História Burning Love - De férias em Alola! - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~Maria_Xavier

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Alola, Aventura, Comedia, Ecchi, Hentai, Pokémon, Romance
Exibições 33
Palavras 3.575
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ecchi, Fantasia, Festa, Harem, Luta, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Suspense, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, oi, gente!

Começando mais uma fanfic para vocês.
Dessa vez uma sobre pokémon, sim, nova região, nova fic.
Espero que gostem, o plot dessa história vai ser diferente e n muito clichê.
Baseado nos jogos, é claro.

Então não deixem de acompanhar, por favor ^^

Bem boa leitura, espero que gostem!

Desculpem por quaisquer erros

Capítulo 1 - Capítulo 1 - Vamos para Alola!


Era apenas mais uma manhã normal… Pessoas andavam pelas ruas da grande metrópole, treinadores preparavam-se para desafiar o ginásio, os Pokémon selvagens começavam a despertar…

Era apenas mais uma segunda-feira monótona e normal.

Uma grande construção de arquitetura japonesa, semelhante a uma cabana de madeira rústica com três andaras, localizada na parte central da cidade, estava funcionando desde à madrugada.

Por dentro o lugar era lindo!

Logo após a porta de entrada havia um pequeno e não muito largo corredor: à direita localizava-se uma escada que levava para o próximo andar. Seguindo reto encontrava-se duas portas de correr abertas, elas possuíam estruturas feitas de madeira e preenchidas com papel translúcido, também conhecidas como shõji, essas portas levavam para o salão de treinos, que era nada mais, nada menos, que um dojo normal: um cômodo grande e retangular, o chão assim como as paredes eram feitos de uma bela madeira escura, o piso liso era muito bem encerado, raios de sol entravam pelas várias janelas, iluminando o local.

Ao fundo uma estátua feita de ouro de um Mega-Lucario decorava o lugar, era como um altar destinado ao magnífico e forte Pokémon, o verdadeiro símbolo do ginásio de treinos de Steel Down Town.

Havia uma placa pendurada na entrada do dojo, em letras grandes e bem destacadas ela dizia:

 

Silêncio em primeiro lugar,

Área de treinos e meditações!

 

Sentados na posição de lótus, um pequeno trio acompanhados por um Lucario meditavam tranquilamente. Enquanto alguns conseguiam se concentrar um garoto de cabelos castanhos e pele clara tentava ao máximo manter-se concentrado, ele forçava seus olhos a ficarem fechados e lutava para não falar nada, nem soltar a risada presa em sua garganta.

Ao seu lado uma bela moça, também de cabelos castanhos, meditava serenamente. Diferente de seu parceiro ela não possuía quaisquer dificuldades em exercer a tarefa de ficar quieta e se concentrar.

Um fato peculiar sobre os dois eram mechas azuis que enfeitavam a lateral de seus rostos, não eram pintadas, havia uma linda transição entre o castanho para o azul-marinho, os dois sempre insistiam em deixá-las à mostra.  

A mestra do dojo, uma linda mulher de pele morena e cabelos roxos, sentava-se à frente deles, ao seu lado, seu fiel Lucario. A concentração de ambos era impecável, eles facilmente poderiam ficar meditando por dias sem se preocupar, entretanto, tudo que é bom dura pouco!  

Aproximando-se do ginásio de treinos, dois encapuzados, misteriosos e assustadores. As pessoas encaravam-nos de longe, tinham medo de se aproximar, alguns até tentavam comunicar às autoridades, porém, travavam, queriam ver o que iria acontecer.

   Lentamente eles chegaram e abriram a porta, sem fazer quaisquer ruídos, entraram e começaram a se aproximar do dojo onde o grupinho estava reunido. Por baixo dos capuzes os dois sorriam alegremente, quando chegaram na porta de correr, conhecida como shõji, eles assustaram todos presentes gritando com todas as forças:  

Sul-chan!

Após o susto repentino a morena de cabelos roxos calmamente abriu os olhos, uma raiva sem igual era exalada de sua aura, ela tentava ao máximo esconder o ódio em seus lindos olhos amarelo-claros.

“Por que eu sinto que já ouvi isso antes?” — O garoto perguntou-se mentalmente enquanto abria seus olhos pretos e fitava os dois encapuzados.

