História Boy Meets Boy - NAMJIN - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts, Jin, Namjin, Namjoon
Visualizações 166
Palavras 4.216
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Yaoi

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá!! Como vocês estão?
Então queridos leitores, trouxe mais um capítulo engraçadinho e fofinho para vocês haha
Não tenho muito o que falar hoje então boa leitura!

Capítulo 19 - From Friends to Couples


            Quando cheguei a sala, Tina correu até mim e pareceu não acreditar que eu estava mesmo ali.

- Achei que você havia desistido dessa merda e me deixado sozinha com esses vermes! – Ela gritou, fazendo com que metade da sala se virasse e aumentasse ainda mais a antipatia que sentiam por nós.

            Fiquei um tanto envergonhado por causa dos olhares, mas não demorou muito para que eu me tornasse indiferente com aquilo.

- Tive alguns problemas familiares... E de namoro... Bom, foram vários problemas seguidos. – Respondi coçando a cabeça tentando me lembrar de todos.

            Fomos até as carteiras do fundo e contei a ela toda a história que me fez faltar tantos dias nas aulas, com exceção de alguns detalhes pessoais é claro.

            A aula foi da nossa professora preferida, que só me fez me sentir pior por ter perdido conteúdo daquela matéria maravilhosa. Eu estava definitivamente focado agora, pretendia recuperar o tempo perdido o mais rápido possível, não queria ficar para trás nesse semestre.

            Saí com o caderno repleto de anotações e cabeça latejando. Dessa última parte eu não havia sentido falta.

            Encontrei com Tae, Suga e Jimin no pátio como sempre fazíamos.

- Graças a deus você chegou, eu estava sobrando aqui. – Tae disse me puxando pelo braço enquanto os outros dois reviravam os olhos.

            Eu sabia que ele não estava sobrando ali, só havia dito aquilo para irritar o mais novo casal, pois eu duvidava muito que eles estivessem expressando qualquer tipo de afeição ali no pátio.

- Desde quando você se tornou tão engraçado, Taehyung? – Suga levantou subitamente afim de assustar Tae que se escondeu atrás de mim com um sorriso travesso.

            Era estranho pensar como todos nós agora namorávamos uns aos outros. No começo, essa possibilidade nunca passara por minha cabeça, mas com o tempo pude perceber através da afinidade de cada um que havia algo além de amizade entre alguns de nós.

            Mas mesmo assim, era bizarro vê-los juntos, não achei que fosse realmente acontecer. Nunca achei que eu conseguiria ficar com Jin, quer dizer, ele parecia tão além do meu nível.

            Suga e Jimin? Que combinação mais inesperada.

            Bom, Taehyung e Jungkook era bem previsível, não fiquei surpreso com esse casal afinal.

            Por fim, tinha Hobi que ainda era um mistério para todos nós. Mas se tem uma coisa que eu havia aprendido, principalmente com Suga, é que devemos respeitar as particularidades das pessoas. Eu sabia que ele não se sentia confortável falando sobre seus relacionamentos conosco, então eu só teria de aceitar.

            Mas confesso que gostaria que Hobi arranjasse alguém logo, na verdade, não sabia como ele ainda não havia arranjado. Ele sempre se destacava por causa de sua dança, era bonito e incrivelmente extrovertido. Normalmente essas pessoas não ficam muito tempo sozinhas.

            Bom, talvez ele já tenha arranjado, nós só não sabemos.

- Sabe o que deveríamos fazer? Um encontro de casais! – Tae falou entusiasmado.

- Passo. – Suga respondeu imediatamente, sem nem considerar a possibilidade.

- Seria tão legal... – Jimin disse formando um bico adorável. – Mas se você não quiser está tudo bem.

- Não deve ser tão ruim assim, acho que podemos tentar afinal. – Suga corou, pois sabia que nós não deixaríamos aquilo passar despercebido.

- Eu não sei porque o Suga ainda se incomoda em responder as coisas, nós sabemos quem manda nessa relação. – Disse com tom de deboche.

- Pois é, ele não sabe nem disfarçar. – Tae completou, tanto eu quanto ele segurávamos o riso enquanto falávamos aquilo.

- Vão se ferrar, seus otários.

            Explodimos em gargalhadas sonoras, fazendo com que Suga ficasse ainda mais envergonhado. Pude notar que Jimin também parecia querer rir daquilo tudo, mas não o fez. Provavelmente não queria que Suga ficasse ainda mais constrangido.

