História Broken Heart - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Walking Dead
Personagens Beth Greene, Daryl Dixon, Maggie Greene, Negan, Paul "Jesus" Monroe
Tags Beth, Bethyl, Daryl
Visualizações 139
Palavras 2.365
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção Científica, Romance e Novela
Avisos: Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OiiI Gente linda! Tudo bem amores?

Primeiramente peço perdão pela demora! Estava difícil escrever um capitulo descente! Ainda não tenho bem certeza se estou satisfeita com o resultado, mas eu até já disse anteriormente que não tenho dom para cenas de ação, então embora neste capítulo seja o desfecho da guerra, eu decidi apelar mais para o lado psicológico, do que para a ação propriamente dita!... vcs vão entender quando lerem!

Quero também agradecer quem me ajudou votando na Fanfic, não foi desta vez que ganhamos essa, mas ficamos em uma ótima colocação! Segundo lugar! Obrigado mesmo! :)
Agradeço também aos comentários e favoritos! Vcs são 10!

Recomendo que leiam o capítulo de hj escutando a música que vou deixar na nota final, Arsonist’s Lullaby – Hozier É MUITO BOA!

Por enquanto é isso gente! Nos falamos mais na nota final. Boa leitura pra vcs!

Capítulo 17 - Legado de um Líder.


“Tudo o que você tem é o seu fogo
E o lugar que você precisa atingir
Nunca dome seus demônios
Mas sempre os mantenha em uma coleira”

- Arsonist’s Lullaby – Hozier

Aos poucos Beth foi despertando, encontrava-se sentada em uma cadeira e com as mãos amarradas para trás. A corda fina estava machucando seu pulso. Sua cabeça doía e ela ouvia os barulhos das conversas dos Salvadores.

Beth levantou levemente a cabeça, para observar melhor a sua volta, então viu Negan a poucos metros dela, tentando fazer uma chamada com um comunicador portátil.

- John eu quero vocês todos aqui nessa merda de fábrica agora! - Negan gritou furioso assim que alguém do outro lado atendeu.

- Claro... Logo estaremos aí! - Dizia John do outro lado da linha, porém assim que ele terminou de falar barulhos de tiros foram ouvidos.

- O que está acontecendo aí? John!! - Negan berrou furioso.

- O John não está mais aqui! - Uma voz feminina, com um tom aveludado e melodioso falou do outro lado da linha.

- E quem é você sua vadia? - Negan vociferou entre dentes com raiva. Ele não conhecia aquela voz, mas Beth reconheceu na hora. Era Carol.

- Você não me conhece então não importa quem eu sou... O que importa é que nós vencemos. - A mulher retrucou com um tom debochado.

- Eu vou matar todos vocês... Eu e Lucille faremos uma grande festa! - Negan respondeu tentando aparentar calma, mas estava com muita raiva, e isso o fazia apertar Lucille em suas mãos.

- Você não vai fazer nada... O seu reinado está caído Negan! Esta sendo esmagado... Assim como você esmagou a cabeça dos meus amigos... seu filho da mãe! - Falou a mulher com o mesmo tom de calma.

- Vai pro inferno!

- Só depois de você! - A mulher falou e do outro lado da linha era possível ouvir barulhos de tiros.

Para Negan aqueles barulhos significavam que ele tinha perdido mais um dos postos avançados. Como a mulher dissera, o reinado dele estava caindo. Porém para Beth aqueles barulhos significavam vitória. O plano havia dado certo. A fábrica estava cercada e os grupos já estavam destruindo os postos avançados. Seria uma questão de tempo até voltarem para a fábrica e terminarem o serviço.

- Vamos executar o plano de evacuação! - O líder dos Salvadores ordenou para alguns de seus homens, que prontamente saíram da sala.

"Plano de evacuação?" A Grenne questionou-se em pensamento, mas não pode se concentrar muito nisso, pois logo Negan notou que ela havia despertado.

Ele a olhou, e em primeiro momento tinha uma expressão séria, porém logo abriu um sorriso cínico.