— Seus malditos… O que querem aqui agora? Não disse à vocês para não entrarem nesta sala gritando? — Questionou a morena, seu tom tentava esconder a raiva que corroía dentro de si.

— Lá vem… Acho que deveríamos ter vindo aqui umas semanas mais tarde. — Murmurou o garoto cruzando seus braços, esperando pelo show.

Enquanto davam leves risadas vendo a reação do grupo os dois encapuzados revelaram sua aparência, após jogar suas sinistras capas marrom-escuras no chão. Era um jovem rapaz e uma linda dama, ambos aparentam ter dezenove anos. Eram altos e possuíam um sorriso travesso estampado em seus rostos.

A moça chamava-se Naomi. Seus olhos — rosa-claros — estavam fixos na mestra do dojo, Sul. Seus cabelos, longos, lisos, negros como a noite, estavam soltos e chegavam até sua cintura, ela possuía uma peculiar franja que cobria-lhe a testa, nas cores rosa-escuro e azul-claro. Suas orelhas eram decoradas por estilosos brincos de agulha, seis no total, três em cada lado. Embaixo de seu lábio inferior uma fileira em linha reta de três piercing's chamavam à atenção.

Assim como sua aparência punk, Naomi, vestia roupas no mesmo estilo: uma saia rodada preta, uma blusa social branca de mangas compridas, com os últimos botões abertos, deixando à mostra sua malhada barriga e seu umbigo. Sua gola era decorada por uma fofa gravata rosa-choque bem frouxa, usava lindas e rasgadas meias cinco por oito nas suas cores favoritas — rosa e azul — finalizando tudo estavam seus All Star de cano médio roxo-escuros.      

— Sul-chan, acabamos de chegar. — Avisou a punk. — Não precisa nos tratar mal, somos seus amores, as coisas fofas de seu coração, seus gêmeos favoritos e seus futuros noivos… digo, digo, seus amigos, esqueceu?

— Não interessa quem sejam! Eu disse para os dois que não eram para entrar aqui gritando! — Exclamou a mulher de cabelos roxos.

— Essa doeu até em mim. — Murmurou Matheus, o garoto de cabelos castanhos dava pequenas risadas com a cena que presenciava.  

— Fique quieto, senão, sobrará para nós. — A garota ao lado sussurrou no ouvido do rapaz.

— Qual é, Luna, eu já vi como é o show desses três, não acontece nada de interessante. — Respondeu com um tom irônico. — Chega até a ser chato…

Calmamente os dois adentraram mais a fundo no dojo, havia apenas um único problema nisso: seus calçados estavam com a sola bem suja de lama e estavam manchando com pegadas o piso de madeira perfeitamente encerado do dojo. Sul tentava manter a calma, respirava fundo e contava até dez. O rapaz ao lado de Naomi chamava-se Jack, Jack Redwave. Ele observava o salão curioso, parecia estar buscando algo com seus lindos olhos azuis cor do céu.

Diferente de sua irmã gêmea, Jack, possuía um visual menos punk, entretanto, seu sorriso travesso denunciavam-no com uma má influência. O rapaz usava uma jeans preta surrada, um casaco de moletom de zíper, fechado, bem largo, seu visual finalizava-se com botas marrom-claras de couro. Seus cabelos bagunçados chegavam até seu pescoço e eram de um belo tom obsidiana.

Com uma voz calma ele perguntou:     

— Sul, cadê os nossos puffs?

— Seus puffs? Vocês me atrapalham, sujam meu dojo com lama e tem a cara de pau de me perguntarem sobre puffs?! — Sul estava começando a explodir de raiva, a mulher já não conseguia escondê-la. — Estão no mesmo lugar que vocês deveriam estar. Lá fora!

— Mulherzinha revoltada… — Murmurou o garoto.

— Matheus! Cala a boca! — Sussurrou Luna também perdendo a paciência.

— Calminha Luna, esses três são divertidos de se vê. — Matheus a respondeu, seu tom de voz, como sempre, mantinha-se calmo e irônico, entretanto, os gêmeos não pareciam estar se divertindo, na verdade, eles estavam assustados com a reação da mulher de cabelos roxos.  

