História Broken Heart. - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Derek Hale, Isaac Lahey, Liam Dunbar, Scott McCall, Stiles Stilinski
Tags Pisaac, Romance, Sciam, Scisaac, Sterek
Exibições 427
Palavras 5.721
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Policial, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Desculpa a demora e desculpa se tiver erros.
Obrigado por todos os favoritos <3

Capítulo 31 - Capítulo 30:nunca mais sentir amor de quem não lhe pertence.


Capítulo 30

 

xx

 “Estou atento ao meu rival, pretendo esmagar lhe o coração para nunca mais sentir amor de quem não lhe pertence...”.

xx

 

 

- Olá Stiles... – Theo o cumprimentou, sorrindo.

Stiles ainda estava parado, achando que estava sonhando ou realmente tendo um pesadelo, um pesadelo dos grandes. Por que Theo estava em sua casa, e pior se sentindo livre e adequado naquele lugar.

Stiles só pensava em uma coisa, Derek.

O que seu namorado pensaria em saber que o médico estava em sua sala, se sentindo confortável e confiante demais. Stiles sabia que não tinha mais volta, ele tinha que manter Theo longe, ele tinha que falar com ele para que não insistisse no que seja lá o que ele queria.

E não estava feliz em ver que estava manipulando seu pai, Stiles percebeu que a mensagem enviada por ele, que desatou os constrangimentos com Derek, poderia ter sido seu pai que lhe deu o número. E ele queria saber o que Theo disse para John, que o convenceu a fazer isso.

Eram tantas perguntas infundamentadas para Theo estar em sua casa, que Stiles queria gritar de indignação. Não queria problemas, não agora que estava começando um relacionamento com Derek. As coisas não tinham começado bem, antes, mas estava indo para um caminho certo.

- O que você está fazendo aqui? – perguntou Stiles franzindo as sobrancelhas.

- Isso é jeito de tratar as visitas, Stiles – resmungou seu pai – Não foi assim que eu lhe eduquei.

- Eu fiquei um pouco surpreso em ver Theo por aqui – disse Stiles sem demostrar nenhuma felicidade por tê-lo na casa.

 

Theo queria fazer com que Stiles pudesse dar uma oportunidade para ele, pelo menos para serem amigos, assim poderia se aproximar de Stiles. Ele achava o garoto charmoso e bonito, aquele olhar indignado só o fazia ficar ainda mais deslumbrado por ele.

E saber que aquele garoto era importante para Derek Hale o deixava ainda mais interessado.

- O que ele faz aqui? – perguntou Stiles novamente, indo perto do seu pai, mas Theo tinha escutado.

- Eu me senti meio que sozinho pela cidade, encontrei John por acaso, esses dias... E começamos a conversar, seu pai é uma pessoa muito boa – disse Theo com um tom animado.

Stiles não sabia exatamente se aquelas palavras eram sinceras, ou Theo estava usando seu pai para chegar nele. O que definitivamente não daria certo.

- Ótimo... – ele disse sorrindo amarelo para não ser descortês – Eu estou cansando, vou para o quarto...

- Pedi umas pizzas você ficará conosco? – perguntou John para Theo, e Stiles arregalou os olhos, rezando para que ele dissesse não.

O que aconteceria se Derek chegasse por ali, mas tarde, e visse a cena de Theo em sua casa, enquanto ele não podia ficar por ali, por quanta da hostilidade e desconfiança que seu próprio pai nutria por ele.

Era demais, Stiles estava cansado e ainda tinha que lidar com aquela situação, apesar de que ele não estava fazendo nada demais.

Theo queria ficar, mas ele viu que fazendo isso, seria como forçar uma situação, só queria que Stiles percebesse que ele estava perto e não desistira tão fácil, nos seus pensamentos era que Stiles, como os outros e outras que tinham na vida de Derek, acabaria cedendo para ele também.

- Não poderia ficar só dei uma passada, obrigado John pela hospitalidade – cumprimentou o pai enquanto admirava o filho com um sorriso.

Stiles olhou para ele e encontrou seu olhar o avaliando, ficou constrangido com aquele olhar sobre si, como se quisesse algo que não poderia ter. Se Stiles queria que desse certo com Derek, o qual estava realmente apaixonado, teria que deixar claro para Theo que não haveria nada entre eles.

- Eu o acompanho até a porta – disse avaliando a situação para deixar claro para Theo que não teria joguinhos.

