História Born To Be A Lady - Capítulo 29


Escrita por: ~

Postado
Categorias Girls' Generation, H.O.T., SHINee, Super Junior
Personagens Cho Kyuhyun, Choi Siwon, Heechul, Jessica, Kangin, Kangta, Kim Jongwoon, Lee Donghae, Lee Hyukjae "Eunhyuk", Lee Sungmin, Minho Choi, Park Jungsu, Taeyeon, Tiffany, Yoona
Tags Haesica, Romance, Sifany, Super Generation, Taeteuk
Visualizações 14
Palavras 3.500
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi, gente! Dessa vez eu esqueci de postar mesmo kkk' Quem não está tão vidrado no Comeback do nosso SNSD? Não é mesmo?

Capítulo 29 - A Porta


 

Jessica

 

Acordo naquele sábado com uma leve dor de cabeça. Depois de tomar café DongHae me deu um analgésico, e disse para eu tomar um bom banho que logo passava. Até a leveza no corpo, tudo era por causa da ressaca. Por incrível que pareça, eu bebi mais que ele ontem.

O moreno tinha razão, depois de um banho gelado eu me senti nova. Coloquei uma calça jeans e uma camiseta com um leve casaquinho. Primavera, como eu te amo!

– Está pronta? – Ele me pergunta, também está arrumado para sair com Yoona, comprar o material dele para o novo curso da faculdade.

– Pareço uma pessoa séria?

– Depende. – Estreita os olhos. – Quer parecer uma executiva, ou uma presidente de uma grande Nacional, ou uma mulher madura que está indo passear?

Bufo, já sei o que ele está achando de verdade.

– Não estou digna de uma futura presidente? – Fecho a cara, fazendo um bico. DongHae joga a cabeça para trás e ri, vindo em minha direção depois.

– Claro que está. Você só vai aprender algumas coisas hoje, realmente muito a ver com você... Moda. Tomara que se dê bem! – Meu rosto fica entre as mãos e ele me beija. Foi apenas um toque suave, com um estalo no final. Sorri, vendo seus olhinhos bem perto brilhando.

– Obrigada. Preciso ir, se não me atraso.

– Posso dar uma dica, já que vai de táxi? – Respiro fundo e faço que sim. – Ligue para o porteiro e peça para ele pedir um táxi numa companhia. Melhor do que ficar parada na rua esperando um.

– Ah, verdade. Vou fazer. – Vou até o interfone e falo com o homem. Enquanto espero, vou pegar meu celular na mesinha da sala e coloco na bolsa. – Almece com Yoona, eu não sei que horas voltarei.

Ele concorda.

Meu táxi chega e logo eu desço. DongHae ainda não sairá para buscar Yoona, está esperando ela terminar de se arrumar.

No caminho, vou observando a rua calma de um sábado de manhã. É a primeira vez que saio sem alguém, estou mais que feliz por isso. Quase dois meses atrás eu era uma menina medrosa fugindo do noivo, hoje sou bem mais.

Chego à frente do prédio da sede principal da Jung’s. É enorme, mas acho que só vim aqui umas duas vezes. Logo na portaria, o recepcionista me reconhece, e chama uma moça para que me acompanhe até a sala do meu pai. Pelos corredores, sou cumprimentada. Sinto como se fizesse parte daqui.

– Querida! – Papai levanta de trás de sua mesa e vem me encontrar na porta. Da sala dele eu lembro bem, tudo em vidro e inox do modo mais moderno possível.

– Bom dia, pai. – Dou um abraço imenso nele. – Demorei?

– De jeito nenhum. – Pega minhas mãos, se afastando um pouco e olhando como estou. – Meu Deus, estes dois meses até parecem dois anos.

Dou um riso sem graça.

– E a mamãe?

– Vem mais tarde. Hyeran, pode chamar nossos estilistas? – Papai se vira para a moça que me trouxe, esperando na porta.

