História BOYS IN LUV - Imagine - A história por trás dos vídeos - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Drama, Ficção, Histórias, Imaginação, Imagine, Romance
Exibições 14
Palavras 2.197
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Ficção, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Visual Novel
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá! Gostaria de informar que a história tá ganhando vida lá no YouTube!
Não é exatamente igual ao que está aqui, pois o próprio título da Fanfic já diz (a história por trás dos vídeos), mas tá ficando bem legal. Vai lá conferir, por favorzinho!!

Luv U!

Link do canal: https://www.youtube.com/channel/UC8kZiNJBZheUwm9g0wmWEgg

Capítulo 3 - Capitulo um - PARTE DOIS - "Não pode ser verdade..."


Fanfic / Fanfiction BOYS IN LUV - Imagine - A história por trás dos vídeos - Capítulo 3 - Capitulo um - PARTE DOIS - "Não pode ser verdade..."

Você ainda estava em êxtase com o que tinha acabado de ouvir. Perplexidade resumia seu estado naquela hora. Como tudo pôde mudar de uma hora para outra e de repente você virar a protagonista do seu próprio sonho?

Tudo ainda parecia ser mentira. Você não acreditava, mas a mensagem de voz estava ali... Era real!

Como você sempre foi uma menina desacreditada, porém positivista, decidiu ouvir aquela mensagem de voz da sua mãe novamente. Uma... Duas... Três... Quatro... Cinco... Até perder as contas de quantas vezes ouviu aquele áudio naquela manhã. A voz da sua mãe avisando sobre a sua viagem tinha virado musica para os seus ouvidos enquanto fazia seus afazeres domésticos.

Lavar louças nunca pareceu ser algo legal a se fazer, mas alguma coisa movia você em frente e, quando se deu conta, já tinha terminado tudo.  Aquilo que você estava sentindo se chamava “ansiedade”. Você mal podia conter a sua alegria diante da novidade. Em UMA SEMANA você estaria embarcando para Seoul e passaria cerca de três meses lá. Sua mãe já tinha planejado tudo.

Preciso compartilhar essa alegria antes que eu exploda de tanta felicidade!” Você pensa.

Então, com toda alegria do mundo estampada no seu rosto, você pega seu celular e liga para aquele seu amigo popular e lindo que te ajudou a conseguir o emprego na loja de livros. Ele precisava saber que foi parte integrante da sua evolução e que ele também foi responsável por você ter conseguido convencer seus pais do contrário que eles pensavam.

– (S/N)? – Ele diz ao atender. – Tudo bem?

– Tudo ótimo! Não poderia estar melhor! – Você responde entusiasmada.

– Você está feliz ou sou eu que estou sentindo você sorrir ao dizer que está tudo ótimo? – Ele aparentemente sorri.

– Poxa... Você me conhece mesmo, ein? – Você gargalha e logo contém sua euforia. – Tenho grandes novidades!

– Conta! Quero saber tudo...

– EU VOU PARA A CORÉIA DO SUL! – Então você dá um SUPER grito.

Ele provavelmente deve ter afastado o celular do ouvido quando você gritou, pois os tímpanos dele seriam potencialmente prejudicados.

– Co... C... Como? – Ele pergunta um pouco confuso.

– É isso que você ouviu! Eu vou para a Coréia do Sul! Eu consegui fazer meus pais verem que eu não estava me distanciando das minhas obrigações por causa do meu “amor” pela Coréia...

– Então você estava indo tão mal na escola por qual motivo? – Ele pergunta, ainda confuso.

– Eu estava indo mal na escola porque eu estava empolgada e usando todo o meu tempo para aprender coreano.

– Você ainda diz que não foi por causa desse seu amor pela Coréia? – Ele fala, com um tom um pouco ríspido. – Então essa sua vontade de ir para a Coréia não é de hoje?

– O que você quer dizer com isso?

– Quando você me ligou naquele dia, perguntando se eu conhecia algum lugar que estava contratando novos funcionários, você já estava pensando em ir pra esse lugar?

– Sinceramente, do fundo do meu coração?

– Sim, do fundo do seu coração...

– Sim... Eu já estava com planos definidos para todo o dinheiro que eu receberia no final das contas.

Seu amigo solta um suspiro forte, como se ele tivesse chateado com alguma coisa. Ele passa alguns minutos sem te responder, mas ele continuava lá.

– Quando tempo você vai passar lá? – Ele pergunta.

– Três meses... Meus pais querem que essa viagem seja uma espécie de intercâmbio, pois querem que eu procure algum curso rápido de coreano quando eu chegar lá.

– Três meses? – Ele estava estranho e você percebeu pela maneira que o tom de voz dele mudou. – E o baile da escola? O baile dos formandos? Você vai perder?