Essa iniciativa deu uma esperança avassaladora em Theo, que queria filmar a cena e envia-la para Derek, com um lembrete: Seu garoto também é meu, mas se controlou sorrindo simpático para Stiles, enquanto o garoto passava por ele.

Deu uma admirada em seu corpo, mediano, mas com estruturas que o deixavam hipnotizados, o jeito de andar, seus quadris e suas nádegas, aquele garoto, na perspectiva de Theo, era uma perdição.

Agora ele entendia o fascínio de Derek sobre ele.

Stiles parou na porta, e quando virou, encontrou Theo o olhando de uma maneira não convencional, analisando partes como se ele fosse uma carne amostra em uma vitrine de algum supermercado.

Fez um som com a garganta, para que ele voltasse o olhar para qualquer lugar menos para seu corpo.

Theo nem tinha percebido que ele estava parado na porta, por alguns segundos, mas também não parecia tímido por ter sido pego.

Ele era uma pessoa muito clara, na percepção de Stiles, e com certeza só tinha um rostinho bonitinho.

Theo passou por ele, e ficou parado, esperando alguma coisa, e Stiles se perguntou se ele acharia que isso realmente daria certo, se aproximar de seu pai, mandar mensagens e pronto, ele cairia de amor.

Não, definitivamente, não.

- O que está pretendendo? – perguntou Stiles, com um semblante sério.

- Eu disse que eu queria ser seu amigo, não estava mentindo – respondeu Theo, sincero, até certo ponto.

- A minha resposta ainda é a mesma – respondeu Stiles.

- Não sei por que não podemos ser amigos, achei que você não era uma pessoa manipulável, só porque você é um dos ficantes de Derek – argumentou Theo, com um sorriso predominante em seu rosto.

- Eu sou namorado do Derek, estamos juntos, e eu espero que você respeite isso, e pare de me mandar mensagens... – Stiles disse sério e com um tom autoritário, mal o conhecia e já tinha grandes problemas, e sempre lhe disseram que quando não queria algo com alguém, tinha que deixar bem claro – E para de frequentar minha casa, se eu souber que anda manipulando meu pai...

- Que má ideia você tem de mim? Aposto que Derek já lhe falou mentiras ao meu respeito – ele disse, se sentindo constrangido.

- Não, Derek mal falou sobre você... Eu que estou deduzindo por suas ações – respondeu Stiles com um olhar questionador.

- Do que você tem medo. Stiles, que eu possa ser um rival sério para seu relacionamento destrutivo com Derek Hale, porque será... Ele não é uma pessoa que consegue se relacionar por muito tempo...

- Isso não é da sua conta – disse Stiles, impressionado com a audácia dele – E melhor você ir embora...

- Ah, você tem medo que Derek chegue e me encontre por aqui – disse Theo ainda não acreditando na indiferença dele – Eu também teria medo, ele não vai confiar em você e vai fazer um show... No final ele nunca confia...

- Qual é o problema de vocês? – disse Stiles em voz alta o suficiente para entender que tipos de relação aqueles dois tinham.

Parecia que se odiavam.

- Não se preocupe Stiles, você é um garoto lindo e se quiser me terá também – disse Theo, passando as mãos no rosto de Stiles.

Stiles bateu sua mão com tudo, tirando as deles.

- Não sei que tipo de relações vocês dois tinham no passado, se as pessoas que Derek ficou antes de mim tinham também algo com você, isso realmente não me importa, só quero que saiba que não sou esse tipo de pessoa, e quero você bem longe de mim... Entendeu? – disse sem respirar com um pouco de desaforo em sua voz – Era só o que faltava isso... Ser um troféuzinho para dois babacas... Ok... Theo, obrigado por tudo, passar bem...

Stiles o empurrou para fora, e bateu a porta em seu rosto, se sentindo irritado.

Theo ficou encarando a porta, com uma ponta de insatisfação, mas, também sentindo uma adrenalina em suas veias.

- Que garoto corajoso – sussurrou para si – Isso fica cada vez mais interessante...

Depois que Theo foi embora, Derek não demoraria a aparecer, e Stiles agradeceu que ele realmente não tivesse aparecido enquanto Theo estava na casa.

Ele sabia de todos os ciúmes que Derek tinha, sabia que ele tinha seus defeitos e sabia que para terem um relacionamento duradouro teria que trabalhar isso e aceita-los.