            Voltei para a sala de aula e fiquei checando meu relógio de minuto a minuto, que parecia não passar nunca. Por mais que a aula fosse incrivelmente tediosa, minha vontade de ir embora agora era por outro motivo, era porque eu já estava sentindo falta de Jin.

            Outro fato estranho que me fez parar para pensar era que agora, quando eu fosse embora, eu não iria mais encontrar meu apartamento vazio, iria encontra-lo com Jin lá.

            Pensar nisso só me fez querer sair da sala ainda mais, mas eu já havia faltado demais, minha única opção, era esperar até que essa maldita aula acabasse.

 

 

- Cheguei! – Gritei ao abrir a porta do apartamento.

            Percebi o quão idiota foi ao lembrar que eu morava numa quitinete, ou seja, meu apartamento era composto por um único cômodo, era obvio que Jin me viria quando eu chegasse, não havia porque anunciar isso.

- Como foi seu dia?

            Jin estava esparramado na cama, com uma calça de moletom e uma blusa larga.

- Bom, e o seu? – Respondi quando cheguei mais perto dele e o cumprimentei com um selo rápido em seus lábios.

- Super chato.

- Você não foi para a universidade? Para retomar seu curso?

            Ao falar aquilo, pude notar o quão tenso ele ficou. Sua expressão pareceu enrijecer e ele engoliu em seco.

- É, tem isso ainda. – Ele se sentou. – Não fui, mas amanhã eu vou.

- Jinnie. – Me sentei ao lado dele e segurei suas mãos. – Você não gosta né? De medicina.

            Ele encarava o chão com uma expressão nada feliz.

- Você não precisa voltar se não quiser. Agora você está livre para fazer o que quiser. Eu irei te apoiar em qualquer coisa que você escolher fazer. – Beijei sua bochecha e falei perto de seu ouvido. – Eu prometo.

            Jin se afastou e percebi que ele tinha se arrepiado devido a minha proximidade. Tinha um sorriso meigo em seu rosto agora, o que me deu um certo alívio.

- Sabia que você é o melhor namorado que existe? – Ele disse.

- O melhor o quê? – Fingi não ter escutado só para ouvi-lo repetir aquela palavra.

- Namorado! – Ele repetiu pausadamente para dar mais ênfase.

            O abracei, fazendo com que ele caísse na cama e meu corpo ficasse sobre o dele, dando-lhe o beijo que eu guardara desde o momento que havia saído do apartamento para ir a aula.

            Nosso momento foi cortado por pontapés na porta. Jin se afastou com os olhos arregalados.

- Quem será?

            Ri devido a sua reação. Ele não devia estar acostumado com as pessoas chegando assim na casa dele.

- Deve ser Hobi ou Suga. – Me levantei e fui em direção a porta, mas antes de abri-la me virei para Jin novamente. – Você vai se acostumar com isso.

            Abri a porta e era Suga com sua cara descontente de sempre.

- Preciso falar com você e é sobre... – Ele parou de falar quando notou Jin. – Ah, você está aqui.

- Eu moro aqui agora. – Jin respondeu com o cenho franzido.

- Verdade, tinha me esquecido disso.

- Seja lá o que você quer me dizer, pode falar no caminho. Vou para o mercado agora e você pode me acompanhar. – Peguei um pedaço de papel e me virei para Jin. – O que eu preciso comprar?

            Jin começou a anotar as coisas que eu precisaria, que por um momento, achei que fosse todos os produtos do mercado.

            Fiz uma careta ao ver o tanto de coisas que teríamos que carregar, mas realmente não havia muita escolha, já que toda a comida tinha apodrecido. Me despedi de Jin com um longo selo e ouvi Suga resmungar ao fundo.

- Que nojo.

            Ao saímos do prédio me virei para meu amigo.

- O que você queria falar?

- Estou entrando em pânico, sério. – Ele parou e segurou meus braços. – Namjoon, eu nunca fiquei mais de uma semana com alguém! Sinto como se Jiminie e eu já estivéssemos namorando, mas não estamos, só que da mesma maneira, não sei o que devo ou não fazer. As vezes penso que estou indo longe demais com algumas coisas por ainda não sermos namorados, mas ao mesmo tempo penso que estou indo devagar demais e desta forma nunca chegaremos a namorar.

- Todo mundo passa por isso, cara. – Me livrei das mãos dele que me apertavam devido ao seu nervosismo. – Eu passei com Jin, Tae passou com Kookie. Não há segredo, faça o que quiser, não pense que há uma linha que você deve ou não ultrapassar. – Sorri afim de tranquilizá-lo. – Seja você mesmo, se tiver que ser, será.

