História Britan Eyes - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~nyahlotus

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Armin, Castiel, Lysandre
Visualizações 24
Palavras 1.674
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Escolar, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello marshmallow's
E ai? Vão bem? Espero que sim... (e que não me matem pela puta demora né)

Bom, vão logo ler saporcaria porque pela demora já devem querer me torturar né mesmo?
Olha, sou a unica culpada disso não ta! Torturem a Tia niah tambem ;-;

Fiquem com a fic ai....

Capítulo 3 - Uma conversa formal... Mais ou menos


Fanfic / Fanfiction Britan Eyes - Capítulo 3 - Uma conversa formal... Mais ou menos

Britan Eyes 3

POV Kentin

Batuco com os dedos na cadeira, ansioso demais. Olho para o relógio, pelo menos mais meia hora de espera. Um casal chega e se senta nos assentos á minha direita, ela parece irritada e ele, preocupado. Depois de 5 minutos um outro garoto de acomoda na cadeira ao lado do outro garoto. Cabelos preto e olhos azuis, sinceramente, que cara lindo. Ele parece entediado e olha para algum ponto fixo na parede. De tempos em tempos, os três cochicham entre si.

- Porque está aqui? - Ouço a garota perguntar.

- Roubo – dou de ombros. Roubo de armas, eu sou tão estúpido.

- Que você roubou?

- Armas – Observo a expressão curiosa dos três e continuo – Eu estudava em uma escola militar, mas odiava aquele lugar, e sabia que não sairia de lá tão cedo, não se dependesse do meu pai. Então, na minha cabeça idiota, se eu fizesse algo suficientemente grave, seria expulso e voltaria para a escola antiga.

- Você é um gênio.

- Eu sei. Mas e você?

- Falsificação e plágio, eu tinha uma loja de roupas, todas desenhadas por mim. Claro que meu pai é o dono, mas tudo que ele vendia lá saía dos meus desenhos, eu trabalhava lá todos os dias e vendia muita coisa. Mas aí comecei a ficar sem ideias e não podia parar, o mercado da moda não para, você tem que inovar o tempo todo, estar sempre á frente, entende¿

- Mais ou menos.

- Então comecei a plagiar peças famosas. Pegava uma ideia aqui, outra ali e achava que nunca descobririam. Mas meu pai foi processado e obrigado a pagar uma grana alta. Eles achavam que a culpa era do meu pai porque ele era o dono, mas a culpa é minha.

- Não teria sido mais fácil, sei lá, continuar vendendo as peças antigas até ter ideias novas?

- Seria, mas eu tinha muitas clientes famosas e ricas, e não queria ficar pra trás e perde-las. O sonho de ter uma grife famosa estava se realizando e eu não podia parar. É claro que, agora, vejo que não valeu á pena. Além disso, prazer, sou Rosalya – ela estende a mão.

- Prazer, Kentin - eu a cumprimento.

- Esses são Alexy e Armin.

- Olá – dizem os dois, quase ao mesmo tempo. Não tinha reparado, mas são idênticos, com exceção do cabelo e dos olhos. Enquanto um tem ele preto e natural e olhos azuis, o cabelo do outro é tingido de azul claro e seus olhos são lilases.

- Vocês são ....

- Irmãos, gêmeos idênticos. E eu não estaria aqui não fosse culpa dele.

- Ei, você também precisava de nota. Não adianta colocar a culpa em mim se você não foi esperto o suficiente.

- Olha quem fala,...

- Meninos, parem – interfere Rosalya. Eles ficam quietos e de cara amarrada, ela se volta para mim. – Eles foram pegos hackeando o sistema da escola e alterando a nota de alguns alunos, além das deles.

- Isso parece coisa de filme.

Ela concorda com a cabeça e ficamos em silêncio quando um menino loiro chega. Não é qualquer menino loiro, é Nathaniel. Na minha antiga escola, ele era o representante da turma, era todo certinho e nunca tirava notas baixas, mas nunca notas mais altas que as minhas. Ele não conseguia ser melhor que eu, pelo menos não nesse aspecto. Ele deve estar contente agora, não sou nada além de um “fora da lei” nesse lugar.

POV Nathaniel

Não são todos os dias que chega internos novos e nem todas as semanas. Mas quatro de uma vez é algo bem raro. Faço as inscrições o mais rápido que posso e levo-os até os quartos. Tenho que acompanhar os 4 ao mesmo tempo, mas não são perigosos, não como a garota que chegou há quase um mês: Ginny. A garota estilosa de cabelos brancos é a primeira que deixo em seu quarto. Depois sigo com os outros meninos para o outro lado do prédio, onde ficam os dormitórios masculinos. Os gêmeos ficam juntos em um quarto maior que os demais e o quarto de Ken fica no fim do corredor.

- É aqui – digo abrindo a porta com a chave.

- Obrigada – ele sorri, por educação.

- Quanto tempo, me lembro de você.

- É claro, eu era o único que você não conseguia superar nas notas – Agora ele sorri de verdade.

- Ei, tirávamos as mesmas notas – Digo brincando.

Relembramos alguns momentos épicos da nossa disputa pessoal e silenciosa pela melhor nota. No fim, ele agradece novamente e volto para minha sala.