Ao pouco tempo juntos, Stiles o conhecia e não seria nenhum Theo e ninguém que o faria seguir qualquer tipo de regras ou separa-lo de alguém que ele queria.

Agora tinha que lidar com o fato do pai, estar colocando Theo em sua presença, mesmo que seja apenas uma coincidência, porque John não poderia saber que Theo e Derek não se entendiam. Era o que Stiles esperava, amava seu pai, mas também não o deixaria se intrometer tanto em sua vida.

- Pai? – ele disse indo em direção à cozinha, onde John estava sentando lendo uma revista de esportes.

- Hm... – respondeu sem tirar os olhos da revista.

- O que Theo estava fazendo aqui e porque deu meu número para ele? – perguntou ainda encarando o pai e se sentando em sua frente.

- Ele queria algum amigo enquanto estivesse de férias, eu o achei uma boa pessoa e deu seu número, o que fiz algo de errado? – respondeu John fitando o filho.

Stiles minimizou os olhos em descrença, conhecia muito bem a mente rápida de seu pai e sabia que ele não era facilmente enganado e muito menos manipulado. Talvez se Liam estivesse passando mais tempo com eles, não conseguiria fazer o que tinha feito.

Liam também conhecia o pai que tinha.

- Sério pai? – questionou Stiles batendo os dedos na mesa.

John analisou o filho, sabia o que tinha feito não era o certo, mas queria que Stiles conhecesse outras pessoas e não ficasse com Derek. Aquele Hale tinha em sua família, assuntos que levavam a problemas, principalmente por Liam ter os roubado.

Ele ainda não confiava nele, para deixar seu filho amado em suas mãos.

- Eu pensava que você poderia ser amigo dele, já que ele lhe ajudou na ilha, e também é melhor companhia que Derek... – disse John em um tom natural, mas também compreendia que o que estava fazendo não era certo, e pode perceber melhor com o olhar questionador e a veia saltando no rosto do filho.

- Não quero nada com Theo, não o vejo dessa maneira e meus amigos precisam estar em uma elevação maior para que eu confie neles, e chega pai, eu e Derek estamos juntos você querendo ou não... – Stiles estava perdendo a paciência e se levantou.

Tinham discutidos alguns dias, sobre a intervenção do seu pai contra Derek e a denúncia que o faria responder. Aquilo tudo não era necessário e mesmo que o pai esteja apenas querendo o proteger, Stiles não queria dessa maneira.

Poderia entender as atitudes dele, mas seu pai estava começando a exagerar.

John percebeu que Stiles tinha ficado irritado, o que não era muito comum nas reações dele. Eles dificilmente discutiam e seu filho sempre escutou seus conselhos para seguir seu caminho, na verdade, ele nunca tinha visto Stiles defender alguém como ele defendia Derek.

E tinha medo que seu garoto, se decepcionasse.

- Só não quero que interfira mais, pai – respondeu depois de alguns minutos em discussão contra John – Eu sei o que estou fazendo, não sou mais uma criança...

- Só espero que saiba mesmo o que está fazendo... E que quando as coisas começaram a ficar difíceis, porque Liam está quase sendo preso – argumentou John sério – Não quero problemas com essa família...

- Eu e Derek não temos nada a ver com Liam, ou o que ele fez, apenas nós conhecemos nessa situação inusitada – respondeu Stiles, convencido a não abrir mão.

- Certo... – abaixou a guarda, John – O que quer exatamente?

- Que pare de pegar no pé de Derek, sem motivos e que pare de ficar querendo me colocar na presença de Theo, ele me ajudou, sim e muito, mas nada que não tenha sido tudo esclarecido e que eu já tenha agradecido...

- Você sabe que sobre esse assunto e o que Derek fez eu não vou aceitar facilmente – criticou John fazendo uma expressão confusa.

- Ele já se arrependeu e eu acredito nisso e já disse que não vou terminar com ele, por qualquer palavra suas ou colocadas de outras pessoas em minha vida, as coisas não são assim, eu realmente gosto dele – explicou Stiles se levantando – E ele vai vir aqui hoje...

John olhou para a porta enquanto o filho saia e olhando o relógio, sabia que não poderia impedir o relacionamento com Derek, mas também não tiraria seu olho daquela situação e um passo em falso dele, ele agiria como um bom pai que era.

 

Scott tinha finalmente acabado mais um dia de seu trabalho, no qual já estava começando a se acostumar, sentia poucas dores nos corpo e não reclamava como fazia antes.

