História Brother Connection - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Suga, V
Tags Abo, Botom!jungkook, Incesto, Jikook, Jimin!alfa, Jungkook!ômega, Lemon, Shotacon, Top!jimin
Visualizações 336
Palavras 2.202
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Adivinhem quem voltou?
Muuuuito obrigado a todos 💟💟💟

Capítulo 6 - Somos um só


Fanfic / Fanfiction Brother Connection - Capítulo 6 - Somos um só

Jimin se olhou mais uma vez no espelho ainda sem conseguir acreditar que todas aquelas marcas em seu corpo eram verdadeiras. Haviam vergões enormes que se estendiam dá nuca até o final de sua coluna, arranhões vermelhos​ que carregavam sentimentos fortes e sensíveis, como se cada um deles pudesse ser relembrado no momento que foram formados, mas não tanto quanto a única mordida na parte inferior do pescoço, quase próximo ao ombro, ainda latejava.

Com um sorriso bobo e um pequeno incômodo no peito escovou os dentes pensando se deveria ir ver como JungKook estava ou se prepararia o café dá manhã para só então ir acorda-lo. Havia algo ruim no ar, mesmo que seus últimos três dias tivessem sido maravilhosos agora parecia haver algo ruim pairando. Algo como um pressentimento que ele estava odiando sentir, tinha finalmente conseguido o que desejava desde sua adolescência, quando JungKook ainda era uma criança, mas as coisas nem sempre se saíam bem.

Cuspiu a espuma dá pasta na pia e lavou a boca seguido do rosto, decidido a ir ver o garoto que dormia a mais de doze horas seguidas, pois o cansaço do cio lhe fez desmaiar após tantas rodadas de sexo. Entrou no quarto com cuidado para não fazer barulho, encantado com o corpo ainda mais cheio de marcas que o seu, manchas azuladas, roxas, arranhões e é claro, a impressão de seus dentes cravados no pescoço dele.

Se aproximou sentando na beirada dá cama, de imediato colocando seus dedos em meio aos fios escuros e bagunçados, ele ressonava baixinho e vez ou outra suspirava mais fundo, se mexia, era inquieto até quando dormia. Olhou em volta notando que havia uma bagunça considerável, o único lençol limpo era o que cobria o mais novo, e a cama estava quebrada, acabou por rir ao lembrar que tudo havia acontecido de forma tão selvagem que ambos nem perceberam a cama afundar no chão, pois estavam mais ocupados com as carícias e a dança animalesca de movimentos repetitivos que seguiam.

- JungKook...- Chamou baixinho, abaixando seu rosto para que este ficasse bem próximo ao do outro, encostando sua cabeça a dele, aspirando o cheiro que o enlouqueceu a ponto inimaginável e que agora estava mais fraco.- Park JungKook....- Chamou novamente ouvindo um resmungo e sentindo ele se remexer.- Acorda meu amor...

Jeon abriu os olhos lentamente, sem a mínima vontade de o fazer, ainda exausto, completamente quebrado e dolorido. Bocejou e arqueou o corpo num ato que fez os ossos estalarem e reclamarem no mesmo instante, chingou baixinho e viu o alfa sentado em sua cama sorrindo para si, esperando ele terminar aquele ritual dá manhã, sorriu de volta, meio tonto, sonolento, cansado e acima de tudo, feliz.

- É muito cedo ainda hyung...- Disse com a voz rouca, agarrando a mão de Jimin e apertando ela.

- São dez dá manhã criança.- Disse devolvendo o aperto em sua mão, observando a forma carinhosa que o ômega estava agindo sempre perceber.- Você precisa se alimentar.

- Eu acho que sou capaz de comer um boi inteiro de tanta fome que estou...- Confessou rindo junto com o alfa.

- Então você quer comer carne?- Perguntou o vendo assentir.- Então vamos comer carne, levante, tome um banho e vamos sair para comer.

- Sair? Ah não...Deixa pra lá....- Respondeu preguiçoso.- Jimin riu mas logo fechou a cara fingindo estar bravo.

- Nada disso, você vai mofar nessa cama quebrada.- Disse e foi a vez do ômega rir.

- Tá bom...- Concordou se dando por vencido, no momento em que sentou na cama sentiu uma dor no quadril que o fez tremer, fechou os olhos e ignorando aquela pontada tentou levantar, caindo nos braços fortes do irmão que mais rápido previu sua queda.- Ai....

- O que foi? Você está bem?- Questionou preocupado.

- Não consigo andar...- Respondeu envergonhado, as três noites maravilhosas que tivera com o alfa o deixou quase aleijado.

- Aigo, o que eu fiz com você...- Jimin disse chateado, ver o mais novo naquele estado era ruim.- Vem eu te ajudo.

