História Born For This - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hailey Rhode Baldwin, Justin Bieber
Personagens Hailey Baldwin, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Máfia, Morte, Romance
Exibições 4
Palavras 4.433
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi galera.
"O que tá acontecendo/pegando?" --- título do cap

Esse cap saiu antes, porque eu terminei ele e dai não quero esperar até sexta.
AGORA JÁ SE PASSOU 5 MESES então, o "atualmente" é cinco meses depois do cap "Alone" (cap anterior).
E OS FLASHBACKS DE "quatro semanas" ou "um mês" TAMBÉM É DEPOIS DO ÚLTIMO CAP

Aproveitem a minha confusão.

Capítulo 3 - What's Hatnin'?


Cinco meses depois...

Se há cinco meses alguém tivesse me dito que eu estaria aqui, eu provavelmente colocaria a pessoa em um hospício, mas bem, cá estou eu, no quarto de Hailey Baldwin.

Exatamente, eu odiava ela e agora somos melhores amigas, já que ela está bem puta com a Caitlin, por causa do chefe dela, o Bieber.

 

Flashback On

 

Bem vinda à máfia.

Essa maldita frase estava tatuada no meu cérebro, e eu nem sabia que isso era possível.

Hailey havia me dito aquilo há duas semanas, antes de me jogarem dentro de uma SUV preta, mas o que mais me incomodava era o sumiço dela, ela não foi mais pra escola depois do nosso “encontro”, e eu nunca mais ouvi dela.

Isso deveria ter me deixado mais calma, mas eu sabia que ela estava aprontando alguma. Eu assistia filmes cara. Quanto mais silêncio, mais merda acontece.

 

Flashback On: quatro semanas depois

 

- Esquerda! – Bati.

- Agacha e direita! – agachei e bati com meu punho direito.

- Desvia esquerda, três socos direita no abdômen e desvia esquerda! – desviei, dei três socos com meu punho direito e desviei de novo.

- Descansa e depois a gente luta. – Parker disse. Eu estava muito cansada por causa dos socos fortes que eu dava no saco, e já que Parker me liberou, fui sentar no banco e peguei minha garrafa de água dando vários longos goles.

Eu comecei a praticar krav maga depois de ter visto alguns carros e pessoas me seguindo, mas também porque precisava aprender a me defender e ficar forte, tanto fisicamente quanto mentalmente. Estava cansada de ser uma garotinha frágil que é órfã.

 Só que pra pagar o treinamento precisei começar a trabalhar, já que Will não pagaria pra mim. Filho da puta.

Uma academia – bem famosa de Atlanta – me aceitou como ajudante de personal trainer duas semanas atrás. Estava bem desanimada com a ideia de ter que começar a trabalhar e “estudar” ao mesmo tempo, mas quando Cary, o personal que me contratou, me disse o que eu tinha que fazer, meu desânimo passou.

Eu tinha que observar os alunos quando ele não estava junto, tinha que marcar os próximos encontros, e outras coisas, mas não era nada pesado pra minha sorte. Eu até que gostava de ver os caras se contorcendo de dor, suando e malhando, era até engraçado. As pessoas fazem cada cara enquanto malha, que meu Deus.

Terminei de tomar minha garrafa de água quando vi Parker acenando pra mim subir no ringue. Parker tinha o dobro do meu tamanho, e eu nem era tão baixa assim, ele tinha músculos, cabelo preto, olhos azuis lindos, mas também tinha um anel na mão esquerda e duas meninas.

- Pronta pra tentar acabar comigo? – ele disse irônico, dando ênfase no “tentar”.

- Sempre. – disse, abrindo um sorrisinho, e ele me acompanhando.

 

Flashback Off

 

Atualmente

POV. Camilla

Essa não era a primeira vez que vinha pra casa de Hailey, mas toda às vezes me impressiona a capacidade que ela tem de mudar os móveis de lugar e sempre combinando com o lugar.