Algumas pessoas que trabalhavam com ele, eram inexplicavelmente pessoas boas de coração e que chegaram a dar dicas para ele, de como fazer um trabalho mais rápido e menos demorado. Scott nunca tinha imaginado conversando com alguém com menos dinheiro que ele ou se relacionando com esses tipos de pessoa.

Agora ele poderia perceber o quanto era mesquinho e egoísta, uma pessoa negativa e sem proposito na vida, e ele queria saber quando tinha se transformando nisso.

- Você está começando a fazer um bom trabalho – disse Brett.

Brett era um dos amigos que Scott conseguiu fazer, também fazia parte da limpeza da empresa, mas era um rapaz esforçado e de uma mente brilhante demais para permanecer limpando o chão.

Mas ao conhecer sua vida, Scott poderia notar o motivo de ele fazer esse serviço, sua família era pobre e necessitava de dinheiro, tinha uma mãe doente e irmãos mais novos. Trabalhava com um sorriso no rosto e Scott se sentia pior ainda, porque seus motivos eram pequenos ao reconhecer várias histórias daquele lugar.

- Estou aprendendo – respondeu Scott guardando sua roupa em sua bolsa.

Ele não tinha contado para ninguém sobre o que ele era, e de quem era irmão e o motivo de estar trabalhando naquela maneira. Já não era por vergonha, mas sim, constrangimento por permanecer fazendo aquilo pelos motivos errados que o levaram a estar naquela situação.

- Você vai pegar o ônibus? – perguntou Brett.

- Sim... – respondeu Scott olhando para ele.

- Eu costumo ir de moto, mas a minha estragou, parece uma lata velha, preciso conseguir dinheiro para arruma-la é mais fácil na locomoção – disse animadamente para Scott.

- Eu espero que consiga, eu não tenho nenhum meio de ir embora, apenas o ônibus mesmo – respondeu não sendo sincero, em tudo, se não tivesse roubado a família, ele não estaria ali, para começar.

Ainda andando do lado de Brett, Scott estava saindo da empresa, quando se deparou com Isaac na frente, algum metro de distância, conversando com um grupo de pessoas.

Pelas roupas eram executivos, ou alguém de cargo superior, Scott quis desviar seu caminho, mas como explicaria aquela situação para Brett.  E também já era hora de enfrentar as consequências de suas escolhas ruins.

Apesar de tentar entender o que se passava em seu coração, pelas mudanças bruscas que sofreu, por primeiro se sentir atraído por Liam e fazer o que ele queria e depois um salto de decepção, finalmente perceber que o que sentia por seu amigo Isaac era muito mais que sentimentos de amizade.

Ele ainda estava confuso, principalmente depois que soube que o próprio Tio poderia ter alguma coisa com Isaac. Aquele ataque de ciúmes que sentiu deveria ser por alguma coisa, ele não poderia sentir aquela necessidade de ter Isaac para si, se não fosse algo voltado para sentimentos mais profundos.

Ele viu que Isaac ainda não tinha o visto, andando por ali, mas era hora de ser corajoso e cumprimentar um velho amigo, ou apenas um conhecido.

Era hora de colocar aquela situação de vez em pratos limpos e tirar de suas costas a culpa de não ter confiado em Isaac quando teve chances.

- Brett, pode me esperar um pouco – disse para o amigo.

- Não demore, hein, o ônibus não espera – respondeu Brett analisando o que ele iria fazer.

Isaac estava conversando com alguns dos fornecedores da empresa, depois de uma reunião, ele estava atrasado para ir embora e já se passava da hora de seu turno. Enquanto conversava com eles, percebeu uma sombra chegando perto, quando desviou seu olhar, eles se encontraram com Scott.

Ele sentiu seu corpo gelando no momento, não esperava encontrar Scott, para ser sincero, ele sabia que isso poderia acontecer mais cedo ou mais tarde, o que mais deixava Isaac perturbado e que ele não sabia como reagir em sua presença.

- Como vai Isaac? – perguntou Scott, segurando a voz firme, para não parecer um patético em sua frente.

Isaac não sabia como respirar, ele poderia simplesmente sair correndo e ignorar Scott, porque ele tinha feito isso, depois que conheceu Liam, mas era estúpido demais e não tinha essa coragem e determinação, se despediu dos fornecedores e voltou seus passos até ele.

Se criticando mentalmente por fazer isso.