Ela não se demora em voltar com três homens. Não os conhecia pessoalmente, mas conheço os trabalhos. São grandes nomes da moda do país. Eles ficam encantados comigo, com meu jeito de me vestir e minha postura.

Mas como papai disse, estamos aqui para trabalhar.

Um por um eles mostram os croquis. Vou amando cada peça desenhada, às vezes dando uma dica de como poderia fazer um novo detalhe, ou mudar um. Ousado demais eu pedir que façam isso? Talvez, mas como os três gostaram de como me visto, anotaram para ver como ficaria depois.

Outro ponto que gostei muito de falar com eles, foi como eu vi outras partes da cidade. Eles podem fazer roupas mais simples, para quem não gosta de chamar muita atenção ou para quem simplesmente prefira, sem perder a luxuosidade de sempre. Contei um pouco para eles sobre como é morar em Jung-Gu – e não deixei de falar que no início pensei que fosse um lugar de posse do meu pai. Por lá, as mulheres são mais trabalhadoras, têm seus próprios negócios e não deixam de ser livres e bonitas. Sem contar as mulheres que cuidam dos filhos e reinventam o jeito de viver.

A última parte que eles mostraram, foi a moda masculina. Preciso dizer quem eu tomei como base? DongHae, óbvio. Falei sobre homens que preferem ser casuais, mas sem perder o jeito romântico.

E sobre aqueles que realmente querem causar, bem, peguei HeeChul. Falei bastante do meu amigo que se interessa em moda, está sempre procurando o que é novo para ficar bonito.

Foi quase no final que minha mãe chegou. Ela estava linda, de novo eles elogiam uma mulher da família Jung. E um pai também não deixou de cortejá-la. Isso me deixa muito feliz! O casamento deles está firme, é a minha base para viver com DongHae.

– Bom, senhorita Jung, foi um prazer escolher as roupas para a coleção de verão. E logo mais estaremos voltando com peças do jeito que você nos falou. – Um deles me diz.

– É só marcar com pai e eu estarei aqui para ver.

– Claro! E te esperamos para a coleção de outono também. – Ganho um beijo de cada um. Ah, pode apostar que vou estar aqui na próxima coleção também.

Os três se retiram da sala com Hyeran novamente.

– E então, contente? – Mamãe me pergunta.

– Muito! Mexer com moda é uma sensação ótima. Sinto que eu aprendi muito todos os anos da minha vida, enfurnada no shopping ou em desfiles de moda internacionais.

– Sabia que seria bom te dar essa oportunidade. Vai mesmo vir na próxima escolha? – Papai pega água na mesinha no canto da parede e me dá um pouco. Estou sentada no sofazinho da sala.

Uhum!

Ambos estão contentes.

– Você irá evoluir muito assim. – Mamãe mexe no meu cabelo. – Então, vamos dar um pulo na loja? Estou ansiosa para fazer compras com você de novo.

– Eu também! Quero comprar alguns presentes, sempre amei suas sugestões.

– Presente para quem? Um certo moreno?

Faço que sim, rindo dentro do copo de água.

– Vocês vão para a loja. EunJi, depois me encontrem no restaurante italiano em frente à loja.

Vamos comer comida italiana. Nossa há quanto tempo não como algo assim... Se bem que DongHae e eu fazemos macarrão o tempo todo.

– Tudo bem, te avisamos quando chegarmos. Vem querida?

Mamãe pede meu braço. Saímos juntas, falando sobre alguns vestidos e jardineiras que havia na coleção. A loja de roupas da Jung’s ficava um quarteirão de distância, quando chegamos lá, parecia tudo muito diferente.

DongHae odiaria vir com a gente. Começamos e escolher peças.



 

Volto para casa com várias bolsas depois do almoço. A manhã com meus pais foi parecida como antigamente, mas com um pouco mais de carinho e atenção. Saio do táxi e subo para o apartamento, sentindo um pouco de falta do meu motorista que levava tudo para mim. Ou será que andar sozinha é melhor? No momento, prefiro o motorista.