- Quando você vai falar com Caitlin? – perguntei, lembrando que se Cait estivesse aqui, eu estaria em casa dormindo.

Amanhã Hailey vai ir pra Arizona, já que vai ser Finados, e todos os seus parentes estão enterrados lá.

- Ela que deveria vir falar comigo, não fui eu que beijei o chefe e amigo da melhor amiga. – ela gritou dentro do closet. Ela estava puta, e eu só queria minha cama.

- Bom, se ele retribuiu o beijo então não foi só culpa da Caitlin. – eu falei. Sabia que ela ia dizer que eu estava defend...

- Você está defendendo ela?! – como eu estava dizendo...

- Não, Hailey, mas você precisa ver que se Caitlin beijou o Bieber, quer dizer que o Bieber beijou a Caitlin, entendeu? Não foi só e exclusivamente culpa dela. E você sabe que eles já tiveram algo, então pra quê ficar tão puta com isso?

- Verdade, você tem razão. – ela disse relaxando os braços e jogando dois vestidos no meu lado. – Com qual eu vou?

Analisei os vestidos, vendo que os dois eram pretos, e os dois tinham decotes nas costas e na frente. Hailey não sabia não causar, era como se ela precisasse usar algo totalmente chamativo.

- Vai com esse. – disse estendendo o preto com menos decote e o mais comprido.

- Ok.

Ela saiu dali, levando o vestido que eu escolhi pra mala que estava no closet.

A cama de Hailey estava totalmente bagunçada e com roupas em cima, então não pude deitar e muito menos sentar, mas ela tinha um ótimo sofá também.

Me recostei no sofá e encarei o teto.

Não iria pra New Orleans amanhã, porque eu não queria, e quando falei isso pro meu irmão ele ficou curioso, mas concordou.

Aconteceu tanta coisa nesses meses que nem deu tempo de pensar que meus pais haviam sido assassinados, mas meu objetivo não tinha mudado:

Encontrar quem matou meus pais.

 

Flashback On: um mês depois

 

Virei pra direita mais uma vez, e já avistava a academia, que tinha dois andares e o segundo andar era todo feito de vidro.

Caminhei mais um pouco e já me encontrava nas escadas que dava pro segundo andar. A academia por dentro era marrom claro, mas com alguns tons de amarelo e dourado, além da secretária havia um elevador e um bebedouro logo na entrada.

No final das escadas, notei Cary, que olhava no relógio preocupado. Passei pela roleta vendo Cary caminhando rapidamente até mim. Eu estava atrasada, pela terceira vez, mas ele nunca ficava tão preocupado como está agora.

- Onde você estava? Bom, não interessa. Temos um cara novo e ele é importante pra academia, vá pegar a planilha e tome água, me encontre na sala 3 em um minuto. – ele falou tão rápido que nem reparei quando saiu.

Fiz o que ele mandou e fui para a sala, com minha garrafa de água pela metade. Quando abri a porta, levei um susto derrubando minha garrafa de água. O cara novo era ninguém mais ninguém menos que Harry Styles, em carne e osso depois de um mês. Eu tava muito puta com ele e com Hailey por terem me sequestrado e depois sumirem do planeta, mas podia ser uma ótima atriz quando estava com raiva.

- Me desculpe. – disse baixinho, ajuntando a garrafa do chão e colocando-a na mesa que havia perto da porta.

Harry estava com uma regata preta, um pouco larga, mas dava pra perceber o formato de seu peito, ele usava também um calção cinza da Nike e um tênis preto.

Virei o corpo e caminhei até o fundo da sala, onde Harry e Cary estavam.

- Styles, essa é Camilla, minha assistente.

- Olá, Harry. – eu disse estendendo minha mão e abrindo um sorriso falso.

- Olá, Camilla. – ele falou apertando minha mão e retribuindo o sorriso.

Puxei minha mão e me virei voltando para a mesa. Senti o olhar dele sobre meu corpo, então empinei um pouco minha bunda. Talvez eu fosse fazer Harry babar um pouquinho.

