História Buscarei vingança - Capítulo 30


Escrita por: ~

Exibições 19
Palavras 1.256
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 30 - Amordaçadas


Fanfic / Fanfiction Buscarei vingança - Capítulo 30 - Amordaçadas

Acordei com Romeu passando a mão nos meus cabelos.

Eu: Bom dia.

Romeu: Bom dia.

Eu: A quanto tempo você acordou?

Romeu: Tempo suficiente para pedir um café da manhã e ficar te observando dormir.

Eu dei um beijo na bochecha dele e fui fazer minhas higienizações.

Depois que me arrumei, tomamos café.
Ele pegou o celular.

Eu: Você está tendo sinal?

Romeu: Tem uns lugares que pega bem fraco.

Eu: Eu achei que...

Romeu: Descobrir hoje. Acalma, você está segura.

Eu: Tem um rastreador no meu celular ou você esqueceu?

Romeu: Eu já liguei para a RSC e eles mandaram uns seguranças para cá.

Eu: Eu disse que não era pra trazer.

Romeu: Por ontem.

Eu: Ta bom.

Romeu: Vou avisar aos seguranças que você esta acordada.

Eu: Até isso. Meu Deus. Seguranças em um motel.

Romeu: Foi bem esquisito quando eu disse a Sheldon.

Eu: Imagino.

Rimos.

Ele saiu.

Eu peguei meu celular, havia uma mensagem.

"Terá sua mãe de volta. Se fizer o que eu mandar. --O"

Romeu veio até mim com uma cara abatida.

Romeu: Juliet tenho que te contar uma coisa.

Eu mostrei a mensagem para ele.

Eu: Por isso que não queria que avisasse onde eu estava. Por isso que queria um lugar sem sinal.

Romeu: Calma. Já estão em busca dela.

Eu: Como ele conseguiu? Ela nem estava aqui.

Romeu: Ela chegou hoje. Pelo o que as câmeras de segurança mostram, ela saiu do aeroporto e de lá um homem sequestrou ela.

Eu: Meu Deus.

Romeu: Calma, você não está sozinha. Eles vão encontra-lá.

Eu: Se eu acontecer alguma coisa com ela... eu não vou me perdoar.

Romeu: Não vai.

Sheldon pediu para que você tomasse esses remédios, a doutora passou.
Você não pode se desequilibrar em um momento desses.

Eu: Minha mãe é sequestrada e vocês querem que eu fique tranquila?

Romeu: Só queremos que você não tenha uma crise.

Eu: EU NÃO VOU TER UMA CRISE.

Eu gritei.

Romeu: Tem certeza?

Eu: Desculpa.

Eu peguei os remédios e tomei.

Eu: Está me dando sono.

Romeu: Dorme um pouco. Eu não vou sair de perto de você.

Eu: Ta.

Eu deitei na cama e dormir.

Horas depois...

Acordei. Romeu estava sentado no sofá.

Eu fui até ele.

Eu: Que fome.

Romeu: Sabia e por isso pedir omelete.

Eu comi.

Eu: Estava ótima.

Romeu: Percebi.

Eu peguei meu celular e tinha uma mensagem.

"Saia do motel em menos de 5 minutos despecebida ou acontecerá algo ruim com alguém que você ama. --O"

Eu congelei.

"O tempo está passando, Tic tac. --O"

Romeu: O que foi?

Eu: Nada. E-eu vou dar um passeio por aí. Preciso relaxar.

Romeu: Eu vou com você.

Eu: Não precisa. Tem agente demais aí fora. Descansa um pouco.

Romeu: Tudo bem.

O disse que era pra mim sair despercebida mas não falou nada de ser seguida. É por isso que deixei meu celular no sofá como pista para Romeu.

Eu sair do quarto.

Fui caminhando lentamente pelo motel, já que era algo bem afastado, tinha muitas árvores e grama por fora.

Os agentes não desgrudaram de mim.

Eu: Vou no banheiro.

Agente: É logo ali.

Um deles apontaram.
Eu fui e eles foram atrás.

Demorei um pouco, estava pensando em como despista-los.

Eu: Não tem papel higiênico, alguém pega pra mim por favor. Eu tô com uma dor de barriga terrível.

Percebi que um tinha saído, restavam dois.

Na hora passou uma mulher linda, o que fez os dois olharem fixamente para ela. Dando a mim oportunidade de sair do banheiro.