- Que conselho de merda! Talvez essas suas frases prontas funcionem com os outros, mas comigo não. Seja objetivo.

- O quê? Vai se ferrar então. Não são frases prontas, são espontâneas, seu idiota!

- Estudantes de literatura são um porre. – Ele disse enquanto se virava e continuava andando.

            Quis matá-lo naquela hora, mas ambos acabamos rindo da situação. Nunca achei que diria isso, mas senti falta das briguinhas que tinha com meu amigo.

- Você contou para Jin sobre o encontro de casais? – Suga disse quando finalmente chegamos ao mercado.

- Droga, esqueci. Mas ele com certeza vai topar.

            Bom, mais uma vez, eu estava errado.

- De jeito nenhum, Joonie. – Ele disse se virando para mim enquanto cozinhava nosso jantar. – Nós estamos desempregados e estamos vivendo da mesada que seus pais mandam, que mal dá para pagar a conta no mercado e o aluguel.

- Mas será em lugar bem barato, tenho certeza. – Comecei a usar minha voz manhosa. – Eu queria muito ir, Jinnie.

            Ele levou o indicador até a ponta do meu nariz e espremeu os olhos.

- Não vem com essa para cima de mim, já disse que não vamos.

- Por favor, princesa. – Disse enquanto juntava as mãos como se suplicasse por sua aceitação.

- É assim que você pretende me convencer? Me irritando?

- É brincadeira, meu amor. – O abracei forte fazendo com que ele fizesse uma careta devido ao aperto. – Vamos? Por favor? Eu lavo a louça por uma semana se você quiser.

- Joonie, você vai lavar a louça todos os dias pro resto de nossas vidas. Ou você acha que vou cozinhar e lavar? – Ele deu um tapa leve em minha cabeça. – Mas tudo bem então, nós iremos se for em um lugar barato, ok?

            Sorri grande e dei alguns pulinhos de felicidade, dando lhe vários selinhos seguidos.

- Quem é o melhor namorado do mundo agora? – Disse após beijá-lo umas cem vezes e ele apenas sorriu como resposta.

 

 

            Era sábado à noite. Já fazia mais de uma hora que Jin estava dentro do banheiro se arrumando. Eu estava começando a ficar impaciente, não sabia que ele demorava tanto para ser arrumar.

            Na verdade, não sabia porque ele estava se arrumando tanto, nós só iriamos até um restaurante perto do apartamento de Kookie. Eu sabia que o local não era tão barato quanto havia prometido, mas Jin não, então não fazia sentido ele se arrumar tanto.

            Estava sentado na cama de meias com uma dúvida cruel entre qual sapato eu deveria colocar. Tinha a opção do meu coturno de sempre, mas exatamente pelo fato de ser o “coturno de sempre” que eu não queria colocá-lo. Ou a opção do meu Converse, mas achava que não iria combinar com a roupa que eu estava usando.

            Estava de longline, uma calça preta justa e um sobretudo preto. Jin dizia que eu usava roupas pretas demais, mas eu não via problema nisso, era uma das minhas cores favoritas.

- O que achou? – Ouvi a voz do garoto atrás de mim, que eu nem percebi o momento que saíra do banheiro.

            Jin, que agora tinha que usar minhas roupas já que ele não tinha nenhuma, estava com uma jaqueta de couro preta, uma camisa cinza por baixo, uma calça jeans que pareceu lhe servir perfeitamente, embora ele fosse alguns centímetros mais baixo que eu, e um coturno mostarda que eu havia usado uma ou duas vezes.

            Era estranho como ele parecia incrivelmente lindo, mesmo que aquelas fossem minhas roupas e eu já havia as visto milhares de vezes.

- Sinto falta do rosa. – Respondi.

- Eu também. – Ele formou um bico.

            Ambos rimos e ele se sentou ao meu lado.

- Você está lindo, parece um príncipe. – Quando eu estava me preparando para responde-lo ele levou o indicador até meus lábios, me impedindo de dizer qualquer coisa. – Eu sei o que você vai falar, por favor, não estrague o momento.

            Apenas ri e decidi usar o coturno de sempre.