Me sentei sobre a mesa pegando a planilha e observando Harry malhando.

Eu tinha que admitir que Harry era gostoso, assim como Cary, porque quando eles começaram a pegar os pesos, todos os músculos dele se contraíram, fazendo com que as tatuagens dele ficassem maiores.  Puta que pariu.

Anoitei o que precisava na planilha tomei água e me levantei. Eu sabia o que estava por vir, e agora era a hora de fazer Harry de queixo caído.

- Bom, você já sabe, 50 agachamentos seguidos. Sem parar. – Cary disse passando por mim e saindo da sala, concordei com a cabeça e fui até os pesos.

Ouvi a porta se fechar e abri um sorriso. Peguei um peso de 20kg e outro de 15kg, e então fui até o centro da sala, onde Harry estava.

- 20kg ou 15? – perguntei levantando os dois. Vi pela sua reação que estava surpreso por me ver levantando 35kg ao mesmo tempo, mas dei de ombros.

Ele pegou o de 20 da minha mão e se posicionou pra levantar o peso. Comecei a rir, vendo que Cary não contou pra ele o que iríamos fazer.

- Do que você esta rindo? – ele perguntou franzindo o cenho.

Parei de rir e fui ao seu lado.

- A gente vai fazer agachamentos, não levantar peso. – e então eu afastei minhas pernas, segurei firma o peso na minha frente, empinei a bunda, e desci até meus joelhos ficarem em linha reta com minha bunda, vendo que Harry não tirava os olhos do meu corpo, e depois subi. – Você vai fazer isso 50 vezes sem parar. Quando precisar de ajuda só chamar. – falei, saindo do lado dele e caminhando até a mesa, com a bunda empinada, claro. Anotei 20kg no espaço em branco ao lado do “Agachamento”, na ficha dele, e então voltei pro centro da sala e fiquei na frente dele.

- Porque eu preciso fazer isso? – ele perguntou, arqueando as sobrancelhas. Dei de ombros.

- Sei lá. Vamos logo, não tenho o dia inteiro. – e eu literalmente não tinha.

- A gente pode continuar de noite se você quiser. – ele disse fazendo uma cara “sedutora”. Pena que não funcionou.

- A gente até poderia se você não tivesse atirado na minha perna e me sequestrado.

Ele ia falar alguma coisa, mas parou e deu de ombros.

- Quem perde não sou eu. – cara, eu não acredito que ele falou isso. Que cara de pau.

- Posso dizer o mesmo. Agora, segura esse peso, afasta as pernas e desce. 50 vezes. – estava puta por ele não obedecer e não suportava mais um minuto com ele.

- Só vou fazer se você fizer também, e acho que você não quer encrenca com Cary, não é mesmo? – ele falou, colocando o peso na mão direita e me observando.

Bufei, mas fui até o lado dele e levantei o peso, com ele fazendo o mesmo.

Descemos juntos, com ele abrindo um sorriso vencedor. Que filho da puta.

Descemos cinco. Dez. Vinte...

- Como vai o krav maga? – olhei pra ele confusa. Como ele sabia que eu treinava? - Protocolo I. – ele disse, percebendo que eu estava perdida, e agora ainda mais.

- O que é protocolo I?

- Você não respondeu minha pergunta. – ele falou enquanto descíamos pela vigésima segunda vez.

- Nem você a minha.

- Mas eu perguntei primeiro.

- Primeiro os mais velhos.

- Primeiro as damas. – Ele abriu um sorrisinho, me irritando.

- Cala boca. – Falei, descendo outra vez. - É dolorido, mas posso te derrubar em dois segundos, então vale a pena. – Respondi, dando de ombros.

Ele deu uma risada e falou:

- Duvido. - Eu pensei em largar o peso ali mesmo e derrubar ele, mas eu estava trabalhando, então apenas respondi.

-Eu não. – desci pela trigésima vez. Respirei fundo e continuei. - O que é protocolo I?

