História Branco como a Neve - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~deteguk

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Dari, Deteguk, Kookv, Nahu, Plot Repentino, Taekook, Vkook, Wolf!au
Exibições 436
Palavras 1.565
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Canibalismo, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa noite.
NAHUEL PUDDIN DA SILVA, COMO VOCÊ POSTA UM JORNAL COM POSSÍVEL HIATUS E DE REPENTE POSTA FANFIC NOVA?
Pois é, essa fanfic estou escrevendo com a Dari e é um dos projetos que estava escrevendo por fora. Essa fanfic foi uma ideia repentina da Dari que eu acabei incorporando e colocando mais detalhes e ela acabou me convidando para a ajudá-la. Não terminamos a fanfic, porém temos vários capítulos prontos. Posso dizer que ela está muito boa. Hihihi
Aqui temos um prólogo explicando como vai funcionar o universo e tal. Espero que atraia vocês.
Boa leitura.

Capítulo 1 - 01: Prólogo


Fanfic / Fanfiction Branco como a Neve - Capítulo 1 - 01: Prólogo

Faz parte da minha cultura.

Uma de minhas professoras elucidou há tempos que a palavra é um substantivo feminino que se refere a uma ação, processo ou efeito de cultivar a terra; lavra, cultivo. Além de remeter a um cultivo de célula ou tecido vivos em uma solução contendo nutrientes adequados e em condições propícias à sobrevivência.

Seguimos um complexo abarrotado de conhecimento, arte, crenças, lei e a moral; temos costumes e hábitos, aptidões que são adquiridas em contato com o nosso meio social. A alcateia tem a sua própria cultura que é influenciada por fatores políticos, sociais e biológicos. Ela é moldada através de geração para geração, e deve ser modificada ao pensar inerente ao desenvolvimento dos seres.

E para minha tristeza, essa última frase não acontece.

Recordo-me de meu nascimento, quando ainda cega, ouvia os elogios constantes sobre meu futuro promissor sob a posse de um alfa, nasci com olhos azuis, pelagem diferente, isso me fazia especial, única. Ou seja, meu destino fora traçado no momento em que saí do ventre da minha mãe. E como as leis dizem, eu tenho que respeitar e seguir o que foi imposto a mim.

As regras de uma alcateia devem ser seguidas, esse é uma delas, inclusive, não temos escolha. O alfa dos alfas mandou, temos que obedecer. E logo eu, antes mesmo de ter consciência de qualquer coisa, fui escolhida para ser a esposa de um líder. Um líder que lideraria todos os outros chefes de matilha, o poder máximo, mesmo sendo uma simples ômega cinzenta.

Talvez você não conheça, mas temos sete mandamentos, que chamamos de leis, que devem ser obedecidas à risca e não podem ser quebradas. A número um é respeitar os mais velhos, e quando eu digo respeitar é obedecer sem objeções, sem argumentos ou reclamações. Você pode ser punido se não o fizer e até ser expulso da matilha se a pessoa foi mais velha e tiver mais autoridade que você, ou seja, ser um alfa líder.

O número dois é sempre ensinar aos jovens. É dever dos mais velhos passar conhecimento, ensinamentos, reflexões. Claro que isso também deve ser seguido a risca, ou seja, as matilhas com alto grau de poder tinham mais vantagens e inteligência que as mais pobres. Por exemplo, apenas os ricos sabem manusear armas como espadas e arcos. Por isso as matilhas mais carentes principalmente aquelas formadas apenas de ômegas, servem apenas de estorvo ou bode expiatório.

O número três é proteger a família, ou seja, sua matilha. Independente de seus laços de sangue, você sempre deve priorizar a matilha. Mas é raro pessoas da mesma linhagem serem de matilhas diferentes. Porém o mandamento do líder dos alfas é bem claro: “Matilha acima do sangue”.

O número quatro é cooperar com o grupo. Assim como você sempre deve cuidar dos seus, você também precisa ajudar, ter uma função. Ser inútil é a coisa mais desonrosa para um lobo.

O número cinco é o mais educativo e o que mais concordo. Retire da natureza apenas o necessário. Essa regra é a única que leva a sentença de morte sem nem um julgamento. Se você comer mais do que precisa ou desmatar demais, você será morto, não tem escapatória. Por isso você quase nunca encontra lobos gordos.

O número seis já foi citado acima. Deves seguir as leis, não apenas esses as quais estou citando, mas as ordens das autoridades. Isso quer dizer que você deve obediência, aos mais velhos, aos membros com mais poder na sua matilha e, principalmente, ao alfa dos alfas. Ele é autoridade máxima.

Por fim, e uma das mais importantes que quase nunca é seguida, o mandamento número sete. Aprenda com seus erros. Nós lobos temos bastante represálias por nossos atos e devemos aprender com isso, ou então, teremos pena de morte ou exílio imediato dependendo da justiça e, principalmente, da sua linhagem.

Se você for um alfa ou uma espécie diferente de lobo, você vai ser muito bem visto e as regras vão ser menos pesadas. É uma injustiça, mas a nossa sociedade se tornou assim com o passar dos anos. Não temos poder de escolha, apenas podemos obedecer.

Até mesmo eu, ômega dos ômegas, que têm poder sobre todos os outros considerados classe baixa, devo obediência ao meu marido e alguns outros líderes importantes. É por isso que muita gente está insatisfeito com essa matilha que chamamos de pequena sociedade. Porém melhor ser de uma matilha desonesta do que ser um sem rumo, vagando pela floresta cheia de perigos.