— Sul-chan… ca-ca-calma. — Disse Naomi, engolindo a seco, segurando fortemente a mão de seu irmão.

— Nós não fizemos por mal. — Finalizou Jack. — Nã-não precisa expulsar a gente, somos amigos, não?

— Claro… Vocês nunca fazem nada por mal! Desde o dia em que chegaram, não fizeram nada além de deixar meu ginásio de pernas para o ar! E vocês usam essa mesma desculpa de “somos amigos”! Eu já me cansei disso! Pra fora, os dois! — Gritou Sul, a mulher estava explodindo de raiva e tremendo ao mesmo tempo.

O Lucario, que mantinha-se meditando mesmo com a barulheira, se pôs de pé ao ouvir o grito de sua treinadora. Ele caminhou calmamente até ela, passando pelos dois jovens de mechas azuis. O Pokémon Aura apoiou sua mão no ombro de sua treinadora — tentando acalmá-la — porém, sem grandes sucessos.

— Você nem pense em defendê-los! Você sabe muito bem o que esses dois andam fazendo aqui! — Gritou, virando seu olhar para seu Pokémon, Lucario gelou, ele nunca havia visto sua dona com raiva. — Já disse e não irei repetir! Para fora!

Os gêmeos mantinham-se estáticos, cada palavra, cada frase partia seus corações em milhares de pedaços, sua única amiga, a pessoa que eles mais confiavam estava os tratando como todos os outros, como dois ninguém, dois inúteis. Um envelope branco caiu do moletom de Jack, parando nos pés da raivosa mulher de cabelos roxos, em uma perfeita caligráfica ele dizia:

Para Sul-chan :3

Lágrimas atingiam o chão, era uma cena deprimente, dois jovens que sempre estavam sorrindo tinham reduzindo-se à lágrimas, um forte choro era ouvido por todo ginásio de treinos. Com uma voz melosa e rouca eles murmuraram ao mesmo tempo:

— Tu-tu-tudo bem… Nos enganamos, de novo… Salvamos você, compartilhamos bons momentos e é assim que nos retribui? Damos o nosso amor… Tudo bem, nós vamos embora… Fique com seu ginásio, fique sozinha nele… Você é igual a todos os outros!

Calmamente, Jack e Naomi, passaram pela mulher, de cabeças baixas, sem pensar em encará-la.  A expressão de Sul era de mais puro ódio até ouvir essas palavras vinda dos dois — pouco a pouco — a mulher foi refletindo no que disse e no que acabara de ouvir. Ver aqueles dois chorando estava dando-a um forte aperto no peito, lentamente, ela virou seu olhar para seu Lucario. O Pokémon a olhava com desprezo, de braços cruzados enquanto negava aquilo com a cabeça.

Sul se agachou e pegou o envelope do chão, o mesmo que havia seu apelido perfeitamente escrito. A mulher o abriu calmamente e viu seu conteúdo: três passagens de avião para Alola, acompanhados por uma carta.

Sem hesitar, ela a leu:

 

“Sul-chan, nos desculpa?”

 

“Sabemos que não fomos muito legais com você, nos arrependemos disso, tentamos ao máximo mudar, mudar por você… Falhamos muitas vezes, mas nunca deixamos de tentar, pois, amamos você :3 <3.

Sul-chan, você é nossa melhor amiga, nossa única amiga também ^^’… Sempre fomos sozinhos, mas você nos aceitou como nós somos :D… Por isso, queremos convidá-la para tirar férias conosco na região tropical de Alola.

Você aceita? *--*

Pequenas lágrimas começaram a cair em cima da carta, Sul não conseguia parar de tremer, a mulher estava visivelmente arrependida do que acabara de fazer. No único movimento que ela conseguiu fazer, correu em direção aos dois jovens tristonhos e chorosos, que já tinham passado pela primeira porta, ou simplesmente, shõji.

Sem perder tempo ela os abraçou fortemente, quase derrubando-os no chão cheio de pegadas lamacentas, acompanhado por um alto choro Sul disse:

— Me-me-me perdoem, por favor! Eu… Eu não queria magoar vocês… Eu estava cega de raiva pelo que fizeram, não estava raciocinando direito, disse aquilo tudo por impulso… Por favor… Vocês tem que me perdoar… Eu… Não sou que nem os outros, eu juro! Eu sou grata pelo que fizeram por mim, por me salvarem, e pelos momentos felizes que tivemos... por favor… Não quero que isso acabe, não desse jeito!