- Não posso falar, mas posso mostrar. – franzi o cenho pra essa.

Se ele não podia me falar então porque iria me mostrar?

Não respondi nem falei mais nada. Terminamos os 50 agachamentos depois de uns 10 minutos, e  eu estava morrendo. Olhei pra ele, que estava com as mãos nos quadris bufando, e suado, ele também estava exausto, mas não falou nada.

Fui até a mesa, vendo pelo vidro que tinha em um canto da sala perto da porta, Cary caminhando até a sala em que estávamos. Peguei minha garrafa e tomei o que faltava, saindo da sala.

- Como foi? - Cary perguntou, mas revirei os olhos, com ele dando risada e adentrando na sala.

Segui meu caminho até o bebedouro, enchendo minha garrafa e observando a academia. Havia alguns homens de tirar o fôlego, mas nenhum deles parecia estar interessado em mim, e assim vice-versa.

Terminei de encher minha garrafa e fui para o banheiro. Parei na porta ao ouvir a conversa de algumas mulheres.

- ... mas ele é gato. - Uma mulher falou.

- Bom, se você quiser ficar de quatro pra um garoto, então vá na frente.

- Ele não parece ser tão velho assim, Nicky. E aquela ajudante do Cary já está se oferecendo pra ele, parecia que ela ia ficar de quatro na hora. - Elas começaram a rir, e eu já estava puta. Puxei a porta com força, e vi que a cara delas se fechando no segundo que me viram.

- Quem vai ficar de quatro, querida? - Abri um sorrisinho e cruzei os braços, encarando elas.

- Você. - Uma delas falou. Fui pra cima dela pegando seus braços e virando-os para trás. Dei um chute em cada joelho, com ela gritando. Então, peguei sues pulsos com uma mão, e tapei a boca da vadia com a outra. Afastei suas pernas com as minhas, e empurrei ela pra baixo, deixando as costas dela em linha reta com sua bunda.

- Não é o que está parecendo. - Olhei pra amiguinha dela, e vi que estava tapando a boca pra não gritar. Abri um sorriso falso e olhei pra que estava de quatro. - Você que é uma puta oferecida, então antes de falar de mim se olha no espelho.

Larguei os braços dela, puxando seu cabelo para trás e deixando ela de pé novamente. Olhei pra cara dela, tirando minha mão da boca dela.

- E só pra você saber, meu nome é Camilla Petrova, prazer. - Abri outro sorriso, só que dessa vez mais falso, e sai do banheiro batendo a porta.

Fui até Cary, arrumando o cabelo, só tinha ele na sala agora. Bufei, e me sentei na mesa. Estava cansada e estressada por causa daquela cachorra, e porque Harry havia ido sem me falar mais nada.

- O que aconteceu gata? - Cary perguntou, colocando seus braços em cima da mesa e me encarando.

- Uma filha da puta falou que eu estava de quatro pra Harry. - Passei a mão nos cabelos e continuei. -Dai eu me irritei e dei um recadinho nela. -Falei, dando de ombros.

- Ela se machucou? Você sabe que está trabalhando, não pode “dar um recadinho”, seja lá o que você tenha feito. - Bufei pra ele, concordando, mas na verdade tava pouco me fudendo, ela merecia.

- Já posso ir? - Ele concordou com a cabeça, acenando e voltando a atenção para o celular.

Como só havia trazido minha garrafa, peguei-a e caminhei até a saída, vendo pelos vidros que já estavam escurecendo. Desci as escadas avistando uma lamborghini preta, pensei que fosse a aventador que estava no dia que levei um tiro, mas fui chegando mais perto e vi uma huracán. A lamborghini não era feia, muito pelo contrário, mas nada se compara a uma aventador. Cheguei na entrada da academia, parando e observando a lamborghini, até a porta do motorista abrir-se e Harry Styles sair do carro.

Além de gostoso é rico, ai pai.

Harry caminhou até mim com uma calça preta e uma regata cinza larga, ele estava totalmente sexy com aquela roupa, imagina sem ela.

