História Broken Strings - Capítulo 5


Escrita por: ~ e ~SkyeJonhson

Postado
Categorias Once Upon a Time
Tags Emma Swan, Evil Queen, Jeniffer Morrison, Lana Parrilla, Swan Queen, Swanqueen, Swen
Exibições 79
Palavras 1.665
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Sorry pela demora, vida corrida e outras fanfics para atualizar não me deram tempo para escrever essa aqui. Agora que finalizamos outra historia essa será atualizada com mais frequência. As coisas vão começar a esquentar entre Emma e Regina.

Boa leitura!


Link da playlist nas notas finais.

Capítulo 5 - Um acordo, é um acordo.


Fanfic / Fanfiction Broken Strings - Capítulo 5 - Um acordo, é um acordo.

( One Last Chance – James Morrison ♪ )

Emma não conseguia deixar de rir diante da exibição de autoconfiança que Regina tentava lhe passar. E a empresaria se lembrava do que seu irmão lhe contara sobre ela, uma hora tinha uma pose de menina inocente outra era rainha com ar soberbo. Era uma combinação inebriante, e Emma tinha que admitir isso, mas seu irmão não tinha conseguido conter seu desejo, por mais breve que tivesse sido o caso, Emma não queria correr o risco de perder o controle. Já que Rhana Mills era o oposto de alguém que ela procurava para dividir sua vida. Emma não suportava pessoas que não tinham nada a acrescentar, e sempre estavam a procurar de um partido rico para se, dar bem. Ela tinha vivido a maior parte de sua vida cercada por pessoas assim, e com tempo passou, a saber, diferenciar quem deveria confiar e quem deveria se afastar. E aquela morena com ar de inocente, estava enganada se achava que Emma Swan iria sucumbir ao seu charme.

– Eu posso ter o mesmo sangue que Neal, mas somos completamente diferentes. – Emma informou com certa frieza. – Meus gostos são bem mais refinados.

 Regina queria arrancar aquele sorriso presunçoso dos lábios dela, mas sabia que se tentasse algo poderia ter consequências serias. Então apenas cerrou os punhos e encarou Emma.

– Eu posso lhe fazer engolir cada palavra que disse agora. Eu vi bem como olha senhorita Swan, desde quando entrou no meu apartamento.

– Admito que, tive certa curiosidade em saber o que você tinha de tão especial que levou meu irmão a ser incauto. – Os olhos de Emma foram direto para decote de Regina. – Mas agora posso lhe garantir que meu gosto por mulheres do seu tipo são nulos. Mulheres vazias e fúteis. Regina recobrou o controle com certa dificuldade. Emma Swan tirava toda sua calma e sanidade, aquela loira era extremamente arrogante.

– Então devo presumir que a proposta que me fez a deixa livre para se envolver com qualquer um, quando quiser.

– Não se preocupe quanto a isso, eu sei ser discreta.

 – Então isso significa que terei os mesmo direitos nesse acordo? Emma não respondeu de imediato, mas Regina podia praticamente ouvir o que a mente de Emma Swan Nolan gritava.

– Não.

– Não?

Emma meneou com a cabeça lentamente. E Regina não acreditou no que ouvira.

 – Claro que não.

– Você só pode estar de brincadeira. Não pode estar falando serio. – A morena ergueu as sobrancelhas novamente.

– Estou falando muito serio. – Emma respondeu cruzando os braços.

 – E espera mesmo que aceite isso? E o que ganharei com um acordo sujo desses?

 – Ficara perto de sua filha e em troca ganha uma mulher rica, nome e status social. Regina bufou se sentindo completamente ultrajada.

– Não acha que esse tipo de acordo seja da idade da pedra? Achei que esse tipo de costume tinha morrido junto com os dinossauros. Mais agora vejo que me enganei. E como andam as coisas no seu planeta chauvinista ultimamente?

– Eu não sou antiquada ou quadrada como está achando senhorita Mills. E muito menos chauvinista, mas talvez um pouco de celibato a façam uma mulher mais decente, assim ira se concentrar em algo importante que suas responsabilidades como mãe.

Regina gargalhou de forma irônica. Porque diferente de Rhana que tinha perdido a virgindade aos 15 anos, Regina só tinha tido uma única pessoa em sua vida. E sua primeira experiência sexual tinha sido aos 19 anos. Na época ela estava verdadeiramente apaixonada por Daniel e não se arrependia de nada, por mais que relacionamento deles não tivesse dado certo. E tecnicamente ela não fazia sexo a um bom tempo. Tecnicamente porque acreditava que toda mulher livre, solteira e bem resolvida com sigo mesma tinha o direito de explorar o próprio corpo e descobrir como ele funcionava, embora se perguntasse por que a sociedade fizesse tanto estardalhaço com isso. Ela tinha chegado à conclusão que era uma daquelas mulheres com pouco impulso sexual, mas que também sabiam se satisfazer sozinhas. Mas não seria por isso que deixaria que Emma conseguisse fazer as coisas a seu modo. Já que ela a considerava uma mulher promiscua, e um pedaçinho dela se divertia com tudo aquilo, iria continuar a encoraja-la a pensar daquela forma.

– Acha engraçada a perspectiva de agir com responsabilidade senhorita Mills? – A voz de Emma estava repleta de desprezo. Regina enrolou uma mecha de cabelo nos dedos, para disfarçar seu nervosismo enquanto tentava imitar uma das poses sexy de sua irmã.

 – Você é mesmo uma comediante senhorita Swan. Essa conversa de celibato é realmente hilária.

