História Brothers Conflict... ( Incesto. ) - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Hentai, Incesto, Romance
Exibições 119
Palavras 3.903
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oiiiiii AMORES, como agradecimento pelos 100 favoritos, estou postando esse capítulo hoje. <3
Eu sei que prometi um capítulo maior, porém achei muito perfeito o jeito que ficou o final, não consegui estende-lo. Mas sábado ou domingo tem mais.
Espero que gostem desse capítulo, coloquei coisas que só colocaria mais para frente, porém como é especial de 100 FAVORITOS eu coloquei. <3

PS: Por favor, PRESTEM bastante atenção em como o MIKE era e a EVOLUÇÃO dele até agora.

PS2: Esse capítulo é só focado na parte do Mike, ou seja, é só na visão dele.

PS3: Comentem não só sobre o final, mais sobre o capítulo em si, porque vai ter pontos importantíssimos.

PS4: Eu iria divulgar uma fanfic aqui hoje, mais acho que a excluíram, então não vou conseguir divulgar ela. :/

PS5: Cometem amore, isso realmente me motiva a continuar.

PS6: Desculpe qualquer erro de ortografia, não tive tempo de revisar esse capítulo.

PS7: BOA LEITURA! <3

Capítulo 7 - Um Passado Nem Tão Distante.


Fanfic / Fanfiction Brothers Conflict... ( Incesto. ) - Capítulo 7 - Um Passado Nem Tão Distante.


                                                                                               ***MIKE***



                                          [ ... ] Não sei o que sentia no momento, meu sangue fervia, meu coração estava acelerado. Mergulho mais uma vez na tentativa de salvá-la. Mergulho quebrando a onda que a puxava, agarro-a, o seu braço para ser mais preciso. Então a agarro com todas as minhas forças. Aproveito a onda que estava vindo e pulo, pegando impulso para chegar mais rápido na areia. Ao pisar na areia, endireito ela em meus braços, colocando ela em meu colo. Seu corpo estava gelado e mole, sua cabeça caída, fazia o seu cabelo arrastar na de areia. Seu peito não subia e nem descia mais, sua bariga parecia mais cheia. Sua pele branca exposta contra o sol, estava mais branca que o de costume. Meu coração estava tão acelerado que não conseguia prestar atenção em meus próprios pensamentos. Uma agustia percorre o meu corpo, uma sensação de fracasso, de solidão. Continuo correndo pela areia, até chegar longe do mar e colocar o seu corpo mole na areia. As pessoas começam a nos rodear. Seguro nos ombros de Ali e os balanço forte. Escuto a Kat gritando. 

LIGUEM PARA A AMBULÂNCIA! CHAMEM A PORRA DA AMBULÂNCIA CARALHO! ( Ao sacudir o corpo de Ali, percebo como ela parece sem vida, sem, sem o sorriso, eu quero ver aquele sorriso de novo, eu preciso! ) 




                                                                                                  ***Flashback***



                                       [ ... ] Estava jogando um jogo de tabuleiro com alguns amigos, estávamos em frente a um terreno baldio. Ia para lá quando queria fugir das coisas chatas da vida. Eu tinha 12 anos na época, eu e os garotos jogávamos até escutar o chorro da pirralha. Ai que droga, ela de novo! Nem quando andamos duas ruas e nos escondemos em um terreno baldio ela não larga do meu pé, que saco. 

Bua, bua, bua, bua, bua. ( A pirralha chega com os olhos cheios de lágrimas e com aquele vestido branco que sempre arrastava no chão, por ela ser muito baixa para a idade. Ela me avista e abre um sorriso enorme. Ela vem correndo em minha direção e me abraça forte. A empurro e a repreendo. ) 
_ Já falei com você para não me seguir! O pai vai ficar bravo! ( Ela começa chorar de novo, ela coloca as mãos nos olhos e senta encostando um joelho no outro. ) 
_ Bua, bua, bua. 
_ Chega, tá legal, tá legal. Pode ficar. ( Ela retira a mão do rosto e me olha, seus olhos ainda estavam cheios de lágrimas, porém em seu rosto havia um sorriso enorme, que vinha acompanhado de menos 3 dentes. As duas "prezas" e o grandão da frente. ) Mas vai ter que ficar quietinha, ok?! ( Ela passa a mão na boca, com se estivesse fechando um zíper e concorda com a cabeça. Ela se senta ao meu lado e fica me encarando. ) Você nunca vai me deixar só né? ( Falei revirando os olhos, e ela me responde com um grande sorriso e um sinal de "não" com a cabeça. 