- Olá – disse sério, não querendo transparecer animado.

- Você desapareceu da vinícola, não sabia que estava trabalhando aqui... – mentiu Scott, não poderia dizer que estava o seguindo alguns dias atrás pela empresa.

- Você também já fez isso – respondeu Isaac ainda sério, não impedindo de falar o que pensava. Não era hora de joguinhos de palavras.

- É... – disse Scott como se tivesse sido encurralado – E eu me arrependo disso...

- Bem, nunca é tarde para arrependimentos, se eles forem sinceros – respondeu Isaac em um tom quase gélido.

Scott assentiu, ele merecia aquele tratamento, por todas as pessoas que inconsequentemente tinha ferido, já Isaac por fora demostrava aquele tom acusador, mas por dentro lutava para deixar seus sentimentos adormecidos.

- Um dia quem sabe você possa me perdoar – disse Scott sincero – E nós podemos voltar a sermos amigos...

Amizade.

Aquela palavra realmente era válida? A pergunta era na mente dos dois, mas nenhum tinha coragem de dizer em voz alta.

- Quem sabe... – respondeu Isaac, era a única palavra que encontrou como resposta.

Brett acenou para Scott, o chamando, se perdesse aquele ônibus, que era o último, ele iria voltar para o apartamento do irmão a pé. Queria ficar mais tempo conversando com Isaac, mas não tinha jeito e também não poderia forçar a barra.

- Está se dando bem no trabalho? – perguntou Isaac rapidamente e se amaldiçoando por fazer, assim Scott poderia deduzir que sabia o que ele fazia e o que estava fazendo na empresa.

- Estou me virando... – respondeu Scott com um sorriso torto – Eu preciso ir...

Isaac assentiu, Scott disse que viria ele em breve, e eles poderiam tomar alguma coisa para colocar o papo em dia, Isaac não respondeu imediatamente, e Scott ficou um pouco esperando sua resposta, o silêncio era questionador e quebrável.

Sorriu desanimado e foi para a saída, deixando Isaac o olhando para suas costas, poderia ser tão fácil ser amigos novamente, tomar algumas bebidas e esquecer-se do passado. Mas Isaac não estava pronto para isso.

Não tinha certeza se era porque não queria apenas a amizade dele, voltar para a zona de amigos, poderia ser considerado algo bom, mas não para ele. Foi magoado por Scott em sentimentos, mesmo que ele talvez, não saiba e não queria sentir isso novamente.

Foi andando até seu carro, depois que Scott saiu e olhou para seu celular, algumas mensagens de Peter, durante o dia, ainda estavam ali para serem abertas.

E Isaac estava novamente em seu dilema.

 

- Ele esteve aqui? – perguntou Derek pela terceira vez. Irritado.

Mal apareceu na casa do namorado e já teve notícias que Theo andava frequentado a casa, realmente ele queria não aparecer irritado e querendo soca-lo até a morte, ou deixar sua raiva e ciúmes assustar Stiles, mas ele não conseguia evitar.

- Bem, estou lhe contando, antes que você saiba por outras pessoas – falou Stiles despreocupado, ele não tinha culpa do que aqueles dois disputaram no passado.

O caso era que ele, não tinha feito nada, e deixou claro para Theo que não queria nada com ele, e por bem de sua relação com Derek, não aceitou também a amizade, sabendo também que aquela conversa de amizade não era verdadeira.

Stiles tinha contado tudo para ele, até o fato que tinha sido o pai que tinha dado o seu número do celular, fato esse que não pegou Derek de surpresa, já que ele suspeitava que tivesse sido John mesmo.

Ele ficou em pé na porta da varanda da casa de Stiles, apertando as chaves do seu carro, em seus dedos, estava realmente pensando em procurar Theo pela cidade e faze-lo entender de uma vez que não poderia chegar perto de Stiles.

Que não poderia querer Stiles para ele, porque ele não deixaria.

Stiles olhando para ele, que tinha o olhar perdido e apertando tanto as chaves que poderia ver o nós em seu pulso, perdendo a cor para um esbranquiçado, chegou perto de Derek e apertou suas mãos.

Derek ao sentir o toque quente das mãos dele, relaxou e foi trazido de volta de seu frenesi de irritação contra aquele que poderia ousar em querer seu garoto para si.

