História Buscarei vingança - Capítulo 33


Escrita por: ~

Exibições 16
Palavras 1.522
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 33 - Eu aceito


Fanfic / Fanfiction Buscarei vingança - Capítulo 33 - Eu aceito

Acordei. Fiz minhas higienizações e tomei café.

Estava no hospital ainda. ROMEU não estava mais do meu lado.

A médica entrou no quarto.

Médica: Hora dos exames.

Eu: Ok.

Eu fiz os exames e depois fiquei assistindo. Almocei e fiquei assistindo.

A médica voltou trazendo resultados.

Médica: Não sei o que aconteceu com você, mas está bem. Uns medicamentos e um verdadeiro milagre. Os hematomas estão desenflamando, a infecção que estava no seu braço por conta da bala diminuiu. Você já está liberada, mas precisa fazer umas visitas aqui. Esta tudo bem com vocês.

Eu: Vocês?

Médica: Desconfiei que você não estava sabendo. Fiz os exames hoje para confirmar. Você está grávida.

Pensei: Vômitos. E eu achando que era a droga.

Eu: Grávida? Eu não estou grávida. Não pode ser.

Médica: Mas está tudo bem. Vocês tem um saúde de ferro.

Eu: Mas eles deram muita droga.

Mãe: Na verdade eles deram a vocês Melatonina, um remédio que faz dormir e dar tontura.

Eu: Isso é alguma pegadinha?

Médica: Não. Vocês tiveram sorte.

Eu: Eu só tenho 17 anos.

Médica: Não tem idade para isso.

Eu: Minha mãe vai me matar.

Médica: Ou talvez ela vai amar.

Eu: Onde está Romeu?

Médica: Ele é o pai?

Eu: É.

Pensei: A noite do Motel. Meu Deus.

Médica: Ele está lá em baixo.

Eu: Ele sabe que eu estou ...?

Médica: Não. Faz um surpresa.

Eu: Eu posso sair da cama?

Médica: Pode. Foi como eu disse, você está liberada.

Eu: Eu vou lá.

Médica: Eu falei com o Romeu que você tem alta hoje e ele quer falar com você antes, estava bem preocupado.

Eu: Preocupado? Aí meu Deus. Será que a mãe dele...

Médica: Não fique estressada, o bebê está bem mas não pode arriscar.

Eu: Ele está onde?

Médica: Ele está no salão da recepção.

Eu: Ok.

Eu me ajeitei e desci da cama. Fui até o salão.

Pensei: Estranho.

Estava tocando a música Só pro meu prazer - Leoni.

Essa é a música que eu dancei no baile com o Romeu.

Nos corredores tinham pétalas de flores.

- Não acredito.

Pensei: Ele não está fazendo isso.

Eu continuei caminhando até que cheguei no salão da recepção.

Tinha algumas pessoas e Romeu estava em pé com um buquê de flores e me olhando.
Minha mãe e a mãe dele estavam em uma cama de hospital olhando a gente.
Ele me deu o buquê e depois eu pedi para uma mulher segurar.

Eu: Mãe? Tia? Meu Deus. O que está acontecendo?

Elas deram um sorriso.

Romeu: Eu e a Juliet nos conhecemos ainda adolescentes. Eu, um pouco mais velho que ela e por destino, vizinhos.
Todos diziam que combinávamos e que nossa paixão era maluca... até o pai dela aceitava e olha que ele me dava medo.

Eu dei um sorriso.
Ele andava de um lado para o outro.

Romeu: Nunca deixamos de gostar um do outro, mas definitivamente não estávamos preparados para evoluir como casal.
Foram alguns anos da maior felicidade.
Por um motivo, nos separamos. Poderia dizer que foi a melhor coisa que nos aconteceu. Depois de anos separados pudemos ter a dimensão da falta que fazíamos na vida um do outro. Não conseguíamos ser felizes sem a outra metade, mas tínhamos que mudar muito.
Resolvemos então dar um chance para mudança e nos livrarmos do passado.
Mas algo aconteceu e quando parecia que ia dar certo, mentiras vieram átona, resultando em um afastamento.
Éramos do tipo inseparáveis sendo sempre separados.
Mas talvez nossa historia tenha começado de trás pra frente, mas estamos encontrando alegria no dia a dia, sem ter roteiro nenhum para cumprir.

Eu: Romeu...

Ele ajoelhou na minha frente.

Romeu: Ju. O que mais me assusta e o que mais me fascina em você é essa  capacidade de sentir, se entregar, se liquidar, de tantos sentimentos, depois se tornar cinzas, quase morrer e conseguir renascer querendo amar de novo.
Sei que não somos um casal perfeito e nossa historia reconta todos estes erros, mas somos um casal extraodinário para nós mesmos, pois transformamos simples momentos na oportunidade de sermos felizes agora e não depois.

Ele tirou uma caixinha do bolso e abriu. Dentro havia duas alianças, fininhas e discretas.

Romeu: É por isso que neste momento quero dizer que quero continuar fazer parte desse filme, a cada dia da sua vida e para todo o sempre. Juliet Green, você aceita se casar comigo?

Nesse momento eu e ele choravámos.
Eu apenas assenti com a cabeça. Ele continuou ajoelhado.

Eu: Sim, é claro que aceito.