                             
                                                                                                             ***MIKE***





                                                            [ ... ] Balanço a cabeça em negativo, seu corpo esta mole em meus braços, eu não sei o que fazer. Começo a balançar a cabeça em negativo. Ela, ela disse que não me deixaria, ela disse, ela... Minha histeria é interrompida quando sinto alguém me empurrar para o lado. O corpo de Ali cai ao chão. 




                                                                                             
                                                                                                        ***Flashback***




                                                           [ ... ] Estava deitado na cama, trancado em meu quarto. Meus fones estavam no volume máximo, escutava algum rock pesado. A única coisa que queria fazer era sumir, desaparecer. Sinto algo deitando-se ao meu lado. Ela me abraça e se encolhe, ela parece uma bolinha, ela é tão pequena, nem parece já ter 5 anos. Daria 2 anos, no máximo, para ela. Ela tremia, muito. Retiro os fones. Olho para ela, ela só sabe chorar? Seus olhos estavam cheios de lágrimas, sua boca fazia um bico e seu queixo estava cheio de furinhos. 

Não precisa se sentir culpada tá legal, isso sempre acontece, agora isso só vai ser uma das desculpas que ele usa. ( Falei sem me importa se ela acreditaria ou não. ) 
_ M-m-mas... ( Alice começa a chorar. Olho para porta e depois para ela. Coloco a mão em cima da boca dela. ) 
_ Fica quieta, quieta. ( Sussurrava para ela, que continuava chorando. ) Eu tô aqui, agora cala a boca, ok? ( Olho para ela, que me abraça e faz que "sim" com a cabeça. Porém havia sido tarde de mais, a porta se abre bruscamente. Aquele homem com cheiro de bebida alcoólica entra, ele usava só uma cueca, ele fumava e olhava com raiva para nós dois. Ele me pega pelo pescoço e soca a minha barriga, porém a mamãe entra e segura o seu braço. Ele me taca no chão e da um soco na cara dela. Minha mãe cai, percebo as marcas roxas em seu corpo. Ele já devia esta batendo nela a alguns minutos. Sua boca sangrava. Ele pega e arrasta ela pelo cabelo. Corro e fecho a porta na trinca, fico encostado de costas para a porta e escuto os gritos de dor de minha mãe, ela não gritava mais por socorro, ela sabia que ele não viria. Mordo a minha boca e fecho minhas mãos em punhos. Lágrimas começam a descer pelo meu rosto. Alice desce da cama, ela chupava seu dedão direito. Ela vinha arrastando o meu coberto no chão. Ela me abraça. ) 
_ Irmãozão! ( Eu me solto e empurro ela, que cai de bunda no chão. )
_ A culpa é sua, é sua sim! Esquece o que eu disse antes! A culpa é toda sua. Depois que você chegou em nossas vidas, ele, ele virou esse monstro, você, você, só, só fique longe de mim. ( Me sento e coloco os meus braços em volta das minhas pernas, e minha cabeça pousada em meu joelho. )




                                                                                                                  ***MIKE***




                                                              [ ... ] Ao vê seu corpo tombando, me sobe um arrepio e uma sensação horrível. Sammy coloca o ouvido no peito de Ali, ele olha para todos nós, depois ele começa a fazer massagem cardíaca em Ali. Ele segura seu nariz e começa a fazer respiração boca a boca. Ela, ela, ela não é culpada, ela não pode ir, não posso ficar longe dela, de novo não. Respiro fundo e aperto minhas mãos em punhos. Me levanto e empurro Sammy para o lado, nem me dou ao trabalho de conferir se ele estava bem. Começo a fazer respiração boca boca em Ali, tampo o seu nariz, faço o seu peito subir e descer, não, ela não pode morrer. Não depois de tudo. Paro a respiração boca boca e começo a fazer massagem cardíaca nela, depois coloco a boca na dela de novo. Foda-se o que vão pensar, foda-se todos! Eu só quero a Ali para mim, de volta pra mim! 