            Fomos de metrô até o bairro de Kookie, que era relativamente longe do meu. Passamos pelo prédio de Jin e pude perceber que ele ficou um tanto quanto abatido, talvez por lembrar dos momentos terríveis que passou ali. Mas seu estado melancólico não durou muito, pois quando estávamos prestes a chegar ao restaurante, ele já estava pronto para me dar um sermão.

- Namjoon, esse restaurante é caro! – Ele exclamou, parando próximo a entrada do estabelecimento. – Eu não acredito que você me enganou.

- Enganar é uma palavra muito forte. – Respondi.

- É a palavra que descreve perfeitamente o que você fez.

- Jinnie, é uma noite especial entre os casais do nosso grupo de amigos. Nós merecemos um restaurante como esse para comemorar, não acha?

- Quer mesmo que eu responda?

            Ignorei a birra do meu namorado e apenas o puxei pelo braço, o obrigando a entrar junto a mim pela porta da frente do restaurante.

            A decoração era incrível, o que já justificava o preço de cada prato. A construção era em madeira e tinha uma iluminação amarelada, o que dava um aspecto aconchegante ao entrar. Fomos muito bem recebidos pelos funcionários, que nos levaram até a reserva que Tae havia feito.

            Nossa mesa era na varanda do restaurante, que tinha fios que cruzavam a parte de cima com pequenas luzes penduradas. Haviam algumas trepadeiras ao longo das paredes externas, dando uma linda harmonização entre a construção rústica e o verde da natureza.

            Ao chegarmos a mesa, todos já estavam lá, extremamente bem arrumados como eu havia imaginado. Suga estava até de blazer.

- Por que vocês sempre são os últimos a chegar? – Kookie perguntou descontente com o atraso.

- Porque moramos longe. Você tem mesmo que perguntar isso sempre? – Respondi.

            A distância da casa de Suga era bem maior que a da nossa, mas eu sabia que ninguém ali tinha noção disso, então nem valia a pena comentar. Eu só não entendia como ele conseguia chegar no horário certo na maioria das vezes. O cara era realmente bom em cronometrar o tempo da viagem.

- Por que ele está com essa cara? – Jimin perguntou enquanto apontava para Jin.

- Ele está bravo porque eu disse que seria em um lugar barato.

- Eu estou bravo porque ele me enganou. – Jin cruzou os braços.

            Em meio a essa conversa, o garçom chegou com algumas bebidas bem coloridas em copos ornamentados. Jin logo desfez sua careta e começou a beber.

            Pedimos vários pratos e acabamos dividindo entre nós. A comida não era tão boa quanto pensamos, mas ainda assim, comemos bastante. Era engraçado como Jin não perdia a oportunidade de dar sua opinião ao garçom para que melhorasse um prato ou outro.

            Não demorou muito para que Jimin e Suga ficassem bêbados, afinal, eles não poderiam perder o costume. Jimin quebrou dois copos e um prato, até porque outro costume do garoto era fazer com que nós passamos vergonha quando ele bebia um pouco a mais.

            A noite foi muito divertida até então, mas não consegui me sentir totalmente confortável. Por mais que fosse um encontro de casais, eu sentia falta de Hobi ali.

- Sabe o que acho estranho? – Jimin falou com o a testa enrugada e voz arrastada. – Taetae e Kookie namoram a muito mais tempo que vocês dois, mas eles não moram juntos ainda, o que eu acho completamente normal, já que não faz nem um ano de relacionamento. Mas vocês... – Ele apontou para Jin e eu. – Acabaram de começar a namorar e já moram juntos? Não acham isso meio precipitado?

            Jin e eu nos olhamos incontáveis. Ele tinha razão sobre isso, eu também pensava que havíamos tomado essa decisão cedo demais, mas não era como se Jin tivesse escolha.

- Nossa, Jimin! – Suga disse enquanto o forçava a se virar para ele. – Seu espírito de Rap Monster está se manifestando outra vez, já está até metendo o nariz aonde não é chamado.

            Todos riram e o assunto acabou por isso mesmo. Agradeci a Suga mentalmente, pois eu sabia que ele havia feito aquilo para nos poupar explicações que não queríamos dar.

            Jimin acabou dando muitas outras bolas foras, o que fez com que Suga dissesse que devíamos encerrar a noite por ali mesmo. E é claro, todos nós concordamos.

            Jin, Suga e Kookie foram até o caixa pagar a conta enquanto eu e os outros garotos ficamos sentados esperando que eles voltassem.

- Namjoon. – Tae me chamava enquanto puxava a manga da minha camisa para que eu prestasse a atenção nele. – Você acha que Kookie e eu deveríamos morar juntos?