— Sul...Chan? — Perguntou Jack. Ele e sua irmã pareciam confusos e surpresos, não sabiam como reagir, às palavras da morena ainda ecoavam em suas cabeças. — Palavras podem machucar…

— Nós ainda estamos tristes… Você foi malvada… Muito malvada. — Comentou Naomi, a jovem punk foi a primeira a se virar e retribuir o abraço. — Mas eu desculpo você.  

— Eu sei que palavras podem machucar… Mas eu estou pedindo o perdão de vocês… Eu me arrependo pelo que disse, Jack. — Disse Sul entre soluços. — O que eu preciso fazer para vocês me perdoarem?

— Ser nossa amiga! — Num rápido movimento Jack virou-se e a abraçou também, tanto ele quanto sua irmã não paravam de chorar. — Não queremos ficar sozinhos de novo!

— Não se preocupem, não irei deixá-los sozinhos nunca. Vocês são meus amores, e não irei abandoná-los. — Respondeu Sul, pequenas lágrimas ainda escorriam de seu rosto enquanto abraçava os dois.

— Olha… Ela admitiu que ama eles em público de novo… Se não me engano, ela só fez isso na abertura do torneio. — Comentou Matheus, o garoto continuava vendo o show dos três. — Eu te disse, eles são legais de se ver, mas é um mais chato que o outro para conversar…

— Será que dá para ficar quieto? — Perguntou Luna enfurecida.

— Calma ai, vai me expulsar do ginásio também? — Perguntou ironicamente. — Olha que eu abro o berr-

O garoto foi interrompido por um golpe certeiro de Lucario, Matheus caiu no chão inconsciente, enquanto o Pokémon Aura batia suas mãos, limpando a poeira nelas.

— Eu te disse… — Murmurou a jovem com uma gota na cabeça enquanto fitava o garoto nocauteado no chão.

Enquanto toda essa cena rolava, olhares curiosos acompanhavam tudo, três jovens moças encaravam toda aquela situação — curiosas e um tanto surpresas — elas não conseguiam ouvir direito o que eles estavam dizendo, mas, nem precisavam. Para as três era algo bem previsível.

Uma simples troca de olhares foi o suficiente para descreverem toda aquela situação, um tanto, vergonhosa: puro drama, era isso que elas pensavam enquanto davam uma leve risadinha.

Sul, ainda abraçada com os gêmeos, ouviu a pergunta vinda de Jack:

— Aceita nosso convite?

— Precisa perguntar? É claro que aceito! — Respondeu Sul, seu tom se normalizara, contudo, ela ainda dava alguns soluços. — Enquanto à vocês dois? Querem vir conosco? — A mulher fixou seus belos olhos amarelos em Luna e Matheus, a garota cutucava o rapaz, na esperança que ele acordasse.

— Quem? Nós? — Perguntou Luna, surpresa com a proposta inesperada. — Nã-não podemos ir.

— Por mim tudo bem… — Murmurou Matheus, ainda tonto com o golpe, porém, antes de poder fazer qualquer coisa começou a levar chutes de Luna.

— Nada disso, não podemos ir! Iríamos ficar de hóspedes, e mal conhecemos ela direito. — Comentou a moça de cabelos castanhos.

— Fala isso por você, pois eu já vi esses três algumas vezes! Por que acha que eu não parava de comentar a treta? — Questionou o rapaz, pondo-se de pé, porém, uma dúvida surgiu em sua cabeça. — Espera… Por que está nos convidando mesmo?

— Para compensar a meditação interrompida. — Respondeu Sul calmamente. Ela ainda aguentava os gêmeos em seus braços, suas mãos passeavam pelos cabelos deles, fazendo-lhes um gostoso cafuné. — Então, vocês aceitam?

Matheus e Luna se entreolharam por uns segundos, eles não sabiam o que responder, e a jovem de cabelos castanhos estava com vergonha de aceitar. Com um suspiro pesado, o garoto respondeu:

— Ok, nós aceitamos, se não atrapalharmos nada, claro.

