História Broken Memories - God of the Destruction of the 7th Universe - Capítulo 4


Escrita por: ~ e ~Naruko_Nekita

Visualizações 54
Palavras 2.156
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense
Avisos: Linguagem Imprópria, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, aqui está mais um capítulo. Espero que gostem do capítulo novo. Obrigado a todos que lêem e acompanham a história desde já. Boa leitura a todos os leitores.

Finalmente, os poderes de Bills acordam de seu sono profundo.Como reagirá ele a tudo isso? E como Champa irá encarar toda essa situação?

Capítulo 4 - The Awakening - God of the Universe 7


Fanfic / Fanfiction Broken Memories - God of the Destruction of the 7th Universe - Capítulo 4 - The Awakening - God of the Universe 7

Alguns anos se passaram. Whis e Vados se tornaram amigos íntimos da família. Toda a vez que mamãe e papai estavam ausentes, eles tomavam conta de mim e meu irmão. Minha mãe estava grávida de novo. Ao que parece, eu e Champa vamos ter uma irmãzinha. Ela se chamará Yan, me faz lembrar o famoso Yin e Yang. Um novo membro na família é sempre bem-vindo. Eu estava feliz. Finalmente, iria ter uma irmã garota. Talvez eu tenha curiosidade de ter uma irmã. Deve ser diferente de ter um irmão.

A hora estava chegando. A hora que minha vida iria mudar por completo… A hora do meu despertar. A hora que dois irmãos… Iriam mudar.

 

(…)

 

Estava sentado na maravilhosa grama do pátio de casa. Champa estava sentado em um toco de árvore. Ele me olhou do lado de cima daquele toco.

- Bills, você parece pensativo.

- Já se passaram anos e nada. Parece que nossos poderes estão selados ou algo do tipo.

- É, também senti isso. – ele cruzou os braços – Mas nos vamos alegrar. A gente já sabe que seremos deuses fabulosos, por isso, sem desânimos. – ele sorrio.

- E se nossos poderes não despertarem? E se a gente for dois deuses… Os únicos deuses sem poderes alguns?

- Bills, Bills! - ele desceu daquele toco e me encarou nos olhos – Não duvide de você mesmo. - ele piscou, se sentando no meu lado.

- Tá bom. – dou uma leve cotovelada no braço de Champa – Não sei como você consegue pensar positivo, tão positivo assim.

- Aprendi que ficarmos deprimidos não nos leva a nada. – ele me cutucou, me causando uma leve reação – Vá, sorria, não lhe quero ver desanimado.

- Eu não sei…

- Bills. – ele sorrio maldosamente – Se prepara pra correr!

Vi suas mãos se mexendo, aquele gesto descrevia o que ele iria fazer. Logo me levantei e comecei a correr. Champa correu atrás de mim, logo senti minha cauda sendo puxada, me derrubando no chão. Champa se atirou pra cima de mim, me impedindo de levantar.

- Saí de cima de mim, obeso! – resmunguei, Champa apenas riu – Me solta, Champa!

- Obeso? – ele bufou, me encarando com um olhar mortal – Eu estava pensando em lhe soltar, mas agora… - ele revirou os olhos, me encarando de seguida – Agora vou me vingar! Me chamou obeso, vai sofrer as consequências, monte de osso!

Senti suas mãos se moverem nas laterais de minha barriga. Aquele ato me fez gargalhar, o que fez Champa sorrir vitorioso. Logo senti uma das mãos deslizando sobre minha barriga, me fazendo rir ainda mais.

- Quem é o obeso agora? Quem é? – ele se divertia em brincar com minha delicada barriga – Eu não sou obeso. Sou apenas cheiinho. Sinal de que me alimento bem. – ele insistia em torturar minha pobre barriga.

- Hahahahahahahah! Champa, para! – eu ria descontroladamente sobre as mãos de meu gêmeo.

- Só vou parar quando você retirar o que disse.

- Hahahahahah! Não, não! - berrei, rindo.

- Então eu vou continuar. - ele riu, sentindo o gostinho de vitória - Sabia que você tem uma risada engraçada? 

- Idiota!

Champa trocou de lugar. Ele conseguiu aceder a minhas axilas. Sentir seus dedos dançando debaixo delas, me fez explodir de risos. Cansei, admito derrota!

- Hahahahahahah! Tá bom, tu não é obeso! Tu não é obeso! – gritava por entre gargalhadas.

Logo senti ele parar. Me estiquei no relvado, tentando recuperar o folego. Não podia evitar de sorrir, aquela sensação de cócegas tinha me animado por completo.

- Finalmente, consegui arrancar um sorriso de meu irmão. – ele sorriu – Mas não me volta a chamar obeso.

- E você não me volte a chamar monte de ossos. – brinquei com barriga dele, lhe provocando uma pequena risadinha – Não sei o que seria de mim sem meu irmão.

- Tá combinado. – ele cruza o os braços – Vem, está na hora de comer.