Temos um exemplo claro e amaldiçoado de um exilado que assombra as histórias de terror contadas em nossas escolas, já deve ter ouvido seu nome, ao mesmo tempo em que consegue ser temido, ele é odiado. Sua história ainda é um mistério, mas sei que, mesmo sendo um alfa promissor, ele fora injustiçado. Pois é isso que nossa cultura faz, ela nos menospreza.

Foi o que senti, quando me colocaram no alto daquela colina, apenas com um enorme pinheiro de companhia. Meu corpo todo tremia, minha mente não conseguia nem formular pensamentos coerentes, contudo, as imagens de um futuro passavam constantemente, como pequenos flashes de luz. Recordo-me do tecido da capa, sua cor vibrante e a resposta irônica que recebi quando a entreguei.

O exilado não tinha a mínima ideia da carga que exercia. Um alfa bobo. Sorte a minha que ainda não encontraram meios para rastrear o que pensamos, teriam me visto odiá-los com toda a minha alma sofredora de ômega, os ouvindo feito canibais, arrancando seus membros e rosnando para aqueles que um dia foram seus amigos, guiados pela crueldade.

Foi terrível, lembro-me que chorei quando aquele de pelagem marrom, rosnando sobre suas quatro patas, mordeu meu pulso direito. Meu grito não foi o suficiente para que ele parasse, muito menos o sangue que escorria vibrante de minha pele, uma cachoeira de dor que eu não poderia conter, não tinha ordens para isso.

Meu corpo tombou na terra, meu braço esticado, preso por suas garras, fui carregada pela floresta, meus olhos não conseguiam se fechar, vidrados naquele homem, em seu sorriso ameaçador. Ele nem se importou em fechar minha ferida ainda exposta. Um alfa nojento.

Fui colocada cuidadosamente sobre o tampo de mármore do Templo, meu cio estava próximo, e agora já teria um alfa para me consumir. A alcateia toda vibrava, o alfa ganhador parecia promissor, sinceramente, estavam apenas sendo os bajuladores de sempre. Terminaram, me encheram com óleos, e me vi novamente carregada pela atrocidade em lobo.

Acontece, que eu não aguentei.

Eu tinha o pleno conhecimento do que aconteceria comigo naquela noite, e apenas orava para que meu filho não tivesse um destino tão cruel quanto minha mente me mostrava constantemente. Apenas um mensageiro, subordinado. No fundo, sabia que a revolução morava em seu coração. Doeu muito, não consigo ao menos descrever, as lágrimas que molhavam aquele leito, junto com o meu sangue, é o suficiente para revelar minha agonia. A cada penetração, meus gritos clamavam por socorro.

Minha morte fora uma surpresa, ninguém imaginava que a ômega mais promissora de todo aquele pequeno vilarejo, teria aquele fim. Ironicamente, não culparam o alfa, e sim a mim. Mesmo morta, fui brutalmente apedrejada, sem querer, amaldiçoei toda a matilha. Não tive a intenção, principalmente, em saber que o foco mudaria rapidamente.

Pois em uma das casas, uma loba dava luz ao primeiro branco como a neve da matilha. Não era mais assunto, mas meu filho já era excluído, mesmo filhote. Seu leito era pouco, quase não se alimentava, mas é um guerreiro.

O Branco como a Neve tem algo além do que eles possam imaginar. Mesmo sendo considerado a luz, o conhecimento, aquele que traria a verdadeira sorte para sua matilha, ninguém pensava assim. Apenas olhava para sua pelagem branca e imaginava o quão belo ele ficaria como o próximo ômega dos ômegas. Não reconheceram as suas futuras habilidades, como fizeram comigo. Não pensaram nas suas escolhas, assim como eu. Apenas pensaram no quão belo e raro é sua cor e de como seria um belo líder, um belo corpo para o alfa se divertir, pois nem reproduzir você serviria sendo do sexo masculino.

Por isso não deves ter medo, deve fugir desse destino cruel que escolheram para você, o mesmo que escolheram para mim. Não viva mais rodeado de gente hipócrita e alfas que querem te marcar e te destruir durante o cio. Saia da matilha, rumo a floresta, mesmo cheio de perigos, porque esse é seu verdadeiro destino, criança.

Não seja injustiçado como é meu filho por ser considerado um “alfa fraco e pequeno”. Não deixe que o separem de seu amor como o casal de alfas por conflito de interesses. Não se rebaixe por ser inteligente demais, e não ser bom em briga como é seu mentor. Faça o que seu coração mandar, siga seu verdadeiro destino.

Não deixe sua pelagem branca se manchar de sangue, não permita que lágrimas caiam de seus olhos negros. Torne-se um lobo livre, seu próprio alfa. Você é forte, sabe se cuidar, então não tenha medo das lendas, até porque metade delas são mentirosas.

Ouça, Jeon, não desista por nada e faça o que tem que ser feito. Eu te abençoo ao contrário do que fiz com nossa matilha. Boa sorte, tome cuidado com os lobos da floresta, porém tenha ainda mais com os membros da tua alcateia.


Notas Finais


Estão ansiosos?
Vai acontecer muitas coisas nessa fanfic, gente, e o plot é maravilhoso, podem ter certeza disso. Estou bastante animado. ÇKSANDÇASDSA Agradecimentos especias para a May daddy por ter feito ESSA CAPA MARAVILHOSA, AINDA ESTOU APAIXONADO, AAAAAAAAH. Agradeço a trupe design pelos banners lindos. Agradeço a Bia por ter corrigido e À Duda que praticamente implorou para postarmos. AÇSNDÇSDKNASKÇDA
Agradeço a vocês também por terem lido e pelos futuros comentários e favoritos. <3
Beijos de um viciado em TaeKook e escravo de SoonHoon,
Nahu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...