História Boy From Wonderland- KHWH - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Hyung Won, I'M, Joo Heon, Ki Hyun, Min Hyuk, Show Nu, Won Ho
Visualizações 1
Palavras 1.885
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Romance e Novela

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem, boa leitura.

Capítulo 2 - You want to see a dog and a turtle?


Kihyun aproximava-se dos dois corpos mortos com a faca ensanguentada, com passos calmos e cuidadosos, até que reconhece um dos corpos sendo nem mais nem menos que o seu.

I.M assusta-se com Kihyun a levantar-se de repente e assim que o mesmo olha para o lado e começa a gritar ao ver que o seu tio e o melhor amigo a observarem-no. Mas o grito não durou muito, pois Changkyun deu-lhe uma chapada.

- Ei!- Shownu reclama com o Im após ver ele dar uma chapada no seu sobrinho. Changkyun agarra no ombro de Kihyun puxando-o para cima e fazendo-o olhar para si

- Se queres viver, não podes desistir. Não há tempo.- Changkyun afirma olhando intensamente para Kihyun, que começa a respirar fundo, enquanto eram observados por Shownu.

- Ele tem pesadelos desde criança e isso tornou-se uma doença. Sofre muito quando está inconsciente, mas quando acorda parece totalmente bem. Este ano piorou.- Shownu revela para o melhor amigo, minutos depois, enquanto os dois estavam na cozinha a observar o Kihyun a ver televisão na sala.- Porque ele tem sempre estes pesadelos?- esta pergunta fez com que Changkyun revirasse os olhos e agarra-se numa das suas cenouras, levando-a até à boca

- Ele tem que encontrar algo perdido, apenas isso.- Changkyun diz comendo a sua cenoura, deixando Shownu confuso

- O que é isso?- Shownu pergunta ficando interessado no que o sobrinho teria que encontrar.

- Eu não sei. Quando ele se lembrar tudo será respondido.- Changkyun diz meio ignorante comendo a cenoura.

- Fale a minha língua!- Shownu reclama, fazendo com que Changkyun engolisse a cenoura rapidamente

- A origem de uma memória não é aqui, mas sim aqui.- Changkyun diz apontando primeiro para a cabeça e depois colocando as duas mãos no peito, indicando o coração.- O vento está soprando forte. As pétalas estão caindo, mas eu não vejo claramente.- Changkyun diz o que viu numa das suas visões, deixando Shownu assustado.

- Porque não vens aqui um minuto?- Shownu pergunta agarrando no I.M enquanto este ia comer mais uma cenoura, impedindo-o e levando-o até a sala de leitura onde costumava trabalhar- Lembras-te do incidente em Hwaryeongi?- Shownu pergunta assim que fecha a porta da sua sala

- O quê? Hwaryeongi? A fada das flores?- Kihyun ouve Changkyun perguntar, enquanto aproxima-se da porta, para poder ouvir a conversa do seu tio com o melhor amigo.

- Seu idiota! O lugar onde as pétalas de flores caem como neve é em Hwaryeongi. De qualquer forma, não deveria estar lá. A minha mãe disse que a morte estava lá.- Shownu diz para Changkyun, deixando-o pensativo.

- Estranho. Claramente a tua mãe disse "Vai imediatamente, não há mais tempo".- Changkyun afirma, fazendo com que o amigo olhasse-o sério.

- Viste a minha mãe? Ela possuiu o teu corpo?- Shownu pergunta agarrando na cabeça de Changkyun, obrigando-o a olhá-lo.- Onde ela está? Aqui?- pergunta assim que I.M afastasse, olhando para os lados.

- Ela não pode vir aqui. Porque o fruto do pecado está em baixo da pedra.- Changkyun diz fazendo a sua típica cara de ignorante.

- Então o Kihyun precisa ir a Hwaryeongi?- Shownu pergunta meio preocupado com o sobrinho

- Quantas vezes eu disse-te? Ele tem que encontrar algo que perdeu.- Changkyun pergunta deixando Shownu outra vez confuso

- O que é isso? Se ele não encontrar, o que vai acontecer?- Shownu pergunta confuso e irritado por não entender nada.