— Não precisam se preocupar, não farão nenhum incômodo. — Comentou a morena alegremente.

“Pra quem aguenta esses dois todo dia… Realmente, nós não somos nada…” — Pensou o rapaz, rindo sarcasticamente.

— Arrumar as malas… — Murmurou Naomi. — Eles tem que arrumar as malas, o voo é dentro de uma hora...

— Claro, vocês dois tem uma hora para arrumar suas malas, se não deixaremos vocês aqui e iremos sem vocês. — Falou Sul, calmamente, como se fosse a coisa mais normal do mundo.

— Uma hora?! Temos que correr, não vamos conseguir! — Gritou Luna desesperada ao ouvir o tempo dado.

— Não vamos mesmo! A Luna leva duas horas para escolher a blusa que ela vai pôr de manhã! — Gritou Matheus de volta. — Nos encontramos no Aeroporto, vamos ter que dar um pulo no Centro Pokémon.

Assim, os dois jovens saíram em disparada do dojo, não deixando nem rastros para trás. Lucario fitava aquilo enquanto dava leves risadas, escondendo com sua mão. Mesmo depois disso tudo, Sul, ainda estava abraçada com os dois gêmeos.

— Irmão, irmão, fomos malvados demais? — Perguntou Naomi, rindo.

— Irmã, irmã, o voo não tem hora para sair… Eles vão correr à toa. — Finalizou Jack com um sorriso travesso no rosto. — Sul-chan, você também tem que arrumar as malas!   

— Eu sei, eu sei… Vão me deixar para trás também se não arrumá-las em uma hora? — Brincou a morena se soltando do forte abraço. — Se precisarem de mim estarei no meu quarto arrumando as minhas malas. Venha Lucario, você irá me ajudar.

O Pokémon Aura assentiu e caminhou calmamente até sua dona. Assim, os dois também deixaram o dojo, e caminharam até a escadaria que levava-os para o segundo andar, deixando Jack e Naomi sozinhos, eles suspiraram e pegaram suas capas jogadas no chão.

— Saudades da mamãe… — Comentou Naomi. — Ela disse que vai nos encontrar no hotel?

— Não lembro, vamos descobrir quando chegarmos lá. — Retrucou Jack. — Vamos, temos que comprar nosso estoque de doces!

— Doces! — Comemorou Naomi saltitante enquanto deixavam o ginásio.

Os olhares das três espiãs parou de focar-se no ginásio quando ele ficou vazio, elas estavam se encarando, animadas com o que acabaram de ouvir, ambas adorariam participar da viagem até a bela região de Alola.

(...)

O aeroporto de Steel Down Town era sempre bem movimentado, entretanto, hoje estava um verdadeiro inferno! Milhares de pessoas iam de um lado para o outro enquanto falavam no celular, eram executivos e advogados. Alguns turistas faziam filas para pedir informações e a fila para o voo de Alola dava voltas e mais voltas. As pessoas estavam irritadas e muitos queriam explodir de raiva devido ao choro de algumas crianças.

Matheus e Luna estavam parados impacientes.  

— Uma hora… — Comentou Matheus. — Corremos para arrumar nossas malas e nem aqui eles estão!

O rapaz de cabelos castanhos bagunçados segurava uma mala bem mal arrumada, seus olhos negros demonstravam muita impaciência. Ele usava uma blusa havaiana florida toda amarrotada, uma bermuda azul-claro e sandálias de praia pretas. Estranhamente o jovem usava um colar de flores, que chamava a atenção de quem passava.

— Calma, eles já vão chegar. — Disse Luna. — E por Arceus, tire essa droga de colar! Está passando vergonha!

Luna estava extremamente corada por estar de mãos dadas com Matheus, porém, não era exatamente isso que causava-lhe vergonha. Os olhares que seu namorado recebia eram insuportáveis! Luna, que estava toda arrumada, ao lado de alguém todo largado. A jovem de cabelos castanho-claros vestia uma linda regata rosa-clara, bem passada, uma saia verde rodada, tênis branco de cano médio, um estiloso chapéu de praia e óculos escuros.

— Achei vocês dois! — A voz de Sul chamara atenção de todos da fila, calmamente ela se aproximou do casal, Luna e Matheus, ignorando os olhares que recebia.