Afastei os pensamentos quando ele parou na minha frente.

- Sabe o que é um racha? - Concordei com a cabeça. - Então vai pra casa, se arruma que às dez eu te pego.

-E porque você acha que eu quero ir em um racha? -perguntei, cruzando os braços e encarando ele.

-Porque você vai estar comigo e vai ser legal. Para de ser chata e vai logo.

- Para de ser chata o caralho. Tu não manda em mim e se eu não quiser ir eu não vou. - Quem ele pensa que é pra mandar em mim?

- Tá te vejo às dez. - E saiu dali, sem mais nem menos. Bufei e caminhei até chegar em casa.

Larguei as chaves na bancada e tirei a roupa pelo caminho, indo até o banheiro. Estava exausta e queria dormir, mas estava fedendo então...

Terminei de tomar banho e fui para o quarto vendo se meu irmão estava em casa. Nada.

Lembrei que ele ia pra lanchonete em sextas, e só voltava a meia noite. Bufei, vendo minhas meias, meu tênis, minha legging preta e minha blusa da academia pelo chão, meu irmão não estava em casa, e eu estava cansada então foda-se.

Pensei até em ir no racha com Harry, mas foda-se também. Ele merecia um tiro e eu merecia um descanso.

Coloquei meu baby doll azul marinho e me deitei, pegando no sono logo em seguida.

 

Acordei em um pulo ouvindo a campainha tocar. Olhei ao redor, procurando meu celular, fui até minha mesinha com livros e cadernos, vendo o horário na tela. 22:00.

Porra.

Larguei o celular e corri até a porta, girando a chave e abrindo-a.

Imagina se não era Harry Styles, de calça preta e camiseta azul turquesa. E puto.

- Você vai ir de pijama pra um racha? - Ele perguntou, me olhando de baixo pra cima.

- Eu falei que não ia ir porra, tu é surdo ou tem Alzheimer?

Ele passou por mim batendo no meu ombro e observando o apartamento.

- Brigou com o roupeiro? - Ele perguntou, vendo as roupas caídas no chão. Bufei, mas não respondi nada. Que se foda também, é minha casa não dele.

Fechei a porta e cruzei os braços, observando ele. Ele ficava muito bem de calça preta, ainda mais com a bunda que tinha. Como isso é possível?

-Eu falei que ia te buscar ás dez, tu é surda ou tem Alzheimer? - Ele repetiu minha frase virando-se pra mim. -Vai te arrumar rápido, e para de reclamar, parece minha mãe cara.

Ele cruzou os braços me imitando. Bufei e fui pro quarto, procurando alguma roupa pra ir, mas não conseguia me decidir, então voltei pra sala e encontrei Harry olhando o quadro de Atlanta.

- Com que roupa eu vou? -Ele olhou pra mim e suspirou, vendo que eu ainda estava de baby doll.

- Sei lá, põe um short, uma blusa e um salto. Todas as mulheres vão assim pra rachas. -Ele falou dando de ombros, e continuou observando a sala.

Voltei pro quarto e peguei minha regata branca e meu short preto com alguns rasgos. Coloquei a roupa e fui para o calçado. Cara, eu só tinha tênis e uma botinha de salto, mas não gostava muito dela, especificamente por causa do salto.

Acabei colocando a bota, amarrando os cadarços e fiz uma trança rápida no cabelo, deixando alguns fios caídos. Assim que terminei, caminhei até a sala e Harry estava digitando no celular, mas sua atenção foi toda pra minhas pernas e peitos quando ouviu o barulho dos saltos. Ele estava totalmente distraído em meu corpo, então caminhei até a porta, pegando as chaves e parando na porta.

- Vai vir ou quer ficar aqui?

- Eu bem que preferia ficar aqui, mas agora que tu tá pronta vamo. - Ele colocou o celular no bolso passando pela porta, então fechei-a e caminhei para o elevador que nos levaria ao térreo.