                                                                                                           ***Flasheback***



                                [ ... ] Estava no terreno baldio, já fazia uma semana desde aquele dia. Alice parecia esta chateada comigo, não me importo. Estou de saco cheio de tudo e de todos. Vejo Ali se escondendo atrás de alguns pneus de caminhão. Ela parecia tão idiota, o que ela pensava, que não a veria? Reviro os olhos. 

Pode sair Alice, tô te vendo, sério, tô realmente te vendo, mesmo. ( Falei fazendo "não" com a cabeça e colocando a mão na testa. Ela sai de trás dos pneus e vem em minha direção. Ela segurava uma flor, era rosa. ) O que houve agora? 
_ Ele... Ele... ( Ela começou a fazer cara de choro. ) 
_ Tá, já entendi, não precisa chorar, ok? ( Falei estendendo os braços, quando ela veio me abraçar estiquei meus braços e fiz ela cair de bunda no chão, ela estava de frente para mim. Ela vira a cabeça de lado e fica me olhando, seus cabelos estavam repousados ao chão. Ela me mostra a rosa e fala. ) 
_ Para você! Ela é linda, é delicada, e solitária, igual a você. ( Ela falou sorrindo. Seus olhos brilhavam contra a luz do sol. ) 
_ Para quê eu vou querer uma rosa? Uma flor? 
_ Por quê não? ( Ela perguntou olhando a flor atentamente. ) 
_ Você sabe o que acontecem com 
as flores que caem? ( Alice me olhava agora. ) Elas morrem!




                                                                                                            ***MIKE***



                                        [ ... ] Ainda fazia respiração boca a boca nela, não ia desistir, ela não desistiu de mim, não vou desistir dela! Sinto uma mão em meu ombro, ainda fazendo massagem cardíaca nela, olho para o lado e vejo Dean com a mão em mim. Ele parecia ter chorado, ele fazia que "não" com a cabeça. Olho ao redor, todos pareciam assustados e estavam chorando. Olho para Ali, sua boca estava roxa, sua pele branca e fria.  




                                                                                                      ***Flashback*** 



                                    [ ... ] Depois da Alice ter chorando com o que eu disse da sua flor, escuto alguém chamando nossos nomes. Era a voz de nossa mãe. Ela entra e nos vê sentados em cima de alguns caixotes de madeira. Ela sorri e abraça a gente. Naquela mesma noite, tivemos uma janta em "família". Nossa mãe fez filé de frango grelhado e salada de legumes. Ela sempre obrigava a Ali e eu a comer. Então aquele dia foi a gota de água para todos nós. Enquanto a mamãe cortava a beterraba do prato da Alice, nosso pai deu um tapa em sua cara e disse que a comida estava fria. Minha mãe pegou o garfo que estava usando e enfiou em sua perna direita. Ela segurou Alice pelo braço e gritou para que eu abrisse a porta. Foi naquele dia que descobri que nada nem ninguém vai aparecer para nos salvar, que temos que nos salvar sozinhos. Eu abro a porta para a minha mãe, que sai correndo com Alice no colo, ela chorava muito. Minha mãe abre a porta do carro, percebo 3 malas lá dentro. Ela já estava planejando essa fuga. Ela coloca Alice na cadeirinha no banco de trás e entra no carro. Eu estava prestes a entrar no carro, quando meu pai me puxa pela gola. Alice começa a berrar, pude ver a pequena tentando se soltar, ela se debatia tanto naquela cadeirinha. A única coisa que pude fazer foi gritar, porém não um grito de socorro, pois a muito aprendi com a minha mãe que isso não adiantara. 

VAI EMBORA! FOGE!
 ( E foi assim que vi a minha mãe dando ré e sumindo ao virar na esquina. ) 



                                                                                                   ***MIKE***



                                 
[ ... ] Olho para todos, um bando de hipócritas. Junto as minhas duas mãos em punhos e desço com toda força no meio do peito de Ali, seguro o seu nariz e o fecho, coloco a boca na sua e começo a sugar. Depois sinto seu corpo se virando e a água saindo dele. O peito dela subia e descia rápido. Ela me olhava assustada. A abraço, ela vomita a água em mim, e eu tô feliz por isso.  Dean coloca o meu casaco de couro nas costas da Alice. Ela para de vomitar e me abraça. Ela não chorava, não mais. Eu levanto com ela em meu colo. Ela estava com a cabeça apoiada em meu ombro direito e eu segurava ela com os meus braços. Ela parecia uma criança, ela parecia ter novamente 5 anos. Sem falar com ninguém saio andando em direção a rua. Dean chega perto de nós, porém ignoro ele totalmente. Ao chegar na rua, grito para um táxi que passava de vagar. 