Abro a porta com minha chave e vou jogando todas as bolsas no sofá.

– Hae? – Chamo e fecho a porta.

Olha a cozinha da sala, que está vazia. Vou ao quarto e no banheiro e também nada dele. Cheguei primeiro!

Tiro minhas sandálias e calço chinelos. Trago todas as minhas roupas e vou arrumar. Não é por nada, mas daqui a pouco vou precisar de um guarda roupas maior. DongHae talvez me mate por comprar tanto assim.

Estou tentando organizar tudo para não ficar apertado, quando ouço a porta abrir. Corro até lá.

– Hae, eu comprei... Aonde você foi? – Ia falar dos presentes, mas quando o vejo com sacolas, mudei a fala.

Ao mercado. – Falou embolado. Estava com três sacolas de papel e um saco transparente de farmácia na boca. Dou um risinho, tirando o que lhe atrapalhava de falar. Depois pego uma de mercado. – Eu te mandei uma mensagem, não viu? Quer dizer, você não me respondeu, então é óbvio que não viu.

– Não. – Ponho a mão no bolso, mas meu celular ainda está na bolsa que botei dentro do táxi. Faço uma cara feia, pois eu precisava comprar umas coisas. Vamos com tudo para  cozinha e começamos desmontar as sacolas.

– Perguntei se você queria alguma coisa de lá, ou da farmácia.

– Devia ter ido comigo, agora de tarde ou só amanhã. Eu também preciso fazer compras. – O empurro com o ombro. O moreno ri.

– Você está falando disso? – DongHae puxa outra sacola para perto de si, e de lá puxa um pacote de absorvente.

Humm... Isso mesmo. Como sabia que era esse? – Pego dele olhando de soslaio um pouco envergonhada.

– Foi esse que comprou da outra vez. E o shampoo da sua amiga Selena. – Também tirou da sacola. Dou um sorriso enorme, ele sabe meus gostos.

– Olha! Só ficou faltando... Barra de cereal. – Na sacola que eu estava desfazendo tiro as barrinhas.

– Quê mais? – Estreitando os olhos ele me espera perguntar por outra coisa. – Eu sei do que você gosta senhorita Jung, peguei tudo sem mesmo responder minha mensagem. Já te conheço! – DongHae se aproxima e me beija rápido.

– Nesse caso, espero que eu também te conheça bastante. Comprei umas coisas pra você! Para Yoona também, são presentes.

– Tenho medo de perguntar... É roupa?

– Sim, senhor. Assim que terminarmos das compras você vai experimentar tudinho, porque eu quero ver. Ah, eu também vou me desfazer de algumas roupas sua, dar para doação. Ok?

– Dar as minhas roupas? – DongHae fica estático.

– E ajudar muitas pessoas. Ou prefere simplesmente rasgar e jogar fora? – Ponho as mãos na cintura. O moreno e esfrega os olhos e balança a cabeça.

– No início da semana quando falei das gravatas, eu disse que depois ia fazer compras para mim. Você não precisava ter ido sem mim!

– Relaxa! A mamãe me deu um cartão VIP da loja de roupas da Jung’s, sempre terei desconto lá.

– Mesmo assim, não foi uma decisão muito prudente, se baseando no seu impulso para gasto. Mas ok, vou ver o que ganhei depois. – DongHae está tentando ficar calmo e aceita os presentes, dou um risinho vendo como ele tá tentando se esforçar.

– Obrigada! Também comprei um presente para sua mãe. Não quero chegar na casa dela sem nada. – Digo.

O jeito como o moreno me olha, parece que não está acreditando no que disse. Ele conhece a mãe, talvez aquilo não vá importar.

– Depois eu te mostro.

Arrumamos todas as compras. Corro para o quarto ir tirar as roupas dele das bolsas, ficando sentada na cama de pernas cruzadas. Comprei quatro blusas sociais, três blusas casuais e três calças. Deixei tudo separado na cama.