– Infelizmente... Talvez sim. Não voltarei a tempo de ir. – Você tenta mudar de assunto. – Então... E você? Vai com quem? Quem foi a sortuda que recebeu o convite dessa vez?

– Hum... – Ele aparentemente foi pego desprevenido com a sua pergunta. – Hum... Eu... Ainda não convidei ninguém.

– Ah, sei... Então boa sorte e ótimo baile para você. Muito obrigado pelo que você fez por mim... Você não imagina o quanto eu sou grata por você ter me ajudado a conseguir realizar um grande sonho. Você, mesmo que indiretamente, teve uma grande parcela de contribuição e eu não poderia deixar de te agradecer antes de ir...

– Eu... Eu... Você sabe... Eu faço qualquer coisa que estiver ao meu alcance por você... Eu vou sentir saudades.

Você pára um minuto e reflete as palavras dele.

– Você fala como se eu não fosse voltar mais! – Você sorri. – Eu vou voltar! Você não vai ter tempo nem de sentir saudades que eu já estarei aqui novamente.

– Ah... – Ele sorri, mas aparentava estar um pouco triste. – Sei lá... Você é muito boa em tudo que faz. Pode ser que alguma escola de lá queira ter você como aluna e te dar uma bolsa de estudos... E você preferir ficar lá... E não voltar mais.

– Nossa! – Você se incomodou com o jeito que ele falou, apesar de que a ideia de estudar em uma escola coreana fosse bastante legal. – Vou até me benzer pra nada disso acontecer!

– Nem vem com essa história! – Ele sorri. – Aposto que você fez figa depois do que eu disse pra que tudo que eu falei se torne realidade... Admite, (S/N)! Eu sei que eu estou certo.

Ele finalmente voltou a ser o seu amigo legal e descolado.

– Errou tudo! – Você solta uma boa gargalhada. – Me benzi pra que esse seu desânimo não resolva me perseguir... Não quero ficar longe da minha família por muito tempo e nem muito menos dos meus amigos...

– Você quer dizer: longe de mim?

– Aff! Esqueci que eu só tenho você como amigo...

– Não precisa ter mais... Eu sou o bastante.

– Nossa, que convencido! Tá se achando essa criatura de Deus! – Você sorri, recebendo uma gargalhada em retribuição.

– Contudo... Vou sentir saudades. – Ele continua.

Você fica sem saber o que falar, mas aquela ligação tinha um objetivo, então, nada poderia mudar isto.

– Obrigado... Muito obrigado.

Essa foi a sua última resposta. Ele não fala mais nada e desliga. Você nunca tinha ficado tão confusa quanto naquele momento. A reação dele não era pra ter sido esta... Ele deveria ter ficado feliz por você, não com uma aparente raiva.

Porém, nada poderia ofuscar o brilho do seu sorriso. Você mal podia esperar pelo dia da sua viagem.

E chegou o natal...

E logo o ano novo!

Os dias nunca se passaram tão rápido quanto naquela semana!

1 de Janeiro... 2 de Janeiro... 3 de Janeiro...

Sua mãe te ajuda a preparar a mala para que no próximo dia, 4 de janeiro, o dia da sua viagem, você não esqueça nada antes de sair e ir para o aeroporto.

Na hora que ela foi te levar ao aeroporto, seu pai chega em casa. Foi inevitável não lembrar da discussão que tiveram há alguns meses a respeito desta viagem que você estava prestes a fazer. Ele te olhava como se você ainda fosse a menininha pequena e frágil que ele segurou ao nascer, e que viu crescer com tanto esmero. Você foi a filha que ele pediu a Deus e ele presava muito pelo seu futuro. Naquela noite, ao saber que você poderia estar deixando seu futuro de lado por motivos fúteis o deixou furioso, mas ao saber de toda verdade, ele não poderia estar mais orgulhoso de você. Pela primeira vez, você estava fazendo algo por sua própria escolha, não por vontade deles.

Você é envolvida com um abraço caloroso e uma singela frase acompanhada de um “eu amo você”, “aproveite” e “boa viagem”. Se despedir do seu pai era necessário, pois vocês precisavam deste momento de carinho antes dele ver que a menininha que ele tanto amava finalmente cresceu, e você de ver que seu pai finalmente compreendeu que estava na hora dos seus sonhos serem ouvidos.

E finalmente... Era hora de partir.

Você entrou naquele avião com apenas uma coisa na mente:

Eu estou nervosa, com medo... Eu vou sentir saudades, mas este é o meu sonho. É hora de erguer a cabeça e lutar por ele. Vou conhecer Seoul e, vou conhecer BTS.

O avião decola. As nuvens, a cada metro que o avião subia, conseguiam deixar tudo que estava abaixo de você invisível. Você não conseguia ver mais nada além de nuvens brancas e a luz do sol pela janela.