                                                                
                                                         [ ... ] 
Ligo o chuveiro na água quente. Retiro a minha cueca box e entro. Alice estava em pé, bem de baixo da água. Ela estava nua, sua pele branca e macia estava toda arranhada, fora a areia que fizera isso nela. Pego o sabonete líquido e o coloco em minha mão, depois passo pelas costas de Ali, que não expressa reação alguma. Ela não falou nada desde quando eu consegui salvá-la. 
Após o banho, coloco uma cueca box minha em Ali, depois coloco uma em mim. Em seu peito estava uma marca muito roxa, acho que bati forte de mais. Coloco uma blusa minha nela, que fica grande e a deixa bem confortável. Ligo o ar-condicionado e tranco a porta do meu quarto. Olhando minha mão na maçaneta tenho mais uma vez devaneios do passado. Hoje foi um dia estressante. Suspiro e me viro, vejo Ali deitada em minha cama, ela já estava dormindo. Ela deve está exausta. Pego o edredom e a cubro. Deito ao seu lado e ela coloca sua cabeça em meu peitoral, ela me abraça e coloca a perna em cima de mim também. Passo a mão em seus cabelos, os jogando para trás. Adormeço olhando-a. 



              Acordo com um beijo na boca. Abro os olhos de vagar e vejo o rosto angelical da Ali, seu cabelo caia sobre minha cabeça, sua testa estava colada na minha, sua boca mordia o meu lábio inferior. Ela se levanta e retira a blusa. Ainda tentando entender o que estava acontecendo, ia me levantar, porém Ali coloca as mãos sobre os meus ombros. E faz que "não" com a cabeça. 

