História BTS Cartas: Da mente para o papel - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Suga, V
Tags Bts, Jhope, Suga, Yoonseok
Visualizações 8
Palavras 766
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Poesias, Romance e Novela, Terror e Horror, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Aqui estou eu com outro capítulo, espero que gostem

Capítulo 3 - Vamos nos divertir


Pov. Hoseok


Acordei com um vento frio entrando em meu quarto, levantei lentamente e olhei para o relógio em cima de meu criado-mudo


04:39h


-Insonia de novo, Hoseok? - Falei para mim mesmo


Coçei os olhos e fiquei observando a janela, de tempos em tempos, algum veículo passava pela estrada. Sem opções para o que fazer, decidi escrever minha próxima carta ja que entregaria a primeira hoje, ja havia pensado a um tempo, e eu escreveria sobre pessoas e meu modo de ve-las com todos os seus padrões idiotas, bom...talvez nem todas fossem assim, meu pai não era. Mas como a vida me ensinou por muito tempo, como dizia meu tio:


"Um prego que se levanta, logo será martelado"


E não tem como negar, ele sempre esteve certo, mas afinal, pra que se levantar? Uma hora ou outra vai acabar caindo de novo. Não importa o quanto me digam que estou pensando assim apenas porque estou deprimido, eles podem não saber, mas eu sei. As pessoas acham que gente que tem depressão olha a vida de forma triste, mas na verdade, as vezes nós que não temos noção da realidade.


Peguei minha toalha e entrei no banheiro, me despi e tomei um banho rápido, sai do cômodo apenas com a toalha na cintura. Abri o guarda-Roupa, coloquei uma camisa preta, um moletom cinza, uma calça qualquer. Sai de meu quarto desci as escadas, olhei minha mãe no sofá, pensei em dar oi, mas percebi que ela estava no telefone, então decidi passar reto e ir para a cozinha, mesmo sabendo que meu apetite iriPreparei um pequeno sanduíche e dei leves mordidas, não estava com fome, mas estava forçando eu mesmo a comer. Antes que eu pudesse chegar na metade da comida, senti lágrimas escorrendo pelo meu rosto, fiquei meio surpreso por terem vindo tão inesperadamente, mas infelizmente, ja estava acostumado com elas. Gostaria de me perguntar de onde vinha tanta tristeza, porém eu ja sabia a resposta. 


Limpei as lagrimas que ainda escorriam, virei meu rosto para a entrada da cozinha onde minha mãe me olhava, e ao contrário do que eu esperava, ela me olhava com uma expressão brava, abri a boca para me desculpar, sabia que ela ficava irritada ao me ver chorar, mas ela me interrompeu:


-Calado! Eu não quero ouvir suas desculpas esfarrapadas. Eu quero que você pare com essa droga de drama, pare de sofrer pela morte do seu pai, ja aconteceu ha 2 anos! Supere! Você pode ter tudo que sempre quis, mas fica com essa porra de teatrinho, se fazendo de coitado. Agora, Jung Hoseok, ou você para com esse drama, ou saia da minha casa!


Eu a olhava firme, por mais que suas palavras fossem duras e extremamente idiotas, eu sabia que não valia a pena tentar argumentar com ela, apenas assenti com a cabeça e sai de lá, rumei ao meu quarto e sentei-me na poltrona ao lado de minha estante, ao contrário de muitas vezes que havia ouvido tais palavras, chorei ate adormecer, mas por algum motivos, não sentia vontade de fazer isso, eu não estava abalado ou algo do tipo, eu estava irritado, irritado de ela sempre achar que eu faço isso por atenção, de ela achar que depressão é drama, de todos os argumentos idiotas e do fato que ela não se importa com mais nada a não ser ela mesma:


-Vadia miserável...- Bufei


-Wow, parece que alguém ta irritadinho


Ouvi uma voz familiar e virei-me em direção a janela, vi Taehyung apoiado nela e sorri levemente. Tae era meu vizinho, não éramos tão próximos assim, mas tinhamos uma boa relação


-É...É a minha mãe


-Sei como é - Ele ri insalado - Você tem que esfriar um pouco a cabeça


O olhei confuso


-E de que jeito?


-Vem que eu te mostro


Sorri minimamente e assenti, olhei pela janela e vi que Tae ja me esperava la em baixo. Cautelosamente, passei pela janela e deslizei por algumas plantas que tinham ali, quando estava perto do chão, algumas se romperam, me fazendo cair


-Ai...que droga - Me virei para ele - Então, o que tem em mente?


-Podemos ir na balada


-As três da tarde?


-Ok. Podemos ir ao parque


-Muito sol, e não tem muita coisa a se fazer por lá


-Podemos ir tomar sorvete


-Tenho intolerância a lactose


-Qual é Hoseok! Pare de ver o lado ruim de tudo. Vamos fazer assim, vamos ao parque de diversões, e quando der 19:30, partiu balada, ok?


Não sabia se isso era uma boa ideia, mas não queria magoa-lo, mas afinal, por que não? Ir com ele era melhor que ficar em casa com raiva da minha mãe


-Pode ser...


Um sorriso retangular surgiu no rosto do garoto de cabelos loiros


-Legal! Então vamos embora.


Notas Finais


E ai? O que acharam? Gostaram?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...