 

03:00 a.m. (Chegada em Seoul)

 

O avião que trazia você pousa no aeroporto de Incheon. Você estava muito cansada depois de duas conexões muito demoradas de voo. Você pega um táxi e vai direto para o hotel que sua mãe havia feito a reserva.

Era um hotel bastante confortável, provavelmente um dos melhores da cidade. Você passa o cartão de acesso na porta do quarto e entra. Aquela cama com lençóis macios e alvos nunca pareceu ser tão confortável. Tudo em Seoul era perfeito! As praças, as ruas, avenidas, hotéis, prédios... Até aquelas pessoas praticamente iguais ao seu redor pareciam ser perfeitas! O medo que você estava cessou ao chegar.

Porém, apesar do cansaço, você tinha que ligar para sua mãe avisando que tinha chegado.

Foi uma conversa bem breve, afinal, onde seus pais estavam era madrugada, enquanto em Seoul a noite estava apenas começando.

Depois que avisou a sua mãe sobre sua chegada, você deitou naquela cama e dormiu como se não houvesse amanhã. Você nunca foi uma pessoa que, em meio a alegrias, tristezas ou ansiedade conseguia dormir rápido, mas naquele momento, você não lembra nem se chegou a tirar os sapatos antes de praticamente entrar em transe.

 

ENQUANTO ISSO...

 

Seoul estava bastante animada com o show que estavam aguardando há pouco mais de um mês. A banda BTS iria se apresentar em uma das principais praças de Seoul e uma multidão já estava reunida no local do evento.

Porém, antes de subirem ao palco e cantarem seu maior sucesso até então, No more dream, uma emissora de TV que estava acompanhando o Bangtan a alguns meses, foi solicitada por eles, pois eles queriam deixar um recado para as ARMYs presentes em Seoul. Eles queriam lembrar as ARMYs do prazo da promoção que eles estavam realizando, pois estava em sua reta final.

Aquela promoção, na visão das ARMYs, nunca pareceu ser tão injusta, mas não era culpa deles. O bangtan havia lançado uma promoção exclusiva para que UMA ARMY APENAS tivesse a chance de conhecê-los de perto. O J-Hope que teve a ideia e falou com o manager deles a respeito. A principio, o manager não foi contra a ideia, ele aprovou a ideia do Hope, mas achou inviável ter sete ARMYs (pois seria uma ARMY para cada integrante e um rodízio de idol igualitário e justo) na rotina deles por trinta e cinco dias, que era o tempo que a ARMY teria para passar com o Bangtan. Ela passaria cinco dias com cada um dos membros e trinta e cinco dias com todo o Bangtan, incluindo funcionários da BigHit e o próprio manager.

O manager sugeriu, então, que eles lançassem um desafio as ARMYs para que elas mostrassem algo legal aos membros do BTS e que apenas uma fosse a escolhida. O manager deixou bem claro que UMA ARMY já poderia ser algo muito complicado, SETE então... Estaria fora de cogitação. Se o Hope quisesse aceitar, essa era a condição.

O Hope aceitou a proposta, visando uma proximidade maior com, pelo menos, uma fã. Por insistência do Hope, os meninos toparam levar essa ideia adiante, porém, como toda promoção, as regras foram estipuladas:

1 – O (a) participante deveria estar em Seoul para poder participar (pois eles não poderiam deixar Seoul, que era onde estavam gravando as faixas do álbum que lançariam em menos de um mês – Skool Luv Affair)

2 – Teria que chamar a atenção deles, de alguma forma criativa, com alguma coisa legal (menos tirar a roupa!)

3 – Todos os membros teriam que aprovar a ARMY de forma igual. Se um dos membros não gostar, automaticamente ela seria descartada.

As regras pareciam difíceis, pois os meninos eram bastante exigentes e tinham as suas peculiaridades. Um gostava de uma coreografia, outro não. Um gostava de um desenho, o outro não... A sorte (ou não) era que havia mais de dois milhões de ARMYs tentando participar e não faltavam opções e vídeos diferentes para que eles analisassem.

Aquela promoção estava deixando todo mundo louco!

Todo mundo menos você, que tinha acabado de chegar em Seoul e nem sequer sabia do que estava acontecendo fora das paredes que te cercavam. Além do mais, quando eles avisaram sobre o fim da promoção em dois dias, a TV estava desligada e você encontrava-se dormindo, quase em coma de tão cansada.

Além do mais, mesmo que você visse isso na TV, como você iria pensar em alguma coisa legal em apenas dois dias? A quantidade de ideias poderia ser mínima, além de ser bastante difícil pensar em alguma coisa útil quando se tem DOIS MILHÕES de ARMYs tentando fazer a mesma coisa.

Mas...

Já parou pra pensar no que poderá acontecer quando você acordar?

Afinal... Você está em Seoul realizando um sonho... Quem sabe o destino (OU A SORTE), revolve bater na sua porta?

Só acordando pra saber, não é jovem? hahaha



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...