O clima tava bem estranho dentro do elevador, e ele parecia tenso, mas não falei nada, assim como ele.

Quando chegamos no saguão do prédio, ele pegou na minha mão, comigo puxando ela rapidamente e olhando pra ele com aquela cara “que porra foi essa?”, e ele apenas deu uma risadinha.

Ele estava com uma lambo cinza, mas dessa vez era uma gallardo. Caralho, que carro foda.

Ele abriu a porta do carona e depois foi para a do motorista.

Enquanto ele dirigia pra sei lá aonde, observei a cidade em um movimento rápido.

Atlanta de dia era um paraíso, ou pelo menos eu pensava que era, mas de noite... Eu acho que estava prestes a descobrir.

- Quando a gente chegar lá, fique comigo, vai ter um monte de cara achando que tu é puta e coisas do tipo, então não se afastava e muito menos arranja briga. -Ele falou, enquanto entravámos em uma parte da cidade que eu nem sabia que existia.

- Se me atacar vou atacar, só avisando. - ele deu uma risadinha com meu comentário, e foi reduzindo cada vez mais a velocidade.

Já conseguia ouvir a música e pessoas falando, aquilo parecia uma boate ao ar livre.

Quando chegamos, vi várias pessoas conversando e formando o que parecia ser um círculo, deixando um espaço no centro e na pista à frente. Algumas pessoas olharam para o carro onde nós estávamos, Harry parecia normal com aquilo, mas eu estava tremendo, literalmente.

Segurei minha mão, parando a tremedeira.

- Lembra do que eu te falei - Harry falou. - Fica por perto e fica calma, ninguém aqui vai te matar.

Concordei com a cabeça e abri a porta do carro.

Quando bati a porta pra fechá-la, todo mundo estava olhando pra mim e pra Harry, que rapidamente veio até meu lado e segurou minha mão.

Deixei ele segurar minha mão, e me conduzir para o canto esquerdo da festa.

Quando chegamos perto de um grupinho de pessoas, todos cessaram a conversa e começaram a cumprimentar Harry, enquanto as mulheres dali, me observavam.

Fechei a cara e comecei a olhar ao redor, vendo se por algum milagre encontrava alguém que eu conhecia, mas apenas me iludi.

Voltei minha atenção pras pessoas da rodinha.

Tinha um garoto, porque ele não parecia ter mais de 20 anos, de cabelo castanho e totalmente focado em seu celular, ele digitava aquele negócio tão rápido que nem consegui acompanhar direito.

Ao seu lado, tinha um cara musculoso e lindo. Cara, ele tinha os cabelos castanhos escuros e olhos verdes. Puta que pariu. Também tinha uma mulher do seu lado, que parecia uma puta pelo tamanho do short e do top.

Ao meu lado tinha um cara alto, e pelo que parecia era o mais velho, ele tinha os ombros mais largos que eu já vi na vida, uma barba, olhos castanhos e cabelos pretos, tinha uma puta do lado também, mas nem a observei, ia perder meu tempo.

- Já observou todo mundo? Para de encarar as pessoas assim, a gente não gosta. - Harry falou no meu ouvido. Apesar da mensagem ser um aviso, e bem dado, aquilo me arrepiou. - Vou te apresentar os caras.

Concordei com a cabeça.

- Somers, essa é a Camilla. - O cara bonito abriu um sorriso e estendeu a mão.

- E aí, como é namorar o Styles? -Ele perguntou. Comecei a rir, com Harry apertando minha mão.

- A gente felizmente não é namorados. Sorte a minha. - Eu disse apertando a mão dele.

Ele concordou e voltou a conversar com a mulher do lado.

- Chris! - Harry praticamente gritou, chamando a atenção do garoto, que logo olhou pra cima. - Chris, Camilla. Camilla, Chris.

Estendi minha mão pra ele, e ele deu um aperto rápido.

- Oi.

- Oi. - Eu estava completamente perdida, isso estava comprovado.

