História Brumas de Nietiria - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Hopev, Hoseok, Taehyung, Taeseok, Vhope
Exibições 157
Palavras 3.019
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Científica, Fluffy, Lemon, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá! Mais uma vez: perdoem a demora e não desistam de mim. Boa leitura e perdoem os erros grotescos, ainda não reli. Leiam as notas finais. ❤

Capítulo 6 - Quinto: O (des)encontro entre as almas.


 

Como é que é?

Foi a primeira coisa que Yoongi perguntou, antes de simplesmente começar a falar mil e uma coisas ao mesmo tempo, num tom tão alto que as pessoas estavam começando a nos encarar. Como se já não bastasse toda aquela euforia exagerada e quase palpável, Yoongi nos fez o favor de simplesmente debruçar-se sobre a mesa, sorrindo animadamente, e juntar seus lábios aos de Jimin num beijo digno de cinema. Ao afastar-se de meu amigo e deixá-lo completamente estático e corado até às orelhas, fechou os livros e jogou-os em sua mochila.

— Hyung… — chamei.

— Eu preciso vê-lo, Taehyung! — exclamou. — Por favor! Me deixe vê-lo! Me leve à sua casa!

— Você não está achando tudo isso uma loucura? — Jimin perguntou tentando ignorar os olhares que recebíamos e pegando suas próprias coisas rapidamente. — E por Deus, vamos sair daqui. Agora.

— Loucura é termos uma peça viva da antiguidade em nossas mãos e ainda estarmos nessa porcaria de lanchonete! — Yoongi rebateu, puxando-me pelo braço. — Por favor, Taehyung, me diga que não está zoando com a minha cara. Isso é basicamente impossível de acontecer; mas eu nunca duvidei de Nietiria e seu poder. Não brinque com essas coisas, eu passei a vida inteira estudando toda essa porcaria. Eu espero com todas as minhas forças que Jung Hoseok realmente esteja na sua casa, do contrário eu mesmo mato você.

— Você está se ouvindo? — Jimin perguntou, encarando Yoongi. — Por Deus…

— Jiminie, você ouviu o Taehyung, não ouviu? — Yoongi parou de andar abruptamente assim que chegamos bem perto da porta da lanchonete, bloqueando a passagem. — Ele disse que tem um guardião do século IV na casa dele! E você pergunta se eu estou me ouvindo? Vocês têm sorte de me terem por perto e por eu acreditar totalmente nessa história!

Respirei fundo ao ver Yoongi passando pela porta a passos rápidos e Jimin indo logo atrás, rendendo-se ao notar que não teríamos como voltar atrás. Naquele momento me amaldiçoei de todas as formas possíveis, me perguntando por que diabos eu não conseguia manter minha boca fechada. Yoongi estava extremamente eufórico e eu não sabia lidar com aquilo; sequer esperava que ele acreditasse naquilo!

Mas, como sempre, eu o havia subestimado demais.

— Taehyung! — ouvi meu nome ser gritado pela voz estridente de Jimin e logo saí da lanchonete, seguindo meus amigos.

— Você pelo menos pode me contar mais sobre toda essa história? — perguntei para Yoongi enquanto caminhávamos em direção ao carro de Jimin, que estava no estacionamento da universidade.

— Claro que posso — respondeu, já mais calmo. — Me perdoe por toda a euforia; é que eu nunca pensei que isso pudesse realmente acontecer. As lendas dizem que os portais estão abertos até hoje. Quero dizer… — pausou e coçou a nuca, um tanto nervoso. — Dizem que os portais se abrem sempre que toda a história se repete ou fica no famoso loop, em repetição no ponto em que deveria ser finalizada.

— O que isso quer dizer? — Jimin perguntou em meu lugar. — Não entendi bulhufas disso.

Yoongi riu e puxou Jimin para perto de si, entrelaçando seus dedos.

— Eu quero dizer que toda vez que as almas se encontram, o romance entre o príncipe e o guardião volta acontecer em Nietiria; é como se tudo se repetisse desde o início da história do reino. Mas com algumas mudanças pequenas; nomes, personalidades, essas coisas. Mas as almas seguem juntas. Nietiria ainda existe, afinal — Yoongi deu de ombros. — No entanto, algumas vezes, quando chega o momento em que Hoseok deveria se matar, algo dá errado e a tradição não continua. Isso acontece quando há um desencontro entre almas e os portais permanecem em aberto. Logo, quem procura realmente sobre isso, pode ter a chance de transitar entre uma dimensão e outra.

