História Breathe Me - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Visualizações 1.139
Palavras 1.787
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Festa, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Necrofilia, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OIEE, EU ESTAVA COM SAUDADES DE VOCÊS MINHAS AMORAS. Eu tentei fazer um capítulo grande.
LEIAM AS NOTAS FINAIS!!!

Capítulo 24 - Não tenha medo


Fanfic / Fanfiction Breathe Me - Capítulo 24 - Não tenha medo

Uma das meninas já foi, foi à primeira de muitas. Mas aos poucos ele vai chegando na que ele quer. Ele quer a Brooke, ele quer vê-la implorando para que não a mate.

P.O.V Brooke On

Aproveitei o resto da tarde para dormir, após um sonho, ou melhor, pesadelo me atormenta há dias. O mesmo pesadelo de sempre, sem tirar e nem por nada. Eu já estava começando a ficar com medo.

Não consegui dormir mais, rolei e rolei de um lado para o outro na cama, suspirei fundo e me levantei. Peguei o celular e vi uma ligação perdida do Justin, não o liguei de volta. Fui ao meu closet, peguei uma roupa e fui para o banheiro tomar um banho. Após um banho rápido, peguei uma muda de roupa, um par sapato e um estojo de maquiagem dentro de uma mochila, peguei um pouco de dinheiro dentro da minha caixinha de música e sai do meu quarto.

- Julia, eu vou sair ta – avisei ao chegar perto da porta

- Para onde você não?

- Não te interessa.

- Não vai ir se encontrar com o Justin vai?

- E se eu for?

- Você sabe que ele não presta, ele é perigoso, ele... – não a deixei terminar de falar

- Vai se foder. – sai dali e fui em direção ao ponto de ônibus a três quadras de distancia da minha casa. Como era seis da tarde eu sabia que Justin não estava trabalhando mais.

...

- Oi Justin – eu disse assim que ele abriu a porta

- Oi, por que não atendeu a minha ligação?

- Eu tava dormindo e nem ouvi, esses dias ando dormindo pesado demais. Acho que a maioria das vezes é porque eu estou tendo pesadelos – eu disse entrando e jogando meu casaco em cima do sofá.

- Pesadelos?

- Sim, há uns dias atrás eu comecei a ter pesadelos, todos iguais. Estou começando a ficar com medo, Justin.

- Não sinta medo, são só pesadelos. Nada irão te fazer mal.

- Mas pesadelos não costumam serem todos os dias.

- Larga de ser medrosa – ele riu

- Você fala isso porque não é você que acorda desesperada no meio da noite porque sonhou com um cara correndo atrás de você com uma faca enorme.

- Tá, mas por que você está com essa mochila nas costas? Está com tanto medo que não quer dormir sozinha a noite?

- Não, não é nada isso – ele arqueou as sobrancelhas – É serio. Eu trouxe porque assim posso ficar mais um tempinho com você?

- Hã? – ele fez uma expressão confusa

- Eu vou aproveitar e ir daqui até a festa que vai ter hoje.

- Eu deveria ter adivinhado – cruzando os braços

- Pois é, vem cá – eu disse estendendo meus braços para colocá-los em volta de seu pescoço – Amanhã eu não vou ir, eu vou ficar aqui com você, ta bom?

- Tá ótimo. – ele me beijou

- Ah, que dia você vai ir visitar seu pai? – me sentei no braço do sofá

- Você ainda está com essa coisa na cabeça?

- Sim, eu estou. Você não está nenhum pouco curioso para saber o que é?

- Não e não quero saber o que é.

- Por quê?

- Tudo que vem do meu pai é ruim. Aquele homem não presta e nem merece minha atenção.

- Mas ele deve ter noticias da sua mãe.

- Foda-se, eu não quero saber dela, eu não quero saber dele. Eu não quero saber de nada – seu tom de voz era de raiva, ele sempre ficava irritado quando falava do seu pai ou da sua mãe.

- Você vai mudar de ideia.

- Como você sabe?

- Simplesmente sei. Sei que no fundo você quer saber da sua mãe e sei que você se importa com o seu pai.

- Vai se foder, Brooke. Eu não me importo com o meu pai e nem com a minha mãe. Por que eu me importaria com pessoas como essas que não cuidaram de mim como os outros pais cuidaram de seus filhos?

P.O.V Justin On

- Eu não quero brigar com você, Brooke. Não toque nesse assunto mais se você não quiser que eu perca a cabeça com você.

Falar sobre meus pais sempre me deixa nervoso e vontade de matar o primeiro que aparecer na minha frente. A raiva simplesmente me consome.

Quando eu estava falando, Brooke olhou para baixo e respirou fundo.

- Vem cá – fui até ela e a abracei – Vamos parar com esse assunto.  – Ela não disse nada e eu me senti um inútil e idiota por ter falando com ela naquele tom e daquele jeito – Me desculpa.

- Tudo bem.

[...]

- Eu já vou indo.

- Tem certeza que quer ir mesmo? – a acompanhei até a porta.

- Tenho, mas pensa pelo lado bom, amanhã eu vou ficar aqui com você – ela mordeu o lábio inferior e me beijou.

- Vou aguardar ansiosamente.

- Eu sei.

- Vou ir com você até lá.

- Até o ponto?

- Não, até a boate. Eu não sou louco de deixar você andando assim sozinha até lá.

- Mas você vai voltar sozinho.

- Eu sei me defender, você não.

- Ah, ok senhor defensor de si mesmo. Vamos logo – ela me puxou pela mão.

- Deixe-me trancar a porta, não quero que minhas poucas coisas sejam roubadas – ela riu e eu tranquei a porta, fui até Brooke, segurei sua mão e fomos.