A bela morena de cabelos roxos usava a parte de cima de um biquíni azul-escuro, uma grande saia vermelha-escura, que alcançava o chão, em suas orelhas lindos brincos de diamante chamavam a atenção. Ao seu lado havia um Lucario de óculos escuros, que parecia ser um segurança bem engraçado.

— Vamos, vocês estão no lugar errado! — Comentou Sul puxando os dois para fora daquela gigantesca final.

Eles caminhavam apressadamente pelo aeroporto, desviando de várias pessoas ao mesmo tempo. O objetivo dos três era chegar na pista de pouso, onde um avião particular estava à espera deles.

Enquanto não chegavam, Sul, revelou-lhes a pequena pegadinha dos gêmeos.

— Eles nos fizeram correr à toa? — Perguntou Luna enquanto era puxada pela morena.

— Pff… Já estava demorando alguma pegadinha daqueles dois. — Ironizou Matheus ajeitando o colar de flores em seu pescoço.

— Quer tirar essa droga de colar? — Questionou Sul. — Ele está me incomodando seriamente!  

— Eu tô muito diva com ele! — Gritou o garoto no meio de uma multidão.

Nesse momento as duas pararam e o encararam com as sobrancelhas em pé, suas expressões diziam: É sério isso mesmo? Luna corou de vergonha quando as pessoas começaram a rir, Sul, abaixou a cabeça, agarrou os dois e os puxou com mais força.  

— Eu só passo vergonha nessa cidade… — Comentou entre um suspiro.

Quando chegaram na pista de pouso depararam-se com um luxuoso jatinho negro como a noite, os gêmeos estavam parados na porta de embarque, eles ainda usavam as mesmas roupas de antes e estavam se deliciando com uma barra de chocolate.

Ao avistarem os três os afirmaram ao mesmo tempo:

— Estão atrasados!

— Por que será? — Perguntou Matheus fingindo uma expressão confusa. — Isso não importa mais, nós já estamos aqui e Sul já tomou sua dose de vergonha matinal. Podemos ir, por favor?

— Claro. — Respondeu Jack.

— Sintam-se em casa. — Completou Naomi. — É open bar, tem salgadinhos e televisão. Só não sujem as poltronas ou euzinha aqui vou ter que jogá-los para fora do avião.

— Nem precisa mandar duas vezes, se precisarem de mim, estarei no open bar. — Avisou o rapaz entrando no avião.

— Obrigada por nos convidar… Eu deveria ter dito isso mais cedo… — Murmurou Luna sem graça.

Dito isso eles embarcaram. Por dentro, o jatinho, era simplesmente incrível, e ao mesmo tempo, luxuoso. Era um grande corredor, com um grande sofá vermelho cheio de almofadas encostado na parte direita e vários puffs espalhados na parte esquerda, assim como uma TV de quarenta e duas polegadas presa no teto. Ao fundo estavam os banheiros e dois pequenos frigobares encostados na parte direita, atrás de um balcão cheio de copos e bebidas.

Matheus já estava enchendo a cara com um bom copo de whisky com gelo. A porta que levava para cabine dos pilotos estava fechada, pelo autofalante o capitão anunciou:

— Estamos decolando agora, tenham uma boa viagem. Ah, podemos ter um pouco de turbulência, mas, não se preocupem. Chegaremos em Alola dentro de oito ou nove horas.

Naomi e Jack jogaram-se em cima do sofá vermelho e começaram a fazer uma pequena guerra de almofadas, eles já não estavam usando quaisquer tipos de calçados, riam e se divertiam, sem se importar com os seus convidados. Luna e Sul sentaram-se nos puffs, elas estavam meio envergonhadas, porém, provavelmente logo se acostumariam com a viagem.

Enquanto Matheus enchia a cara ele ouviu um barulho vindo do banheiro, calmamente abriu a porta, nesse exato momento três figuras indistintas saíram de lá, num rápido reflexo o moreno pulou para trás. Ao analisá-las ele percebeu algo que o espantou, com um tom de surpresa afirmou:

— Vocês?!

 

Continua. . . .


Notas Finais


Críticas, sugestões, uma ajuda, ou um simples comentário são muito bem-vindos.
Espero que tenham gostado
Até o próximo, bye, bye!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...