Todos bateram palma, ele deslizou a aliança pelo meu dedo e ela se encaixou perfeitamente.

Eu: Eu não sei como você gravou isso tudo, mas agora é minha hora de falar.

Romeu: Ficar todos esses dias sem você... Digamos que foram dias bem pensativos.

Eu ri.
Ele se levantou.
Todos faziam silêncio.

Pensei: Estamos no centro de um hospital. Romeu é louco.

Eu: Você teve tempo e agora eu vou no improviso, o que me deixa bem tímida pois vou falar e posso falar qualquer coisa na frente dessa gente toda, no centro de um hospital.

Todos riram e depois fizeram silêncio.

Eu: Não vou falar da nossa história, porque se eu fosse falar, íamos ter que acampar aqui.
Mas eu quero te dizer Romeu que eu sempre imaginei encontrar um homem que me trouxesse paz, conforto e que me aceitasse exatamente como eu sou. Aí eu conheci você, e você não era nada disso. Ao invés de paz, você trouxe um monte de novidades para minha vida. Ao invés de conforto, você trouxe um novo modo de pensar, novos lugares para conhecer. E ao invés de me aceitar como eu sou, você fez eu descobrir que eu poderia ser muito melhor. Nós somos muito diferentes, mas somos diferentes de um jeito que eu acho perfeito, porque a gente se complementa. Você é tudo que estava faltando na minha vida, e eu espero, sinceramente, poder ser o mesmo para você. O normal seria eu dizer agora ‘Nunca mude e continue a ser esse homem que eu amo’, mas na verdade eu vou dizer ‘Continue mudando, porque assim você continua mudando minha vida’. Eu te amo cada vez mais, e cada vez de um jeito novo.

Eu retirei a aliança da caixa e coloquei no seu dedo.

Ele estava chorando.
Nossas mães estavam emocionadas.
Romeu me abraçou.

Eu: Eu que sou a grávida,  eu deveria estar mais emocionada que vocês.

Romeu: Grávida?

Eu: Agora somos em três.

Romeu: E-eu vou ser pai?

Mãe: Eu vou ser avó?

Helena: Minha nossa senhora.

Romeu me pegou no colo e me levantou.

Romeu: EU VOU SER PAI.

Ele gritou.

Médica: Ainda estamos em um hospital.

Romeu: Desculpa.

Eu: Não era pra ser agora mas...

Mãe: Eu vou ter um neto. Jesus Cristo.

Médica: Acho que tivemos muitas emoções por aqui. Isso pode prejudicar suas mães.

Mãe: Prejudicar? Essa notícia é maravilhosa.

Helena: Já estava na hora.

Nós enchugamos as lágrimas.

Eu: Bom gente, ainda estamos no hospital e o pessoal precisa trabalhar.

Romeu: Eu te amo Juliet. Você e nosso filho.

Nos beijamos.

Helena: É como a Ju disse, ainda estamos no hospital.

Eu ri.

Eu: Vamos arrumar isso aqui.

Romeu: Deixa comigo. Você esqueceu que tá em situação complicada.

Eu: Não tá fácil.

Ele riu.

Uns enfermeiros levaram nossas mães para o quarto delas.
Romeu e mais um pessoal arrumou a bagunça e eu fiquei esperando ele.
Fomos nos despedir de nossas mães e depois fomos para minha casa com o carro dele.

Eu: Enfim, casa.

Romeu: Ainda não caiu a ficha que eu vou ser pai.

Eu: Eu sou mãe com 17 anos Romeu.

Romeu: A mãe mais linda do mundo.

Eu ri.

Eu: Vou tomar um banho.

Romeu: Também.

Eu e ele fizemos nossas higienizações e depois sentamos para assistir.

Eu: Isso aqui me traz lembranças.

Romeu: Porque não viajamos?

Eu: Viajar grávida?

Romeu: É.

Eu: E o trabalho?

Romeu: Tem afiliadas da RSC em tudo que é lugar. Se precisarem de mim, eu ajudo. Você precisa de algo novo, de umas férias, precisa esquecer tudo de  ruim que aconteceu com você.

Eu: Tem a faculdade.

Romeu: Depois do casamento.

Eu olhei a aliança.

Eu: Seria muito apressada se perguntasse o dia?

Romeu: Que tal em Havaí?

Eu: Havaí?

Romeu: É. Minhas condições estão melhores, podemos viajar.

Eu: E mesmo que não tivesse, não importaria. Eu também vou bancar essa viagem. E a família?

Romeu: Elas estão bem grandinhas né. Minha mãe tem um namorado novo.

Eu: Nem me fale da minha.

Romeu: O dia? Qualquer dia. Não precisa ser algo grande.

Eu: Nem eu quero isso tudo.

Romeu: Só tem um problema. Você precisa dar seu depoimento no julgamento do Augustus.

Eu: Vai ser que dia?

Romeu: Amanhã. Achamos que seria melhor fazer o mais rápido possível e de preferência, você ou sua mãe precisariam comparecer.

Eu: Ta bom, eu dou o depoimento e viajamos quando nossas mães estiverem bem.

Romeu: Tá

Eu: Vamos de filme?

Romeu: Truque de mestre.

Eu: Pode ser.

Assistimos o filme, depois jantamos e  por fim, dormimos juntos.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...