História Breathe Me - Capítulo 42


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Visualizações 593
Palavras 1.492
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Festa, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Necrofilia, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Sempre quando eu estava escrevendo o capítulo um filho da puta chegava aqui na sorveteria e eu tinha que parar de escrever para atender. Ainda bem que vou trabalhar aqui só até sábado porque ninguém merece, odeio atender pessoas, não tenho paciência.
Espero que gostem do capítulo, beijos e boa leitura!

Capítulo 42 - Time is running


Local desconhecido.

3:36 A.M

1º dia - noite

P.O.V Brooke On

Eu sentia meu corpo todo dolorido e eu sentia também que estava em um local macio, mas que tinha um odor ruim. Minhas pálpebras estavam pesadas, eu lutava para abri-las, era como se eu estivesse fraca – eu estava fraca. Girei meu corpo ficando de barriga para cima e com um pouco de custo consegui abrir meus olhos, eu estava em uma casa, que infelizmente não era a minha. Olhei para o meu corpo e vi que eu estava nua, completamente nua e com algumas marcar vermelhas espalhadas por locais específicos do meu corpo, senti meus olhos se encherem de lágrimas e logo as derramei. Um dos meus tornozelos estava preso a uma corrente.

Me sentei na cama e fui ver onde a corrente estava presa, ela estava presa a parede fazendo com que fosse difícil eu escapar dali. Eu não ouvia nenhum barulho ou ruído na casa, eu parecia estar sozinha ali, um bom momento para eu fugir... Se eu não tivesse presa.

Mike 2 x 0 Brooke.

Soltei o ar de meus pulmões e me encolhi abraçando minhas pernas, ali não tinha nenhum pedaço de pano que pudesse me cobrir e eu estava sentindo frio. Comecei a chorar, eu não tinha copo pedir ajuda, eu estava presa e no meio de uma floresta sem habitante nenhum. Eu sentia um incomodo na vagina e regiões próximas a ela.

- Não pode ser. – passei minhas mãos em meu rosto não acreditando, eu estava acreditando nessa possibilidade. Mas eu teria que acreditar porque não tem lógica.

Mike tinha me estuprado enquanto eu estava desacordada.

- Vejo que você já acordou, minha linda.

- Sua é o caralho. – eu disse com a voz embargada.

- Por que você está assim? – ele se sentou na ponta

- Por que eu estou assim? Cara, você é nojento, um escroto, filho da puta e tudo mais de ruim.

- O que você me disse são elogios para mim. – ele começou a chegar perto de mim e eu fui para mais longe dele e me encolhi.

- NÃO ENCOSTE EM MIM.

- Eu VOU encostar em você, vadia. Eu vou encostar em você quando eu quiser e na hora que eu quiser, você não manda aqui, não manda em mim. – ele se levantou e me olhou mordendo os lábios – E não posso esquecer de falar: Comer você desacordada foi uma delícia, você é uma delicia e vou fazer isso mais vezes.

- Por favor, não faça isso comigo. - chorei

- Cala a boca!

Mike chegou perto de mim subindo em cima da cama e encostou uma de suas mãos na minha perna, tentei me encolher mais, só que não dei. Ele subiu sua mão acariciando minha perna e depois desceu, sua mão acabou descendo para perto da minha vagina, percebi o que ele queria fazer e abaixei as pernas grudando-as uma na outra fazendo com que sua mão não chegasse a minha intimidade. Mike, claro, ficou irritado.

- Sua vadia. – gritou me dando um murro forte, mesmo doendo muito me recuperei e fechei o punho e dei um murro no rosto dele, minha mão doeu, mas aquilo não iportava pra mim. – Tá querendo bancar uma de esperta?

- Não, to querendo me defender.

- É melhor transar com você desacordada porque você me enche a paciência.

- Você é tão otário que tem que fazer a mulher transar com você a força porque não consegue provocar desejo nela. – mais uma vez ele me deu um murro.

- Cala. A merda. Da sua boca.

- Não calo. NÃO. CALO.

7:00 A.M

Após eu ter gritado com Mike ele me bateu mais algumas vezes, eu estava deitada na cama super dolorida e com fome. Eu não tinha mais lágrimas para derramar. Mike não estava mais ali, ele disse que iria sair e que voltava em breve. Tomara que ele nunca mais volte. Me levantei com custo da cama e fiquei em pé perto da parece onde a corrente era pregada, me abaixei e tentei puxar a corrente da parede, aquilo parecia estar muito bem pregado. Após umas dez tentativas falhas eu me sentei no chão para respirar, tentei abrir o cadeado que prendia a corrente no meu tornozelo e também não consegui, também tentei tirar meu pé da corrente, de tanto tentar a corrente me machucou e começou a sair sangue de alguns arranhões. Passei as mãos no meu cabelo me sentindo derrotada. Me levantei e comecei a puxar meu pé, andei a uma distância máxima onde a corrente ia, eu dava solavancos fortes e quase destroncava meu tornozelo tentando me livrar daquela corrente grossa e forte. Me abaixei e com as mãos eu puxava a corrente com força, com o meu estoque de forças. Dei um solavanco e um pedaço da corrente que estava pregado na parede se mexeu. Sorri com o meu pequeno avanço e continuei puxando a corrente.