- Amanhã eu vou cozinhar para você – eu disse para quebrar o gelo que estava entre nós.

- Sério?

- Sim.

- Você sabe cozinhar? – ela riu – Deve quase acabar com a cozinha.

- Para disso, só porque eu sou homem não significa que eu não cozinho bem e que eu faço comida ruim. Você acha que como eu vivo? Eu não muito fã de comida industrial.

- O que você vai cozinhar para minha pessoa?

- Eu não sei ainda, até amanhã eu resolvo. Talvez uma macarronada, não sei – dei ombros.

- Miojo?

- Claro que não.

- Ok. Eu sei cozinhar também, miojo, macarrão e sei fazer pizza. Olha que legal. Meu pai me ensinou, ele cozinhava bem.  Sinto falta dele – eu não disse nada, só continuei andando. Eu não sabia o que dizer para ela – Amanhã vai ser legal.

- Sim, vai – a olhei e sorri e ela sorriu de volta.

[...]

- Tome cuidado, ta – eu disse assim que chegamos na porta da boate.

- Eu sempre tomo.

- Não vai embora sozinha.

- Eu nunca vou.

- Não fique bêbada.

- Talvez eu fique, mas não vou ficar bêbada de não conseguir nem andar.

- Bom mesmo.

- Já terminou o momento pai? – eu ri.

- Até amanhã.

- Até – mais uma vez nos beijamos.

- Ai, parem com esse love todo. Vamos logo, Brooke. Quero entrar, dançar e beber pra caralho.

Sorri para Brooke que estava sendo arrastada para dentro da boate, ela sorria e quase caiu uma vez por causa do salto porque estava sendo bruscamente arrastada pela Mandie.

P.O.V Brooke On

Eu estava sendo arrastada pela boate por Mandie. Essa menina é louca.

When the daylight comes you feel so cold, you know
I'm too afraid of my heart to let you go

Waiting for the fire to enlight
Feeling like we could do right
Be the one that makes tonight
'Cos freedom is a lonely road
We're under control

 

- Eu quero alguma coisa para eu beber.

- Deve ter pessoas que entraram com bebidas já.

- Quero sex on the beach, será que tem?

- Não sei, deve ter.

- Tchau Brooke, vou dar uma andada por ai.

- Já vai me deixar? – ela piscou e riu para mim. Beleza agora vai ficar sozinha aqui.

Respirei fundo e fui até um canto onde tinha uma concentração de gente, acho que deve ter bebida ali. Ah, esqueci de mencionar, cada festa é em uma boate diferente.

- Me da um red Bull ai, tem?

- Tem sim, gostosa. Mas red Bull? Não ter outra bebida?

- Não, não quero. Não to afim de ficar bêbada agora.

- Ah sim – o garoto disse me entregando a lata gelada

[…]

- VIRA, VIRA, VIRA, VIRA – todos a minha volta gritavam isso. Eu virava uma garrafa de Absolut, o liquido descia queimando pela minha garganta. Terminei de beber o líquido, tirei a garrafa da minha boca e gritei histérica e totalmente fora de mim.

- Quer mais uma? – o garoto que tinha me dado um red Bull no começo da festa me ofereceu mais uma garrafa

- Não, não.

- Aaah – todos em volta de mim disseram em coro.

- Me da uma de tequila.

Breathing you in when I want you out
Finding our truth in a hope of doubt
Lying inside our quite drama-a-a-a
Wearing your heart like a stolen dream
Opening skies with your broken keys
No one can blind us any longer

 

We'll run where lights won't chase us
Hide where love can save us
I will never let you go
We'll run where lights won't chase us
Hide where love can save us
I will never let you go

Levei o bico da garrafa até a minha boca e comecei a beber, todos gritavam para eu não parar, mas aquela porra era forte e tirei do bico da minha boca.

- Porra – balancei minha cabeça em uma tentativa frustrada de melhorar minha visão que estava péssima.

- Vai, beba mais.

- Calma ai – coloquei a garrafa na boca mais uma vez e inclinei minha cabeça deixando o líquido descer

-  Brooke, o que você está fazendo? Ficou maluca?

- Fiquei, fiquei muito maluca. – tirando a garrafa mais uma vez da minha boca e respondendo Mandie que estava alterada, mas não mais que eu

- Você não presta em David. – encarou o menino das bebidas

- Ela só pediu bebia e eu dei a ela. – deu ombros

- Calma ai, Mandie.

- Ainda bem que eu cheguei a tempo de você fazer alguma besteira.

- Onde está o Jack? – o procurei - JACK? – girei tentando encontrá-lo.

- Ele está um pouco longe daqui. Vamos ir até ele, ele vai te levar embora.

- Por que me levar embora? Eu to bem.

- Está tão bem que mal para em pé,  e detalhe, você está sem salto.

- Está exagerando.

- Ei, menino, solte ela. – Mandie mandou o menino que me segurava me soltar. Com um pouco de relutância ele me soltou e eu fui dar um passo em direção a Mandie e quase cai, só não cai porque o menino foi ágil e me segurou novamente – Viu? Vamos embora.


Notas Finais


Eu finalmente tive criatividade para escrever. Não sei se o capítulo ficou bom, pra mim ficou um coco. Me desculpem ai se tiver algum erro.
ps: eu não sei muito bem sobre bebidas alcoólicas, porque eu só gosto de vinho por isso sou lesada nessas coisas e não sei bem sobre outros tipos de bebidas.
Leitoras fantasmas, APAREÇAM PESSOAS FDHFHHDFSGHF.
Beijos e até o próximo capítulo (eu não sei quando vou postar de novo) @shitbieba


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...