- Ele morrerá. Todos. Isso aconteceu em todas as nossas vidas anteriores, mais de uma vez.- Changkyun diz friamente, assustando não só Shownu, como também Kihyun.- Este ano todas estas vidas vão convergir em uma só.- ele continua, comendo uma cenoura como se estivesse falando de coisas normais.

- Como consegues falar dessas coisas todas e ainda comer tranquilamente?- Shownu pergunta levemente irritado, batendo na mão de Changkyun que o olha indignado.

- Eu estou comendo as minhas cenouras. Por acaso elas são tuas? Pessoas que nunca alimentaram um fantasma não fazem ideia do quanto é incomodo.- Changkyun resmunga agarrando noutra das suas cenouras e apontando para Shownu.- Amanhã passem no templo, irei entregar-lhe um talismã.- e com isso Kihyun corre para o cadeirão, voltando a ver televisão, enquanto Changkyun anda até à porta da sala, mas parando ao se lembrar de uma coisa.- Ei. 3, 28, 24... Isso não te lembra nada?- Changkyun pergunta vendo o amigo olha-lo estranho.

- 3... 28?- Shownu pergunta lembrando-se de uma coisa importante.

————— // ————— // —————

Nessa noite, Kihyun levantou-se da cama, começando a mexer no armário que tinha pertencido à sua avó e encontrando um diário. Dentro desse diário, encontrou uma foto de um bebé com uma chave por cima, guardando a foto e a chave consigo. Ao mesmo tempo, Shownu procurava pelos diários da sua irmã correspondentes aos dois anos em que ocorreu um acidente.

- Os diários de 1989 e 1990 não estão aqui...- Shownu conclui, lembrando-se do que o melhor amigo tinha dito. Sentou-se no computador, escrevendo os números que I.M tinha mencionado e indo parar a um site de uma casinha nomeada "Wonderland".- Wonderland? A vila do tempo, agora transformou-se num Chalé?- ele ia continuar a se questionar sobre isso, se não tivesse um barulho, fazendo-o ir ver encontrando o Kihyun com uma faca na cara, pronto para se matar.

- Você também vai morrer, Kihyun.- Kihyun afirma com a faca na sua cabeça, fazendo Shownu desesperar-se e ir de encontro ao Kihyun, impedindo-o de se matar, mas não de fazer um pequeno corte na sua bochecha.- Tio, vamos para casa.

- Kihyun!- Shownu chama, abraçando o sobrinho com força- Porquê? Eu estou com medo.- Shownu afirma e depois de deixar Kihyun em segurança vai até Changkyun.

- Vivendo entre a realidade e os sonhos. O limite irá gradualmente deixar de existir e, eventualmente, ele vai morrer.- Changkyun afirma para o seu amigo, que tinha ido até ele a meio da noite.

- Diário. Eu procurei os diários de 1989 e 1990 e não encontrei. Foi quando eles ficaram hospedados lá.- Shownu afirma para o melhor amigo, que o encara assustado

- O Kihyun começou a escrever um diário com 4 anos?- Changkyun pergunta assustado com a competência do pequeno rapaz.

- O diário da minha irmã. Ela escrevia todos os dias no seu diário.- Shownu resmunga, ao perceber que o amigo não tinha prestado atenção no que ele tinha contado.

- De qualquer maneira não gosto disso. E o Kihyun querendo ir lá significa que há algo a ser procurado.- Changkyun diz fazendo uma careta de quem não estava gostando do que estava ouvindo.- Mas se ele for lá, terá pesadelos muito mais sinistros do que o que teve hoje. Lá, se ele tiver pesadelos que não se parecem com um pesadelo...- Changkyun pára, colocando o indicador em frente aos lábios indicando silêncio. Em seguida, agarra num saquinho colocando o talismã lá e enrolando.- O talismã deve ser aberto. Assim, a vida dele pode ser protegida.

- Um pesadelo que não parece um pesadelo? É um pesadelo ou não.- Shownu pergunta irritado pelo amigo não falar a mesma língua que ele.

- Eu também não sei.- Changkyun reclama

- Que tipo de feiticeiro não sabe de nada?- Shownu pergunta tentando confrontar o seu amigo.

- Então um feiticeiro é obrigado a saber de tudo? Se eu soubesse tudo, porque precisaria prever o destino? Ei, guarda isso bem! Eu fiz isso escondido da tua mãe.- Changkyun manda, ficando totalmente sério.