- Vamos! Vamos, antes que ele volte.

Com o resultado que eu tive eu comecei a puxar mais forte, não sei de onde eu tirei aquela força. Soltei a corrente, sacodi as minhas mãos e as soprei, elas estavam totalmente vermelhas, as sacodi novamente e peguei a corrente, puxei umas duas vezes e a corrente se soltou mais da parede, eu estava indo bem. Faltava só mais um pouco, só mais um pouquinho e eu poderia tentar ser livre e longe desse maníaco do Mike. Molhei meus lábios e puxei mais umas dez vezes a corrente, na última vez que eu dei uma puxava a corrente se sotou da parede e eu acabei caindo para trás. Vitoriosa, me levantei do chão, segurei toda a corrente nas minhas mãos para ela não ficar fazendo barulho no chão e me atrapalhando a andar se caso prender em alguma coisa.

Sai do quarto que eu estava e entrei em outro cômodo, naquele cômodo havia uma mesa com um forro em cima, coloquei o bolo que eu tinha feita na corrente no chão e peguei o forro, o coloquei em meu corpo o tampando, peguei a corrente novamente e corri em direção a porta, a abri e não me dei o trabalho de fecha-la. Sai correndo dali, eu não conhecia o lugar, não sabia para onde correr. Eu fazia zing-zag na floresta, pra mim aquilo despistaria mais ainda o Mike.

Engano meu.

P.O.V Justin Bieber On

Cheguei em uma delegacia e vi um agente sentado atrás de um balcão.

- Senhor, aquele serial killer pegou a minha namorada.

- Você tem provas?

- Tenho.

- Provas concretas?

- ... Não.

- Desculpe, não podemos ajudar.

- ELE ESTÁ COM A BROOKE. ELE VAI MATAR ELA. QUANDO PRECISA DESSA PORRA DE POLÍCIA ELA NÃO FAZ NADA.

- Senhor, se acalme ou então será detido. – eu andava de um lado para o outro com uma mão na cintura e outra eu roía minha unha pensando no que fazer e em quem podia me ajudar... Xavier, ele pode me ajudar. – Bando de filho da puta – sai murmurando daquela delegacia e sai correndo para a outra que ficava no centro da cidade. Vi um táxi sendo liberado e entrei nele logo falando para onde eu queria ir. Chegando na delegacia eu sai correndo do táxi esquecendo de pagar o taxista, voltei correndo descendo os degraus que eu tinha descido e o paguei o homem. Voltei a subir as escadas e entrei na delegacia.

- Quero falar com o delegado Stormwhite.

- Ele não est...

- Estou sim, diga... Justin, o que você quer comigo? – Xavier tinha acabado de entrar e estava com sua maleta na mão.

- Aquele maníaco que está matando garotas pegou minha namorada, a Brooke.

- Vamos conversar na minha sala, Justin.

...

- Então, Bieber... Como você chegou a essa conclusão que o assassino pegou a Brooke.

- Mas que merda, custa me ajudar? – Xavier só arqueou as sobrancelhas e eu rolei os olhos.

- Ela está desaparecida desde ontem, Stormwhite.

- Você sabe que para considerar uma pessoa desaparecida deve se completar quarenta e oito horas do desaparecimento e eu aposto que não faz nem vinte e quatro horas que ela sumiu.

- COMO VOCÊ PODE FALAR ASSIM SABENDO QUE A BROOKE DESAPARECEU E NA CIDADE TEM UM SERIAL KILLER QUE MATA GAROTAS. – me levantei da cadeira furioso - VOCÊS PENSAM ASSIM EM TODOS OS CASOS? PORQUE SE PENSAM ISSO É MOTIVO PARA NÃO TER PEGADO ESSE DESGRAÇADO ATÉ HOJE. SE VOCÊ ESTIVESSEM FAZENDO O TRABALHO DE VOCÊS DIREITO ELE JÁ ESTARIA PRESO, MORTO. O TEMPO ESTÁ CORRENDO.

- Eu entendo o seu desespero.

- ENTENDE É O CARALHO.

- Te peço mais respeito, Justin.

- E aí? Vai me ajudar ou eu terei que ir atrás desse idiota sozinho? – apoiei meus punhos fechados em cima da mesa de madeira dele e o encarei nos olhos. Xavier suspirou fechando os olhos e finalmente falou.

- Já usou uma arma antes, Bieber?


Notas Finais


Eu estou com um mal humor do caralho, mas mesmo assim fiz o capítulo. To atolada de coisas de escola pra fazer, to trabalhando na sorveteria da minha mãe e isso me atrapalhava escrever o capítulo. To feliz pelo fato de ter recuperado meu twitter hackeado - SIM EU CONSEGUI RECUPERAR ELE - e eu troquei o user dele, antes era shitbieba e agora é hewereborn. Não sei quando eu irei postar o próximo capítulo porque ele vai ter que ser muito bem bolado.
LEIAM "AFTER STORM", MINHA NOVA FANFIC http://socialspirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-barbara-palvin-after-storm-2465814


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...