Stiles foi até ele, depositando um beijo amoroso de encontro com os lábios de Derek que foi pego de surpresa, mas retribuiu o beijo com êxito, mãos que se buscavam calmamente, enquanto um estava nos braços do outro. O menor terminou o beijo inesperado mordendo os lábios sensíveis e inferiores de Derek e soltou um suspiro.

- Não quero que faça nada impensado e não precisa provar que você é o macho alpha o enfrentando por mim – questionou Stiles ainda olhando para seus olhos no meio de um abraço com Derek querendo entender o que ele queria dizer – Eu já deixei bem claro para ele minha situação e você deve confiar em mim... Se for atrás dele só vai fazer com que essa disputa seja validada...

- Mas eu quero que ele saiba que você está comigo – disse Derek queixoso encostando sua testa na dele.

- Ele já sabe, não é necessário você ir até lá falar com ele – retrucou Stiles decidido – Você vai evitar isso, Derek e vai me jurar que não vai ficar brigando com ele por mim... Eu estou com você, isso já é o bastante...

- Você não entende... – tentou dizer novamente, mas em vão, Derek sabia que iria ceder, faria tudo por Stiles.

Talvez evitar Theo e suas ironias de querer tudo que era dele, fosse a maneira mais fácil de dizer que estava bem com Stiles, por outro lado Derek pensava que deixar quieto era dizer que não se importava e que ele poderia jogar para ter Stiles o quanto quisesse.

Era ridiculamente estressante aquele momento, mas Derek só pensava que queria colocar Theo em seu lugar e o fazer voltar para a Itália, mancando.

- Eu entendo muito bem, vocês tem um passado meio idiota e eu realmente não quero saber, mas eu estou aqui com você e não vou deixa-lo para ficar com Theo, ou ficar com os dois ao mesmo tempo, como aconteceu com vocês em algum momento... – exaltou Stiles, sincero.

Derek olhou para ele e pendeu a cabeça de lado, por um momento.

- Ninguém era tão importante como você é... – respondeu abraçando Stiles.

- Se eu sou importante, para você, não vai atrás dele e vai me provar que confia em mim... – insistiu Stiles.

Stiles achava isso muito estúpido, não era necessário que os dois ficassem brigando por ele, ou marcando território, como se ele fosse algum objeto. E não queria que seu namorado prestasse a esse papel bobo, então decididamente ele não deixaria Derek fazer isso.

Por mais que ele quisesse deixar claro que eles estavam juntos e eram namorados, não era necessário que isso virasse uma guerra.

E ele queria que Derek entendesse isso.

- Você me promete ou não? – perguntou Stiles, depois que eles ficaram um tempo em silêncio num abraço aconchegante.

- Se eu dizer que não, você vai me expulsar daqui, não é mesmo? – brincou Derek.

- Exatamente... – disse Stiles num meio sorriso.

- Você tem razão, eu preciso confiar em você, e eu vou fazer – respondeu Derek, sendo sincero, e tendo que segurar-se para poder cumprir.

Porque se visse Theo perto de Stiles, e exatamente era os céus que estava evitando esse confronto, ele não sabia o que poderia fazer.

- Eu sei me defender sozinho – disse Stiles como se soubesse o que ele estava pensando e recebendo um olhar assustado de Derek, confirmando suas palavras.

- Eu sei, é porque eu te amo tanto que não posso pensar em ter outras pessoas tocando você... Só eu posso fazer isso – disse passando os dedos nas bochechas de Stiles, recebendo um grande sorriso dele como resposta.

- Só você, eu também te amo... – respondeu, o beijando.

Depois de mais algumas trocas de beijos e palavras sussurradas um para o outro, Stiles realmente estava cansado, o trabalho, a dança, noites intermináveis com um namorado quase insaciável na semana tinham acabado com ele.

Naquela noite ele queria apenas dormir em sua cama.

- Eu posso ficar com você mais um pouco – perguntou Derek manhoso.

Aquela atitude fez Stiles rir nasalmente, em como aquele homem poderia ser amoroso e sensível a sua maneira.

- Na sala, podemos assistir alguma coisa – disse Stiles derrotado, não conseguia dizer não a Derek com aquele olhar pidão.

Derek assentiu, animado, se aninhando em Stiles como um gatinho perdido, com certa carência que deixava o menor sorridente.

 

Eles se acomodaram no sofá, sozinhos, já que John saiu dizendo que teve um chamado da delegacia, mas avisou Stiles que logo voltaria.

