÉTICO, MAS PASSO BEM. Espero muito que comentem, digam o que estão achando e essas coisas do tipo. ISSO É MUITO IMPORTANTE PARA MIM, TÁLIGADO? POIS É.
Eu queria ter revisado melhor esse capítulo, mas eu to muito lerda hoje então perdoem se deixei erros passar.
ENFIM, EU AMO VOCÊS PORRA
EU AMO TODOS OS GUARDERS (os leitores de BG) E QUERO CASAR COM TODOS VCS
OBRIGADA POR EXISTIR

AGORA EU VOU INDO
MAS CLARO
ANTES VOU DIVULGAR YOU ARE MY HOPE
AJUDEM A CHEGAR NOS 1K, É UMA ORDEM
BRINCADEIRA
OU NÃO

You Are My Hope>> https://spiritfanfics.com/historia/you-are-my-hope-5222327
Bônus Fic jikook do mozão Bottom!JK >> https://spiritfanfics.com/historia/a-terceira-regra-7911701


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...