Jimin com muito cuidado tratou de pegar seu ômega no colo, ele usava somente uma camisa se botões abertos e o resto do corpo a mostra, sem rodeios o levantou e caminhou até o banheiro dá sua suíte, já que lá havia uma banheira, seria mais fácil para ele se banhar sentado pois mal se aguentava em pé. Se certificou de encher ela até quase o topo e ver se a temperatura estava boa, enquanto isso o Jeon observava tudo quieto, olhando ao redor, em como aquele cômodo parecia ser outro, em outra casa. Era enorme, todo preto e azulejado de pedras maciças, a única coisa que diferia de cor eram os acessórios de apoio e o box de vidro esfumado com detalhes dourados. Ainda muito curioso naquele novo mundo do banheiro de Jimin o ômega suspirou sentindo sua marca no pescoço pulsar, e só então ele se lembrou do ocorrido. A imensa bagunça e os incontáveis orgasmos que precisou ter para saciar seu lobo, e é claro, o fator que só agora lhe trouxe preocupação.

Seu irmão havia o marcado para todo o sempre, e no dia seguinte em meio a um ósculo intenso ele havia o marcado também por pura vontade, estavam unidos e não havia volta.

Era estranho, não imaginava que aquilo tudo fosse acontecer de forma tão rápida, tão pouco se dar conta de que sua vida mudada tinha dado outra volta, porque agora ele era um ômega marcado e teoricamente pertencia ao alfa que divia laços sanguíneos consigo.

- O que você está pensando?- Park perguntou o pegando no colo novamente para o deixar na banheira que derramou água no chão.

- Você me marcou.- Disse simplista.

- Você também.- Rebateu sorrindo, acariciando o local onde JungKook mordeu.

- O que vai acontecer agora? - Indagou temeroso, tinha medo do futuro.

- Agora?- Pensou.- Eu não sei, mas eu não pretendo te largar se é o que você está achando... Nem se eu quisesse poderia.- Disse ao moreno que fechou os olhos, afundando todo o corpo na água quente e relaxante, seus músculos agradeceram ao alívio.- Vai ser difícil, você sabe, principalmente quando nossa mãe souber.

-Ela vai dizer que a culpa é minha.- Balbuciou.

- E é.- Falou recebendo um olhar surpreso do mais novo.- Quem manda você ser lindo?! Quem manda ser o amor dá minha vida?

- Eu sou o amor dá sua vida?- Perguntou ainda mais surpreso, não imaginava ouvir aquilo de seu hyung nunca.

- Claro que é, desde que nasceu.- Respondeu ainda mais simplista, tinha total consciência do que dizia.- Ouça, vamos passar por algumas dificuldades, a nossa família vai surtar e não será nada fácil lidar com preconceito.

- Eu sei disso... O que mais me preocupa no momento é a Yeri...

- Ela foi embora, ela sempre soube que eu não a amava, ela aceitou o destino.- Disse com a voz magoada, não queria trazer sofrimento a mulher que o amava, mas que para ele era mais uma amiga.- Eu não me importo se a nossa família nos julgar, ou se ela preferir nos deserdar ou sei lá o que.- Voltou a olhar o mais novo que prestava atenção.- Eu só quero estar com você e te fazer feliz, quero que você tenha a vida que sonhou, eu não vou te tratar como um alguém inferior só por ser ômega.

- Até que enfim alguém que não quer me fazer de escravo...- JungKook disse em tom brincalhão.

- Mas saiba que agora você é meu de verdade.

- O que? E aquele papo de eu ter a vida que sonhei?

- Sonhe sua vida dá maneira que você quiser, mas me inclua nela, você não pode ser de mais ninguém Park JungKook, você é só meu.

Não tinha jeito, e apesar de tudo JungKook gostava do jeito possessivo do irmão, agora seu alfa.

**

Jungkok precisou esconder o rosto de tanta vergonha que sentia, era o cúmulo ser motivo de mais uma briga de Jimin com algum alfa que tenha lhe olhado de forma suspeita, puxou o braço do maior para que entrassem no restaurante antes que Jimin pudesse arranjar alguma outra confusão por causa de seu ciúmes. O local escolhido foi o mais reservado possível, Jimin acomodou seu ômega entre suas pernas sem dificuldades, pois no restaurante tradicional não haviam cadeiras, mas sim almofadas no chão para nivelar com mesa baixa, era bonito, organizado e mesmo indo apenas lá por uma semana não enjoava. Fazia uma semana desde o ciclo do garoto e desde a união dos irmãos que a vista pública pareciam um casal comum. Não ligava se os outros pensavam mal dele, se​ desconfiavam que ambos eram irmãos ou se ele tinha roubado o marido dos outros, o que importava mesmo era que ele tinha toda a atenção do alfa que não o deixava em paz, que tanto implicava que segurava sua mão para seguirem seu caminho de volta, mas não antes de dar um beijo nele e dizer que ele estava bonito.

