História Bound By Honor - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Tags Camila Cabello, Camren, Camren G!p, Lauren Jauregui
Visualizações 129
Palavras 997
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Hentai, Luta, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie
Como vocês estão carinhas? ^-^

Bem? Espero que sim.
Desculpe a demora, eu estava meio que sem tempo pra posta. A escola estava tomando o meu tempo.
Mas agora eu vou estar um pouco livre.
E talvez amanhã eu faça uma Mine maratona
Bom vou deixar de enrola e ir logo para o capitulo.

Boa leitura ;)

Erros já sabem...


NOTAS FINAIS...
NOTAS FINAIS...
NKTAS FINAIS...

Capítulo 3 - Capítulo- 2


Eu não conseguia parar de chorar. Diane acariciou meus cabelos enquanto minha cabeça estava em seu colo. Ela tinha treze anos, apenas 18 meses mais nova que eu, mas hoje esses 18 meses significaram a diferença entre liberdade e a vida em uma prisão sem amor. Eu me esforcei bastante para não me ressentir por isso. Não era culpa dela.

— Você poderia tentar falar com o pai novamente. Talvez ele mude de ideia, — disse Diane com a voz suave.

— Ele não vai.

— Talvez mamãe seja capaz de convencê-lo.

Como se o pai deixasse uma mulher tomar uma decisão por ele.

— Nada que alguém pudesse dizer ou fazer vai mudar alguma coisa, — eu disse miseravelmente.

Eu não tinha visto minha mãe desde que ela me enviou ao escritório do pai. Ela provavelmente não estava conseguindo me encarar, sabendo que havia me condenado a esse casamento.

— Mas Kaki...

Ergui a cabeça e enxuguei as lágrimas do meu rosto. Diane olhou para mim com olhos castanhos cheios de pena. Mas onde o meu cabelo era castanhos o dela era pretos. Papai, às vezes, a chamava de bruxa; não era de uma forma carinhosa.

— Ele apertou a mão do pai de Lauren.

— Eles se encontraram?

Isso é o que eu queria saber também. Por que ele encontrou tempo para se encontrar com o chefe da Família de Nova York, mas não para me contar sobre seus planos de me vender como uma prostituta? Empurrei a rustração eo desespero da minha cabeça, tentando fazer esses sentimentos saírem do meu corpo.

— Isso é o que o pai me disse.

— Tem que haver algo que possamos fazer, — disse Diane.

— Não tem.

— Mas você ainda não encontrou a mulher. Você nem sabe como ela é! Ela pode ser feia, gorda e velha.

Feia, gorda e velha. Eu queria que fossem as únicas características de Lauren que eu tivesse que me preocupar.

— Vamos procurar no Google sobre ela. Tem de haver fotos na internet.

Diane pulou e pegou meu laptop da mesa e depois se sentou ao meu lado, nossas laterais encostadas uma na outra

Encontramos várias fotos e artigos sobre Lauren. Ela tinha os olhos mais verdes e frios que eu já vi. Eu podia imaginar muito bem como aqueles olhos se fixavam em suas vítimas antes de meter uma bala na cabeça delas.

— Ela é alta. — disse Diane com espanto.

E musculosa também; isso provavelmente explica por que algumas pessoas a chamavam de Touro pelas costas. Esse era o apelido que os artigos usavam, e lhe chamavam de herdeira do empresário e dono de clubes, Michael Jauregui. Homem de negócios.

Talvez no lado de fora. Todo mundo sabia o que Michael Jauregui realmente era, mas é claro que ninguém era estúpido o suficiente para escrever sobre ele.

— Ela está com uma garota diferente em cada foto.

Fiquei olhando para o rosto sem emoção da minha futura esposa O jornal a chamou de “a solteira mais disputada de Nova York, herdeira de centenas de milhões de dólares”.

Herdeira de um império de morte e sangue, é o que ele deveria dizer.

Diane bufou. — Deus, as meninas estão se jogando nela. Deve ser porque ela tem essa boa aparência.

— Pode ser, — eu disse amargamente.

Em nosso mundo, muitas vezes escondia-se o monstro que as pessoas eram. As,meninas da sociedade só se interessavam pela boa aparência dela e sua riqueza. Eles pensavam que a aura de bad girl era um desafio, um jogo. Elas bajulavam seu carisma predador porque irradiava poder. Mas o que elas não sabiam era que sangue e morte se escondiam sob o sorriso arrogante.

Levantei abruptamente. — Eu preciso falar com Johnny.

Johnny Depp tinha quase cinquenta anos e era um soldado leal de meu pai. Ele também era meu guarda-costas e de Diane. Ele sabia tudo sobre todos. Minha mãe o chamava de difamador. 

Mas se alguém sabia mais sobre Lauren, era John.


***


— Ela se tornou uma mulher da máfia aos onze anos. — disse John, afiando a faca em um moedor como fazia todos os dias.

O cheiro de tomate e orégano encheu a cozinha, mas isso não me deu uma sensação de conforto, como normalmente fazia.

— Aos onze? — perguntei, tentando manter minha voz estável. A maioria das pessoas não se torna membro plenamente iniciado da Máfia até que tenha dezesseis anos. — Por causa de seu pai?

John sorriu, revelando um incisivo de ouro, e fez uma pausa em seus movimentos.

— Você acha que foi mais fácil, porque ela é a filha do chefe? Ela matou seu primeiro homem aos onze, por causa disso também seu pai decidiu iniciá-la mais cedo.

Diane engasgou — Ela é um monstro.

John deu de ombros. — Ela é o que precisa ser. Para governar Nova York você não pode ser um maricas. — Ele deu um sorriso de desculpas.

— O que aconteceu? — Eu não tinha certeza se realmente queria saber.

Se Lauren havia matado seu primeiro homem ao onze, então quantos mais ela tinha matado nos nove anos desde então?

John balançou a cabeça e passou a mão por seus cabelos curtos e lisos, coçou a barba que tinha em seu queixo. Ele era magro e não parecia grande coisa, mas minha mãe me disse que poucos eram mais rápidos com uma faca do que ele. Eu nunca o tinha visto lutar.

— Não posso dizer. Eu não sou tão familiarizado com Nova York.

Fiquei observando o nosso cozinheiro enquanto ela preparava o jantar, tentando me concentrar em algo que não fosse o meu estômago revirando e meu medo avassalador.

John se concentrou no meu rosto. — Ela é um bom partido. E em breve vai ser a mulher mais poderosa da Costa Leste. Ela vai te proteger.

— E quem vai me proteger dela? — eu assobiei.

Johnny não disse nada porque a resposta era clara: ninguém poderia me proteger de Lauren após o casamento. Nem John e nem meu pai. Mulheres em nosso mundo pertenciam a seus maridos.

Elas eram sua propriedade, para que fossem tratadas como eles quisessem.


Notas Finais


Uma coisa que eu não falei quando postei a fic pela primeira vez, talvez algumas pessoas não saibam, e. Outras sim, mas
A Daine que eu cito no capítulo, como irmã da Camz.
E a Diane Guerrero

Quem quiser pesquisar pra saber quem e ta ia...


COMENTEM E FAVORITEM

I LUV Ú💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...