A raiva tomou o rosto de Emma por alguns segundos. Regina percebeu que a loira cerrava os punhos, como se fizesse aquilo para não agarra-la. E uma estranha sensação surgiu em meio as suas coxas ao imaginar aquela mulher a tocando. Regina não conseguia reprimir o pensamento que estava surgindo em sua mente, começou a imaginar aquela boca macia e reprovadora contra a sua, sua língua arrogante duelando contra a sua. Sentiu os mamilos formigarem e, quase sem perceber, umedeceu de leve seus lábios. E mesmo não querendo admitir, Emma se sentia da mesma forma, um desejo súbito começou a crescer dentro dela. Ela tentava se controlar, estava ficando aborrecida por não ser capaz de resistir a bela morena a sua frente, que estava lhe afetando profundamente. Regina ou Rhana não importava o nome que usava, ela realmente exalava sensualidade, os olhos castanhos e a boca carnuda faziam sua pele se arrepiar. Sem saída decidiu fazer um acordo com Regina, mesmo sabendo que seria um verdadeiro tiro no escuro.

– Como você está parecendo nada disposta a aceitar meus termos, farei uma pequena mudança na minha proposta. Um mês contados a partir do momento que nós casarmos, nós duas ficaremos no celibato. O que acha? Regina fez um bico como se considerasse aquela ideia estapafúrdia.

 – Um mês? Hmm... Eu acho que não será nenhum sacrifício. Eu consigo ficar sem sexo por mês sem problemas. Emma fez uma cara carrancuda, e Regina apenas exibiu mais um de seus sorrisos, sexy.  – Mais apenas por um mês, nem um dia a mais ou ficarei louca. Mais não posso dizer o mesmo sobre você senhorita Swan. E pelo o que ouvi falar por ai. – Regina analisou Emma dos pés a cabeça, como se a despisse de cada peça de roupa que ela usava. – Talvez não consiga se controlar.

 – É claro que eu posso me controlar.

– Então eu devo acreditar que não tenha nenhum amante ou nenhuma mulher no momento? – A morena disse lançando um olhar sedutor.

 – Não senhorita Mills, não tenho nada intimo com ninguém no momento.

Regina não conseguia deixar de pensar como seria ser intima daquela loira arrogante. Emma era estonteante, e mesmo que nunca fosse admitir isso em voz alta para ninguém. Era uma verdade que Regina não podia negar ao menos não para si mesma. Emma era incrivelmente bonita, seus olhos verdes tinham certo mistério e sua boca prometia uma paixão enlouquecedora a quem a provasse. E mesmo que aqueles lábios revelassem desprezo naquele momento, Regina não duvidava que Emma a persuadia facilmente se a beijasse. O momento foi interrompido por grito de protesto que veio do carrinho quando Charlie se remexeu durante o sono.

– Ela está bem? – Emma perguntou com um olha de preocupação. Regina a olhou com um olhar que dizia “olha só o que você fez”, em seguida a morena tentava acalmar a sobrinha.

– Sim ela está, só deve ter tido um sonho ruim.

O chorinho manhoso de Charlie foi cessando, assim que a pequena sentiu as mãos da Tia em suas perninhas, os afagos foram fazendo a menina voltar a dormir em poucos minutos. Regina sabia bem que Emma observava a distancia suas habilidades maternas e com toda certeza a estava avaliando. Assim que Charlie adormeceu novamente, Regina voltou a encarar Emma com a maior tranquilidade possível.

 – Você tinha me dito alguns minutos atrás que deseja se casar em duas semanas. Pergunto para que tanta pressa?

– Minha mãe está bem doente e ela deseja conviver com neta enquanto sua saúde ainda lhe permite.

– Mais duas semanas são rápido demais. – Regina mordeu o lábio tentando disfarçar seu nervosismo.

– Não se preocupe senhorita Mills, eu cuidarei de todos os detalhes. Será apenas um contrato que assinaremos e tudo que você precisara fazer é estar no cartório no dia e hora marcado. Regina não sabia por que se sentia desapontada com atitude de Emma, mas já que o destino a estava obrigando a entrar em uma farsa não abriria mão de se casar em belo vestido branco.

 – Mas e o vestido? – Regina perguntou tentando não pensar nos motivos que levaram Emma Nolan Swan a se casar com ela.

– Eu não dou a mínima com que você ira vestir. No entanto acho que seria muito inconveniente da sua parte vestir-se se branco. – Emma rebateu olhando para o carrinho onde Charlie dormia. – Não concorda senhorita Mills. Regina sustentou o olhar de Emma o quanto pode.

– Eu gosto de branco. É uma cor que cai bem em mim. Emma pensou em Regina vestida em algo branco que realçasse sua beleza, mas chegou à conclusão que ela ficaria bem até mesmo vestida de freira.

– Pode vestir o que quiser Regina, a cerimônia só durara alguns minutos. Meu advogado ira cuida de tudo. – Emma concluiu se dirigindo a porta e lançando um olhar de advertência a Regina. – E lembre-se que se quebrar nosso acordo, não terei a menor duvida em tira Charlotte de você permanentemente. E não pense que não posso fazer isso, porque eu posso. E o farei se for necessário.

Regina queria muito responder as ameaças de Emma, mas sabia que seria em vão. E pensar em perder sua sobrinha a deixa em desespero, bastaria Emma ver as marcas no corpinho de Charlie para que tudo estivesse perdido. E rezava para com o tempo Emma visse o quanto ela amava a menina. E a duvida que pairava no ar o que ela faria se descobrisse a verdade? 


Notas Finais


Então como acham que as coisas serão nesse acordo que Regina aceitou entrar? Garanto que elas vão bater de frente muitas vezes hahaha... Enfim nós digam o que acharam nos comentários. Até!

Playlist: https://open.spotify.com/user/nickfasb/playlist/4P0r5lYdiXX74PGmJH5K5O


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...