DongHae finalmente vem da cozinha, já tirando a camisa. Mas não foi porque vai experimentar roupa, é o seu costume. Pensando sobre isso, talvez eu vá aderir este estilo de vida no varão, tipo andar só de sutiã também.

Ele me olha rindo, porque sabe que sempre o seco com os olhos. Antes de vi ver as roupas, ele tira as coisas que trouxe da farmácia e põe na mesa de cabeceira.

– Está doente? Isso é remédio? – Engatinho na cama para ver a gaveta, mas ele não me deixa.

– Não! É outra coisa. – Rindo, ele me empurra na cama e eu grito. – Cadê? Me dá uma roupa.

Dou a ele uma das calças. Ok, foi de propósito! Mas ele não percebeu, só tirou a que estava usando, ficando de cueca box na minha frente. Depois dou a ele uma camisa social. Enquanto ele se distrai abotoando a camisa, viro e abro a gaveta da cabeceira.

– Como você sabia o meu... Feliz em ver o que eu comprei, senhorita Jung? – Ia me falar algo da roupa, mas quando me viu olhando a gaveta interrompeu.

Prenso os lábios, fazendo que sim.

– Você sabe o meu tamanho? – Perguntou.

– Q-quê? – Arregalo os olhos, não entendendo porque ele queria saber isso.

– Jessica, pelo amor de Deus, estou falando das roupas! – Percebendo que eu corei, notou que imaginei besteira.

– Ah, tá! Desculpa, eu estava pensando nas camisinhas... – Fico totalmente vermelha. – É, eu... Sei o número das suas roupas, de tanto arrumar o seu guarda roupa. Ficou bom? – Fico de joelhos na cama e caminho até ele, mexendo na gola da camisa.

– Ficou. E eu gostei! – Ele riu. Roubou um beijo, me arrancando um risinho.

– Agora veste uma dessas, não são para ir trabalhar, é para usar quando sair casualmente.

Desabotoou tudo e vestiu a outra camisa que dei. Donghae ficou extremamente gostoso, com as mangas marcando seus braços fortes.

– Lindo!

DongHae tirou as roupas e ficou de cueca por um instante, indo pegar uma calça de tactel para usar em casa.

– Pra minha mãe, o que comprou?

Depois de guardar as roupas dele, pego as da minha sogra para mostrar. Trouxe dois vestidos para ela, um branco de alças médias, com tecido fino e desenhos de flores em alto relevo, não era pintado e colorido. O outro era mais chique, para um jantar, por exemplo.

– Ela vai gostar, não vai?

– Dê uma bala para ela e vai ser o suficiente.

– Isso tem a ver com você nunca ter levado uma namorada para casa? – Guardo a bolsa de roupas da sogra no guarda roupas. DongHae coça a nuca. Sento na cama para conversar com ele. Bato do lado, para ele vir.

– Andou conversando com a Yoona? Ok, talvez sim. Eu nunca tive um relacionamento assim antes, estamos indo para a terceira semana e se quer saber, nunca cheguei na quarta antes.

– Desculpa, quem foram as idiotas? Só pra saber, e ir lá agradecer a elas por não terem ficado com você.

Meu Deus, quem não ia ficar com DongHae? Ele é lindo, por dentro e por fora. E não vou falar dos detalhes do moreno na cama...

– Bom, eu quem terminava. – Gesticulou.

Huum... – Estranho.

– Nunca me senti totalmente feliz. Acho que... Tenho certeza, que esta é a primeira vez que me sinto perfeitamente bem.

Lembro-me de DongHae dizer que a única vez que falou de seu pai foi comigo. Acredito perfeitamente nele. Nós éramos amigos próximos antes, e se acabamos nos envolvendo foi porque cada um sentiu amor por tudo o que vivemos.

– Ok, por isso nunca chegou a levar uma para sua mãe conhecer. – Deduzo.

– Entende porque ela está empolgada? Algumas vezes eu comentava estar com alguém, mas não demorava muito para acabar.