Jeon revirou os olhos ao ouvir Jimin rosnar para um garçom e seguiu todo o caminho em silêncio, sua mente vagando em todas as coisas que tinha lhe acometido, as boas, as ruins, as gostosas, as horríveis e é claro, a que o levou a ter uma marca para o resto dá vida. Chegaram a casa inconfundível e dessa vez o menor pediu ao alfa que o deixasse andar, não aguentava ser tratado como um saco de batatas, e por isso usou o ombro do outro como apoio e devagar entrou no lar.

Em meio aquela casa que já lhe parecia familiar o Jeon notou que havia algo estranho, algo faltando, tinha essa sensação e a comprovou quando percebeu que muitas coisas sumiram, como por exemplo os porta retratos com fotos do ex casal. Isso, mesmo não tinha mais nenhuma foto, flores, decoração, como aquilo tudo foi trocado tão rápido? Era impressão sua ou até os móveis tinham mudado?

- O que aconteceu aqui?- Questionou curioso olhando tudo ao redor e tendo a certeza de que realmente, os móveis não eram os mesmos.

- Eu troquei tudo, poderia até mudar de casa, mas eu gosto daqui.- Respondeu jogando as chaves na mesa de apoio.

Por mais que aquilo fosse estranho Jungkok se sentiu feliz, Jimin havia se livrado das coisas antigas, do passado que ele tivera com um alguém que já não estava mais naquela casa, ele havia dado adeus a uma vida que não gostava, e agora disposto a ter um rumo diferente resolveu que até mesmo a decoração de sua casa precisa ser outra, trocou tudo em um dia e usou a desculpa de viajar até a cidade ao lado por trabalho.

- Você é maluco.- Disse e Jimin fingiu estar ofendido.

- Não ligo, eu não gostava daquele sofá mesmo.- Deu língua ao outro.- E dê adeus ao seu quarto, porque agora você dorme comigo.

- Eu não!- Retrucou.- Não sou obrigado.

- Não?

- Não!

E sem mais nem menos Jimin o abraçou, rodeou sua cintura na mais pura vontade de tomar aquele corpo de novo, mas não poderia, não até ele ficar recuperado 100%. Sentiu a pele queimar, o coração acelerar, a cabeça girar um sorriso teimoso crescer.

- Agora somos um só.- Disse se afastando o bastante para somente ver a sua mordida na pele arrepiada.- Certeza que quer dormir sozinho?- Perguntou beijando o local onde sua carga dentária estava cravada.

JungKook quase gemeu, já era sensível naquela área, mas após a marca ficou o triplo se não pior, teve de apertar os dedos na roupa do irmão, esticar o pescoço para que o outro tivesse ainda mais acesso e pudesse lhe dar mais beijinhos.

- Você venceu...- Indagou manhoso, imerso na sensação alucinante, aquela queimação seguida de arrepios que se espalhava por inteiro em cada mínimo espaço.

Tomado por aquela onda de sentimentos o mais novo se deixou ser levado até o andar de cima, enquanto tinha o corpo agarrado e sendo pressionado pelas mãos que descobriram seu corpo de forma deliciosa. Caminhou devagarinho e alcançou o quarto que nunca tinha entrado, mas que na sua cabeça também estava diferente, e realmente estava. Jimin tinha mobiliado seu quarto também, não queria se deitar com JungKook na cama que um dia dormiu com Yeri, era uma questão de respeito para ambos.

O depositou com o máximo cuidado e analisando o rostinho​ bem desenhado não pode se conter e iniciou um beijo que começou com um tocar de lábios leve, mas que aos poucos fora ganhando fervor, línguas afoitas, salivas misturadas e sentimentos trocados.

Teve o cabelo embrenhado entre os dedos longos, o inferior mordido, a corrida apertada e o quadril chocado, um ofego escapou, os olhos se fecharam, mais uma vez se perdendo naquele mãe cheio de êxtase. Separaram-se somente quando Jimin conseguiu recuperar sua sanidade, não podia se deixar levar, não podia violar o corpo que tanto amava, ele não estava pronto para outra sem antes pedir o que tanto queria.

- O que foi Jimin hyung?- O menor perguntou com a voz baixa, um sorrisinho, lambendo a curva entre os lábios do outro.

- Eu te amo.- Falou olhando fixamente nos olhos negros, perdidos nos seus.- Eu te amo muito JungKook.

JungKook deixou suspiro sair encantado com a forma sincera e inesperada do alfa dizer aquilo, respirando com dificuldade as palavras que ecoavam em sua cabeça.

- Eu te amo Jiminnie.


Notas Finais


Eu vivo falando sobre a " casa de vidro " do Jimin, então imaginem ela exatamente assim : Tumblr no We Heart It - http://weheartit.com/entry/75054365


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...