Logo, eu sair e corrir para o mato.
Corri bastante até que fiquei perdida.

- Ooo eu tô aqui.

Ouvi um galho se quebrando.

- Gus? É você? Porque você está fazendo isso?

Senti alguém se aproximar.

- Você não precisa terminar, eu te perdoou.

Alguém me pegou por trás e colocou um pano no meu nariz com éter.
Eu desmaiei.

Horas mais tarde...

Flashback on

No sábado, um dia após o sequestro.
Eu acordei, dois homens me deram comida, e eu a comi.
Foi a primeira comida que estava com drogas, porém eu não sabia até agora. Então, até eu estar realmente dopada, demoraria um pouco.
Os homens ficaram na porta me observando e depois saíram.

Mais tarde, eu já estava dopada e totalmente tonta, um dos homens veio no lugar eu estava.
Eu estava bastante abatida e ele parecia estar preocupado.

Eu abria e fechava os olhos.
O homem me balançava desesperadamente e eu estava sem reação.
O outro homem veio até mim e tirou o homem que estava me balançando.

Eles ficaram parados na porta.
Um dizia "Você está louco? Se ela se lembrar..." e o outro respondia "Ela não vai".
Um deles tirou a máscara e a blusa, foi quando eu vi o rosto e a tatuagem nas costas. Eu sabia quem era ele, o Mike.

O Mike disse, "Entope ela de drogas, ela não vai se lembrar de nada", e o outro homem, o preocupado comigo, que estava mascarado apenas confirmou.

Ele me deu mais drogas e eu apaguei. Acordando só no domingo.

Flashback off

Eu acordei, estava tonta.

Eu: S-socorrro.

Olhei para frente e estava minha mãe amordaçada.

Me desesperei e comecei a me debater, já que estava presa em uma cadeira, toda amarrada.

Um homem veio em nossa direção.

Eu: Mike.

Ele deu um riso maléfico.

Mike: Você já sabia e fez esse teatro todo ou lembrou agora?

Eu cuspi na cara dele.

Eu: Podre.

Ele me deu um tapa na cara.

Mike: Matar seu pai foi bem chato. Então eu decidi que matar as pessoas que ele mais ama seria mais divertido.

Eu: Po-porque?

Ele andava de um lado para outro.

Mike: Você já sabe o porque.

Eu: Livio Olieyver é seu irmão?

Mike: Pai. Olieyver era meu pai. Mas seu pai não pensou nisso quando ele matou né.  Ele não pensou nos filhos dele. Mas agora é tarde.

Ele estava com uma expressão de ódio.

Eu: Filhos?

Mike: Axei que você já soubesse.

Ele puxou alguém que estava atrás de uma parede.

Eu: Gus.

Augustus: Li.

Mike: Olha, que lindo o amor.

Eu: Porque você?

Augustus: No começo eu queria tanto que aceitei a me juntar ao Mike para compactuar com a vingança.
Por isso me juntei a você, e eu me apaixonei.

Eu: Apaixonou? Isso aqui é paixão?

Augustus: E-eu te amo Li.

Mike: Ama nada.

Os dois riram, uma risada de dois psicopatas.

Augustus: Ela é bem fácil de ser enganada.

Mike: Que tola.

Augustus: Você acha mesmo que eu me apaixonaria por você?

Ele apertou minha boca.

Eu: Vocês são dois malucos.

Eu comecei a me debater e a gritar.

Mike: CALA A BOCA.

Eu continuei.

Mike apontou a arma para minha mãe.

Eu me acalmei.

Mike: Eu poderia matar sua mãezinha agora né. 

Eu: Não faz isso por favor.

Mike: Não vou fazer, não agora.

Eu: Me mate, mas ela não.

Mike: Amordaça ela Augustus e dê  drogas, de preferência às duas.

Eu: Por favor, não façam isso.

Mike: Devia pensar antes de deixar seu pai matar o meu.

Eu: Você esqueceu que também matou meu pai?! Eu e minha mãe não temos nada haver com isso.

Mike: Tem. Fomos burros de ter matado seu pai primeiro, mas enfim, vocês não merecem estar vivas.

Eu: E vocês que merecem?!

Augustus veio até mim e disse no meu ouvido bem baixinho.

Augustus: Sinto muito.

Me amordaçou e deu a mim e a minha mãe drogas injetáveis. 

Depois de uns minutos, eu desmaiei.


Notas Finais


Estão gostando? Haha, espero que sim.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...