- Escondido da minha mãe? Porquê?- Shownu pergunta confuso

- Este é um talismã que pode matar um espírito. E também, ainda há mais um talismã, mas esse ele deve pegar quando chegar lá.- Changkyun afirma observando Shownu guardar o talismã no bolso.

- Pegar com quem?- Shownu pergunta curioso, assim que acaba de guardar o talismã.

- Bem... com a pessoa que pôs o selo e começou tudo isso.- Changkyun diz sério

- Todos estão mortos. A minha mãe e o meu cunhado. Após um ano, eles morreram no incêndio. O segurança tinha desaparecido, até que uma semana depois encontraram o corpo. A minha irmã estava numa viagem na França quando cortou os pulsos.- Shownu diz, não reparando que mais alguém escutava a sua conversa.

- Ainda há alguém Tenho a certeza que ainda há alguém vivo lá.- Changkyun afirma lembrando-se de prever isso na sua visão.

- Eu disse que não há. E eu não posso ir também? Ele nunca esteve longe de mim por muito tempo!- Shownu afirma querendo proteger Kihyun a qualquer custo.

- Queres ajudar o Kihyun, certo? Então, fecha a boca e faz o que eu digo. Se a data é 28 de Março então não tens tempo para ficar resmungando aqui.- Changkyun diz sério

- Então tu também vais, certo?- Shownu pergunta olhando nos olhos do amigo.

- Estás louco? Eu vou para o Brasil.- Changkyun reclama, lembrando-se da sua viagem.

- Então, vou levar isto.- Shownu agarra no livro que o Im levava para todo o lado

- Ei, ei, ei... Hyung, hyung, hyung... Não faças isso! Sem isto, eu seria incapaz de viver. Porque és assim?- Changkyun pergunta apressando-se para recuperar o seu livro.

- Então tu vens comigo.- Shownu resmunga irritado com o melhor amigo.

- Eu não vou com um homem louco. Eu sou doido? Tu sabes que eu odeio pessoas loucas. Isso é mais assustador do que fantasmas.- Changkyun diz, sabendo que ia ter que ceder ao capricho do amigo.

————— // ————— // —————

Kihyun estava quase adormecendo dentro daquele carro que não parava de andar... ou que parecia que não parava, pois o seu tio tinha acabado de parar para ele sair. Changkyun estava no banco detrás, reclamando que deveria estar indo para a sua viagem ao Brasil, quando Kihyun abriu a janela. Assim que estavam os três fora do carro, Shownu entregou o talismã ditando algumas regras para o seu sobrinho.

- Este amuleto deve ficar sempre contigo.- Shownu conclui vendo o Kihyun dar um leve sorriso

- Se tiveres um pesadelo que não pareça um pesadelo, este talismã deve ser aberto. O outro talismã...- Changkyun estava lembrando as coisas que Shownu tinha esquecido de dizer, isto se não fosse interrompido pelo próprio Kihyun

- Eu sei, tenho que encontrá-lo.- Kihyun diz sorrindo, enquanto guardava o saquinho com o talismã por dentro da blusa.

- Se vires algo mau ou estranho, fecha os olhos com força e abre-os novamente. Porque nem tudo o que vires é real.- Changkyun afirma, enquanto Kihyun concorda

- A partir de agora, tens que ir lá sozinho. Segue este caminho, alguém do Chalé virá te buscar. Quando chegares, não te esqueças de me ligar.- Shownu diz sério para o sobrinho que sorri

- Sim.- Kihyun diz, abraçando o tio e após o tio e Changkyun voltarem para o carro, Kihyun faz o sinalzinho que sempre fazia desde pequeno. Após irem embora, Shownu e Changkyun foram saber mais informações sobre a vila onde tinham deixado Kihyun, descobrindo que ninguém ia lá à vinte anos, quando ocorreu o incêndio que matou a mãe e o cunhado. Enquanto isso, Kihyun começou a seguir a trilha que o seu tio tinha indicado, sorrindo para a natureza que o rodeava. Fechou os olhos por um segundo, ouvindo uma voz de um rapaz.

- Queres ver um cachorro e uma tartaruga?


Notas Finais


Espero que tenham gostado.
O próximo capítulo saí em breve.
Até lá, beijos com nutella


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...