— Você não disse que esse maldito reino fica onde conhecemos como Holanda hoje? — Perguntei, extremamente irritado com todo aquele quebra-cabeça. — Eu não estou entendendo mais nada…

Ficava — Yoongi frisou a palavra, parando em frente ao carro. — Eu dirijo, Taehyung vai ao meu lado e você atrás — puxou a chave das mãos de Jimin. — Por favor.

— O carro é meu — Jimin balbuciou e eu apenas o encarei irritado, seguindo ao banco de passageiro. — Céus, vocês são insuportáveis! — exclamou. — Acabe logo essa história, Min Yoongi!

Yoongi riu do mais novo e selou seus lábios antes de entrar no carro, fazendo com que eu revirasse os olhos extremamente enjoado com tudo aquilo. Eu não os aguentava mais; ou talvez eu só estivesse com uma pequena pontinha de inveja. E ansioso. E nervoso. E morto de medo do que iria acontecer.

— Como eu ia dizendo… — Yoongi recomeçou. — Nietiria não é visível em nossos mapas; nunca foi. Mas sim, era uma península bem pequena por aquela região. O que eu quero dizer, garotos, é o seguinte: os portais de todos os lugares do mundo estão abertos para que as almas possam se reencontrar. Isso acontece devido ao desespero que sentem por terem ser perdido; é necessário que um ancião faça todo o ritual para abertura dos portais ao sentir a agonia de ambas as almas aqui no nosso plano. E isso aconteceu exatamente no momento em que Hoseok decidira pular do abismo, como a lenda sugere que faça.

— Então… — murmurei, engolindo a seco.

— Alguém abriu o portal daqui quando Hoseok decidiu se matar — Yoongi respondeu. — E ele foi empurrado exatamente para onde a alma gêmea dele se encontrava.

— E isso quer dizer que… — Jimin deixou a frase no ar, arregalando os olhinhos sempre tão miúdos e me deixando ainda mais desesperado.

Aquele maldito guardião havia surgido na porta do meu apartamento. E eu não poderia estar mais assustado, confuso e desesperado.

Como se isso não importasse, Yoongi riu parecendo extremamente feliz e, com toda a doçura que carregava consigo, falou:

— Isso quer dizer que a alma gêmea de Hoseok é o Taehyung.

Minha cabeça girou de forma intensa pela segunda vez no dia, fazendo-me fechar os olhos com força e agarrar meus próprios cabelos em total desespero. Tudo fora rápido demais, como se a fala de Yoongi tivesse soado um alarme em meu interior e me fizesse sentir a mesma sensação intensa e dolorosa de mais cedo.

Como num passe de mágica, aconteceu de novo.

Assim que abri meus olhos, encontrei Jung Hoseok rodando sua espada em uma das mãos tranquilamente enquanto me fitava nos olhos, mesmo que de longe. O sorriso que brincava em seus lábios era ladino, extremamente provocante, e contrastava com os cabelos desgrenhados e grudados no rosto tão suado quanto o resto de seu corpo totalmente à mostra. O guardião não usava nada além de uma calça de pano qualquer, deixando a barriga lisa e os braços medianos totalmente à mercê de todos; qualquer um podia chegar ali e encontrá-lo daquela forma tão… Íntima. Era impossível não paralisar e ficar encarando-o sem piscar; Hoseok era tão bonito que eu me encontrava sem fôlego todas as vezes que o via.

Por um segundo senti-me no céu.

— Você pode me tocar se quiser — Hoseok disse alto enquanto caminhava em minha direção, ainda girando a espada na mão. — Ficar olhando não é lá a melhor coisa, apesar que eu realmente adoro suas expressões enquanto me encara dessa forma…

De maneira automática, desviei o olhar e senti minhas bochechas corarem ao mesmo tempo em que meu coração martelava o peito em total desespero. Ao fundo, pude ouvir a risada de Hoseok ao mesmo tempo em que o sentia mais próximo de mim.

— Não precisa ficar envergonhado — murmurou de forma galanteadora e, em seguida, senti a ponta de sua espada em meu queixo, fazendo com que meu rosto se erguesse em sua direção. — O pior já fizemos, príncipe: nos beijamos. E o próximo passo é ainda mais perigoso. No entanto, o mais delicioso de todos.