- Beth,Beth,Beth... - Falou ele a medida que se aproximava da cadeira dela. - Eu senti saudades e espero que tenha sido recíproco! - Ironizou ele. - Quem te viu e quem te vê hein? A enfermeira quase invisível, que vivia aqui pelos cantos da fábrica... "Eu não sei quem eu sou... Eu não sei quem eu sou..."- Disse ele como se estivesse imitando o jeito de Beth falar. - E agora você entra aqui matando meus homens e quebrando os meus portões... Que mudança e tanto!

- Situações de desespero, exigem medidas desesperadas. - Respondeu Beth dando de ombros, tentando não se mostrar afetada pela proximidade exacerbada que Negan estava dela.

- Desespero!? - Repetiu ele. - Engraçado você falar disso... Sabe Beth... Eu não entendo vocês! Eu juro que tento, nas não consigo entender! O Rick e seus amigos mataram uma 'caralha' dos meus homens, lá no posto avançado... Daí eu mato meia dúzia dos amigos dele, e todo mundo resolve se rebelar. Eu deveria falar de desespero... Não vocês.

Um período de silêncio se seguiu e Negan começou a andar em torno da garota, batia Lucille em suas mãos e Beth sentia que a qualquer momento ele bateria nela com o taco. Porém, ao contrário disso, ele parou atrás dela e soltou as amarras das mãos da garota.

Ela prontamente levou suas mãos a frente e massageou os próprios pulsos que estavam doloridos.

- Eu sei que cada um tem seus motivos... E eu estou muito curioso para saber os seus... Por que você está aqui? - Inquiriu ele encarando-a nos olhos.

- Pela minha família!

- Família? Você chama de família as pessoas que te deixaram quase morta naquele hospital? - Questionou ele e ela franziu o senho, questionando-se o quanto Negan sabia sobre ela e seu passado.

- Parece surpresa Beth. Mas eu sei muito sobre você e sua “família”! - Disse ele simulando aspas com os dedos. - O Eugene me contou várias histórias sobre eles... Uma delas era sobre a mulher de um certo coreano, que se perdeu do marido e da irmã e preferiu procurar pelo marido, esquecendo completamente que tinha uma irmã caçula por aí...  Conhece essa história Beth?

A garota entendeu logo que ele se referia a Maggie, e ao período que se seguiu depois que a prisão caiu.

- Eu sei que você está aqui arriscando sua vida, supondo que sua irmã faria o mesmo por você, mas ela não vai fazer! Ela nunca fez... Nenhum dos que você chama de família está aqui por você! Isso não te parece um D'javu? Você está sozinha de novo Beth! - O líder falou em tom intimidador, estava tentando manipular a garota, para fazê-la sentir raiva do seu grupo. - Fomos nós que te salvamos garota, não eles!

- Cala a boca! - Disse Beth com raiva. - Você não sabe nada sobre nós!

- Beth não existe um nós! Se existisse você não estaria sozinha aqui! - Falou ele e Beth começou a sentia seu sangue ferver. As palavras de Negan estavam a afetando mais do que ela queria.

- Não pense que só porque o Daryl te comeu, você voltou a fazer parte da família! Eles te deixaram, a própria sorte de novo Beth Grenne!

Diante disso Beth cuspiu no rosto dele. Ela queria ter se controlado, mas foi mais forte do que ela.

Negan estava cutucando em uma ferida que até pouco tempo, ela nem sabia que tinha. A garota sempre evitou pensar no fato de seu tê-la deixado para trás quando estava no Grady Memorial. Ela não queria alimentar ressentimentos, porém agora ela estava se sentindo insegura em relação ao seu grupo. Inevitavelmente, sentiu-se insegura sobre seu recente relacionamento com Daryl.

Questionava-se se seria deixada para trás novamente.

- Pode cuspir no meu rosto o quanto quiser, mas você sabe que eu estou certo não é? - Falou ele limpando o cuspe no rosto dele. - Não adianta bancar a heroína que você não é! O Rick é o xerife não você.