_ Ali... ( Ela coloca seu dedo indicador em cima da minha boca me pedindo silêncio. ) 
_ Nada nem ninguém vai me impedir de fazer isso com você agora. ( Alice falou sorrindo para mim. ) Só vamos com calma, é a minha primeira vez. ( Ela fala me olhando nos olhos. ) 
_ Claro. ( Me sento e coloco Alice deitada na cama, apesar de seu corpo está todo arranhado, ela esta mais linda que de costume. Passo minhas mãos dos seios até a sua cintura de Ali lentamente. Sua pele é tão macia, retiro a sua cueca box com cuidado e bem de vagar, aproveitei para dá alguns beijos em sua barriga. Alice suspira e percebo que os pelinhos de seu corpo estavam arrepiados. Subo até seu rosto e beijo, beijo-a lentamente, sem presa, sem medo, sem arrependimentos. Mordo o lábio inferior de Ali, depois começo a beija-la, no pescoço, depois entre os seios, em seguida chupo-os com cuidado. Mexo em seu corpo como se ela fosse uma bonequinha de porcelana, que tenho que ter cuidado até em respirar perto dela. Então depois de brincar um pouco com os seus seios, passo a língua em volta do seu direto, que endurece no mesmo instante, enquanto isso mexia no bico do outro com a minha mão. Depois de rodeá-lo com a língua, começo a chupar o bico de seu peito, escuto os gemidos baixo de Ali. Desço de seu seio até sua vagina lambendo o seu corpo. Ao chegar la embaixo a observo atentamente, é lindo. É branquinho e raspado. Abro as pernas de Ali com cuidado. Coloco dois dedos meus na boca e os tiro, depois começo a massagear o seu clitóris com eles. Ali gemia e apertava as coberta da minha cama. Quando percebo que ela estava quase lá, paro. Olho para ela, que estava vermelha e ofegante. Roubo-lhe um beijo, depois desço rápido e coloco a minha boca e sua vagina. Começo a passar a língua nela, fazendo movimentos de vai e vem. Ali senta e coloca as suas mão em minha cabeça, ela apertava e puxava os meus cabelos. Suas pernas estavam abertas e seus joelhos estavam levantados e dobrados, eu estava com as minhas mãos embaixo das suas coxas, minha língua ia cada vez mais fundo e mais rápido, até que Ali começa a gemer muito alto, ela geme e cai na cama, não paro, continuo com os meus movimentos. Ela tinha alguns espasmos e gemia, quase como um grito. Eu paro e vejo ela ofegante, é, ela descobriu o que é orgasmos múltiplos. Retiro minha cueca box azul escura, meu pênis já estava bastante duro. Meu pênis tem 20 centímetros, Ali olha e arregala os olhos ao velo em "pé". ) 
_ Mike, não sei se consigo... ( Alice falou encarando-o. Suspiro e subo em cima dela, a beijo lentamente, depois mordo a ponta de sua orelha, fazendo-a se arrepiar toda. Beijo-a mais uma vez, porém agora com ferocidade. Ao fim do beijo, mordo o seu lábio inferior e aperto o bico de seu seio esquerdo. Alice geme e começa a arranhar minhas costas. ) 
_ Podemos parar, sabe, se você achar que não consegue. ( Falei querendo muito que ela negasse a proposta, meu pênis pulsava de tanto tesão. ) 
_ Eu quero. ( Alice falou e me colocou sentado. Ela fica de quatro e empina a sua bunda, é média, porém durinha e redondinha, seu quadril largo me deixava louco. Ali segura o meu pênis com as suas duas mãos. Ela olha para cima, olha em meus olhos, depois desce o olhar novamente ao meu pênis. Ela começa a lamber a cabeça dele, aperto os cobertores da minha cama, ela faz movimentos circulares com a  sua língua. Ela começa a lamber ele de baixo para cima, enquanto mexia em minhas bolas. Aperto mais forte o lençol e mordo meu lábio inferior. Ela coloca a ponta de meu pênis na boca e começa a chupá-lo, ela conseguia ir até a metade e voltava. Agarro seus cabelos e empurro sua cabeça para baixo, fazendo-a engolir todo o meu pênis, sinto que ele passa pela sua garganta. Ela começa a subir e descer com a sua cabeça, fazendo com que cada vez mais eu aperte e puxe o seu cabelo. Solto uma das mãos do cabelo de Ali e bato em sua bunda que estava empinada, estava ali para mim, só para mim. Ela treme depois do tapa. Começo a aperta a sua bunda. Ali tira a boca do meu pênis e começa a chupar as minhas bolas, enquanto as chupava, ela me masturbava. Seguro Alice pelos braços e a levanto. Roubo-lhe um beijo feroz, a jogo na cama, percebo que a respiração dela esta falha. Ela me olhava de um jeito diferente, ela segura em minha cintura e me puxa, meu corpo fica colado ao seu, pressiono meu corpo mais ainda contra o seu, enquanto puxo sua cabeça para o lado e mordo o seu pescoço. Ali começa a me arranhar, senti minhas costas arderem, provavelmente ela já arrancou o couro dela, mas não me importo. Me preparo para me levantar, precisava de uma camisinha e não tinha uma ali. ) Aonde vai? ( Alice perguntou ofegante. ) 