Aquilo foi um aviso, para que Stiles e consequentemente seu namorado não ficasse namorando pelos cantos da casa.

Eles colocaram num filme qualquer que estava passando no canal pago, era um filme de ação, que Stiles percebeu que ambos gostavam do gênero. Ficaram prestando atenção no filme, rindo e comentando de algumas cenas, aquilo era extremamente confortável, que Derek exalava felicidade em estar com Stiles nesses momentos.

Ele sempre se sentiu sozinho na vida, principalmente com sua família, que dedicava amor e carinho muito mais para seus irmãos que para ele. Amar e ser amado por Stiles era um presente tão grande e precioso que ele faria de tudo para não perder.

Porque sabia que se perdesse, algo dentro dele que foi encontrado, também se perderia outra vez, esse sentimento familiar, de proteger e querer aquele garoto em seus braços renovava suas esperanças todos os dias.

Não se percebia quando e como, eles começaram uma seção de beijos lentos e calorosos no sofá, não mais prestando atenção no filme que se passava, Stiles sentou-se no colo dele, e ficou ali entre os beijos e respirações intercortada. Enquanto o beijava, Derek alisava os cabelos macios de Stiles, deixando que ficassem em seus dedos, a sensação era tão boa que o deixava em plena áurea de paz. Quando o ar era necessário, Stiles encostava seu nariz nas bochechas de Derek, sentindo sua barba por fazer, lhe arranhando a pele, ele adorava aquela sensação prazerosa.

Depois de se beijarem até sentir que o músculo da mandíbula doía, Stiles se enterrou seu rosto, no pescoço dele, enquanto Derek ainda lhe fazia um pequeno cafuné em sua cabeça.

Aquilo era inacreditavelmente bom, Stiles se sentia tão bem nos braços dele, que não se importava mais com nada ao seu redor.

E tudo que eles tinham passado e poderia passar, tinha ficado esquecido em sua mente, porque estar ali parecia sempre ser o certo.

- Seu cheiro é bom - sussurrou Stiles, fechando os olhos.

- o seu também – sussurrou Derek de volta.

- hm... – respondeu Stiles, sentindo o sono vindo lhe perturbar, com as caricias das mãos firmes de Derek.

Derek o ajeitou e o colocou deitado no sofá, com a cabeça em seu colo, ele tinha percebido que seu garoto, estava cansado, mas mesmo assim não queria ir embora, aquele momento juntos estava tão bom, tão maravilhoso que eles não precisavam de apenas sexo para se sentir ligado um ao outro.

Enquanto a imagem da televisão passava uma luta qualquer, de um filme que Derek não conseguia se prender em assistir, a única visão que lhe prendia era o rosto de Stiles sereno e sossegado em um sono leve em seu colo, seu pequeno ressonar e seu peito subindo e descendo, aquela visão era tão reconfortante, que para Derek, parecia que seu coração para bater corretamente, dependeria da respiração de Stiles.

Deixou que os pensamentos que estavam lhe perturbando sobre Theo e sua ousadia de se aproximar de Stiles, de lado, naquele instante, queria aproveitar a sorte que a vida tinha lhe dado em ter Stiles em sua vida.

Um dia quem sabe ele agradeceria Scott por ter sido inconsequente, talvez por esse grande deslize dele, nunca poderia ter conhecido Stiles e o ter em sua vida.

Ficou em seus pensamentos olhando para o rosto do garoto que sem perceber tinha salvado seus sentimentos e sua vida, oferecendo amor e companheirismo que nem viu a porta sendo aberta.

John chegou a casa, teve que assinar alguns papéis que estavam pendentes e soube algumas informações de seu outro filho. Liam tinha sido visto em algumas partes do sul da Europa. Mas ainda não tiveram a sorte de pega-lo. John sabia que o momento da prisão dele estava por perto e ainda não tinha em mente o que fazer com aquele filho.

Era tão insuportável a ideia do que Liam tinha se transformando e ele nunca poderia parar de se perguntar o que tinha feito de errado.

Distribuindo seu olhar pela sala, ele viu uma cena, que o surpreendeu, ele não tinha a menor ideia que o namorado do filho ainda se encontrava na casa. Ele de repente teve um questionamento dentro de si em ir até lá e dizer para Stiles que já estava tarde.

Mas eles não estavam fazendo nada demais. O que mais surpreendeu John foi a admiração que aquele homem olhava para seu filho, enquanto o mesmo estava dormindo em seu colo.