Aquelas palavras desencadearam na mente dela, uma lembrança antiga. Foi como ter uma Epifânia.

"Todos estavam em segurança, dentro dos pátios da prisão.

Beth Grenne segurava no colo a pequena Judith Grimes, que brincava com uma mecha de cabelo da moça, enquanto Beth observava seu pai Hershel, Carl e Rick revolvendo a terra para plantar alguns vegetais.

Rick ajudava seu filho, mas, ainda assim, o menino tinha um pouco de dificuldade para fincar a sua pá na terra.

- Quem sabe se tentar de outro ângulo... - Sugeriu Rick demonstrando ele próprio como o garoto poderia fazer. - Assim veja.

- Assim? - O menino perguntou copiando os movimentos do pai.

Quando Carl se inclinou para cavar, seu chapéu de xerife, caiu ao chão.

- Vamos precisar encontrar um chapéu de fazendeiro. - Rick falou olhando para o filho que sorriu.

Rick recolheu o chapéu do chão, o limpou na própria calça jeans e o colocou na cabeça de Beth, que prontamente o ajeitou na sua cabeça.

- Temos uma nova xerife na cidade! - Falou Rick em tom de brincadeira.

- Como estou? - Perguntou ela fazendo graça.

- Está bonita! - Rick respondeu.

Hershel alcançou então um par de luvas para Rick.

- Poderia ser sempre assim... - Falou o senhor Grenne, referindo-se ao momento de paz que estavam tendo.

- É assim agora.... - Rick respondeu pegando as luvas que seu amigo alcançava. - É o suficiente."

- Tudo bem com você garota? - Negan perguntava estalando os dedos na frente dela para alerta-la, visto que ela havia ficado estática e pálida.

As palavras que Rick disse a ela na lembrança que ela havia acabado de ter, ainda ecoavam na sua mente.

“Temos uma nova xerife na cidade.” 

Beth lembrou que não muito tempo depois daquela ocasião alegre e tipicamente familiar, a prisão foi sido destruída pelo Governador. As coisas nunca voltaram a ser como antes.

Por que as coisas nunca davam certo?

A garota já não tinha mais certeza de nada. As lembranças se misturavam com a realidade, e toda a coragem que ela sentia, esvaiu-se e deu lugar ao medo. Medo de estar sozinha de novo, de não ter com quem contar... Medo do abandono. Negan havia conseguido desestabilizá-la, como ele queria.

Ela sentia seu estômago embrulhando, e foi abatida de uma forte tontura. Em seguida foi tomada de uma forte ânsia de vômito, e então se inclinou e vomitou quase nos pés de Negan.

- Isso! Coloca essa nojeira para fora! - Dizia ele batendo palmas como se estivesse comemorando e então Simon entrou na sala onde eles se encontravam.

- Chefe... Está tudo pronto. - Disse o homem e fez uma expressão de nojo ao ver o vômito de Beth no chão.

- Ótimo! Vamos então!

Antes disso, Negan bateu na nuca de Beth com Lucille, porém bateu com a ponta do taco que não tinha arame farpado, fazendo a garota desmaiar.

Para o líder dos Salvadores ela não tinha utilidade alguma. Sua vingança pessoal, devido a traição da garota, foi torturá-la psicologicamente. Agora que poderiam dar início ao plano de evacuação, ele deixou Beth caída no chão da fábrica, abandonada a própria sorte.

****

O ataque aos postos avançados havia sido concluído.

Mesmo tendo algumas perdas e com alguns do exército ficando feridos o pessoal de Alexandria, Hilltop e Reino, haviam vencido. Agora o último passo era invadir a fábrica. Embora cansados, todos estavam ansiosos para que aquilo tudo terminasse, e enfim ficassem livres de Negan e seu domínio.

Daryl estava ainda mais ansioso e apreensivo. Para conseguir lutar, agarrava-se com todas as forças a esperança de que Beth ainda estivesse viva dentro da fábrica. Não via a hora de tirar sua garota de lá.