Ainda envergonhado, me permiti sorrir; não havia outra coisa a ser feita. Nada nunca me parecera tão certo quanto aquilo; estar com Hoseok, tê-lo brincando comigo e dizendo aquelas coisas. Nada nunca seria tão maravilhoso e reconfortante. Eu me sentia em paz.

— Você sabe o que irá te acontecer se descobrirem sobre isso — murmurei, fitando-o nos olhos e sentindo-o descer a espada por meu corpo com todo o cuidado. — Tire essa espada de mim, Hoseok.

— Vão mandar cortar minha cabeça — respondeu simplista. — Eu vou tirar, Taehyung. Mas depois que ela rasgar todas as suas roupas.

Não tive tempo de rir ou ao menos responder, apenas senti todo os panos que cobriam meu tronco partirem ao meio, deixando-me tão livre quanto o guardião em minha frente. Minha boca se abriu em total surpresa ao mesmo tempo em que meu corpo se arrepiara por completo. Estava chocado com a habilidade daquele guardião de guiar tão bem uma espada afiada e, ao mesmo tempo, ansioso para saber o que aconteceria após aquilo.

Hoseok logo se aproximara, ainda sorrindo, e eu apenas deixei que grudasse seu corpo ao meu ao mesmo tempo em que segurava minha cintura.

— Eu vou te beijar de novo agora, príncipe — murmurou bem próximo de minha boca, olhando-a com tanta vontade que não resisti em suspirar. — Você é lindo.

E então, fechei meus olhos e esperei pelo beijo.

Mas ele não viera.

Tudo o que senti foi uma freada um tanto quanto brusca, sacudindo meu corpo por alguns segundos e me fazendo abrir os olhos atordoado.

— Taehyung! Finalmente! Você está bem? — Jimin me bombardeou de palavras, preocupado. — Caramba, a gente precisa dar um jeito nisso! Você não pode ficar assim…

— Estou bem, Jimin, se acalme — respondi ao mesmo tempo em que respirava fundo e bagunçava os cabelos. — Eu só…

— Teve outro déjavu? — Yoongi interrompeu, me olhando sério.

— Como sabe que ando tendo déjavus? — perguntei de volta, fitando-o nos olhos. Eu tinha certeza absoluta que não tinha mencionado aquilo e Jimin jamais diria algo sem minha autorização, mesmo que para Yoongi.

— Eu não sabia — respondeu tão firme quanto eu. — Apenas deduzi.

— Essas porcarias fazem parte dessa merda de lenda e historinha sobre almas gêmeas? — Jimin perguntou irritado. — Nós só precisamos cuidar dele, Yoongi. Temos que fazer isso parar. Entender toda essa merda. Estamos vendo isso há, o que, dois dias? E tudo o que eu quero é que acabe!

Engoli a seco com a explosão de Jimin e sua preocupação quase palpável. Eu entendi completamente meu melhor amigo; e teria a mesma reação se fosse o contrário. Todavia, tudo o que eu menos queria era causar tudo aquilo, não queria preocupar ninguém, assustar ninguém, dar trabalho para ninguém. Já bastava tudo o que se passava em minha própria mente, em meu coração; em mim por inteiro. Eu estava prestes a enlouquecer, quase podia sentir a sanidade escapando entre meus dedos. Tudo o que eu menos precisava era de mais gente envolvida naquilo e se ocupando com meus próprios problemas. Ver Jimin tendo todas aquelas reações — e cuidando de mim em dobro a cada apagão por conta de lembranças que eu sequer sabia que existia —, me deixava extremamente nervoso e incomodado. Eu não queria ser somente mais um peso nas costas alheias.

— Essas porcarias são só lembranças por ele estar no mesmo plano que Hoseok — Yoongi explicou calmamente. — Não é nada demais, também não é prejudicial à saúde dele. Daqui a pouco os desmaios acabam, é apenas por causa de toda a intensidade que carregam e o tempo que ficaram separados — o mais velho suspirou. — Por conta… Dessa separação de almas, por terem se perdido, Nietiria provavelmente está preso à uma determinada época; não tiveram a virada de século. Pode ser o século V ou VI, ou até mesmo o próprio IV. Não temos como saber; sequer sabemos se eles tinham a mesma contagem que a nossa, os estudos de Nietiria são escassos, vocês mesmo viram isso quando pesquisaram na internet, eu suponho. — Yoongi nos fitou com um carinho imenso e extremamente admirável. — Jiminie, nós vamos dar um jeito nisso tudo. Eu estou com vocês agora e tenha certeza: sei exatamente o que devo fazer.