Sorri largo, contente de estar chegando aonde nenhuma mulher chegou em sua vida. Envolvo o pescoço dele, o beijando.



 

Domingo de manhã, não estou com vontade de levantar. Sei lá por quanto tempo eu estou enrolando na cama embaixo do cobertor. DongHae não está, como todo domingo ele foi jogar basquete.

Vejo a hora no celular, Yoona vai vir aqui daqui a pouco, talvez chegue antes do irmão voltar. Levanto por ser necessário e vou comer os sanduíches que DongHae deixou na geladeira.

Estou me lambuzando toda de molho quando o moreno chega.

– Oi, bom dia. – Ele diz cansado. – Yoona não chegou?

Faço que não.

– Ótimo, vou tomar banho.

DongHae vai para o quarto. Eu fico arrumando a cozinha.

Depois de deixar a cozinha organizada, vou choramingando para o quarto com meu pijama sujo do molho que DongHae fez os sanduíches. Estava muito gostoso, aliás. Não tem comida italiana que supere! 

Entro no quarto, vendo o moreno de costas, só de calça pegando uma roupa para ir tomar banho. Seu corpo seminu é esguio, os músculos dos braços parecem querer saltar. E a bunda de DongHae... Mordo o canto da boca, indo até ele e o abraçando. Ouço sua risada. 

– Senhorita Jung... 

– Eu mesma! – Confirmo alisando as unhas em sua barriga. – Devia tomar mais cuidado, se não quer ser abusado desse jeito. Tire a roupa só no banheiro, da próxima vez. 

– Quem disse que eu não gosto de sentir suas mãos? E até onde eu saiba, vivo sem roupa neste quarto nos últimos dias. – O moreno inclina o rosto para me encarar, com seu sorriso malicioso. Dou um beijo em seu braço. – Ei, você está suja? Quer tomar banho comigo? 

Primeiro arregalo os olhos. Depois mordo as bochechas por dentro, porque estou sentindo sua bunda. Aquilo começa a me excitar. 

– Jessica? 

Passo minhas mãos na lateral de seu corpo, depois nas costas musculosas. Sinto seu corpo tremer. 

– Vamos. 

Com o maior sorriso de felicidade ele se vira para mim. Minha cintura é envolvida por seus braços, e minha boca atacada. Solto um riso em seu rosto, caminhando de costas sendo levada para o banheiro. 

Sem o frio do inverno, não uso o casaco dele. No banheiro, DongHae pega minha blusa e a tira. Está suja mesmo, não ligo que ela foi jogada no chão. Meu short foi tirado com mais delicadeza, pois minhas coxas foram beijadas. DongHae tem um fraco por elas, quando abaixou para tirar, aproveitou. 

Huumm... 

– Vem cá! – Rapidamente ele tirou sua calça e cueca e ofereceu a mão. 

Ele fecha o box e me puxa, um sentindo o corpo do outro. O moreno está quente, fazendo minhas mãos deslizarem em seu peito. Sua boca começa a sugar a minha com avidez, num beijo apressado. 

Ah, todos aqueles músculos me apertando fazia meu rosto ferver, o baixo ventre sentido seu membro encostando em mim. DongHae liga o chuveiro, empurrando ambos para baixo. Precisamos soltar o beijo para respirar, mas fui compensada com o corpo sendo acariciado por ele. 

Não tinha sabão, não tinha esponja, apenas um par de mãos me alisando. Acredite, nem a água ajudou muito! Fecho os olhos e o sinto me explorando. Solto gemidos com seus dedos circulando meus mamilos; aproveitando minha boca aberta, DongHae me beija arrastado. Decidindo senti-lo também, passo as mãos por trás dele e aperto sua bunda, que estava tarando minutos atrás.

Um leve susto me faz abrir os olhos, tive as pernas apertadas, puxadas para cima para ficar em seu colo. 

– Hae! – Sorri, louca para que ele fizesse de uma vez. Cruzo as pernas em sua cintura, segurando seus ombros, para não cair enquanto ele saiu de baixo da água e me encostou no vidro do box. 