            Eu sabia que ele viria me perguntar isso mais cedo ou mais tarde, tudo por causa do intrometido do Jimin.

- Não sei, Tae. Não sei como é a relação de vocês, isso depende de cada casal. – Respondi da maneira mais vaga possível.

- E como é a relação entre você e Jin? Como souberam que era hora de morarem juntos? – Ele insistiu e percebi que eu não teria escapatória.

- Tae, você deve ter essa conversa com Kookie, não comigo. Mas somente se você acha que já estão próximos o suficiente para morarem juntos, e não porque Jiminie falou. – Apontei para o mais novo entre nós que estava dormindo sentado ao meu lado. – Olha para ele, você acha que ele sabe o que fala? Ainda mais quando está bêbado?

            Tae sorriu ao nota-lo e depois voltou os olhos para mim.

- Acho que você está certo. – Kookie chegou e colocou a mão no ombro do namorado. – De qualquer forma, obrigado.

            Percebi que Suga também estava ali e tentava acordar Jimin da maneira mais delicada possível.

- Cadê o Jin? – Perguntei para quem quisesse ouvir.

- Ele ficou para trás. Estava conversando com o gerente se não me engano. – Kookie respondeu apontando para trás.

            Típico de Jin. Provavelmente o gerente estava lhe dizendo o quão bonito e elegante ele era enquanto o garoto concordava com tudo sem a menor humildade.

            Um ou dois minutos depois, Jin chegou a nós e disse que já podíamos ir embora.

            Ao me levantar, senti uma leve tontura, o que só poderia significar que eu havia bebido um pouco além da conta, mas consegui disfarçar bem para que ninguém percebesse.

            Nos despedimos dos outros garotos e fomos em direção a nossa amiga fiel e de todas as horas, a estação de metrô.

            Jin parecia demasiadamente sonolento, o que também significava que ele havia bebido demais. Ao entrarmos no vagão, ele logo se aninhou, abraçando um dos meus braços e encostando a cabeça em meu obro e dormiu.

- Jinnie. – Disse enquanto acariciava seu rosto. – Acorda, temos que descer daqui a pouco.

            Confesso que também cochilei por um rápido momento e acordei desesperado, achando que havíamos passado de nossa parada, mas ao olhar o painel pude notar que tivemos sorte.

Ele balbuciou algumas palavras inaudíveis e logo se pôs de pé.

Sua postura e face estavam engraçadas, já que ele estava meio curvado devido ao cansaço e os olhos parcialmente fechados.

            Quando descemos e ele percebeu que ainda teríamos que andar por uns minutos até chegar ao prédio, ele deu um longo suspiro como forma de reclamação, o que fez com que eu risse por um tempo.

            O garoto fora se arrastando por todo o caminho, se apoitando em mim mais do que o normal. Quem o visse assim, iria pensar que o garoto estava caindo de bêbado, embora ele estivesse caindo de sono.

            Ao chegarmos no apartamento, ele correu até a cama e se esparramou.

- Jinnie, você vai dormir de sapatos? E casaco? – Perguntei com um sorriso no rosto ao vê-lo daquela maneira.

            Ele me respondeu com um grunhido.

Não tive escolha a não ser fazer o trabalho por ele. Tirei os sapatos dele e os joguei para o lado, tive certa dificuldade em remover o casaco, já que ele reclamava toda vez que eu tentava encostar nele, mas por fim consegui.

- Você não pode dormir assim, sabe que tenho que caber nessa cama também. – Me referi a maneira relaxada que ele estava no colchão, com ambas as pernas e braços abertos.

            O garoto fechou os membros e ficou o mais o próximo a parede possível, exageradamente espremido apenas para fazer um de seus teatrinhos dramáticos.

            Tirei os meus sapatos e as roupas em excesso e me deitei na cama, puxando-o para perto de mim para que ficássemos abraçados. Nevava lá fora e o apartamento parecia um refrigerador, mas com o calor de Jin próximo de mim, fui capaz de dormir confortavelmente.

 

 

            Acordei com um susto devido ao alarme do celular. Olhei a hora e vi que ainda tinha alguns minutos para tomar banho, mas devido ao frio e ao cansaço, pensei seriamente em não o fazer e aproveitar para dormir mais. Mas sabia que se eu dormisse novamente, eu não acordaria mais para a aula

            Tentei levantar, mas fui segurado pelos braços longos de Jin.