Porém quando estavam indo em direção a fábrica viram Negan e um grande número de pessoas vindo ao seu encontro. A pergunta que surgiu era como eles haviam conseguido sair da fábrica se ela estava cercada por errantes? Alguns olharam para Dwight, esperando que ele soubesse algo, mas ele pareceu surpreso também.

- Eu não sei como eles saíram tão rápido. - Falou ele.

Iniciou-se uma ferrenha troca de tiros entre os dois grupos. Daryl concentrou-se em matar o máximo de Salvadores que podia, e sempre olhando atentamente para seus oponentes, buscando ver se por ventura Beth estava ali com eles, mas não havia nem rastro dela.

Todos estavam determinados a vencer e juntos eram uma verdadeira máquina de guerra.

Negan havia reunido todos os moradores da fábrica para lutar, porém nem todos eram treinados para lutar, então foram facilmente subjugados. A maioria se rendeu na hora em que se viram em desvantagem. No entanto Negan estava obstinado por vingança, então focou em Rick. O atacou derrubando Rick ao chão.

Os dois trocavam chutes e socos, porém o xerife foi mais forte e conseguindo ter vantagem. Ele feriu Negan gravemente na perna, deixando o líder dos Salvadores vulnerável.

- Parabéns pela sua vitória Rick! - Negan falou cuspindo sangue e mandando uma postura altiva. - Termina isso de uma vez!

- Negan você sempre soube que isso aconteceria não é? Ou achava que todos aceitariam sua tirania para sempre? - Perguntou o ex xerife. Todos haviam parado para prestar atenção no que estava acontecendo.

A guerra havia chegado ao clímax.

Negan riu ao ouvir as palavras de Rick.

- Você fala que eu sou um tirano... Mas isso é só porque eu matei pessoas que você gostava! - Falou o líder dos Salvadores. - Você todos acha que eu sou um assassino cruel, mas você não é mais virtuoso do que eu. Eu posso ter muito sangue nas mãos, mas eu sei que você tem também. Você vai me matar, achando que vai ser o herói da nação, mas você é igual a mim!

- Somos muito diferentes! - Rick disse apontando a arma para a cabeça de Negan.

- Não somos diferentes Rick! - Negan gritou. - E você agora será meu sucessor. Você vai libertar essas pessoas de mim para ser o novo Salvador. Então mesmo que me você me mate Rick, tanto faz se hoje ou amanhã, eu estarei sempre presente! Eu deixei o meu legado, e vocês serão minhas crias!

A mão de Rick tremeu no gatilho. Ele não era como Negan, ou era?

Tinha sangue nas mãos, e não se arrependia de ter matado pessoas para se salvar ou salvar seus amigos. Por alguns segundos ele vacilou, e quase desistiu de atirar. Não queria ser o sucessor de Negan, mas logo lembrou das vidas que Negan tirou. Abraham, Glenn, Spencer... Lembrou dos que sofreram com essas perdas e dos que haviam se sacrificado para que a guerra acontecesse.

Rick precisava concluir o que eles haviam começado. Por eles Rick puxou o gatilho, e assim terminou a guerra contra os Salvadores. Todos os que olhavam com expectativa a queda do grande líder respiraram aliviados.

Eles estavam salvos. Eles lutaram pela liberdade e conseguiram. A morte de Negan lhes trouxe vingança e alívio. Para alguns, foi prazeroso ver aquele homem morrer. O fato de cada um ali ter feito sua parte para que vencessem, fazia com que aquela guerra fosse um marco em suas vidas.

Depois da guerra, ninguém mais seria o mesmo. Logo, Negan estava certo quando disse, que mesmo morrendo, ele estaria presente. Ele havia deixado o seu legado, e todos os que lutaram para derrotá-lo, eram agora sucessores dele.

Todos crias do Negan.

 


Notas Finais


O que acharam?
Link da Música; https://www.youtube.com/watch?v=yEtkIRlz7Vw

Estamos na reta final, e agora que aguerra terminou, acho que vou conseguir postar mair rápido! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...