Ele me puxou pelo braço e ambos corremos para a cozinha, onde o almoço nos aguardava. Mamãe e papai nos esperavam na mesa. Ambos nos sentamos. Estávamos entusiasmado: a hora da comida, pra nós, é sagrada. Estávamos nos deliciando com toda aquela refeição deliciosa, até que…

- Ai, minha cabeça… - levei a mão á testa – Mamãe, minha cabeça está doendo.

- Você está bem, irmão? – Champa me olhou com alguma preocupação – Ainda há pouco, você parecia estar legal.

- Eu não sei, isso foi repentino. – massajei as têmporas – Não deve ser nada. – sorri, dando uma garfada na comida.

- Tem certeza disso, Bills? – minha mãe se impôs – Se quiser, pode descansar toda a tarde. Pode ser que essa dor amenize.

- Eu estou bem, mã…

Minha cabeça voltou a doer. Esfreguei um pouco os olhos, pois havia sentido um ligeiro ardor. Após os abrir… Tudo em volta estava levitando.

- Que está acontecendo? – Champa também levantou voo – Eu… Estou voando!

Logo minha boca se abriu. Abracei meu corpo assustado. Não podia acreditar. Deixei escapar um grito, que fez tudo na sala cair, incluindo o corpo de meu irmão e de meus pais. Estava tudo bagunçado, incluindo a mesa que se quebrou.

- Podem me explicar o que raios acabou de acontecer? – ele me olhou surpreso, encarando nossos pais em seguida – Eu acabei de voar na hora do meu almoço!

- Parece que é hoje, Hinikt. – papai olhou mamãe sério - Você não se machucou, pois não?

- Não. - ela acariciou a barriga - Eu estou bem. - ela sorriu, me encarando.

Eu recuei alguns passos para trás. Mas logo depois, eu sai da cozinha a correr. Senti algumas lágrimas transbordarem através de meus olhos. Eu estava extremamente assustado, confuso. Não sabia o que tinha acabado de acontecer. A mamãe poderia se ter machucado, incluindo, minha irmã. Não conseguia nem ver pra onde eu estava indo. O susto era tanto, que perdi a noção de tudo. Meu corpo acabou por cair no chão, ferindo um pouco de meu joelho.

- Ai, droga… - desviei a roupa que cobria minha perna, me surpreendendo – O quê? – fixei os olhos no local antes ferido, que agora estava sarado – Não pode ser…

Me levantei e comecei a correr sem rumo, de novo. Mais á frente, acabei esbarrando em alguém, caindo de rabo no chão.

- Está perdido, Bills? – vi uma sombra parada na minha frente, o que quase me fez gritar – Calma, sou eu, o Whis. – ele estendeu sua mão, me ajudando a levantar – Você parece assustado, aconteceu algo?

- Eu… - eu tremia de medo – Eu não sei o que está havendo comigo. – o olhei, choramingando – Na cozinha tudo levitou. Há pouco, eu cai e senti meu joelho arder, o que me fez crer estar ferido… Mas quando olhei, a ferida havia sarado.

- Finalmente, você despertou, Bills Sama.

Ele acabou de me tratar por Bills Sama? Só ouço essa palavra quando ele se dirige a minha mãe ou meu pai. É uma palavra usada para os superiores.

- Porque me tratou por Bills Sama? – o olhei um pouco surpreso.

- Porque você acabou de despertar os seus poderes de Hakaishin.

Não podia acreditar. Tudo aquilo foi meu poder acordando? Era muita informação para um só dia. Estava assustado, confuso… Tudo aquilo me tinha deixado atordoado. Ouvi a voz de Whis se prenunciar mais uma vez… Antes de perder completamente os sentidos.

 

(…)

 

Abri os meus olhos lentamente. Whis estava na minha frente. Ao que parecia, eu estava no meu quarto. Tentei me levantar, mas não possuía forças pra tal ato.

- Não se esforce muito, Bills Sama.

Ainda não estava acostumado a ser tratado como um deus. Era tudo novo pra mim. Está bom, Karma, eu reclamei por meus poderes não despertarem nunca, eu andava ansioso por me tornar um deus finalmente. Não esperava que você me chocasse tanto assim.

- Pare de me chamar assim. – pedi, me sentando finalmente na cama – Ainda não estou acostumado a isso.

- Bills! – Champa apareceu correndo até mim – Você está bem? Só soube que você desmaiou e que o Whis lhe trouxe aqui.

- Eu estou bem, não se preocupe, Champa. – sorrio levemente – Onde estão mamãe e papai?

- Eles estão lá em baixo.

- Ótimo. Preciso falar com ambos. – Whis se impôs, me deixando nervoso – Você fica aqui com Champa. E não se preocupe tanto.

Whis nos deixou sozinhos. Champa se sentou nos pés da cama. Eu estava ansioso. Queria ouvir o que o Whis iria conversar com meus pais. Óbvio que iria falar sobre o meu despertar. Me levantei da cama com alguma dificuldade. Champa apenas me olhou. Caminhei lentamente até á porta e fui interrompido por meu irmão.