— Obrigado, hyung — falei um tanto sem jeito. — Eu imagino o quão trabalhoso deve ser nos contar isso tudo… Muito obrigado. E Jiminie — encarei meu melhor amigo —, não fique tão nervoso. Eu estou bem. Obrigado por tudo, mas não se estresse tanto assim por minha causa. Eu não quero isso.

— Me desculpe… — Jimin murmurou. — Eu só não dormi e… Ah, céus, me desculpem. Eu fui um grosso com os dois e…

— Está tudo bem — Yoongi o cortou de maneira doce. — Agora vamos entrar, já chegamos em seu prédio, Taehyung.

Respirei fundo e saí do carro, sendo seguido pelos outros dois. Seguimos até meu apartamento em silêncio, enquanto eu pedia, mentalmente, para que tudo estivesse em ordem. Pedia, principalmente, para que Hoseok tivesse se comportado sabendo que Namjoon estava no mesmo ambiente que ele.

Ao chegarmos em frente a minha porta, respirei fundo outra vez e tirei a chave do bolso, abrindo-a de uma só vez. Passamos juntos e tensos pela sala. A tensão se dissipou totalmente assim que entendi o que diabos estava acontecendo naquela cozinha — que era dividida da sala por apenas um balcão — e os sons que preenchiam todo o ambiente.

Ali, no meio da minha cozinha, meu irmão, Kim Namjoon e inimigo de Hoseok, estava cozinhando, rindo e brincando com minha alma gêmea vinda de outro século. E eu nunca havia me sentindo tão confuso na vida, assim como Jimin que estava ao meu lado sem entender nada.

— Caramba! Acho que queimamos todo o almoço, cara — Namjoon exclamou rindo e sem se dar conta que estávamos olhando-os. — Que merda, Taehyung vai passar o dia reclamando…

— Eu te disse, Namjoon, não era para fazermos assim… — Hoseok respondeu soltando uma risada alta em seguida. — E ele vai reclamar com razão, o cheiro está terrível também…

E então eu pigarreei, atraindo ambos os olhares para mim e meus amigos. Namjoon manteve o sorriso na boca e Hoseok apenas coçou a cabeça, dando de ombros.

— E aí, Yoongi! Quanto tempo! — Namjoon cumprimentou, dando a volta no balcão e parando de frente para o loiro, abraçando-o rapidamente. — Chegou cedo hoje, Taehyung. Matou aula de novo? A mamãe ficará sabendo disso. E oi, Jiminie.

Ignorei totalmente a pequena conversa que meu irmão iniciara com Yoongi e voltei a encarar Hoseok, que, acanhado, andava devagar até onde estávamos. Eu estava extremamente curioso e desconfiado de toda aquela situação, porém não me importei tanto por alguns segundos. Não com Hoseok se aproximando cada vez mais e deixando visível que trocara de roupas e, agora, vestia-se com peças do meu irmão. Seus cabelos ainda estavam presos num rabo de cavalo alto, mas parecia mais apresentável. Inconscientemente e chamando a atenção de todos sem querer, me aproximei dele também, deixando todos falando sozinho outra vez.

— Você se trocou — murmurei levando uma das mãos até seu rosto. — E se comportou também, obrigado por isso.

— Você não tem que me agradecer por nada — Hoseok respondeu calmamente, segurando minha mão e levando-a até os lábios. — Seu irmão me disse que eu ficaria melhor com essas roupas, aliás. Você gostou?

Fiquei encarando-o por mais algum tempo, desejando com todas as minhas forças beijá-lo até que nossas bocas ficassem dormentes; e queria que ele rasgasse minhas roupas como na lembrança recente que tomava minha cabeça. Aquele guardião estava me deixando completamente louco; quiçá apaixonado e viciado em seu gosto, sua boca e seus toques. Tudo o que eu mais queria, naquele momento, era senti-lo mais uma vez; talvez tê-lo em seu máximo como em minhas lembranças. Jung Hoseok era extremamente amável, dócil e apaixonante; bastava tê-lo por perto para que eu perdesse todo meu controle e me entregasse aquele sentimento febril e diferente.