_ Já volto, preciso pegar uma camisinha. ( Falei me virando, porém Ali me puxa e me beija. Sua boca contra a minha, sua língua junto a minha, foi um beijo rápido, mas apreciei cada segundo. Alice olha em meus olhos, seus olhos brilhavam, não consigo acreditar que alguém tão linda esta comigo. Penso apreciando-a. ) 
_ Não vai. ( Ali fala e morde o meu lábio inferior. ) Quero sentir o seu gozo, quero senti-lo na minha primeira vez. ( Ali sussurra em meu ouvido, o que me faz arrepiar. Olho nos olhos dela e a beijo mais uma vez. Concordo com a cabeça. Levanto meu quadril e seguro o meu pênis para introduzir nela. Coloco o meu pênis em cima do seu clitóris e faço movimentos de vai e vem, Ali começa a aperta os meus baços e a cravar as suas unhas neles. Em um desses movimentos meu pênis vai um pouco mais para baixo e entra um pouco. Ali crava as suas unhas em mim e solta um pequeno grito. Estico o meu corpo e deito a minha cabeça ao lado da de Ali, que vira o rosto e morde o meu pescoço. Começo a introduzir o meu pênis lentamente nela, cada vez mais que meu pênis entrava, Ali mordia mais forte o meu pescoço. Então consigo coloca-lo todo dentro dela. Levanto a cabela e a beijo, porém enquanto a beija fazia movimentos de vai e vem dentro dela, Ali as vezes interrompia nosso beijo para gemia baixo.  Ela arranhava as minhas costas, a cada estocada dentro dela sentia mais prazer. Ela é muito apertada, a cada estocada podia sentir meu pênis batendo em seu útero, a cada estocada podia ver seu corpo subindo e seus peitinhos balançando, a cada estocada podia ver a sua cara de prazer, a cada estocada podia escutar o som de seus gemidos aumentado. Seguro na cintura de Ali e a levanto, fazendo-a sentar em meu pênis, ela grita e me abraça forte. Levanto ainda encaixado nela, a coloco contra a parede e seguro em sua bunda, meu pênis podia ir mais fundo assim. Então começo a beijá-la e a fazer movimentos de vai e vem com o meu quadril. Ali arrancava a pele que sobra-rá em minhas costas. Depois de muito ali, levo-a novamente para cama, a coloco de quatro na cama. Ali se curva e empina a sua bunda, essa garota me deixa doido. Dou um tapa forte em sua bunda e recoloco o meu pênis dentro dela, foi fácil, porque apesar de apertada, ela estava ensopada. Seguro em sua cintura larga com a minha mão esquerda e com a minha mão direita agarro seu cabelo com força e o puxo. Começo a estoca-la, cada vez mais forte, escutar os gemidos de Ali me davam muito prazer, percebo que ela acabará de ter um orgasmo, retiro meu pênis e a coloco deitada de barriga para cima, seguro suas pernas no alto e as coloco apoiada contra o meu peitoral. Penetro-a novamente. ) Você não cansa? ( Ali pergunta ofegante, seu peito subia e descia rápido. Rio com a pergunta dela. ) 
Só tô começando. ( Falo e começo a estoca-la. Depois de alguns minutos naquela posição, solto as suas pernas e me debruço e coloco minha boca nos seios de Ali, começo a chupa-los e a penetro. Começo a fazer movimentos de vai e vem de vagar. Percebo que Ali estava tendo outro orgasmo, ela segurava em meus cabelos e se esticava enquanto gemia e mordia a sua boca. Não aguentava mais segurar, começo a gozar dentro dela. Ali levanta e coloca a boa em meu pênis, engolindo o resto do gozo. Ela lambe o meu pênis, ela é muito linda. Penso ainda ofegante. Me jogo na cama e respiro fundo, tentando retomar o ar, o sentido. Ali deita do meu lado e coloca a cabeça em cima do meu peito, ela me abraça e coloca a sua perna em cima de mim. Coloco meu braço direito em cima do ombro de Ali a abraçando, olho para o lado e aprecio-a, bela como uma deusa, delicada como uma boneca de porcelana e perfeita originalmente. Retiro um fio de cabelo que estava no rosto da Ali, e começo a acaricia-lo , seu rosto é macio como todo o seu corpo. Ali olha para mim, fico ali olhando-a como se não existisse mais nada, mais tempo, mais pessoas, mais títulos ou parentescos. Não aguentava mais esperar para toca-la, e agora, agora ela é minha. ) 
_ Minha primeira vez foi ótima, eu amei. Você faz sexo muito bem. ( Ali fala rindo. Paro de acaricia-la e olho sério para ela. Me viro para ela me apoiando em meu braço direito e continuo a encara-la . ) 
_ Sexo? Se tá falando sério? 
Eu não fiz "sexo" com você, nem fodi ou transei. Eu fiz amor com você Ali, AMOR! Alice eu te amo.





                                                                                   CONTINUA>>>


Notas Finais


AEEEEEEEEEEEEEEE \O/ Finalmente os finalmentes. e.e

Ai, ai, esse Mike é bom de cama em! Deu até calor. Kkk
E ai amores, o que acharam? Não deixem de comentar por favor.
Quem ai percebeu que o Mike e senpai desde criança? ( Amo o Mike! )
Quem ai percebeu que o Mike não gostava muito da Ali quando criança? Por que sera que isso mudou?
E o Mike no final. " EU TE AMO!" Como sera que a Ali vai reagir a isso? Ai meu Deus, ansiosa para o próximo capítulo! E vocês?
Comentem por favor.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...