- Onde pensa que vai, Bills? – me puxou pelo braço – Whis falou para eu e você ficarmos aqui.

- Não posso ficar quieto. Eu sei que Whis está conversando sobre mim. Eu… - respirei fundo – Eu acordei meus poderes, Champa.

- Então aquilo na cozinha… Foi você?

- Fui. Por isso que preciso de ouvir essa conversa. É importante para mim. Me ajuda?

- Vamos então. Passos silenciosos.

Descemos as escadas e ficamos uns degraus acima, escutando a conversa de perto.

- Está dizendo que meu filho acordou seus poderes?

- Sim, Hinikt Sama. Ele mesmo me contou tudo detalhadamente.

- Eu e minha esposa tivemos esse sinal. Ele fez tudo levitar na cozinha na hora de almoço. Não esperava ser já.

- O Bills é um ser forte e com ótimas habilidades pelo que posso sentir. E posso dizer com toda a certeza, ele é o Hakaishin do Universo 7.

Eu ouvi bem? Sou o Deus Destruidor do Universo 7? Meu coração disparou de emoção, ao mesmo tempo, de medo. Champa me encarou abismado, ele estava sem reação como eu.

- Estou ansioso por começar a treinar meu discípulo.

- Cuide bem dele, Whis. – minha mãe pediu gentilmente – Quando eu e meu marido não estivermos mais aqui, você será como um pai para ele.

- O treine muito e lhe ensine a ser um homem forte. Quero sentir orgulho de meu filho.

- Não se preocupem, tomarei bem conta do Bills.

Meu corpo caiu, me senti a sentar em um dos degraus da escadaria. Champa parecia murmurar algo pra ele mesmo, deveria estar feliz por eu ter realizado meu sonho.

- Champa, ouviu isso? Sou o Hakaishin do Universo 7!

Meu gêmeo virou de costas e subiu as escadas, me deixando confuso com tal reação. Estaria ele contente… Ou chateado comigo?

 

Champa’s POV on

 

Não podia acreditar! Meu sonho foi arruinado. Tudo o que eu queria foi por água abaixo. Meu irmão conseguiu… Conseguiu destruir o meu maior sonho! Eu que deveria ter acordado tais poderes, eu que deveria ser o Hakaishin do 7º Universo! Porquê? Por que ele tem de estar sempre em primeiro lugar? Porque a Vados me enganou? Ela me mostrou a Via Láctea! Por isso, era eu que deveria ser o tal deus, não o Bills!

- Droga! – bati a porta do quarto – Não posso acreditar nisso! Meu… Meu sonho… - chorei de raiva – Você destruiu meu sonho! – atirei uma foto de meu irmão no chão, estilhaçando o vidro da moldura – Te odeio, Bills! Odeio, odeio, odeio! – esmurrei um travesseiro, a fim de descontar toda aquela ira – Eu… Vou me vingar… - fechei meu punho, o batendo no peito – Você não ficará a rir, não zoará de mim mais, Bills. Não roubará mais nada. Vou lhe roubar o que é mais precioso, espere pra ver. Um dia… Você vai cair. – peguei o retrato do meio dos cacos e o rasguei – Treinarei arduamente até alcançar meu objetivo. Um dia, o Universo 7 ainda será meu.

Saí do quarto. Vendo meu irmão na porta.

- Você está bem, Champa?

- Nunca estive melhor, irmão. – forcei um sorriso – Parabéns. Conseguiu.

Bills ficou me encarando. Ignorei, passei por ele como se ele fosse um mero desconhecido. Desci a escadaria, me dirigindo para a saída da casa. Nossos pais permaneciam ali no salão, conversando com o Whis. Nem me notaram a sair. Caminhei pelos densos caminhos de grama, até chegar a uma área florida. Lá me sentei e fiquei até anoitecer.

 

Bills’s POV on

 

Champa estava bem estranho. Eu ia bater na porta do quarto, mas ela foi aberta por meu irmão.

- Você está bem, Champa? – questionei, preocupado.

- Nunca estive melhor, irmão. Parabéns. Conseguiu.

Champa apenas passou por mim e saiu, me deixando ali sozinho. Não tinha mais dúvidas, ele está chateado comigo. Entrei no quarto, me deparando com um cenário horrível: a foto que eu e Champa havíamos tirado juntos, estava quebrada. O retrato, estava rasgado. Foi Champa que fez isso? Meu irmão passou a me odiar? Não conseguia aceitar tal fato. Mas a culpa não fora minha: não tenho culpa de ter despertado meus poderes, não tenho culpa de ser o deus escolhido para tomar conta do Universo 7. Nada disso era culpa minha. Porque Champa não entende isso? Ele tem mesmo raiva de mim?


Notas Finais


O gêmeo de Bills jura se vingar do irmão. Qual será seu plano?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...