- Falte hoje, por favor. – Ele disse com voz sonolenta. – Quando você sai da cama fica muito frio.

- Que bom que você só me quer por perto para ser seu aquecedor humano. – Respondi com falsa indignação.

- Por que acha que aceitei morar com você?

            Ri baixo e voltei a abraça-lo. Aproveitei para sentir seu perfume uma última vez antes de ir para a universidade.

- Tenho que ir, Jinnie, mas quando eu voltar pode ter certeza que a primeira coisa que farei será te esquentar.

            Me livrei das cobertas para levantar e logo me arrependi de ter tomado a decisão de não faltar. Estava mais frio do que nunca e provavelmente a neve estaria espessa lá fora.

            Demorei muito mais do que o normal para chegar ao campus, isso porque ventava tanto que de vez em outra eu tinha que me esconder dentro das lojas pelo caminho para não congelar por completo.

            Ao entrar na sala, era aula da professora Smith, que me recebeu com um sorriso simpático e começou sua aula de Políticas Linguísticas.

            Não tive nem tempo de respirar direito do tanto que escrevi e debati durante a aula. Por mais que eu fosse tímido e soubesse que a sala toda não gostava de mim, eu nunca perdia a chance de participar de um debate em sala.

            A hora do intervalo chegara e eu estava pensando seriamente em não sair da sala, já que eu sabia o clima que me aguardava lá fora.

- Com licença. – Era a professora Smith que se aproximara. – Namjoon, certo?

- Isso, Namjoon Kim.

- Você é o garoto coreano, né? – Assenti com a cabeça. – Foi o que pensei. Então Namjoon, eu realmente gosto da maneira como você participa da minha aula, gosto do seu posicionamento e de como você expõe seu ponto de vista com tanta precisão e segurança.

            Me senti extremante lisonjeado com aqueles elogios, não só porque vinham de uma professora, mas porque vinham da minha professora preferida.

- Nossa, não sei nem o que dizer. – Sorri timidamente. – Muito obrigado.

- Imagina, é a verdade. Você já está envolvido com algum projeto? Ou tem algum trabalho de meio período? – Neguei com a cabeça. – Que bom, porque eu estava pensando seriamente em te chamar para estagiar comigo. Sou uma das colunistas na Revista Philos.

            Eu não pude acreditar naquilo que estava escutando. Essa era a revista que eu assinara a alguns meses atrás e sonhava em participar. Tive que me beliscar para ver se aquilo estava realmente acontecendo.

- Sério? – Disse enquanto me levantava da cadeira devido ao entusiasmo. – Eu... É, eu... – Comecei a gaguejar como sempre. – Claro, eu adoro a revista e sempre quis fazer parte dela.

- Que ótimo! Então nós dois sairemos ganhando. – Ela sorria, parecia aliviada. – Apareça lá amanhã, pergunte por mim na portaria, eles te levarão até a minha sala.

            Assenti com a cabeça e esperei que ela saísse da sala para saltitar pela sala e dar gritos de vitória.

            Nem pude esperar pelas últimas aulas, peguei minha mochila e corri para casa. Queria comemorar e contar a Jin que havia conseguido um emprego. Um ótimo emprego.

            Abri a porta com um chute e notei a expressão chocada de Jin.

- Namjoon, qual é o seu problema?

- Nenhum, meu amor, muito pelo contrário. – Dei um selo em sua boca e ele pareceu ficar ainda mais confuso. – Nossos problemas finalmente estão sumindo.

            Corri pelo apartamento em busca da revista. Consegui achar uma delas embaixo da cama e levei até ele.

- Consegui um emprego aqui, nessa revista! – Exclamei. – É minha revista preferida, Jinnie.

            Sua expressão agora transparecia orgulho e felicidade.

- Não acredito! Parabéns, Joonie! – Ele me abraçou forte. – Você merece.

            Corri até a cama e o chamei.

- Vou cumprir minha promessa.

- Não posso dormir agora, estou preparando o nosso almoço. – Ele respondeu apontando para os legumes sobre a bancada.

- Jinnie, essa notícia do emprego na revista me deixou muito animado, mas eu ainda quero aquecê-lo como havia prometido, só que com certeza não será dormindo.


Notas Finais


Esse foi o capítulo que mais coloquei "piadinhas" ou situações engraçadas (eu acho), mas é sempre bom pra dar uma descontraída né?
Vejo vocês daqui uns três dias mais ou menos, mas não prometo nada hehe
Esperem ansiosamente (ou não).
Até maisssss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...