Não tinha ninguém ali para que ele fingisse aquele olhar, e John teve a certeza que nem toda a pessoa treinada ou tivesse um sangue frio, teria aquele olhar de paixão e amor que aquele homem barbado tinha para seu garotinho.

Ele parou na porta, e observou também, que Derek não tinha percebido que ele tinha chegado, o Hale alisava os cabelos de Stiles, e seu filho dormia como um bebê despreocupado no colo dele.

John ficou ainda mais admirado, como Stiles, confia em Derek em sua casa, para dormir e deixa-lo sozinho por ali.

Vendo toda essa reação e situação, John pode perceber que talvez estivesse enganado sobre Derek e seu relacionamento com seu filho, se realmente fosse apenas uma vingança, estava demorando demais para fazê-la e olhando o jeito como ele se prendia em seu filho, ele pode perceber que poderia sim, ser amor de verdade.

E rezava para que não pudesse estar enganado sobre isso.

Ele deu uma pigarreada para que Derek soubesse de sua presença.

Derek não era de assustar por nada, mas com a chegada repentina do pai de seu namorado, o fez vacilar por alguns segundos.

Ele olhou para John e arregalou um pouco os olhos, era uma situação constrangedora, principalmente com Stiles apaziguador dormindo. Ele queria acordar seu garoto, mas não tinha coragem para fazer isso, apenas cumprimentou seu sogro, como um bom cavalheiro que era.

Bem, ou achava que poderia ser.

Em sua cabeça só se pensava, e voltava considerações que com Theo, o pai do seu garoto, tratava cordialmente e até o convidou para entrar em sua casa, aquilo deixava Derek  desanimado. Sabia que tinha Stiles para si, mas também sabia que família era algo importante para seu namorado, e principalmente o pai.

E queria saber como seria recepcionado por John, porque não tinha o visto desde aquele dia.

- Stiles dorme em qualquer lugar mesmo, né?  – disse John em tom de brincadeira.

Aquilo pegou Derek de surpresa, novamente.

- Ele está cansado, acho que as aulas estão puxadas – disse cordialmente.

- É... Você tem que ver quando ele começa a treinar para alguma apresentação de Balé, ou algo importante, ele fica mais esgotado ainda, ele dá sempre duro para ser o melhor... – respondeu John pensativo – Essa determinação toda, ele herdou da mãe...

Derek se sentia estranhamente bem, em ter John falando com ele, daquela maneira, era como se no fundo ele pudesse aceita-lo.

- Isso é bom – respondeu Derek, sentindo uma estranha animação dentro dele.

John novamente olhou para seu filho deitado no colo daquele homem com tanta familiaridade e confiança. Ele sabia que para ter seu filho feliz deveria aceitar o que era melhor para ele, e naquele momento ele pode perceber que o melhor para Stiles e estar com Derek Hale.

- Você realmente o ama? – deixou que a pergunta saísse.

 Derek olhou para o pai do seu namorado com um olhar determinado.

- Sim – respondeu sério e convicto.

John balançou a cabeça e deu um pequeno sorriso escondido, já tinha pensando em não fazer a denúncia contra Derek a pedido de Stiles, mas não contaria para ele, ainda. Esperaria mais um pouco.

- Espero que seja verdadeiro – disse em um tom suave, não queria àquelas horas passar um sermão – Porque ele merece... Não é por todos que ele me enfrenta... Não ouse quebrar o coração dele... – disse saindo da sala – Quando for embora o acorde para fechar a porta... Boa noite...

John saiu da sala, com a esperança de não estar errado dessa vez, com isso deixou Derek admirado e com um sorriso largo no rosto.

Talvez não fosse tão difícil ser aceito por John, pensava enquanto assimilava as palavras dele. Logicamente, Derek nunca quebraria o coração de Stiles, não novamente, e cuidaria para que isso nunca acontecesse. Ele sabia que seria capaz de quebrar o seu primeiro, para poupar que Stiles sofresse.

Stiles merecia o mundo, e ele o daria.

Derek ficou feliz, nunca tinha sentindo essa felicidade plena antes, enquanto traçava uma linha imaginária nas pintinhas de Stiles distribuídas por seu rosto.

- Eu nunca quebrarei seu coração – ele disse sussurrando, enquanto Stiles dormia tranquilamente – Essa promessa eu irei cumprir, eu juro...

 


Notas Finais


comentem :)
Até o próximo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...