- Olha o Bieber chegando aí.- Harry disse olhando pra trás. 

Virei minha cabeça vendo uma Bugatti Veyron vermelha e preta.

Caralho.

Se isso é um sonho, não me acorda.

O cara que dirigia vinha devagar, chamando toda atenção pra ele.

O carro parou em cima da linha que tinha na pista, com a porta do carona abrindo primeiro.

Aquilo não estava acontecendo.

Hailey saiu do carro, com um short jeans, um top branco com várias linhas, formando algum desenho, mas não consegui identificar.

Ela andou com seus saltos cinza e cheio de gliter, brilho, sei lá que porra era aquela, até a porta do motorista.

Ela logo abriu-se revelando um cara de regata branca e uma calça colada bege, e cabelos castanhos. Ele tinha várias tatuagens nos braços, mais do que Harry, e puta que pariu, que cara gostoso. O cara cumprimentou algumas pessoas que foram até lá.

Tudo baba ovo.

Olhei pra Hailey, que encontrou meu olhar e logo fechou a cara. Ela largou a mão do cara e venho andando rápido em minha direção.

- Deixa que eu falo com ela. -Harry disse, reparando no que eu também tinha visto.

- O que ela tá fazendo aqui? – Hailey perguntou. - Você sabe que Bieber não vai gostar nadinha disso e muito menos de saber que você está com ela no racha dele.

- Bieber pediu pra você fazer o protocolo e você só fez ele por uma semana, então eu pedi pra fazer. - Ainda tinha que falar com Harry sobre esse maldito protocolo.

- Claro, a vida dela é mais chata que a de um bicho preguiça. Até minha vó sai mais do que ela!

- Mas não interessa. Agora vai lá fuder ver se acalma esses nervos, não é possível que Bieber não de conta. - Harry disse dando risada, com o tal de Somers acompanhando ele.

Hailey me olhou puta da cara, retribui o olhar e ela saiu dali, batendo os saltos.

Encarei Harry, que viu meu olhar totalmente confuso e disse “depois eu explico”.

Dei de ombros, voltando minha atenção pra Bugatti. Eu precisava tocar naquela porra, era uma necessidade.

- Posso ir ver aquele carro? - falei pra Harry, apontando pra bugatti. Ele deu de ombros. - Valeu.

Passei pelas pessoas que estavam no círculo, depois dei a volta em um grupinho de putas, que me olharam de cima pra baixo. Outro bando de otárias.

Cheguei à bugatti dando uma volta nela e parando em frente ao capô.

Eu podia ficar observando o carro à noite inteira. Aquilo era lindo.

 - Só não baba. - Levantei minha cabeça vendo o cara que tinha saído do carro junto com Hailey.

Puta que me pariu. Eu não sabia quem era mais lindo, o carro, ou ele. Jesus.

De longe não deu pra ver, mas de perto dava pra notar todo o formato do seu peito e barriga.

Caralho, que gostoso.

Balancei a cabeça, forçando a afastar os pensamentos e focando no carro.

- Acho meio impossível. Como não babar com um motor treta turbo, e ainda por cima preto e vermelho. Cara, eu tô morrendo só de ver um 16.4 na minha frente. -Dei uma risadinha e levantei a cabeça, vendo que ele me encarava surpreso.

Ele deu a volta no carro e ficou a alguns passos de mim. Dei um passo pra trás, com ele abrindo um sorrisinho.

Se ele abrisse mais um sorriso daqueles, eu ia morrer feliz, porque porra, que deus era aquele?

- Como é seu nome mesmo? - E perguntou estendendo a mão, e logo apertei.

- Camilla Petrova, e o seu?

- Justin Bieber.

Flashback Off


Notas Finais


GRITEI
Roupa da Camilla no racha:http://www.polyvore.com/bft_camilla/set?id=211970872
Roupa da Hailey no racha: http://www.polyvore.com/bft_hailey/set?id=212007089

Espero que tenham gostado! Bj


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...