POV. Ginny

Hoje vai fazer um mês que estou aqui no internato, nesse tempo fui a apenas umas três aulas e o resto do meu tempo livre ficava no meu jardim, lendo, cantando ou até mesmo desenhando. Sobre aquele ruivo que me segui no caminho para a floresta, ele continua me seguindo às vezes! Ele já chegou bem perto da entrada do meu jardim, sorte que eu o vi a tempo e desviei meu caminho.

Mas acho que poderia dizer que aquele ruivo progrediu se queria se aproximar de mim, porque depois do que ele fez no refeitório não tinha como não falar nada com ele

FLASHBACK

O sol estava para nascer, nesse internato isso para mim significa que está na hora de tomar meu café da manhã. Bom esse horário é perfeito porque ninguém nunca acorda nele, então está tudo vazio e silencioso o que facilita minha leitura.

Eu já pegado meu cappuccino, o qual eu bebo todas as manhas desde que cheguei aqui, estava sentada na mesa ao lado da janela lendo um livro, o meu favorito na verdade que se chama Horizonte Vermelho, um romance espírita incrível! Quando estava quase na metade do meu cappuccino alguém puxou o livro de minhas mãos e o jogou longe, com raiva levantei o olhar para ver o rosto do infeliz que era um menino dos cabelos loiros e olhos azuis

- O que está fazendo estranha? – o menino qual não sei e nem mesmo tenho interesse no nome começou a gritar sendo que está logo ao meu lado, que irritante! – saiu do seu esconderijo foi? – acho realmente que ele está tentando ser ameaçador, que patético! – Que é? Você é muda?- já estou até com pena dos pais desse garoto, faz sentido quererem se livrar dele.

O garoto estava ficando irritado por ter sido ignorado da pior forma possível, mas naquele momento eu estava tão inerte em meus pensamentos que sequer o vi pechar suas mãos em punhos pronto para me dar um soco, e foi no momento que ele ergueu a mão que o perseguidor de cabelos vermelhos segurou sua mão e lhe deu um soco tirando um pouco de sangue do nariz do mesmo, e me tirando do meu suposto transe também.

- Vai embora daqui Carter, antes que apanhe de verdade, e ouse encostar nela ou dirigir-lhe a palavra outra vez para ver se não vai sair com o rosto deformado – disse de uma maneira tão sombria que o taxaria de burro se não seguisse o que o mesmo disse.

Logo que o perseguidor disse isso, o tal de Carter saiu correndo tão rápido que mal pude ver sua sombra, pelo visto e esse garoto de cabelos vermelhos mete mesmo medo em todo mundo aqui, depois do que ele disse não me admira muito. Assim que ele se virou pra mim, apenas deu um sorriso discreto como se dissesse “de nada”, e foi saindo do refeitório, mas naquele momento eu precisava agradecê-lo por ter me ajudado daquela forma, então levantei peguei meu livro que estava em cima de uma mesa qualquer e corri para alcança-lo.

- Ei! – chamei a atenção do “ruivo” que logo se virou para mim, assim que me viu fez uma expressão surpresa – obrigada! Por aquilo lá dentro, eu agradeço. – ele se livrou da cara de surpresa e deu um sorrisinho sarcástico

- então para fazê-la falar com alguém é preciso salva-la de uma surra? Que exigente! – depois dessa não pude deixar de rir, ele em certo ponto não estava errado... – pode dizer seu nome para seu cavalheiro de armadura reluzente? – o sorrisinho sarcástico continuava em seu rosto, mas sua expressão de diversão, como se fizesse muito tempo que não se alegrasse daquela forma.

- É Ginny meu nobre cavalheiro, e a dama poderia saber o nome de seu herói do alazão branco?

- Meu nome é Castiel mademoiselle, ao seu dispor – fez um reverencia fingindo tirar um chapéu da cabeça, em curvei também, puxando as pontas da minha saia e cruzando as pernas tal como já fiz em alguns jantares da minha família

Logo nós dois caímos na gargalhada, passamos o dia todo juntos e devo dizer que ele é muito legal, para um perseguidor ruivo eu digo.

FLASHBACK OFF

Bom, depois daquilo eu converso com ele o tempo todo, que não estou no jardim, claro. Mas essa manhã tinha algo diferente, sempre nos encontramos antes do sol nascer no refeitório as segundas e conversamos antes de ele ir para aula, só que hoje, no caminho ao jardim depois da nossa “conversa matinal” eu já via algumas pessoas pelo caminho, isso não é bom ‘pra mim, ser vista assim ‘pra mim não é bom.

Claro que eu reparei nos novatos já que tive que passar por eles para ir á floresta, já que pelo jeito o caminho que sempre pego estava lotado de alunos, e claro que como todas as pessoas daqui eles tentaram conversar comigo, que como sempre apenas ignorei-os e segui meu caminho, não sem antes reparar na cara de tristeza do garoto de cabelos azuis que me cumprimentou primeiro e na cara de determinação e intriga da garota de cabelos platinados que estava observando a cena e depois ouvir os sussurros dos dois, obviamente comentando sobre mim, como parece que todos nessa escola adoram fazer. Mas no momento aquilo não importava, só queria ir para o meu jardim e ler meu livro em paz.

 

 

 


Notas Finais


Roupa da Ginny: https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/7a/32/0c/7a320c90ed522bd946cfa46870d545c8.jpg

E é isso ae marshmallow's...
espero que tenham gostado e achado tão fofo quanto eu a conversa com o cassy :3

E agora a Ginny tem um abiguinho ^^

Baibai marshmallow's
Beijinhos doces <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...