Grudando nossas testas, ele me encarou para saber se estou bem. Uma de suas mãos segurava minha cintura e a outra uma perna. Respondendo, lhe dei um selinho. E com a confirmação, o moreno se mexeu majestosamente e me penetrou. 

Haanmm... – Arfo. Puxo os cabelos de sua nuca. 

Não era mais eu. Não era mais DongHae. O banheiro foi preenchido com meus gemidos e o barulho estridente do vidro atrás de mim, quando seu quadril vinha pra frente, fazendo meu corpo esfregar nele. 

Sentindo o prazer de tê-lo dentro de mim, puxo seu lábio inferior com os dentes, depois o beijando loucamente. 

 

[...]

 

Saímos do banheiro de toalha, ainda aos beijos. Essa foi a coisa mais louca que já fiz, tirando fugir do casamento. Mas vamos ser honestos, transar no banheiro é meu favorito. 

A roupa de DongHae estava na cama, eu preciso pegar uma. Solto o moreno e vou ver algo para receber Yoona. 

– Ah, droga! Acho que Yoona já chegou. Tem mensagem dela de vinte minutos. – DongHae está vendo o celular. 

– Quanto tempo a gente ficou no banheiro? – Pego qualquer blusa e short e me seco rapidamente. 

– Não vi o tempo passar. 

DongHae é mais rápido. Vestiu uma bermuda e camiseta, secando o cabelo e ficando todo bagunçado. Deve ter jogado a toalha de qualquer jeito no banheiro e foi abrir a porta. 

Seco meu cabelo com calma, mas ouço Yoona reclamar um monte na sala. Eu havia esquecido dela, também foi meio difícil lembrar no banheiro. 

– O-oi, Yoona. – Corro para a sala. Ela vem me abraçar, mas não para de brigar com o irmão. 

– Fiquei meia hora tocando a campainha e ligando pra você. Achei que alguma coisa tivesse acontecido, seu ridículo! 

– Desculpe, eu estava tomando banho. – Foi assim que ele se defendeu, passando a mão no cabelo molhado. 

Argh! Tá bom. – Ela se vira pra mim. – E você, cunhadinha? Porque não veio abrir a porta para mim? Por acaso me odeia e quis me fazer esperar!? 

Huumm... – Encaro os dois irmãos, provavelmente ficando vermelha. – Eu... Tava tomando banho. 

Simplesmente solto. Yoona pisca e então percebe. Passa a mão no rosto, com certeza eliminando algo ruim. Atrás da gente, parado na porta, DongHae caiu na gargalhada. 

– Você é um pervertido. – Yoona briga com ele, ficando surpresa.

Fico encolhida perto da mais nova. Ela é irmã dele, minha amiga, é vergonhoso que ela saiba o que a gente estava fazendo. 

– Olha, eu tô faminto! Vou fazer alguma coisa pra comer, alguém quer? – O mais velho nem ligou. 

– Eu! Também tô com fome. 

– Não, obrigada. Eu não estava gastando energia. 

Reviro os olhos. 

– Tudo bem, Jessica. – A mais nova ri de como eu fico muito vermelha, ela sabe que o irmão é o meu primeiro namorado. – Vamos ver meu presente e esquecer o que houve? – Yoona me abraça e me faz rir, mas depois ela se afasta assustada. – Você se lavou depois, !? 

Minha vez de cair na gargalhada. Pego a mão da mais nova e a puxo para o quarto. 

 


Notas Finais


Então, amores? Só digam que gostaram da perversão dessa casal kkkkk'

SONES! Continuem assistindo I GOT A BOY. Os views aumentaram recentemente, o Comeback acordou esse fandom! \o/ E não esqueçam de Holiday e All Night. Vamos dar muito amor para nossas Soshis.

ELF'S! Continuem assistindo BONAMAMA. Também estamos subindo cada vez mais rápido com o Comebak dos nossos lindos se aproximando. Fighting!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...