— É claro que gostei — respondi rindo um pouco e me afastando dele em seguida, tentando não pensar sobre minhas vontades. — Preciso que conheça alguém importante para nós. Ele sabe tudo sobre seu reino.

Hoseok logo ficara interessado, arqueando uma das sobrancelhas. Sorri para ele e o puxei pela mão, levando-o até Yoongi, que parecia encantado e vendo uma obra de arte valiosíssima.

— Jung Hoseok — Yoongi murmurou, se aproximando mais dele e tocando-o o rosto e os cabelos com as pontas dos dedos. — Você existe mesmo…

A sala estava completamente silenciosa e Namjoon nos encarava sem entender absolutamente nada, mesmo que Jimin, vez ou outra, sussurrasse algumas coisas em seu ouvido. Tentei me desligar dos detalhes e me foquei somente em Yoongi e Hoseok, que permaneciam naquele jogo de toques e olhares pesados.

Aquilo era estranho demais; eu estava começando a achar que Yoongi era completamente louco ou, no mínimo, enviado dos céus para entender tudo aquilo e querer ajudar, sendo totalmente prestativo e interessado. Era quase como se fosse um daqueles historiadores que morreram pesquisando sobre Nietiria; afinal, ninguém no mundo havia ficado tão perto de um monumento real e 100% original vindo do reino como ele. Talvez, no fim das contas, ele realmente fosse um historiador viciado e maluco por Nietiria e tudo que cercava esse maldito reino. Não poderia — ou não deveria — ser normal amar tanto algo que sequer era uma certeza absoluta ter existido, principalmente por causa de uma maldita lenda; embora esta fosse realmente muito bonita e encantadora.

Yoongi estava me deixando tão intrigado quanto Hoseok, e toda aquela situação não estava irritando e confundindo somente a mim. Jimin, do outro lado, me encarava tão nervoso quanto. Estava confuso, irritado e com sono; estava explícito no olhar de Jimin que ele não sabia mais se estava dormindo e sonhando ou se tudo aquilo estava de fato acontecendo. E para falar a verdade, infelizmente, nem mesmo eu sabia. Eu só sabia que sentia milhares de sentimentos estranhos e apagava de repente, indo parar numa outra dimensão e sendo alguém que não lembrava de ser. Minha maior vontade era que tudo aquilo se resolvesse o mais rápido possível.

— Nós nos conhecemos? — Hoseok perguntou firme, encarando-o nos olhos de maneira desconfiada. — Você me deixa tenso.

Yoongi riu e se afastou, balançando a cabeça negativamente enquanto encarava a todos nós da sala. Voltou-se para Hoseok e, olhando-o nos olhos, respondeu num tom de voz comum e calmo:

— Não… Você não me conhece, mas eu te conheço muito bem. Melhor do que todos nessa sala.

 


Notas Finais


E foi isso! Capítulo grandinho e só de explicações; não me matem por todo esse yoonmin e a pouca interação de vhope nos dias atuais. Nesse início é necessário que tenhamos esse bocado yoonmin e explicações gigantes e cheias de histórias para futuros momentos deliciosos de vhope, ok? Yoonmin é sim muito importante por aqui; não só para ser um casal secundário (sendo que, ei, atenção aqui: é só nesse início!!! Precisamos MUITO do Yoongi e dos sentimentos dele nessa história, eu juro!).
Lembrem-se também que todo o conteúdo aqui foi 100% criado por mim e eu preciso explicar cada detalhe com muita calma, por isso até o próximo capítulo a história deve correr assim: repleta de informações, lendas, lembranças e sensações. Eu juro que logo fica tudo claro para vocês e para os personagens, então tenham paciência comigo e com toda essa galerinha que eu criei desta vez; o trabalho é árduo mas acredito que valerá a pena no fim e vocês entenderão totalmente o porquê de capítulos assim, carregados de lendas sobre Nietiria. E com isso vocês vão ver por que ninguém conseguiu voltar e contar se tudo sobre este reino era verdade ou não e por que o Yoongi é tão fascinado por ele. Eu espero que tenham gostado, não deixem de comentar. Obrigada por todo o apoio, vejo vocês no próximo (com muito vhope e muita lenda, sim)! ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...